activa

Perfil

Saúde e Beleza

Barriga no pós-parto: dicas para recuperar a forma

Já ouviu falar na Diástase dos Retos Abdominais?

Sâmia Fiates

Tetiana Mandziuk

Depois da gravidez, a maioria das mulheres fica com uma barriguinha saliente. É normal, faz parte, e quase todas as mães têm. Mas não há mal nenhum em querer sentir-se melhor consigo mesma. E para cuidar do corpo no pós-parto, é essencial perceber o que se passa com ele.

Diástase dos Retos Abdominais (DRA)

'A barriga de mamã' tem uma explicação e um nome: Diástase dos Retos Abdominais (DRA). Bem na parte da frente da barriga temos seis músculos principais, alinhados em duas colunas, o chamado “six pack”. Quando ocorre um estiramento excessivo da barriga, as duas colunas de músculos separam-se e formam uma divisão. Essa divisão é normal, é ela que propicia carregar um bebé na barriga por tanto tempo e também realizar outras tarefas normais como dobrar o tronco. A DRA ocorre quando esta divisão é maior que dois centímetros, o que faz os órgãos internos projetarem-se para fora. É assim que se forma a tal barriguinha.

D.R.

As causas mais comuns

O estiramento pode ocorrer em qualquer situação e com qualquer pessoa. Tossir, gargalhar e até os hábitos de exercícios e postura podem alterar a pressão na barriga e causar a DRA. E a gravidez também. Pesquisas mostram que 60% das mulheres desenvolvem DRA após 6 semanas do parto e 30% podem ter o estiramento até um ano após o nascimento do bebé. Os médicos dizem que o problema é mais comum em mulheres que têm bebés grandes, gémeos, já engravidaram antes ou são pequenas, com músculos abdominais muito justos. Mas a condição pode afetar mais mulheres do que se tem registado, já que muitas mães assumem a mudança no corpo após o parto e não buscam um diagnóstico.

Além da estética, quando a divisão tem mais de dois dedos de largura, outros problemas podem aparecer, como incontinência urinária, dores nas costas, problemas na digestão e redução de sensações durante relações sexuais.

Tratamento

Os especialistas concordam que há tratamento, mas não há um consenso sobre a forma certa de reduzir os efeitos do DRA. O ideal é procurar um médico ou fisioterapeuta para orientar cada caso. Fazer abdominais sozinha pode inclusive agravar o problema. Os exercícios feitos de forma errada e que forçam demais a barriga aumentam a divisão entre os músculos.

O importante é que o tratamento vai além dos exercícios abdominais. Trabalhar a musculatura do assoalho pélvico e os músculos transversais do abdome, por exemplo, é essencial durante e após a gravidez. O tratamento também pode incluir exercícios de respiração e uma reeducação postural.

Em alguns casos mais severos, os médicos podem optar por uma cirurgia de reparação. É um tratamento mais invasivo e com riscos, por isso a importância de uma avaliação médica muito cautelosa.

    newsletter

    Receba GRÁTIS no seu email as notícias que selecionamos para si!