Testemunho:

José Delgado, 48 anos, viu definhar de dia para dia o corpo e o sorriso da filha mais nova, Sofia. Ainda hoje, com a quase completa recuperação, não sabe dizer o que levou a menina de então 11 anos (hoje tem 18) a olhar para o seu corpo magro ao espelho e a dizer que o odiava, a esconder comida, a recusar refeições, a bater no estômago vazio para ver se ele abatia ainda mais, a pensar em suicídio.

O alerta soou depois da família ver uma reportagem sobre anorexia nervosa, onde reconheceu alguns dos sintomas da filha. ‘A Sofia fazia mais de 200 flexões diárias, subia e descia as escadas várias vezes ao dia, ia a pé para a escola. Chegou a pesar 32 quilos e a não conseguir andar sem ser amparada’, recorda. ‘O despoletar da doença na Sofia parece ter estado ligado a uma mudança de turma onde não foi bem recebida.’

Apesar de muita gente lhe chamar ‘mania’, a anorexia nervosa é um distúrbio alimentar que pode levar à morte. Estima-se que as taxas de mortalidade da doença se situem entre os 10% e os 15%; o suicídio ronda os 2,5%, segundo dados da Associação de Familiares e Amigos de Anorécticos e Bulímicos (AFAAB). ‘A minha filha chegou a dizer-me que se suicidava. Isso mexe muito com um pai. Nessas alturas, dizia-lhe que, se isso acontecesse, iríamos ficar muito mal, mas que quem tinha mais a perder era ela.’ Na pior fase da doença, a jovem ficou acamada em casa, em regime ambulatório, durante três meses. ‘Foi muito desgastante, porque é preciso muita firmeza. É preciso assegurar que o horário das refeições é cumprido. Ela não queria comer; perguntava constantemente se não achava que estava mais gorda. Perdi um mês de ordenado, mas valeu a pena.’

Anotava tudo o que comia num caderno

Laura, tem 26 anos e é filha de imigrantes portugueses na Alemanha, onde vive. Passou a adolescência a confrontar-se com a anorexia e bulimia. ‘Estava a destruir a minha vida’, confessa. Aos 14 anos, angustiada por um corpo que mudava contra a sua vontade, tornou-se bulímica. ‘Passava horas em frente ao espelho, a observar a silhueta ‘deformada’. Anotava tudo o que comia num caderno. Nessa altura não tinha muitos amigos’, conta. Tapava o vazio emocional com comida. Depois, vinham os acessos de culpa em que sentia ‘suja e cansada, um monstro pré-histórico devorador’, e vomitava tudo. ‘Assustei-me com este comportamento estranho e não voltei a fazê-lo durante muito tempo’, relembra. ‘Aos 16 anos, entrei na minha fase de anorexia. Perdi quilo atrás de quilo, fumava dois maços de tabaco por dia, a minha dieta diária baseava-se em coisas como uma bolacha, duas maçãs, uma batata com couve-flor ou uma sanduíche.’ O namorado, os pais e o médico convenceram-na a tratar-se. ‘Fui internada numa clínica durante quatro meses. Pesava 41kg e media 1,64m. As primeiras duas semanas custaram-me muito. Era proibido contactar com qualquer pessoa fora da clínica; só podia fazê-lo por carta. Tomava as refeições no meu quarto, na presença da terapeuta, que só saía uma hora depois para não ter a hipótese de vomitar. Se não comêssemos o suficiente, obrigavam-nos a beber um líquido com muitas calorias. As raparigas com os casos mais difíceis de tratar tinham de ser internadas num hospital, com recurso a tranquilizantes e alimentadas artificialmente. Na terapia confrontavam-me com a insensatez do meu comportamento face à comida, os meus ideais exigentes e irrealistas, o meu comportamento com a minha família. Tinha terapias de família, de grupo e individuais. Ao fim de dois meses pude visitar os meus pais e eles vinham ver-me aos fins-de-semana. Saí da clínica com 54kg, mas não totalmente curada.’
A recaída deu-se em 2001, quando não conseguiu entrar no ambicionado curso universitário e teve mais crises de bulimia. No ano seguinte entrou na faculdade e começou a trabalhar. Foi a obsessão pelo estudo que a salvou, diz. ‘Hoje, tenho 56kg. Gosto de mim, de me ver ao espelho, não tenho balança em casa porque não a quero que ela domine a minha vida.’

Elas sofrem mais

A anorexia nervosa afecta, sobretudo, raparigas adolescentes, mas pode ocorrer nas mais variadas idades. ‘Cada vez há mais mulheres de 40 e até 60 anos a sofrer disto’, confirma José Delgado, responsável pelo núcleo de Lisboa da AFAAB. ‘Também aparecem mais crianças com a doença. A mais nova que tivemos em consulta tinha 8 anos’, conta Abel Matos Santos, psicólogo clínico do Núcleo de Doenças do Comportamento Alimentar do Hospital de Santa Maria.

Também há rapazes anorécticos a proporção, a nível internacional, é de um rapaz para dez meninas; em Portugal, a diferença é de 0,3 meninos para dez raparigas, segundo o psicólogo. ‘A característica mais comum da anorexia é a perda de peso, associada a uma gradual mudança de comportamento. A perda de peso é lenta mas progressiva e, normalmente, tem início com uma dieta normal, podendo também ocorrer de forma brusca. As tentativas de diminuir ou acabar com a restrição costumam ser encaradas com muita resistência.’ Quanto mais peso perdem, mais medo têm de o voltar a ganhar e continuam a recusar comer, mesmo quando o corpo começa a traí-los. Aos poucos, perdem a alegria e o contacto com os amigos porque evitam sair de casa.

Disciplinadas, organizadas e boas alunas

‘Algumas causas para a anorexia nervosa ainda são desconhecidas, mas a personalidade da rapariga, a forma de relacionamento com a família e eventuais problemas fora de casa, sobretudo na escola, podem desencadeá-la’, explica Abel Matos Santos. ‘A predisposição genética, ou seja, haver na família alguém que sofra da mesma doença, pode aumentar o risco de se vir a sofrer dela’, explica ainda o psicólogo. ‘Estas raparigas caracterizam-se por serem conformistas, disciplinadas e trabalhadoras. Comparativamente a outras meninas da mesma idade, tendem a ser mais sensíveis, obsessivas, organizadas e muito meticulosas. Estas características costumam marcar presença antes de sofrerem anorexia e acentuam-se com o desenvolvimento do distúrbio.’

A AFAAB alerta, no seu site, para outros factores de risco: podem ter sido jovens que no passado tenham lutado contra o excesso de peso ou obesidade, vítimas de um trauma físico ou sexual no passado e, muitas vezes, têm ou aspiram a ter profissões que enfatizam um ideal de corpo magro (bailarinos, actores, modelos ou desportistas). José Delgado acrescentar-lhe-ia outros traços: quase todos os anorécticos são excelentes alunos e demonstram uma maturidade precoce. ‘A minha filha não teve adolescência; passou da pré-adolescência à idade adulta. E hoje está numa fase em que os colegas da idade dela são putos que não cresceram.’

Escondem comida, mentem, fazem muito exercício

Na sua luta de sete anos, José Delgado aprendeu muita coisa. ‘É preciso estarmos muito atentos aos momentos em que eles querem falar connosco, porque são poucos e são muito subtis a demonstrá-lo. Aprendi que a educação que demos aos nossos filhos não tem nada que ver com a doença há muitos pais que se culpabilizam que os nossos filhos precisam de segurança e firmeza; que, num distúrbio alimentar como este, a comida não é o essencial. Como diz Daniel Sampaio, a comida já está na mesa, não é preciso falar sobre ela. Aprendi a desligar a televisão à hora das refeições. Quantas vezes a minha família esteve toda à mesa e a Sofia não comeu o que estava estipulado, mas existiu diálogo.’ Para um anoréctico, esta é a hora de todas as angústias. Sentir-se pressionado a comer só piora tudo.


Familiarizou-se depressa com as estratégias da filha para escapar ao controlo. ‘Começam a vestir muita roupa, escondem a comida. É preciso estarmos atentos para ver se eles fazem demasiado exercício, se acordam de madrugada para isso. Fazem muitas perguntas para nos testarem acerca do peso. A minha filha atirava-se para o meu colo para ver se eu vacilava e se estava mais pesada. Em algumas fases da doença mentem muito.’ Mas há sinais ainda mais subtis. ‘Os irmãos mais novos e os animais de estimação engordam de repente. À refeição, começam a partir a comida em bocados muito pequenos e pô-los à borda do prato, para parecer que já comeram o suficiente. Mastigam muito os alimentos e armazenam–nos nas bochechas para os deitarem fora.’

Há pais com vergonha de sair de casa

Foi por pensar que a partilha da sua experiência poderia ajudar na cura dos filhos que José Delgado se envolveu na associação. ‘São mais as pessoas que nos telefonam com dúvidas do que aquelas que participam nas reuniões de pais. Ainda há muita vergonha e medo de falar sobre a doença. Há quem não saia de casa porque tem vergonha dos filhos ou porque não querem perguntas de vizinhos e família. Só fecham mais o ciclo de isolamento da família. Alguns pais adoecem com depressões. Há casos de rupturas familiares quando as pessoas não aguentaram a carga.’

Hoje, um grupo de pais reúne-se todas as quartas–feiras, com dois psicólogos, para procurar respostas e falar de anorexia. ‘É uma doença de tratamento difícil e lento, no mínimo três anos’, diz José Delgado. ‘Cada pequena conquista é um milagre. Existem sempre perigos de recaída. É uma das nossas maiores angústias. ‘Só alguns casos tendem a ser crónicos’, observa Abel Matos Silva. ‘A maior parte das doentes fica curada ou têm uma vida normal, apesar de manterem traços da doença.’ O primeiro passo no tratamento é também o mais difícil de dar, diz o médico. ‘Antes de tudo, é preciso que a doente admita ter um problema.

Normalmente, é a família que a leva ao médico, dado que a própria se recusa a aceitar a gravidade da situação. O tratamento pode incluir psicoterapia individual, de grupo e familiar, aconselhamento nutricional e medicação e, nos casos mais graves, o internamento um índice de massa corporal inferior a 15 já o sugere.’

Sinais de alerta
O psicólogo Abel Matos Santos diz–nos ao que é preciso estar atento.
FÍSICOS: Perda visível de peso, dificuldade em dormir, dores de barriga, perda de cabelo, sensação de frio constante, menstruação irregular ou inexistente, perda da força muscular, dores de cabeça, tonturas e desmaios, palidez, lanugo (penugem em todo o corpo).
PSICOLÓGICOS: Sentir-se gorda, apesar de estar muito magra, depressão, irritabilidade e mudanças repentinas de humor, procura do perfeccionismo, isolamento social, obsessão por comida, calorias e receitas, dificuldade de concentração, auto-estima determinada pela ingestão de alimentos, culpa ou vergonha ao alimentar-se.
COMPORTAMENTAIS: Prática excessiva de exercício, cozinhar para outros e não comer, recurso ao vómito forçado; uso de laxantes, diuréticos, clisteres e comprimidos para a perda de peso, desculpas constantes para não comer, pesagens muito frequentes, uso de roupas largas, cortar a comida em pedacinhos, mordiscar os alimentos.

Passou por uma experiência destas? Participe no Fórum ACTIVA e conte-nos a sua história!

Siga-nos no Twitter!

Relacionados

Beleza

Pais não levam os filhos ao oftalmologista

Um estudo recente concluiu que 65% dos pais portugueses nunca levaram os filhos a um optometrista para realizar um exame à visão

Saúde

Na saúde, anda a seguir maus conselhos?

Nem sempre devemos acreditar em tudo o que ouvimos e seguir todos os conselhos que recebemos. Fique a saber que alguns deles não são tão verdadeiros como se pensa

Mais no portal

Moda

Inspire-se no que há de novo nestas marcas de moda populares

A nova estação traz muitas novidades e estas marcas dão o mote para o que vamos querer usar nos dias quentes.

Exclusivo
Beleza

Bárbara Corby: "Considero que a beleza vem de dentro"

A influencer é o novo rosto da Vichy em Portugal, depois de ter sido embaixadora digita da marca durante algum tempo. Em conversa com a ACTIVA falou sobre o novo papel e a a relação que tem com o mundo da beleza.

Imagem de Sucesso

Como usar o cinto para modernizar looks e valorizar a silhueta

Quer seja fino, grosso, de metal ou de couro, o cinto pode ser um grande aliado para no que toca ao styling.

Mulheres Inspiradoras

Joana Pessoa: um novo fado

É fadista desde os 15 anos, mas isso está longe de resumir a sua vida. Estivemos à conversa sobre escolhas, caminhos, filhos, divórcio, destino, amor, velhice, para voltarmos ao fado e fecharmos o círculo. Levei-lhe quase quatro horas de vida. É o que dá conversar com uma das mulheres mais interessantes que já entrevistei.

Celebridades

O momento exato em que o palácio anunciou a morte do duque de Edimburgo

Algumas pessoas já foram deixar flores nos portões de Buckingham para homenagear Philip, que morreu nesta quinta-feira, 9 de abril. Veja as primeiras imagens.

Comportamento

Existem quatro tipos de vinculação num relacionamento - saiba qual é o seu

Este tipo de apego é construído na infância e pode acabar por ter repercussões na vida adulta.

Lifestyle

O guia de cinco passos para começar a praticar o "self-care"

Este tipo de cuidados consigo mesma é capaz de gerar mais qualidade de vida e bem-estar.

Celebridades

Os motivos para a polícia ter ido nove vezes à mansão de Meghan e Harry na Califórnia

O afastamento da família real trouxe vários problemas de segurança para a vida dos duques de Sussex nos Estados Unidos.

Moda

Estas novidades de moda prometem fazer furor nos meses quentes

São mais de 20 artigos que aliam elegância, estilo e cor. A combinação ideal para receber a primavera.

Moda

Conheça esta coleção de roupa sustentável para a primavera/verão

Com direção criativa de Sara Carbonero.

Beleza

Beleza: as novidades que estão na ordem do dia

Os produtos que temos de experimentar