activa

Perfil

Sexo

Como as aplicações de namoro mudaram as antigas 'regras' de flirt

Num mundo em que o primeiro encontro é através dos ecrãs dos telemóveis, as antigas regras de namoro precisam ser substituídas. Nos relacionamentos da nova geração, homens e mulheres têm objetivos e papéis de igualdade.

Sâmia Fiates

martin-dm

Eram 10 horas da noite e Maria* já estava de pijama quando Erik*perguntou se podia vê-la. Ele voltava de comboio das férias e apanharia o autocarro para a sua cidade natal na estação que ficava perto da casa de Maria. Ela vestiu um agasalho por cima do pijama e desceu, sem se maquilhar. O primeiro encontro durou só 20 minutos, o intervalo de tempo entre a chegada do comboio e a saída do autocarro de Erik.

Maria foi viver na Suécia em abril de 2017. Ainda não tinha muitos amigos e foi através de uma sugestão dos colegas de trabalho que viu uma forma de conhecer pessoas e treinar a língua. Criou um perfil no Tinder no mês de agosto. No mesmo mês, houve 'match' com Erik, com quem conversou pelo chat durante três semanas. Na altura do primeiro encontro, aquele dos vinte minutos, os dois já sabiam quase tudo um sobre o outro.

“Acho que ficou mais fácil. Se não houvesse aquelas semanas de conversa, acho que não me sentiria à vontade. Como falávamos todos os dias e trocávamos muitas fotos das coisas que estávamos a fazer, senti que foi natural,” diz-nos sobre o atual namorado.

Um primeiro encontro dos tempos modernos. Foi através da aplicação que Erik deu o primeiro passo, mas já com a vantagem de ter a aprovação de Maria garantida. Não beijar no primeiro encontro, o homem é quem paga a conta, a mulher deve fazer-se de difícil, sexo só depois do terceiro encontro, a mulher não deve tomar a iniciativa… Maria é contra as supostas regras. Sobre o primeiro beijo, disse que “os dois tinham vontade, mas foram só vinte minutos”. Em casa, as contas são todas divididas: “não espero que ninguém pague as minhas coisas”, diz.

Segundo o psicólogo e sexólogo Tiago Lopes Lino, as 'regras' são coisa do passado. “Tem a ver com a independência que as mulheres estão a conquistar, o que é muito bom, mas muda a forma como eram os relacionamentos.” O especialista ainda diz que são os homens que têm maior dificuldade em lidar com esta mudança. “Na sedução, homens gostam dos desafios, mulheres extrovertidas e atraentes. Mas depois acham que não é mais preciso seduzir e criam regras para manter o controlo.” Tiago conclui que “é preciso aceitar que homens e mulheres são seres independentes. A assimetria no relacionamento não é saudável. Há regras muito necessárias de bom senso e respeito, mas não podemos querer mudar o outro.”

nito100

As novas regras para os relacionamentos virtuais

Com o amor na era da internet, a regra geral é que já não existem regras. Afinal, é impensável registar-se numa aplicação de encontros e não tomar a iniciativa ou fazer-se de difícil. Para a psicóloga e terapeuta familiar Cláudia Morais, “homens e mulheres recorrem às aplicações com os mesmos objetivos. Não faz sentido diminuir-se, ambos têm o mesmo valor. As aplicações ajudam a acabar com as diferenças.”

Carolina Santos, de 27 anos, não beijou o namorado no primeiro encontro. Mas não foi por estar presa às 'regras' de antigamente. A timidez está presente até na forma como fala daquele dia, com a voz baixa e num ritmo excitante. “Sempre tenho aquela dúvida, nunca tenho certeza absoluta se ele quer ou não, se eu tomo a iniciativa ou não. Sou meio envergonhada, não sei como ele pensa. Preferi ficar na minha.” Neste ponto, ter conhecido o atual namorado através do Tinder fez tudo ficar mais fácil. Carolina assume que fez a escolha com base na foto, mas depois de conversarem durante uma semana através da aplicação perceberam que tinham outras coisas em comum, e marcaram o primeiro encontro pessoalmente. “Ele deu a ideia de encontrar um dia que fosse melhor para os dois e nós saímos. A primeira impressão foi muito boa, era a mesma pessoa ao vivo.”

Pode já não haver regras de relacionamento, mas para encontrar quem se procura nas aplicações de namoro, sem dúvida existem algumas táticas.

1. Foto: Tiago Lopes Lino destaca que o primeiro fator que observamos num encontro amoroso ao vivo é a aparência e o segundo é a simpatia. Se adaptada a regra para o mundo virtual, a foto passa a ser a prioridade no perfil. Os dados do Tinder indicam que pessoas a sorrir na primeira foto recebem 20% mais matches. Fotos de pessoas a usar óculos, chapéus ou bonés reduzem as chances de 'matches' entre 12% e 15%. Fotos que mostram os passatempos e interesses tendem a atrair pessoas parecidas.
1 / 4

1. Foto: Tiago Lopes Lino destaca que o primeiro fator que observamos num encontro amoroso ao vivo é a aparência e o segundo é a simpatia. Se adaptada a regra para o mundo virtual, a foto passa a ser a prioridade no perfil. Os dados do Tinder indicam que pessoas a sorrir na primeira foto recebem 20% mais matches. Fotos de pessoas a usar óculos, chapéus ou bonés reduzem as chances de 'matches' entre 12% e 15%. Fotos que mostram os passatempos e interesses tendem a atrair pessoas parecidas.

CRISTIAN CASANELLES; CRISTIAN CASANELLES

2. Descrição: a autenticidade é o mais importante nas redes sociais, segundo Cláudia Morais. “O perfil deve traduzir as características de cada um. As pessoas tendem a não ter respeito pelas próprias características e tentam revelar mais do que são para corresponder às expectativas do outro. Depois, na hora do encontro, o comportamento não corresponde, desagrada o outro e acaba com a confiança na relação.”
2 / 4

2. Descrição: a autenticidade é o mais importante nas redes sociais, segundo Cláudia Morais. “O perfil deve traduzir as características de cada um. As pessoas tendem a não ter respeito pelas próprias características e tentam revelar mais do que são para corresponder às expectativas do outro. Depois, na hora do encontro, o comportamento não corresponde, desagrada o outro e acaba com a confiança na relação.”

RSMcLeod

3. Deixar os objetivos claros: se procura um namorado, um marido, um encontro informal… Mostrar claramente os objetivos é importante para “adiantar o caminho, perder menos tempo com o que não é para si, com relações que são mortas à partida”, diz Cláudia.
3 / 4

3. Deixar os objetivos claros: se procura um namorado, um marido, um encontro informal… Mostrar claramente os objetivos é importante para “adiantar o caminho, perder menos tempo com o que não é para si, com relações que são mortas à partida”, diz Cláudia.

franckreporter

4. Saber Escolher: beleza não é tudo, é preciso encontrar pontos em comum. “Na medida que sabemos o que procuramos, somos capazes de rejeitar o que não é para nós. Uma pessoa pode ser atraente, mas ter algo que não gera confiança”, diz a psicóloga Cláudia Morais. A especialista reforça ainda que “antes de marcar o encontro físico, é saudável falar pelo telefone para acrescentar novos dados. Ao falar ao telefone a pessoa está a revelar-se mais e é mais fácil prestar atenção aos sinais; perceber se há química.”
4 / 4

4. Saber Escolher: beleza não é tudo, é preciso encontrar pontos em comum. “Na medida que sabemos o que procuramos, somos capazes de rejeitar o que não é para nós. Uma pessoa pode ser atraente, mas ter algo que não gera confiança”, diz a psicóloga Cláudia Morais. A especialista reforça ainda que “antes de marcar o encontro físico, é saudável falar pelo telefone para acrescentar novos dados. Ao falar ao telefone a pessoa está a revelar-se mais e é mais fácil prestar atenção aos sinais; perceber se há química.”

wundervisuals

Tiago Lopes Lino destaca que aplicações como o Tinder ainda não são tão populares e nem bem vistas para encontrar um companheiro em Portugal. Como alternativa, o especialista cita as agências matrimoniais, que juntam pessoas com perfis compatíveis.

“A vantagem é que a pessoa preenche um cadastro mas depois tem entrevistas onde são feitas perguntas para corroborar ou não com o perfil apresentado. Algo que não acontece nas redes sociais, não há ninguém para checar.”

Para uns, as aplicações de relacionamentos podem não ser muito confiáveis, mas para outros, podem ser o caminho para encontrar um amor. No caso de Maria e Carolina, deu certo. Fica ao menos uma resposta: a internet foi mais eficaz que qualquer uma das regras de antigamente.

* nomes fictícios

    newsletter

    Receba GRÁTIS no seu email as notícias que selecionamos para si!