activa

Perfil

Sexo

O Tinder vai passar a alertar os utilizadores que visitem países com leis anti-LGBTQ

Para garantir a segurança das pessoas que pertencem a esta comunidade.

Activa.pt

D.R.

O Tinder deu um grande passo no que diz respeito à segurança dos seus utilizadores.

A popular aplicação de encontros lançou uma nova funcionalidade chamada Traveller Alert, que informa os utilizadores da comunidade LGBTQ de possíveis perigos em países com leis homofóbicas ou transfóbicas. Em termos práticos, quando uma pessoa chega ao seu destino, o Traveller Alert reconhece a localização e o perfil não aparecerá automaticamente no Tinder nessa nação, sendo que o dono da conta pode escolher se continua oculto ou não. Isto oferece proteção de agressores que possam estar à procura de alvos nas redes sociais.

"Essencialmente, acreditamos que toda a gente deve poder amar quem quer - e almejamos refletir isso em tudo o que fazemos no Tinder," disse Elie Seidman, CEO da empresa. "É impensável que, em 2019, ainda haja países com leis em vigor que privem as pessoas desse direito básico."

D.R.

Depois do sucesso do My Move, uma funcionalidade opcional que permite às mulheres enviarem mensagens às pessoas com quem fazem 'match' primeiro, o Tinder age assim no sentido de proteger os seus utilizadores da comunidade LGBTQ.

Recentemente, a app lançou uma opção de orientação sexual e identidade de gênero para oferecer uma experiência mais inclusiva, proporcionando oportunidades iguais e uma experiência mais específica.

"Servimos todas as comunidades, independentemente da sua identidade de género ou orientação sexual, e temos orgulho em oferecer funcionalidades que ajudam a mantê-las em segurança," acrescentou Elie.

D.R.

Existem, pelo menos, 70 países em todo o mundo com leis que criminalizam as pessoas LGBTQ. O Tinder desenvolveu esta nova funcionalidade com base nos dados do último relatório internacional "State Sponsored Homophobia Report", levado a cabo pela Associação Internacional de Gays e Lésbicas (ILGA, na sigla em inglês), para determinar em que países o alerta é necessário.

    newsletter

    Receba GRÁTIS no seu email as notícias que selecionamos para si!