activa

Perfil

Saúde e Beleza

9 doenças tipicamente associadas à depressão

O melhor remédio é a prevenção.

Activa.pt

ljubaphoto

A depressão é uma condição complicada nos mais diversos aspetos. E o pior é que pode, realmente, afetar a sua saúde, sendo as doenças crónicas as mais frequentes. Quer seja a depressão um sintoma de outra doença, ou a causa de outros problemas, o melhor é prevenir, estar atenta e, claro, procurar ajuda médica caso sinta algo errado. Veja 10 doenças que, de acordo com especialistas que falaram com a Health, surgem tipicamente associadas à depressão:

Cancro – esta é uma doença que nos pode deixar tristes, ansiosos, irritados, mesmo antes de ser diagnosticada. Os tipos mais propícios ao aparecimento de sintomas depressivos são os cancros gastrointestinais, sobretudo do estômago ou pâncreas. Os tratamentos contra a doença também podem levar ao surgimento de depressão, já que podem causar problemas de sono, náuseas e perda de apetite. Pessoas que estejam a passar por uma depressão também podem estar mais sujeitas a contrair alguma doença oncológica, devido aos maus hábitos que a ansiedade pode incitar, desde o consumo de álcool ao tabaco.

Problemas na tiróide - sendo uma glândula responsável pela regulação do metabolismo, a tiróide pode levar a depressão, em casos de hipotiroidismo ou hipertiroidismo. A boa notícia é que muitos dos medicamentos e tratamentos para problemas na tiróide são, hoje em dia, bastante eficazes.

Problemas de coração - De acordo com a American Heart Association, cerca de 33% das pessoas que têm um ataque cardíaco desenvolvem depressão, que, por sua vez, acaba por dificultar a recuperação. Pessoas deprimidas também têm, por norma, mais plaquetas sanguíneas, estando mais sujeitas a desenvolver aterosclerose, fator de risco para ataques cardíacos.

Dores crónicas - Quem sofre deste tipo de dores, pode desenvolver processos inflamatórios que, por sua vez, causam alterações de humor constantes e, eventualmente, depressão. Noutros casos, os sintomas depressivos podem chegar antes da depressão, como é, muitas vezes, o caso de pessoas com fibromialgia.

Diabetes – a depressão pode ser uma consequência da diabetes, mas também uma das causas para o agravamento da condição, já que pode levar a um desleixe no que toca à alimentação cuidada e toma de medicamentos. Os médicos acreditam também que ambas as condições têm algumas causas comuns - genéticas, hormonais ou imunológicas.

HIV – o vírus da SIDA pode, por si só, afetar o cérebro, o que, por sua vez, propicia o surgimento de sintomas depressivos.

Infeções - desde o herpes à hepatite C, várias são as infeções que podem levar a casos depressivos. Os especialistas ainda estão a tentar entender se a depressão é um fator de risco para infeções, se a própria infeção pode propiciar alterações de humor, ou se ambas têm “gatilhos” comuns.

Lupus – A depressão é comum em casos de doenças autoimunes, e o lupus – que pode afetar o cérebro e células nervosas - não é exceção. Os próprios sintomas da doença, desde febres inexplicáveis, a cansaço constante, podem levar à depressão.

Esclerose múltipla - a depressão pode ser um sintoma desta doença, mesmo antes do diagnóstico, indicando que a doença se está a desenvolver. A esclerose múltipla afeta zonas do cérebro responsáveis pela regulação do humor, afeta hormonas e mesmo o sistema imunitário, favorecendo o aparecimento de sintomas depressivos.