Se há coisa que a quarentena me ensinou é que nós não controlamos nada. Então, por que raio é que eu sinto a necessidade de fazê-lo constantemente com as minhas emoções? Esta foi a dúvida que me levou a considerar fazer uma terapia alternativa.

Vou fazer Reiki esta semana”, disse eu, entusiasmada, à minha melhor amiga. “Se há pessoa que não imagino numa marquesa de Reiki, és tu”, respondeu ela, fazendo referência ao meu nível de ceticismo. Mas a vida dá voltas e, de há uns tempos para cá, tenho sentido a necessidade de ‘afinar’ o que existe entre a minha cabeça e o coração — eles parecem estar sempre em desacordo — e, acima de tudo, de trabalhar a famosa inteligência emocional.

Dois dias depois, tive a minha primeira sessão. Ao chegar ao centro, fui recebida por Carla Collinson, a proprietária, com um grande sorriso. Como manda a ‘nova tradição’, os beijinhos e abraços deram lugar à oferta de álcool gel e de proteções para sapatos em plástico descartável. Depois, a profissional certificada em Reiki I e Reiki II apresentou-me o espaço e fez um resumo daquilo em que consistiriam as duas horas seguintes.

“O teu muro caiu”

A premissa do Reiki é bastante simples: seguindo a técnica centenária japonesa, o terapeuta estende as mãos em posições específicas sobre pontos-chave do corpo do paciente ligados aos chacras principais e canaliza energia vital universal, de modo a restaurar o equilíbrio físico, regular as funções vitais e equilibrar o campo mental e emocional.

“Não vou tocar-te. É muito raro eu ter de tocar em alguém”, explicou-me a especialista. Basicamente, deitei-me numa marquesa, completamente vestida, e segui as instruções para respirar profundamente e descontrair ao som da música relaxante que tocava, tentando abstrair-me ao máximo da vida ‘lá fora’. Uma coisa importante que retive é que não existe uma forma padrão ou correta de experienciar a terapia.

“O Reiki funciona, mesmo à distância. Portanto, se não conseguires abstrair-te ou se tiveres pensamentos, agradece e foca-te na música… ou num lugar que te traga paz”. Este conselho tornou tudo muito mais fácil, porque não senti a pressão de ter atingir o nirvana naquele curto espaço de tempo.

Passados uns bons minutos, consegui relaxar completamente. É curioso porque, para minha surpresa, tive sensações localizadas de calor – repito: sem qualquer toque – e, a determinada altura, vieram-me lágrimas aos olhos. Mal terminámos, perguntei à Carla do que se tratava.

“O calor é a energia a atuar”, afirmou. “E choraste porque o teu muro caiu. Se sentires a necessidade de chorar, chora. Eu vou dar-te uns minutos e já volto. Não temos restrições de tempo”. 

Emoções à flor da pele

Para alguém que detesta chorar em público, especialmente na presença de desconhecidos, dei o espetáculo de uma vida. Primeiro, chorei sozinha, enquanto estive sentada na marquesa a recompor-me. Não satisfeita com isso, quando a Carla voltou com chás para acompanharem a conversa que se segue ao tratamento, ainda tive umas quantas ‘recaídas’. Em circunstâncias normais, no meu pensamento ‘à ocidental’, teria ficado constrangida. Porém, aqui mandam as regras do Oriente e, na verdade, foi uma experiência libertadora.

De seguida, falámos sobre as conclusões a que a terapeuta profissional chegou durante a sessão, com base no estado atual dos meus chacras, ou seja, de cada um dos centros de energia distribuídos pelo corpo. Resumindo: a maioria deles estava bloqueada, exatamente devido à tal luta interna entre a razão e o coração. Foi estranho ter alguém que tinha acabado de me conhecer a ‘ler-me’ de uma forma tão detalhada, mas tudo fez sentido. 

É difícil descrever este tipo de experiência. Tudo o que sei é que saí do centro a compreender-me melhor e com uma grande sensação de calma e leveza, como há muito não sentia. E isso, por si só, já é uma vitória. Este foi o meu primeiro contacto com o Reiki, mas certamente não será o último.

Palavras-chave

Relacionados

Inspirações

10 inventoras negras que tornaram as nossas vidas bem mais fáceis

Sem o espírito de inovação e de empreendedorismo de cada uma destas mulheres, estas 10 invenções poderiam nunca ter existido.

Inspirações

Sarah Nicole Landry: uma escritora que se libertou da prisão da imagem

Na página de Instagram desta influencer, não há estrias, peles flácidas ou 'furinhos' de celulite que fiquem por mostrar. Tudo em nome do amor-próprio.

Inspirações

É isto que 11 jovens têm a dizer a quem critica as manifestações #BlackLivesMatter portuguesas

Estes jovens colocaram uma causa nobre acima dos próprios medos, saíram às ruas e juntaram-se às manifestações antirracistas em Portugal.

Mais no portal

Moda

10 artigos da Zara que vão arrasar em qualquer destino de férias

Estes visuais prontos a usar prometem fazer furor nos seus dias de descanso.

Comportamento

Como lidar com a frustração sexual?

Existem várias causas para a insatisfação com a vida íntima, que pode afetar a qualidade de vida em geral.

Moda

Saiba como fazer uma mala de férias sem complicações

No episódio de hoje da rubrica Imagem de Sucesso, deixo algumas dicas para escolher os derradeiros essenciais de viagem.

Moda

Encontrámos as Havaianas perfeitas para dar brilho ao verão

Se é fã da famosa marca brasileira e gosta de dar um toque de brilho a tudo o que faz, vai delirar com esta novidade.

Lifestyle

6 dicas para viajar de carro tranquilamente com crianças

"Estou com fome! Quanto chegamos? Preciso de fazer xixi!" Viajar com crianças durante um longo período de tempo pode ser um verdadeiro pesadelo.

Beleza e Saúde

Afinal, o que é uma "depressão de baixo grau"?

Recentemente, Michelle Obama fez um desabafo sobre a sua saúde mental. Entenda o que se passa com a antiga Primeira-dama dos Estados Unidos.

Celebridades

Michelle Obama admite que sofre de uma "depressão de baixo grau"

A pandemia aliada a todo o clima de tensão que se vive nos Estados Unidos afetou a saúde mental da antiga Primeira-dama do país.

Celebridades

Daisy Coleman, de documentário da Netflix sobre abuso sexual, morre aos 23 anos

O caso da jovem, que se tornou uma defensora das vítimas de violação, é retratado numa série documental do serviço de streaming.

Lifestyle

Estes podem ser os motivos para continuarmos a ver filmes para adolescentes

Sim, tenho mais de 30 anos e por vezes vejo (e revejo) filmes com histórias para adolescentes. Mas sei que não sou a única!

Celebridades

O interior do frigorífico de Selena Gomez revela muito sobre a cantora

A estrela norte-americana mostrou o que armazena neste eletrodoméstico, bem como no congelador.

Beleza e Saúde

5 produtos de skincare que testei há um ano e agora fazem parte da minha rotina

O mais barato custa menos de 3 euros.

Moda

Criei 5 visuais diferentes com uma peça de roupa que todas temos no roupeiro

Por vezes - e falo por experiência própria -, só precisamos de um pouco de originalidade para não nos cansarmos daquilo que vestimos.

€2,95 por edição 20% desconto  

Assine já!

Papel