activa

Perfil

Estilo de Vida

Mulheres solteiras e sem filhos são mais felizes e saudáveis

Diz um especialista.

Activa.pt

Peter Griffith

Se é a única solteira e sem filhos do seu grupo de amigas e já sente alguma pressão para subir ao altar e/ou tornar-se mãe, temos boas notícias para si: é capaz de ser mais feliz e ter uma vida mais longa tal como está.

Em declarações ao The Guardian, o professor de ciências comportamentais Paul Dolan disse que "embora as pessoas casadas sejam mais felizes que outros subgrupos da população," isso só se aplica "quando o cônjuge está presente e lhes perguntam quão felizes são."

"Se o companheiro não estiver presente: miséria total," acrescentou Dolan, que dá aulas na London School of Economics. "As mulheres que nunca foram casadas ou tiveram filhos são o subgrupo da população mais saudável e feliz ."

Os comentários de Dolan vêm a público pouco depois do lançamento do seu livro intitulado Happy Ever After: Escaping the Myths of the Perfect Life, que, segundo o The Guardian, reflete sobre dados do American Time Use Survey (ATUS). Um inquérito conduzido anualmente desde 2003 nos Estados Unidos e que conta com a participação de diferentes tipos de pessoas - solteiras, casadas, separadas, divorciadas e viúvas - para comparar níveis de felicidade.

Curiosamente, verificou-se o oposto nos homens. Ou seja, eles pareciam beneficiar mais do casamento do que as mulheres porque, como explica Dolan, "acalmaram" depois de 'darem o nó'.

"[os homens] Correm menos riscos, ganham mais dinheiro no trabalho e vivem um pouco mais," disse o especialista. "Ela, por outro lado, tem de aturar isso e morre mais cedo do que se nunca tivesse casado," continuou. "Temos alguns bons dados longitudinais que seguem as mesmas pessoas ao longo de um determinado período, mas vou fazer um enorme desserviço a essa ciência e apenas dizer: se é um homem, provavelmente deve casar-se; se é mulher: não se incomode."

As mulheres de meia-idade que são casadas também viram um aumento em potenciais doenças mentais e físicas, afirma o professor, citado pela publicação.