activa

Perfil

Saúde e Beleza

Recomendações para prevenir alergias na primavera

Falámos com nutricionista Teresa Mariano sobre a forma como a nossa alimentação ajuda a prevenir os sintomas associados às alergias

Activa.pt

Qual a relação entre a alimentação e os processos alérgicos (abordar aqueles que não são diretamente relativos aos próprios alimentos).

São vários os tipos de alergias, hoje em dia, bem conhecidos e estudados como por exemplo: respiratórias, alimentares, cutâneas, etc. De entre as diferentes reações alérgicas conhecidas, as relacionadas com os pólens, sendo sazonais, são as mais típicas e características nesta altura do ano. Para quem sofre deste problema, a Primavera, pode, por vezes, não representar uma estação alegre onde as temperaturas mais amenas e os aromas que pairam no ar convidam a passar mais horas a desfrutar o ar livre.

A presença deste tipo de alergia, de um modo geral, deve-se à inalação de agentes alergénios que circulam no ar e que, nesta estação do ano se encontram em maior concentração no ambiente. O pólen das plantas é um exemplo destes agentes. Mas quando falamos de alergias, falamos especificamente de quê? Quando há contacto com um estímulo externo específico para o organismo e é desencadeado um mecanismo de defesa que envolve o sistema imunológico, com uma resposta exagerada, ou seja uma hipersensibilidade imunomediada, estamos perante um processo alérgico.

Espirros, tosse, prurido, irritações cutâneas, dor no peito, fadiga, apatia e insónias, são sintomas que fazem parte de um cenário comum e frequente para quem sofre deste tipo de alergia.

Quando falamos de sintomas associados e alergias, a questão que se impõe é, não haverá forma de minimizar esta sintomatologia? Parece que sim e aí a alimentação adequada e saudável, a par com a prática de atividade física e com um estilo de vida saudável podem ajudar. Falando especificamente de alimentação, hoje em dia, sabe-se, que um aporte adequado de alguns nutrientes, vitaminas e minerais podem exercer uma ação antioxidante, anti-inflamatória e fortalecedora do sistema imunológico, minimizando assim os sintomas referidos anteriormente.

É possível prevenir as alergias através de uma alimentação? De que forma?

É possível prevenir os sintomas associados às alergias através de uma alimentação adequada e saudável. Melhorar diariamente a alimentação de modo a aumentar o aporte de vitaminas e nutrientes no organismo, deve ser uma preocupação diária para quem sofre com estas situações, de maneira a reforçar o sistema imunitário e ajudar a controlar a ocorrência de alergias e/ou melhorar os sintomas associados.

Quais os alimentos/nutrientes que devem ser introduzidos e/ou retirados da nossa alimentação?

Começando pelos alimentos lácteos, destacam-se os iogurtes e os leites fermentados por conterem probióticos, como por exemplo o L-Casei, que auxiliam no fortalecimento do sistema imunitário.

Nas frutas cítricas, a laranja e o limão, têm uma ação de defesa celular, aumentando assim, a resistência a infeções respiratórias. Esta ação deve-se ao facto de serem frutas com valores elevados de vitamina C e por causa disso também os morangos contribuem para a referida defesa celular.

O ácido fólico, excelente antioxidante por participar na formação de células de defesa, está presente em alimentos como as leguminosas ou os produtos hortícolas verdes escuros (brócolos, agrião ou espinafres). Dentro dos produtos hortícolas, também a cenoura, a abóbora e a batata-doce contêm uma vitamina, com propriedades antioxidantes excecionais, a vitamina A, por ter uma ação ativadora do sistema imunitário. Alimentos ricos em alicina (substância ativa presente no alho) assumem uma ação anti-inflamatória e antibacteriana, muito importante.

Também os cereais integrais, devido à sua riqueza em fibra, indispensável ao bom funcionamento do organismo, participam no fortalecimento do sistema imunitário.

No grupo de alimentos da carne, pescado e mariscos, destacam-se alguns devido à sua riqueza nutricional. Pela presença em níveis elevados de ácidos gordos ómega 3, ácido gordo com uma forte ação anti-inflamatória, melhorando a resposta do sistema imunitário, devemos promover o consumo de peixes gordos, como por exemplo a cavala, a sardinha, o salmão ou o atum); pela riqueza em zinco, e por este mineral estar associado ao fortalecimento do sistema imunitário, deixando assim o organismo mais forte no combate a doenças causadas por vírus, fungos e bactérias, devemos promover o consumo de alimentos como a carne vermelha e as ostras.

Também os frutos oleaginosos e os óleos vegetais, devem ser incluídos na nossa alimentação diária. São muito ricos em Vitamina E, que estimula a produção de células que combatem os germes e as bactérias e protegem o corpo dos contaminantes ambientais, ou seja melhora a resposta imunitária. Alguns frutos oleaginosos como por exemplo, a castanha do Brasil, apresenta uma excelente riqueza em selénio, o que lhe confere propriedades excecionais no reforço do sistema imunitário, protegendo as membranas celulares da ação danosa dos radicais livres.

De maneira a incluir estes alimentos à sua rotina diária, de uma forma equilibrada, será fundamental a procura de apoio de um nutricionista para adequar o melhor plano alimentar às necessidades individuais.

Teresa Mariano, Nutricionista, elemento da Direção da Associação Portuguesa dos Nutricionistas

    newsletter

    Receba GRÁTIS no seu email as notícias que selecionamos para si!