A nova realidade pode durar mais tempo do que imaginava. Na falta de um tratamento ou vacina eficaz, as pessoas em todo o mundo poderão ter de continuar a praticar algum tipo de distanciamento social até 2022 para travar a pandemia do novo coronavírus.

Num estudo publicado esta terça-feira, 14 de abril, na revista científica “Science”, as projeções dos investigadores da Escola de Saúde Pública T.H. Chan, da Universidade de Harvard, indicam que poderia haver um grande ressurgimento da infeção se as medidas de distanciamento social fossem suspensas de uma só vez, potencialmente atrasando o pico da epidemia e, por conseguinte, sobrecarregando os serviços de saúde.

A equipa usou dados dos Estados Unidos para modelar a transmissão de outros coronavírus em regiões temperadas e projetar possíveis cenários de infecção por COVID-19 até o ano 2025. “Esforços de distanciamento menos eficazes e únicos podem resultar numa epidemia prolongada de pico único, com a extensão da sobrecarga do sistema de saúde e da duração necessária do distanciamento, dependendo da eficácia,” escreveram os autores do estudo.

Os especialistas acrescentam ainda que “o distanciamento intermitente pode ser necessário até 2022, a não ser que a capacidade dos cuidados intensivos seja substancialmente aumentada ou que um tratamento ou vacina esteja disponível”. Tratamentos e vacinas eficazes podem demorar meses ou anos a serem desenvolvidos e testados, deixando as intervenções não farmacêuticas como o único meio imediato de conter a propagação da infecção.

Segundo o estudo, se a imunidade à COVID-19 não for permanente, o vírus poderá entrar em circulação regular, tal como acontece com a gripe, possivelmente em padrões anuais, bienais ou esporádicos nos próximos cinco anos. Num dos modelos, depois de um período de 20 semanas de distanciamento social, houve um pico de ressurgimento quase tão grande quanto o de uma epidemia não controlada.

“O distanciamento social foi tão eficaz que praticamente não foi construída nenhuma imunidade populacional,”dizem os cientistas de Harvard. “As maiores reduções no tamanho dos picos vêm da intensidade e duração do distanciamento social, que dividem os casos de uma forma quase igual entre os picos”.

Os investigadores reconheceram que “o distanciamento prolongado, mesmo que intermitente, provavelmente terá consequências económicas, sociais e educacionais profundamente negativas”. Assim sendo, esclarecem que o seu objetivo ao modelar tais políticas não é apoiá-las, mas sim identificar trajetórias prováveis da epidemia sob abordagens alternativas.

“Não tomamos uma posição sobre a conveniência desses cenários, dado o ónus económico que o distanciamento sustentado pode impor, mas observamos o ónus potencialmente catastrófico previsto para o sistema de saúde se o distanciamento for pouco eficaz e/ou não for sustentado por tempo suficiente.”

Palavras-chave

Relacionados

Beleza e Saúde

Em tempos de pandemia, é seguro manter as janelas de casa abertas?

É isto que dizem os especialistas.

Beleza e Saúde

Máscaras de pano: protegem-nos ou não?

Perante a falta de material médico, várias pessoas têm recorrido a opções "caseiras". Saiba se são seguras.

Comportamento

Vera Machaz: "a maior lição que vamos tirar da quarentena é valorizar o que realmente importa"

A psicóloga esteve em direto no Instagram da ACTIVA para falar sobre o momento presente e questões psicológicas colocadas pelo isolamento.

Mais no portal

Beleza e Saúde

Este óleo promete proteger a pele do rosto do frio

Com a chegada do outono, começamos a ter preocupações diferentes com a nossa pele.

Moda

Não vai acreditar no preço deste casaco

Uma solução cheia de estilo para acrescentar aos seus visuais de outono.

Lifestyle

O novo manifesto da Sport Zone é verdadeiramente inspirador

A marca partilha 5 histórias tocantes, nas quais o desporto é uma fonte de motivação diária.

Beleza e Saúde

Nem imagina o que a canábis pode fazer pela sua pele

Uma nova linha a descobrir.

Moda

Conheça os principais motivos para as mulheres não tirarem partido da imagem

No novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso, identifico as razões pelas quais muitas mulheres não se sentem felizes com a aparência e como ultrapassá-las com a ajuda da moda.

Beleza e Saúde

Diz quem sabe: é possível distinguir uma gripe de Covid-19?

Entenda a explicação, segundo um médico virologista.

Beleza e Saúde

Com esta solução, acabaram-se as idas ao cabeleireiro

Testei dois produtos cujos resultados são dignos de profissional. E quem não quer ter um "cabeleireiro" na própria casa?

Beleza e Saúde

10 formas de fortalecer a nossa saúde em menos de um minuto

Confira estas dicas eficazes (e rápidas) que devem fazer parte da sua rotina.

Lifestyle

Falafels de espinafres no forno: de comer e chorar por mais

A nutricionista Rita Pereira partilha esta receita, passo a passo, para uma refeição (ou um snack) vegetariano, saboroso e que só faz bem à saúde.

Celebridades

Emily Ratajkowski acusa fotógrafo de a assediar quando tinha 20 anos

Desde que a modelo revelou a história ao mundo, uma outra celebridade diz ter vivido um episódio semelhante com a mesma pessoa.

Lifestyle

Clube do Livro Finanças de A a Z: "A Poupança no Feminino"

No novo episódio da rubrica Finanças de A a Z estreio um espaço mensal onde vou deixar algumas sugestões de livros úteis para a educação financeira de miúdos e graúdos.

Lifestyle

Livro da semana: "A Quinta" inspira-se nos sacrifícios que mulheres fazem pelos que mais amam

Um livro de Joanne Ramos, publicado pelas Edições Saída de Emergência.