activa

Perfil

Filhos

10 Maneiras de Impedir que o seu Filho se Torne um Pequeno Ditador

Em 'O Pequeno Ditador' (Ed. Esfera dos Livros), o psicólogo Javier Urra mostra como impedir que o amor pelo nossos filhos lhes estrague a vida: a deles e a nossa. Saiba como.

Os nossos filhos são pequenos ditadores? Não, que ideia. São uns amores de umas crianças, e afinal não se pode exigir a uma criança que seja perfeita… Pois não, mas também há coisas que, segundo o psicólogo Javier Urra, nem a uma criança se admitem.

1.Saber o que são - Afinal, o que é um pequeno ditador? “São crianças caprichosas, sem limites, que dão ordens aos pais, organizam a vida familiar e chantageiam quem tenta travá-los. São crianças com insensibilidade emocional, escassa responsabilidade perante um castigo, e dificuldades para desenvolver sentimentos de culpa, bem como escasso apego aos pais ou a outros membros da família.”

2 – Educá-lo desde pequeno - Os pequenos ditadores não nascem, fazem-se. Como é que isto se impede? “Educando-se as crianças desde pequenas para a autodisciplina, o altruísmo, a generosidade, a compaixão, o perdão e a empatia, e transmitir uma vivência positiva das intenções alheias”. Isto dá trabalho? Talvez não tanto como isso…

Com 3 anos já se nota um tirano. “Não só porque atira os brinquedos mas porque se sente feliz quando os apanhamos. Não porque seja caprichoso, porque todas as crianças são, mas porque se sente bem mantendo o outro esmagado. Mais, vai experimentar que coisas nos pode fazer para ver que é ele que tem o controlo.”

3 - Abolir a ‘educação analgésica’ - Ou seja, as crianças, desde muito pequenas, devem aceitar o que significa um não, e assumir frustrações sem reconvertê-las em violência ou agressividade. “São os pais que devem moldar os filhos, não os filhos que devem moldar os pais – agradar aos filhos para evitar contradizê-los causa-lhes confusão.”

4 - Não colocar a criança num pedestal - Os filhos não devem ‘estar primeiro’, defende Javier Urra, e “não se deve considerar o filho um tesouro que nunca se deve contrariar e nunca deve sofrer”. Claro que a nossa sociedade de filhos únicos tornados preciosos não ajuda: queremos que eles tenham tudo, e que não sofram nada. Achamos que isso é que é ser bom pai ou boa mãe. Problema: as consequências podem ser um ‘pequeno ditador’. Portanto, afirma Urra, a criança tem de entender desde bebé que a vontade dos pais é mais forte que os seus impulsos.

5 – Pôr a relação de casal em primeiro lugar – A mãe ensina que o mais importante da casa é o filho e não o casal, e isto é um erro. A criança é apenas mais um”, defende Javier Urra. Portanto, não tem de renunciar à sua vida nem às necessidades de casal, e não faz mal nenhum que as crianças passem algum tempo sozinhas. “Há que educar a criança para ter independência emocional: tem de aprender a entreter-se sozinha, a desenvolver a imaginação, a saber que em alguns momentos tem de brincar no seu quarto sem a presença dos adultos.”

6 - Não o encher de brinquedos – “Os melhores brinquedos são pais disponíveis para brincar, amigos, tempo e um lugar para se poder sujar”. Não tem de abolir a televisão, mas veja com eles de forma crítica, vacinando-os contra a avalanche publicitária e as mensagens sexistas.

7 – Educar para a empatia – Stressamos porque ele não tem boas notas, mas nunca nos preocupamos com o facto de não ser boa pessoa, talvez porque achamos que isso está garantido. Mas não está. Também é preciso educar para a empatia, para a solidariedade e para estar atento aos outros. “É essencial formar na empatia, ensinando-os para que aprendam a pôr-se no lugar do outro, naquilo que sente, naquilo que pensa”, aconselha Urra. “A empatia é o grande antídoto contra a violência.”

8 – Ensiná-lo a pensar – O que está bem e mal? Porque é que as coisas acontecem como acontecem, porque é que as pessoas fazem o que fazem? De que forma ele pode ser útil aos outros? Habitue-o não a julgar os outros mas a pôr-se no lugar deles. “É necessário instaurar um modelo de ética utilizando o raciocínio, a capacidade crítica e a explicação das consequências que o seu comportamento terá para os outros”, explica Urra. “E aumentar a sua capacidade de diferir as gratificações, de tolerar frustrações, de controlar os impulsos, de relacionar-se com os outros. Devemos fomentar a reflexão como contrapeso da acção.”

9 – Educá-lo na alegria e no otimismo – Tenha um bom ambiente em casa, caloroso, descontraído e criativo: não devolvemos o amor que não recebemos.

"Não devemos prestar atenção à criança apenas quando tem comportamentos inadequados. Pode fomentar um comportamento positivo com uma recompensa e um elogio. Os sermões só servem para aborrecer. Quando os filhos se portam mal, ralhar-lhes, criticá-los, bater, gritar ou discutir só reforça o mau comportamento.”

Portanto, dê-lhe mostras de que gosta dele, elogiando os seus esforços. “É contraproducente não lhe explicar as coisas, permitir-lhe que desobedeça, gritar-lhe, bater-lhe ou desprezá-la, e enervar-se.”

Portanto, trate-o com respeito, amor e consideração: e exija o mesmo da parte dele. É simples, não é?

    newsletter

    Receba GRÁTIS no seu email as notícias que selecionamos para si!