A pandemia provocada pelo novo coronavírus colocou-nos em isolamento social com forma de diminuir a velocidade de propagação da doença. A recente transformação da rotina acarretou uma mudança de hábitos que não tivemos tempo de processar. Muitos encontram-se em casa com filhos ou em situação de teletrabalho mas com a mobilidade muito condicionada por força das circunstâncias. Nos últimos dias multiplicaram-se as questões sobre os desafios relacionados com a alimentação e sobre as estratégias a seguir de modo a minimizar o impacto no peso.

  • A diminuição da actividade física

O isolamento social e a quarentena podem implicar uma redução mais ou menos drástica da atividade física e consequentemente uma redução das necessidades energéticas. As idas ao ginásio e ao exterior estão condicionadas ou suspensas dependendo do caso, e muito dificilmente conseguimos manter o mesmo gasto energético fazendo exercício em casa. Quer isto dizer que, perante uma diminuição global da actividade vamos engordar se não houver uma adequação da energia ingerida diariamente.

  • As alterações do apetite

A situação sem precedentes que vivemos pode acarretar a médio prazo insatisfação, ansiedade e frustração, conduzindo a um potencial aumento do apetite e da ingestão. Mesmo sem estas emoções, não é estranho a muitos o hábito de comer muito mais vezes e em quantidade quando estamos por longos períodos em casa, como por exemplo em férias. O contrário também é possível, uma diminuição do apetite fruto de sentimentos depressivos e motivados pelo isolamento, pelo medo e pela angústia.

  • A densidade energética dos alimentos ingeridos

O eventual aumento do apetite é muito facilmente acompanhado da ingestão de alimentos de elevada densidade energética, ricos em açúcar, gordura e sal, como snacks, doces, bolos, pipocas, bebidas açucaradas ou fast food. É importante recordar a quem tem filhos que o consumo recorrente destes alimentos por crianças é totalmente desadequado tenham ou não excesso de peso.

Devem igualmente ser tidos em conta os alimentos ditos “saudáveis” mas que contêm muitas quilocalorias, como azeite, os frutos secos, etc.

  • O consumo excessivo de álcool

O consumo aumentado de álcool também pode tornar-se um problema a longo prazo, seja pela elevada densidade calórica das bebidas alcoólicas e respectivas implicações no ganho de peso, seja pelo risco de dependência (sem esquecer nunca a hepatotoxicidade do etanol).

  • A compulsão nas idas ao supermercado

O alarme e o medo vividos por estes dias levaram a uma corrida aos supermercados e a compras irracionais. Grandes quantidades de comida foram adquiridas sem critério, muitas vezes priorizando alimentos muito calóricos como os atrás mencionados. Apenas num cenário apocalíptico é plausível supor que bens alimentares vão faltar à nossa mesa, algo que não está minimamente previsto mesmo que a quarentena se arraste por mais tempo. Como a “oportunidade faz o ladrão”, a presença destes alimentos na nossa despensa é potenciadora de excessos alimentares, agora ainda mais perigosos face à inactividade.

Este cocktail pode muito provavelmente culminar em variações de peso. De modo a minimizar esta possibilidade atente nas seguintes estratégias:

  • As clássicas recomendações sobre uma alimentação rica, variada e equilibrada e uma adequada hidratação continuam a aplicar-se.
  • Encare objectiva e criticamente a forma como se alimenta. Comer em excesso, ou pelo contrário não se alimentar convenientemente, acarreta consequências perniciosas para a sua saúde. Apesar de haver muitas preocupações neste momento devemos tentar passar por ele da melhor forma.
  • Tente manter constantes as novas rotinas nomeadamente a hora do despertar/deitar e a hora das refeições. Grandes irregularidades na rotina tendem a ser inimigas do controlo do peso.
  • Minimize a inactividade através da realização de exercício em casa ou no exterior caso seja possível, sempre de forma responsável e seguindo as directrizes da Direcção Geral de Saúde (DGS).
  • Adeque a ingestão alimentar possivelmente diminuído porções e/ou frequência das refeições. Não faltará com certeza tempo para planear e cozinhar.
  • Evite comprar alimentos de elevada densidade energética de modo a diminuir o seu consumo (se estão disponíveis alguém os vai comer!). Na eventualidade de os adquirir consuma-os conscientemente. O mesmo é aplicável às bebidas alcoólicas.
  • Contrarie veemente o hábito de “petiscar” ou de comer em frente à televisão. Perdemos o controlo à quantidade ingerida e tendencialmente só comemos alimentos problemáticos.
  • Faça uma lista de compras e não adquira alimentos de forma compulsiva. A compra desnecessária de bens pode levar a uma ruptura temporária do stock existente. Para que tal não aconteça, responsabilidade cívica e social são determinantes, principalmente com pessoas carenciadas que não dispõem de recursos para comprar em quantidade ou com aqueles que pertencendo agrupos de risco, se veem obrigados a ir mais vezes a uma superfície comercial expondo-se ao contágio.

O momento difícil que experienciamos deve ser encarado de forma calma mas com realismo e responsabilidade. Confie nos esforços das autoridades e faça a sua parte seguindo escrupulosamente as orientações da DGS. O mais importante nesta fase será controlar emoções nocivas consequentes do isolamento e da incerteza, com actividades domésticas que lhe sejam prazerosas, principalmente em família, e sempre com a consciência que este é um momento excepcional e terá o seu fim. Todos passaremos por ele, dificilmente de modo ideal, apenas da melhor forma possível.

www.inestavares.pt

@ ines.tavares.nutricionista on Facebook & Instagram

Palavras-chave

Tempos difíceis exigem a melhor informação

Tempos difíceis exigem a melhor informação É por isso que a Trust in News decidiu oferecer um pack mensal de revistas digitais a um preço simbólico: €9,90 por 9 revistas: VISÃO, VISÃO História, VISÃO Júnior, VISÃO Saúde, Jornal de Letras, Exame, Courrier Internacional,  Activa e Exame Informática. Para ler no seu smartphone, tablet ou computador, facilmente e em sua casa. Está garantida uma boa leitura para toda a família! #euleioemcasa Saiba mais

Mais no portal

Celebridades

April Ivy: os desafios de lançar um novo single em quarentena

A Activa esteve à conversa com a artista, que acabou de divulgar a música mais especial até à data.

Celebridades

Mário Marta e Lura refletem sobre o sucesso de "Aguenta"

O videoclipe do tema, que assinala a primeira colaboração entre estes amigos de longa data, já soma um milhão de visualizações no YouTube.

Moda

33 saias para quando não tivermos apenas de nos preocupar com a "parte de cima"

Os modelos de tamanho midi plissados são a super-tendência para a estação primavera-verão

Moda

Kelly Bailey mostra as suas peças favoritas entre as novidades My Intimate Cantê

Não foi uma tarefa fácil, mas estas são as escolhas da atriz.

Celebridades

Kourtney Kardashian recebe elogios ao mostrar o corpo tal como é

A socialite mostra-se à vontade com as suas formas.

Lifestyle

Diz quem sabe: dicas para reorganizar as finanças em época de pandemia

Quando o inesperado acontece, há que saber adaptar-se.

Beleza e Saúde

Este é o tapete de ioga de que Meghan é fã

A falta de tempo já não é desculpa para não fazer exercício físico.

Moda

23 peças da Mango para usar em casa e mais tarde levar à rua

A marca espanhola reuniu um conjunto de peças para ficar em casa muito confortável.

Celebridades

William pondera retomar a carreira de piloto para ajudar na luta contra a Covid-19

O duque de Cambridge confessou que os acidentes que testemunhou como piloto o afetaram psicologicamente.

Celebridades

Quando Kate e Meghan tinham 12 anos, estas eram as músicas que estavam em número 1

Músicas que pode recordar durante esta quarentena.

Moda

As 7 peças que prometem dar luta ao pijama em tempos de quarentena

No novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso, conheça as peças de roupa essenciais para encarar o isolamento com estilo.

Lifestyle

Quarentena: 15 pessoas revelam os factos mais hilariantes que aprenderam sobre os parceiros

O período de isolamento está a ser bastante revelador.

€3,70 por edição + OFERTA  

Papel + Oferta

Papel + Oferta: €3,70 / edição