Fred Farrugia: a reinvenção da maquilhagem

Ele é um dos maquilhadores mais talentosos da sua geração e foi director artístico da maquilhagem Lancôme durante 8 anos, até decidir lançar a sua própria marca. Que na verdade é todo um sistema inovador de paletas-módulos, totalmente personalizável, giro, prático e facílimo de usar, graças a texturas extraordinárias que se podem aplicar até com o dedo e num ápice.

A marca, que se chama Fred Farrugia como o seu criador, estará à venda a partir de Outubro, em exclusivo nas lojas Sephora, mas já a descobrimos e mostramos como é na ACTIVA de Outubro. Se adora maquilhagem, não perca essa edição, até porque ela dá-lhe a oportunidade de se candidatar a ser responsável da marca Fred Farrugia em Portugal, trabalhando na Sephora.

Entretanto, vá abrindo o apetite para esta apetitosa maquilhagem, lendo a entrevista com o maquilhador e vendo as fotos.

Qual foi a sua inspiração para fazer esta gama?

A minha inspiração foram as mulheres, como sempre aliás. A diferença desta vez é que me servi da minha experiência total: desde o princípio da minha carreira até ao meu último dia na Lancôme. A Lancôme deu-me a possibilidade de aprender a criar matérias e cores, mas ensinou-me, sobretudo, a estar atento às mulheres e às suas expectativas. E é por isso que a minha marca não é futurista nem passeísta, mas verdadeiramente de hoje, para responder realmente às necessidades das mulheres de hoje.





E levou bastante tempo a desenvolvê-la…

Cinco anos. Na verdade, ainda antes da minha saída da Lancôme, apercebi-me de que começava a ter limites que já não me permitiam ir realmente ao fundo da minha inspiração.



Porque tinha de criar para aquela marca, à imagem da marca…

Exactamente. O papel de um director artístico não é vampirizar a marca para a qual trabalha, mas pelo contrário valorizá-la. Nessa altura percebi que a única forma que eu tinha para continuar e ir realmente ao fundo das coisas, era criando a minha própria marca. Então, completamente naíf, habituado aos meios incríveis da Lancôme para criar o que queria…



Bastava-lhe levantar o dedo…

E levantar só até metade! (risos). Portanto na minha cabeça, até porque era mais jovem na época, achava que no ano seguinte iria apresentar a minha gama. Ora… nada disso. Não tinha meios, tudo era feito em minha casa, que se transformou em atelier/laboratório, tudo era feito lá, as cores, as texturas… E tudo somado durou 5 anos. Porque cada vez que chegávamos a uma conclusão ou um produto, op! percebíamos que era preciso criar mais outra coisa para que a história ficasse completa. De modo que o processo não chegava ao fim…! Mesmo neste momento ainda estou a criar (risos)… Mas é verdade que é preciso que as coisas atinjam a sua maturação, tudo pronto e coerente de A a Z, que o mínimo detalhe tenha sido pensado.



Como é que pensou no Ora Ito para fazer as embalagens?

Na verdade, tudo nesta marca se passou de forma um pouco mágica, e com base em encontros fortuitos. Quando saí da Lancôme, tinha o meu conceito na cabeça e a primeira coisa que fiz foi tentar encontrar fabricantes de embalagens. Contactei todos os fabricantes do planeta, todos. E todos me propunham as mesmas coisas, que já estavam mais que vistas em todo o lado, de tal forma que a certa altura pensei, pronto, o meu sonho acaba aqui. Resolvi então tirar umas pequenas férias, fazer uma pausa para esquecer tudo, e fui para Marselha, onde apanhei um barco para uma pequena ilha alí ao largo. E nessa ilha, um rapaz chega-se ao pé de mim e pergunta: é o Fred Farrugia? Eu disse que sim e ele apresentou-se: Ora Ito. Eu fiquei pasmado porque achava que o Ora Ito era japonês, quando na verdade ele é marselhês. Na época conhecia-se bem o seu trabalho mas não o seu rosto. Confessámo-nos fãs do trabalho um do outro, na semana a seguir encontrámo-nos para falar sobre o meu projecto e dois dias depois ele apresentava-me as minhas embalagens. E a história começou.



Neste projecto todo, o que foi mais difícil criar ou afinar?

Eu diria tudo… Tudo foi muito difícil. Para cada textura escolhi um fabricante, que para mim era o melhor pela sua especialidade. E escolhi-os em função do trabalho que eram capazes de fornecer, mas sobretudo pela sua motivação. Porque eu sabia o que lhes ia pedir. Para eles foi terrível ao princípio, porque eu destrui toda a concepção… toda a visão deles do que é uma base ou um batom, por exemplo. Ignorei todos os interditos – porque há coisas que não é possível fazer em química – e obriguei-os a eliminar todos os componentes que eles usam habitualmente e a substituí-los por outros. Eles diziam que era impossível, que nunca iria resultar, mas lá experimentavam e tornavam a experimentar até finalmente funcionar. E foi assim para todos os produtos e todas as texturas. Uma cor demorava 3 semanas a criar! Foi uma loucura.



Qual é a diferença das suas texturas face às outras existentes no mercado?

Por exemplo, a maior parte das bases são feitas à base de óleo e de silicone, e é por isso que os sentimos sobre a pele. O silicone pode ser óptimo para certos produtos, mas infelizmente se colocarmos pó por cima temos a impressão de ter uma espessura sobre a pele e, além do mais, não camufla e anula a personalidade. Por isso mandei retirar os componentes oleosos e substituí-los por ceras vegetais, que permitiram tornar o produto ‘inteligente’: a cera, em contacto com o calor dos dedos e do pincel, funde-se e torna-se cremosa, criando uma segunda pele, sem fazer demarcações, deixando transparecer o que deve transparecer, como as sardas ou os sinais, mas camuflando tudo o resto. Por exemplo nos glosses e nos batons também usei ceras porque queria ter o resultado de um líquido mas em forma de pasta. E aqui mais uma vez, o calor dos dedos e do pincel torna-os líquidos. No pó, mandei retirar todos os componentes de talco e substituí-los por mica transparente, porque tenho horror da pele ‘aprisionada’ pela maquilhagem e com este pó… vivemos com ele sem dar por ele. O segredo está na mica, que capta realmente a luz e é de uma transparência tal que podemos mesmo aplicá-lo com os dedos, coisa qué impossível com outros pós. Para as sombras, eu queria cremes que fossem empoados, mas não queria sombras-creme. Então mais uma vez retirei o talco para o substituir por óleo, porque ao contrário da base, a presença do óleo nas sombras permite fazer degradês e esfumar sem ser preciso ser maquilhador ou super especialista. Aplica-se com o dedos, podemos misturar as cores umas com as outras, sobrepô-las…



Qual é o produto da gama no qual tem mais orgulho?

Todos! (risos) Mas se tivesse de destacar um seria a base, que é realmente incrível.



Tem algum conselho para as nossas leitoras para elas tirarem mais partido da sua gama de maquilhagem?

Esqueçam as técnicas, divirtam-se com os produtos, experimentem, metam-lhes os dedos para compreender realmente o benefício e a diferença destas texturas. Porque quando olhamos para os produtos sem lhes tocar podemos pensar que é uma maquilhagem como outra qualquer, mas não é. E é por isso que, justamente, é preciso tocar-lhe e mexer-lhe com os dedos.

Assine a ACTIVA por apenas €2,60/mês. Aproveite esta oferta especial, tenha acesso ilimitado a todo o conteúdo e arquivo digital, leia em qualquer lugar e cancele quando quiser. ASSINE AQUI

Relacionados

Mais no portal

Beleza

É provável que esteja a cometer estes 5 erros na rotina de beleza

Confira as dicas desta dermatologista.

Lifestyle

Agora, encontra bolos caseiros no Cais do Sodré

Conheça o The Cakery.

Beleza

Este truque simples tem muitos benefícios para a pele e o cabelo

Os especialistas dizem que vale muito a pena fazer esta substituição à noite.

Nas Bancas

Conheça melhor o delicioso mundo de Luísa Villar

Uma artigo para ler e saborear com todos os sentidos, sobre esta mulher inspiradora que decidiu mudar de vida aos 50 anos.

#VozActiva

Helena Isabel abre o coração sobre o significado da idade

O que é a idade e o que é que ela nos traz? Helena Isabel, a protagonista de capa da nossa edição de fevereiro (nas bancas) responde no #vozactiva deste mês.

Diz Quem Sabe

Síndrome do Impostor: quando somos o nosso pior inimigo

Saiba como contornar o problema.

Saúde

Porque é que a COVID-19 causa confusão mental?

Um estudo recente encontrou respostas.

Saúde

Este truque potenciam os inúmeros benefícios do alho

Confira como deve consumir este poderoso alimento.

Lifestyle

Instituto Macrobiótico fecha portas após 40 anos

As dificuldades financeiras trazidas pela pandemia foram motivo apontado.

Lifestyle

EasyJet tem viagens a partir de 14,99 euros

Aproveite!

Moda

As tendências de botas que vão vingar em 2022

De acordo com a Zara.

Saúde

5 truques para proteger as mãos do frio

Gestos que podemos ter para evitar danos nesta parte do corpo que, regra geral, está muito exposta e acaba por sofrer lesões quando as temperaturas estão mais baixas.