activa

s

Perfil

Moda

Portugal Fashion: A ternura dos 40

Depois de Nova Iorque, Londres, Paris, Milão e Lisboa, o Portugal Fashion chega à cidade invicta para festejar a 40ª edição. Ao longo de três dias assistimos ao espetáculo da moda portuguesa, num total de 31 desfiles.

Rosália Costa

1 / 4

Foto Ugo Camera

2 / 4

Foto Ugo Camera

3 / 4

Foto Ugo Camera

4 / 4

Foto Ugo Camera

1 / 4

Foto Ugo Camera

2 / 4

Foto Ugo Camera

3 / 4

Foto Ugo Camera

4 / 4

Foto Ugo Camera

1 / 5

Foto Ugo Camera

2 / 5

Foto Ugo Camera

3 / 5

Foto Ugo Camera

4 / 5

Foto Ugo Camera

5 / 5

Foto Ugo Camera

1 / 5

Foto Ugo Camera

2 / 5

Foto Ugo Camera

3 / 5

Foto Ugo Camera

4 / 5

Foto Ugo Camera

5 / 5

Foto Ugo Camera

1 / 5

Foto Ugo Camera

2 / 5

Foto Ugo Camera

3 / 5

Foto Ugo Camera

4 / 5

Foto Ugo Camera

5 / 5

Foto Ugo Camera

O Portugal Fashion completa agora a 40º edição do evento, que teve desde a sua génese como objectivo dar a conhecer o melhor da moda portuguesa. Num único evento une-se a criatividade de jovens criadores, dos designers mais consagrados, de marcas de pronto a vestir e calçado. Celebra-se a qualidade da indústria portuguesa e o design, que tem conquistado público além fronteiras. O Portugal Fashion continua a trabalhar lado a lado com os designers para a internacionalização, como provas dadas de sucesso. Luís Buchinho é um dos bons exemplos destas ações, atualmente o criador já exporta cerca de metade das coleções.

- A reviravolta de Pedro Neto

O primeiro dia de Portugal Fashion arrancou com os desfiles do Bloom. O Palácio dos Ctt foi o palco por onde desfilou a coleçãoo “Afloat” de Pedro Neto. O próximo outono/inverno é uma autêntica revolução no registo do criador, que apostou em silhuetas femininas. O quadro pré-rafaelita de John Williams Waterhouse – The Lady of Shalott, inspirou o criador para looks mais românticos, com pérolas, rendas e veludo. Os materiais são uma das grande preocupações do designer. “Demoro cerca de três semanas só a escolher tecidos. Tento escolher sempre empresas portuguesas. No caso veludo criamos um veludo com um estampado de espinha e plissados”, conta-nos. O styling é outro dos segredos para que o desfile conte uma história. “Faço alterações quase até ao último minuto. Basta mudar uma peça para alterar completamente um look. Por exemplo tinha uma saia romântica conjugada com uma camisa de renda e decidi colocar um casaco à cintura para um efeito mais cool”.

- O “embrulho” de Maria Kobrock

A jovem designer Maria Kobrok quis usar o embrulho como metáfora para a construção de uma identidade social. No desfile várias modelos usaram um adesivo na boca em contraste com as propostas delicadas e romântica. O inverno de Maria Kobrock é pintado de azul bebé e de branco.

- A noite e o dia de Katty Xiomara

Depois de Nova Iorque, “El toro enamorado de la aluna” de Katty Xiomara chegou à cidade invicta. A designer apresentou uma coleção onde não faltou brilho, inspirado nas estrelas e nos reflexos do rio. “Estas são as peças mais procuradas pelas minhas clientes”, conta-nos no final do desfile. Katty quis mostrar o amor do dia pela noite, numa coleção cheia de mistério, onde predominam as sedas, lãs e malhas. A paleta de cores não podia ser mais variada, looks em total black com motivos da floresta estampados ou vestidos brancos com gola em peter pan, numa versão mais romântica.

- O novo mundo das redes sociais de Susana Bettencourt

A coleção Wear’art tem como inspiração a reflexão sobre o mundo das redes sociais. A criadora que se assume como “uma alma antiga” decidiu emergir nas magias do Instagram e quis comunicar com vários artistas para trocar ideias e conceitos. Assim nasceu o inverno de Susana Bettencourt repleto de quadros de jacquard, que tanto a caracterizam, e a geometria angular. As suas malhas feitas à mão vieram trazer cor à estação fria, no contraste entre o vermelho e o preto ou entre o amarelo e o azul elétrico.

- A celebração de Diogo Miranda

Celebrar o Passado, Presente e o Futuro. Foi isto que aconteceu no desfile de Diogo Miranda no Portugal Fashion. O criador comemorou dez anos de carreira e quis homenagear “as mulheres que me acompanharam”. E nada melhor do que fazer looks que as tornem ainda mais confiantes e poderosas. Não faltaram laços volumosos e folhos gigantes, dignos de fazer qualquer mulher sentir-se num autêntico conto de fadas. “É importante que as mulheres usem a roupa como um instrumento para alcançarem alguma coisa” , conta-nos Diogo Miranda no final do desfile. A pensar nisso criou look que muito femininos, que valorizam a silhueta e que fazem com que qualquer mulher se sinta sensual. Para além dos vestidos e das sais mais românticas, o bomber apresentado na última coleção está de regresso no próximo inverno para um efeito cool e urbano.

- Rock e monumentos na coleção de Luís Onofre

O próximo inverno de Luís Onofre os saltos ganham protagonismo, ao serem trabalhados em metal ou com pedras Swarovski. O criador inspirou-se na nas catedrais para criar botins e sapatos que são um autêntico monumento. As clássicas botas de montar estão de regresso com detalhes em metal.

-Os reflexos refletidos de Miguel Vieira

Miguel Vieira encerrou esta edição de Portugal Fashion e mais uma vez fez desfilar looks que destacam pela elegância. O preto e o branco foram as bases da coleção, que se destaca pela diversidade de materiais: lã, tecidos de alfaiataria, tecidos tech, rendas e imitação de peles. O resultado é uma silhueta feminina seja nos vestidos românticos em renda, nas saias plissadas ou nos vestidos com prints personalizados.

    newsletter

    Receba GRÁTIS no seu email as notícias que selecionamos para si!