Grande parte dos ingleses – e de todos nós – não se lembram de outro rei à frente do Reino Unido. Isabel II foi a monarca britânica que viveu e reinou durante mais tempo (e o seu reinado foi o maior de sempre – somente ultrapassado por Luís XIV de França, que reinou durante 72 anos). E no entanto, quando nasceu tinha à sua frente um pacato destino como apenas mais um elemento da família real, porque o pai não era o herdeiro direto do trono. Se o tio David se tivesse mantido no trono e tido filhos, Isabel devia ter sido o Archie dessa altura: uma menina rica com dinheiro e liberdade para viver como queria.

Se viveu como queria ou não, nunca saberemos. À data do seu nascimento, em 1926, o rei era o avô, George VI, um homem severo, um pai frio e um rei distante do seu povo, a quem sucedeu o filho, Eduardo VIII, totalmente diferente, tão diferente que, poucos meses depois de assumir a coroa em 1936, abdicou dela para casar com Wallis Simpson. Como não tinha filhos, quem subiu ao trono foi o irmão, George VI, e tornou-se claro que a sua filha mais velha ia ser a futura rainha. Desde os dez anos que se preparou para reinar: o que, parece, não significou muito. Não foi à escola nem à universidade, cresceu muito protegida, teve aulas de História Constitucional, e acompanhava os pais em algumas visitas. Ou seja, aprendeu a ser rainha por observação. E o que a observação lhe mostrou foi que não podia dar um passo em falso: toda a sua vida, como afirmou no seu primeiro e famoso discurso, seria posta ao serviço do povo e da grande família imperial a que todos pertenciam. Cunpriu a promessa até à sua morte.

Quando o pai morreu em 1952, Isabel tinha 25 anos. Conta-se que durante a cerimónia da coroação a coroa era tão pesada que a jovem rainha tinha de levantar a folha do discurso para a ler, porque se baixasse a cabeça corria o risto de partir o pescoço…

O peso da coroa havia de se tornar metafórico, além de (ocasionalmente) real. Na altura, Isabel, já era casada (com Filipe da Grécia, de quem ainda era prima) e com dois filhos. Havia de ser tornar a monarca inglesa que reinou mais anos, empossando ao todo 15 primeiros ministros: de Winston Churchill a Liz Truss. Embora a rainha se tenha tornado conhecida por nunca desvendar muito da sua vida privada – e isto incluía a relação com os seus PM – chegou a dizer que Churchill ‘era muito divertido’ – sabe-se que se dava melhor com uns do que com outros. A relação com Thatcher foi sempre formal, com John Major partilhou crises como a Guerra do Golfo, o incêndio no palácio e o divórcio do Príncipe Carlos e com David Cameron foi sempre amigável (além disso eram primos afastados).

Mas entre Churchill e Truss, o Reino Unido mudou muito. Isabel herdou uma Inglaterra saída da Segunda Guerra, uma Europa em escombros e nevoeiro, e deixou um universo novamente ameaçado pela guerra mas feito de outro tipo de realidades. Num mundo de ‘reality shows’ e redes sociais, onde tudo se mostra e tudo se sabe, a rainha soube manter a dignidade, a sensatez, a calma, e mesmo um mistério que explica porque é que todos os súbditos a adoram.

O seu longo reinado não foi calmo: foi feito de crises e tumultos, guerras públicas e familiares. Assistiu à Segunda Guerra, à Guerra das Maldivas, à Guerra do Golfo, foi a primeira rainha britânica a visitar a Austrália, a Nova Zelândia e a Rússia (é a chefe de Estado mais viajada de toda a História), viu grandes mudanças políticas, como os problemas na Irlanda do Norte, a descolonização da África, a adesão do Reino Unido às Comunidades Européias e o Brexit. Em família, assistiu ao divórcio do príncipe herdeiro, Carlos (ao contrário do que se possa pensar, não foi o primeiro: se descontarmos Henrique VIII, já mais recentemente a própria irmã da rainha, a princesa Margarida, se divorciou de Peter Townsend em 77) e à ‘fuga’ do casal Harry e Meghan.

Não dava entrevistas, não falava de si própria, não defendia opiniões políticas e pouco se soube dos seus gostos e das suas atividades. O que se sabe sem sombra de dúvida: que adorava cavalos e cães – terá tido mais de 30 Corgis durante o seu reinado – e apoiava mais de 6000 organizações.

Não foi sempre absolutamente consensual: nos anos 80, o descontentamento com a família real atingiu o pico, mas até isso Isabel ultrapassou. A Princesa Diana colocou a monarquia tradicional em confronto com uma nova maneira de reinar, onde à família real se exigia mais proximidade, mais afeto e menos distância, de acordo com uma sociedade que precisava de se sentir mais compreendida. Isabel foi inicialmente resistente a uma outra forma de reinar. Quando Diana morreu, em 1997, muitos criticaram à rainha ter demorado cinco dias a dizer algumas palavras de pesar, e ter demorado tanto para se juntar ao luto nacional que abalou o mundo inteiro. Mas até isso lhe desculparam quando a ouviram dizer: ‘Estou aqui a falar-vos como vossa rainha mas também como avó’. Porque até as rainhas aprendem, e Isabel II foi sempre capaz disso.

Agora que nos despedimos dela, também, de certa maneira, nos despedimos do século XX. E recordamos como foi sempre respeitada e amada pela sua capacidade de se tornar aquilo que uma rainha deve ser antes de mais: um símbolo de união entre todos os seus súbditos, promovendo a paz e o entendimento. Era rainha dos britânicos, mas hoje Isabel é também, um pouco, rainha de todos nós.

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Livro da semana: 'Mina'

Livro da semana: 'Mina'

Bendito burel: 24 peças quentes e bonitas no tecido da serra da Estrela

Bendito burel: 24 peças quentes e bonitas no tecido da serra da Estrela

Chris Hemsworth reaparece em público após revelar diagnóstico preocupante

Chris Hemsworth reaparece em público após revelar diagnóstico preocupante

Caras conhecidas atentas a tendências de moda

Caras conhecidas atentas a tendências de moda

Retenção do talento é o maior desafio dos recursos humanos

Retenção do talento é o maior desafio dos recursos humanos

PCP vai propor acesso à água como direito constitucional

PCP vai propor acesso à água como direito constitucional

Uma poltrona portuguesa com a cor Pantone 2023

Uma poltrona portuguesa com a cor Pantone 2023

Universidade de Évora e Cruz Vermelha testa com sucesso baterias de segunda vida em cenário de catástrofe

Universidade de Évora e Cruz Vermelha testa com sucesso baterias de segunda vida em cenário de catástrofe

Wall&gami: fazer da arte do origami uma peça de decoração

Wall&gami: fazer da arte do origami uma peça de decoração

Tendências: couro

Tendências: couro

"Pinóquio de Guillermo del Toro": Um clássico sem as amarras da Disney

Em

Em "Sangue Oculto": Tiago compromete plano das gémeas

Recorde os visuais de Kate durante a viagem aos Estados Unidos

Recorde os visuais de Kate durante a viagem aos Estados Unidos

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Governo cria linhas de apoio com dotação global de 100 ME para empresas turísticas

Governo cria linhas de apoio com dotação global de 100 ME para empresas turísticas

O centenário de Saramago

O centenário de Saramago

Neuralink sob investigação federal nos EUA por testes em animais

Neuralink sob investigação federal nos EUA por testes em animais

BE propõe criação de

BE propõe criação de "serviço de urgência básico" para responder a "picos" nos hospitais

O centenário de José-Augusto França

O centenário de José-Augusto França

Os animais mais cómicos do ano!

Os animais mais cómicos do ano!

Cristina Ferreira aposta em body de renda… mas não é a única! Veja as imagens

Cristina Ferreira aposta em body de renda… mas não é a única! Veja as imagens

Volta a Portugal em design nos dois apartamentos da Santo Infante

Volta a Portugal em design nos dois apartamentos da Santo Infante

EXCLUSIVO: Concorrente de Hell’s Kitchen chega a Portugal para enfrentar Ljubomir em tribunal

EXCLUSIVO: Concorrente de Hell’s Kitchen chega a Portugal para enfrentar Ljubomir em tribunal

Dormir pela sua saúde

Dormir pela sua saúde

A transformação das profissões de RH e a inteligência artificial

A transformação das profissões de RH e a inteligência artificial

Conforto térmico

Conforto térmico

VISÃO Júnior, uma prenda de Natal original

VISÃO Júnior, uma prenda de Natal original

Conheça as vantagens do recondicionamento dos smartphones

Conheça as vantagens do recondicionamento dos smartphones

Primeiro contacto: Toyota bZ4X, o elétrico com garantia de um milhão de quilómetros para a bateria

Primeiro contacto: Toyota bZ4X, o elétrico com garantia de um milhão de quilómetros para a bateria

Organizações ambientalistas contra gasoduto

Organizações ambientalistas contra gasoduto "desnecessário" para interconexões ibéricas

Secretária de Estado pede à população para ficar em casa devido ao mau tempo

Secretária de Estado pede à população para ficar em casa devido ao mau tempo

O primeiro dia do resto da vida de Ronaldo… e da Seleção Nacional

O primeiro dia do resto da vida de Ronaldo… e da Seleção Nacional

Famosas juntam-se no lançamento da “Joyful Holiday”, a nova coleção da Kiko Milano que promete alegrar esta época festiva

Famosas juntam-se no lançamento da “Joyful Holiday”, a nova coleção da Kiko Milano que promete alegrar esta época festiva

E ainda... Saramago

E ainda... Saramago

Moda: Fundo preto

Moda: Fundo preto

O Natal da EXAME: as escolhas culturais de Cesaltina Pinto

O Natal da EXAME: as escolhas culturais de Cesaltina Pinto

Morreu o cardiologista e

Morreu o cardiologista e "médico do coração" Fernando de Pádua

O Natal da EXAME: as escolhas sem sentido de Margarida Vaqueiro Lopes

O Natal da EXAME: as escolhas sem sentido de Margarida Vaqueiro Lopes

Na primeira pessoa: “Eu tenho uma doença, tenho dores 24 horas por dia. Várias vezes preferi morrer a ter de viver assim”

Na primeira pessoa: “Eu tenho uma doença, tenho dores 24 horas por dia. Várias vezes preferi morrer a ter de viver assim”

Espetáculos, rodas-gigantes e palácios encantados: 17 ideias para levar os miúdos neste Natal

Espetáculos, rodas-gigantes e palácios encantados: 17 ideias para levar os miúdos neste Natal

Polícia federal brasileira confirma à PJ presença e crescimento em Portugal do Primeiro Comando da Capital

Polícia federal brasileira confirma à PJ presença e crescimento em Portugal do Primeiro Comando da Capital

6 podcasts de true crime para detetives de bancada

6 podcasts de true crime para detetives de bancada