Os números são claros: quando uma em cada oito mulheres está em risco de desenvolver cancro da mama, isso significa que praticamente todas as pessoas ou já o tiveram, ou têm alguma familiar, amiga ou conhecida que passou por isso. Não é um problema ‘longínquo’, mas sim um problema que nos ‘entra’ pela vida quotidiana dentro.

ATACAR O MAL MAIS CEDO

O cancro da mama é um tipo de cancro que se desenvolve de maneira muito diferente de mulher para mulher e o que se procura é criar um tratamento cada vez mais individualizado, para evitar tratamentos desnecessários e consequentes efeitos secundários, como os da quimioterapia.

A grande descoberta do momento é uma substância, o letrozole, pouco valorizada até agora, que pode, afinal, ser uma arma eficaz no combate ao cancro da mama. Descobriu-se que pode ser utilizada muito mais cedo no tratamento desta doença.

O que acontece actualmente? Bem, para começar, é importante saber que o tipo de cancro mais comum é hormonopositivo, ou seja, é sensível ao estrogéneo, uma hormona que temos no nosso corpo, e que faz com que as células malignas se multipliquem.

Por isso, no tratamento imediatamente a seguir à operação, usam-se substâncias como o tamoxifeno (utilizado há mais de 30 anos), que bloqueia a entrada de estrogéneo nas células, actuando como um escudo, e prevenindo-se assim o aparecimento de metástases. Só cinco anos depois se recorre aos inibidores de aromatase (um dos quais o letrozole), uma enzima que impede que o estrogéneo seja sintetizado.

A REVOLUÇÃO DO MOMENTO

Dois estudos internacionais demonstraram recentemente a relevância do letrozole. Um deles, levado a cabo pelo Breast International Group, uma organização internacional de investigadores dedicados ao cancro da mama, foi o primeiro ensaio clínico demonstrando que o letrozole é mais eficaz que o tamoxifeno nos cinco primeiros anos após a cirurgia. Um outro estudo provou uma redução de 42% no risco de recaída e demonstrou que vale a pena tomar letrozole mesmo após um período prolongado sem qualquer terapia. Como explicou o investigador Louis Mauriac, no 5.º Congresso Europeu do Cancro da Mama, realizado em Paris, este ano, nalguns casos pode ser benéfico atacar logo com o letrozole, ‘mas só na próxima década se terá a certeza.

O importante agora é tomar um inibidor nalguma fase do tratamento’. E não se administra esta substância durante mais tempo porque, como explica o especialista, ‘ainda não se conhece nos inibidores os efeitos a longo prazo no sistema cognitivo e cardiovascular’. E outro problema é o preço: cinco anos de tratamento podem custar à volta de 12.000 euros.

Nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Japão e Alemanha, já foi aprovada a administração do letrozole logo após a cirurgia. Em Portugal, ainda não existe posição ‘oficial’, mas a tendência é seguir as indicações mundiais.

Relacionados

Beleza

Proteja-se das alergias

Se faz parte do terço da população que sofre deste mal, sabe quanto isso afecta a sua qualidade de vida. Sem cura à vista, e para que possa (con)viver com elas da melhor maneira possível, revelamos-lhe os melhores tratamentos para cada tipo de alergia.

Beleza

Testemunho: "A anorexia estava a destruir a minha vida"

Laura passava horas em frente ao espelho e sentia-se um monstro. Chegou a pesar 32kg e ameaçou suicidar-se. Histórias de luta de um pai e de uma jovem e o perfil que os especialistas traçam do distúrbio alimentar que também mata em Portugal.

Beleza

Cancro de mama: quem pode salvar a sua vida?

A luta contra o cancro da mama trava-se na solidão do corpo de cada mulher. Mas a causa reúne médicos, voluntários e investigadores que salvam cada um à sua maneira. Corremos mundo à procura das pessoas que fazem com que a doença seja cada vez menos uma ameaça.

Beleza

Sites de saúde na internet: até que ponto deve confiar?

Utilizar a Internet como fonte de informação sobre saúde pode ser vantajoso, mas requer alguns cuidados.

Beleza

Como falar de Sida aos jovens

Seis mil jovens dos 15 aos 24 anos são infectados pelo vírus da sida em todo o mundo. Não adie mais esta conversa com o seu filho.

Mais no portal

Lifestyle

5 dicas para "desligar" quando está em teletrabalho

Por vezes, trabalhar em casa torna difícil estabelecer limites. Saiba como dar a volta ao problema.

Moda

Os Stan Smith estão agora mais sustentáveis, mas com o mesmo estilo de sempre

Em prol da diminuição dos resíduos de plástico.

Moda

3 formas de incorporar cores néon em visuais para o dia a dia

A influencer Leonie Hanne mostra que cores néon são sempre uma aposta vencedora.

Moda

Esta vai ser a mala imprescindível de todas as estações

Conheça o modelo que conquistou as 'influencers'.

Diz Quem Sabe

Infeliz no trabalho? Saiba o que pode estar a paralisar e a prejudicar a sua carreira

Dez conselhos para fazer a mudança que deseja.

Saúde

As sestas têm este benefício inesperado para a saúde

Uma sesta por dia, nem sabe o bem que lhe fazia. Quem o diz (e comprova) é a ciência.

Lifestyle

Ora aqui está uma forma mesmo doce de mimarmos a nossa mãe

Várias opções para partilhar com a mulher das nossas vidas.

Finanças de A a Z

Bancos digitais: três coisas importantes que deve saber

Os bancos digitais estão a ganhar cada vez mais espaço no mercado e, por isso mesmo, são o tema central deste episódio da rubrica Finanças de A a Z.

Moda

Uma lingerie para quem se preocupa com o ambiente

Confira a nova coleção “Honest” da Women´s Secret

Moda

Julia Roberts é a imagem da felicidade neste novo vídeo da Chopard

Happy Sport 33 mm e Happy Sport the First são as novas propostas da marca

Nas Bancas

ACTIVA de maio: Mães em tempos de mudança

A ACTIVA de maio, com Madalena Brandão e os filhos na capa, já chegou às bancas.