125171839.jpg

Se os homens lideram as estatísticas no que toca ao ressonar (40% dos homens a partir dos 30, contra 30% das mulheres a partir da menopausa), invariavelmente as mulheres sofrem os chamados danos colaterais. Mesmo dormindo como uma pedra é quase impossível ignorar um ronco que geralmente ecoa entre 60 a 100 decibéis. A fala humana anda à volta dos 30 decibéis…

A principal consequência é a diminuição da qualidade do sono com reflexos no desempenho durante o dia, mas para muitos casais esta pode ser uma verdadeira fonte de stresse emocional, podendo até levar a divóricos. Para a otorrinolaringologista Maria João Figueira estes casos não são raros. “É extremamente comum os homens aparecerem na consulta por pressão das mulheres que já não aguentam a situação. Nalguns casos, aparecem eles, desesperados, porque já estão a dormir noutro quarto e com ameaça das malas à porta”. Pode parecer exagero, mas quem já não dorme uma noite decente há anos à conta de um companheiro roncador que atire a primeira pedra…

E não é só de falta de sono que o parceiro se pode ressentir, mas também de sexo. “Nos casos de apneia obstrutiva do sono, 40% dos homens têm uma redução dos níveis de testosterona, devido à diminuição da oxigenação do sangue, o que pode ocasionar impotência”, revela a médica. Boas razões para procurar ajuda aos primeiros sintomas, sobretudo a juntar às outras: cansaço, mau humor e até aumento do risco de acidentes de viação.

Claro que nem sempre é o homem o ressonador de serviço, mas às mulheres parece custar admitir que emitem sons tão pouco glamorosos durante o seu sono de beleza. “Também são elas as mais resistentes em alterar hábitos de vida que poderiam melhorar os seus sintomas, especialmente no caso do excesso de peso”, adianta a médica.

As mulheres ressonam sobretudo depois da menopausa. O número de homens que ressonam também sobe com a idade. Isto acontece porque a mucosa da garganta amolece à medida que se envelhece.

Porque ressonamos?

A principal causa do ressonar é obstrutiva. Durante o sono, os tecidos moles da boca e da faringe relaxam e isto diminui o espaço para a passagem do ar, fazendo com que este vibre ruidosamente. Nalguns casos é uma malformação anatómica que impede o ar de passar livremente. “A mais comum é o desvio do septo nasal, seguida do tamanho excessivamente grande da úvula, amígdalas ou do palato”, explica a otorrinolaringologista Maria João Figueira. Mesmo quando não há estes defeitos anatómicos, a obstrução das vias respiratórias pode ser favorecida devido ao excesso de peso (a causa mais comum do ressonar nas mulheres), consumo de álcool ou de certos medicamentos, como os indutores de sono e ansiolíticos.

Será que ressono?

O parceiro é o indicador mais fiável do nosso ressonar mas para quem vive sozinho não serve. Neste caso, perceber se anda a mais cansada e de mau humor pode ser um indicador de um sono entrecortado e pouco reparador. Verifique a lista de fatores que favorecem o ressonar e tente eliminá-los. Se isto resolver o problema deixa de ter com que se preocupar, caso contrário terá de consultar um especialista e descobrir o que a faz ressonar.

– Dormir de barriga para cima. Tente dormir de lado. Se não consegue, experimente coser uma bola de pingue-pongue ou te ténis na parte de trás da gola do casaco do pijama. Geralmente resulta.

– Ter peso a mais. A gordura estreita o espaço disponível para o ar passar na garganta e dificulta a respiração durante a noite. É essencial perder peso.

– O álcool também induz o relaxamento dos músculos e dificulta a respiração. Evite beber quatro horas antes de se deitar.

– Respirar pela boca. Geralmente ocorre quanto temos o nariz entupido devido a constipação ou alergia, mas o tabaco também e o refluxo gástrico também são fatores irritantes da garganta.

– Evite comprimidos para dormir. Geralmente agravam o problema.

– Experimente os clips ou adesivos anti ressono que se vendem na farmácia (também usados pelos futebolistas), que facilitam a respiração. Aparelhos bucais, como o Somnolis (à venda em farmácias também), que avançam o queixo uns milímetros também podem ajudar a libertar as vias respiratórias.

Investigação noturna

Se nada disto resultar terá de passar à fase seguinte e investigar as causas com recurso a tecnologia mais avançada. Pode realizar um exame poligráfico do sono que permite estudar o seu padrão de sono em pormenor e pode ser feito em casa ou no laboratório, o que implica dormir no hospital, com uma série de elétrodos colados ao corpo. Outros exames possíveis: a nasofaringolaringoscopia, basicamente uma endoscopia das vias respiratórias que permite verificar a existência de obstruções, e um TAC, que permite fazer medições anatómicas precisas e verificar se há um tamanho anormal da úvula ou do palato, por exemplo. As anomalias estruturais podem ser facilmente resolvidas na maioria dos casos com um tratamento cirúrgico. A correção do septo nasal, que força a respiração pela boca, e a remoção das amígdalas ou diminuição da úvula, são as mais comuns.

Apneia do sono

Nalguns casos ressonar pode converter-se em síndrome de apneia obstrutiva do sono, um problema bastante mais grave que afeta cerca de 4% das pessoas que ressonam. A síndrome pode ter as mesmas causas do ressonar comum, ou ter origem numa falha do centro respiratório do Sistema Nervoso Central, mas neste caso, as interrupções do sono duram mais de 10 segundos e ocorrem mais de cinco vezes por noite. A quebra dos valores de oxigénio no sangue pode prejudicar o sistema cardiovascular. É urgente descobrir a causa concreta, através dos mesmos exames feitos para o ressonar comum, para poder tratá-la. Em certos casos, a única solução é o uso de uma máscara que aumenta a pressão do ar inspirado.

Palavras-chave

Relacionados

Beleza e Saúde

Descodifique o que significam os ruídos do seu corpo

Joelhos e dentes que rangem, soluços incontroláveis, gases ruidosos, o estômago que faz barulho… Os sons do corpo são involuntários e na maior parte das vezes incontroláveis, mas saber interpretá-los pode ser muito útil.

Beleza e Saúde

Ressonar atinge 40% dos homens e causa stresse na relação

Ressonar traduz-se em menos saúde, menos sexo e pode mesmo levar ao divórcio. Antes de mudar de quarto, veja o que pode fazer em nome do silêncio. Tenha uma bola de ténis à mão.

Mais no portal

Lifestyle

Livro da semana: "A Educação de Eleanor" faz sorrir ao mesmo tempo que emociona

Um livro de Gail Honeyman, publicado pela Porto Editora.

Celebridades

A internet não estava preparada para estas fotografias antigas de Kylie Jenner

A socialite celebrou o 23º aniversário, no passado dia 10 de agosto.

Beleza e Saúde

Covid-19: fumadores passivos correm maior risco de infeção?

Entenda a relação e perceba quais as melhores formas de se proteger.

Moda

Há novidades quentinhas a sair do forno da Parfois

Os novos acessórios e vestuário da marca portuguesa destacam-se pelos tons terra.

Comportamento

Diz quem sabe: não se esqueça de se amar primeiro

Uma lição de autoestima inspirada numa famosa série. “Porque Carry Bradshaw teria sido uma ótima Coach!”.

Celebridades

Chris Pratt e Katherine Schwarzenegger dão as boas-vindas ao primeiro filho

Chris Pratt e Katherine Schwarzenegger celebraram o primeiro aniversário de casamento em junho e assinalam agora a chegada do primeiro filho.

Moda

Estes são os modelos de 'beachwear' a que estas famosas não resistem

A época balnear já está mais do que aberta e as redes sociais são a prova disso.

Moda

Coleção "eco friendly" de calçado com modelos a partir dos 12,99 euros

As propostas são da Seaside.

Moda

Estes são os ténis que vão dar um novo fôlego à sua corrida

O regresso de um clássico, em novas cores.

Celebridades

Simon Cowell no hospital após acidente de bicicleta

O jurado do 'America´s Got Talent' está no hospital.

Lifestyle

Unique Sushi Lab: onde comer é sempre uma (boa) surpresa

O restaurante que os amantes de sushi têm de conhecer e que ér capaz de converter mesmo os mais desconfiados em fãs da culinária japonesa. A culpa é do chef Johnny Keep.

€2,95 por edição 20% desconto  

Assine já!

Papel