activa

Perfil

Saúde e Beleza

6 distúrbios inusitados na hora do orgasmo

Desde espirrar a sofrer de dores de cabeça, o prazer nem sempre vem bem acompanhado.

Activa.pt

meg380

O orgasmo é, provavelmente, das poucas coisas na vida acerca das quais podemos dizer "mesmo quando é mau, é bom". Ponto alto do prazer numa relação sexual, este pode, ainda assim, não ser tão prazeroso para alguns. Conheça seis distúrbios inusitados que afetam várias pessoas na hora H.

Espirros

Quer seja quando se atinge o orgasmo, ou pelo simples facto de se sentirem excitadas, algumas pessoas começam a espirrar. Na opinião dos cientistas, o grande culpado é o nosso sistema nervoso, ou algum distúrbio nas fossas nasais. Um descongestionante antes da relação sexual pode ajudar.

Orgasmos não vaginais

Especialistas têm procurado novos casos de mulheres que conseguem ter orgasmos não vaginais. Por exemplo, de acordo com registos, uma pessoa revelou sentir orgasmos frequentes no pé esquerdo. Os médicos suspeitaram de ligações cruzadas no sistema nervoso - os nervos dos pés e genitais atigem a coluna vertebral em zonas muito próximas - e curaram-na com anestesia.

Dores de cabeça

Estes casos dão-se, por norma, imediatamente antes ou durante um orgasmo. Esta pode ser uma situação passageira, que não precisa de tratamento, mas é sempre aconselhável que se consulte um especialista, já que pode ser causada por situações mais graves, como baixa pressão sanguínea. Para os mais sortudos, e de acordo com estudos, a relação sexual pode curar dores de cabeça pré-existentes.

Orgasmo doloroso

Infeções, feridas ou mesmo casos mais graves, como a endometriose, podem causar dor na hora H. Por norma, este tipo de orgasmo é precedido de ato sexual com algum tipo de desconforto ou dor. Consultar um ginecologista é a recomendação mais acertada.

Orgasmos múltiplos

Aparentemente, não há nada de mal com este tipo de prazer, certo? Não é bem assim. Para algumas mulheres, o mais ligeiro toque - desde calças apertadas ou apenas estar sentada - pode fazê-las atingir o orgasmo. A elevada frequência com que o atingem faz com que se torne doloroso. As causas desta condição, chamada Excitação Genital Persistente, ainda não são conhecidas, mas um ginecologista pode, após análise, elaborar um plano de tratamento.

Ausência de orgasmos

Será a ausência de orgasmos o tipo de orgasmo mais comum? Vários são os relatos de mulheres que nunca atingiram um orgasmo, e das que, a dada altura, já tiveram problemas em obter o máximo de prazer. Stress, drogas (incluindo medicamentos), traumas, problemas mentais e/ou físicos podem estar na origem do problema, pelo que deve consultar um especialista para tentar resolvê-lo.

    newsletter

    Receba GRÁTIS no seu email as notícias que selecionamos para si!