200324634-001.jpg

Como é que podemos descrever uma dor de cabeça? Pode ser aquela dor que mais se assemelha a uma pressão sobre o crânio e que faz com que o seu dia custe muito mais a passar. Ou a enxaqueca que até consegue pressentir chegar e que a faz sentir-se doente, enjoada e incapaz de fazer seja o que for, a não ser deitar-se num lugar silencioso e escuro. Ou aquela dor de cabeça que aparece todos os dias a meio da tarde e a impede de se concentrar no seu trabalho e a leva a tomar analgésicos quase todos os dias. Ou pior, mas muito mais rara: a dor que a acorda a meio da noite e que, numa questão de segundos, se torna intolerável como um ferro em brasa, obrigando-a a andar no quarto de um lado para o outro agarrada à cabeça. Quase todos sofremos uma dor de cabeça mais ou menos intensa ao longo da vida. Mas para algumas pessoas a intensidade e frequência das crises torna-as num verdadeiro pesadelo.

MAIS FREQUENTES NAS MULHERES

As dores de cabeça, ou cefaleias, não são todas iguais. “A grande maioria não tem outra causa por trás; são já, em si próprias, uma doença. São as chamadas cefaleias primárias”, afirma Jorge Machado, neurologista e presidente da Sociedade Portuguesa de Cefaleias. “A pequena percentagem de dores de cabeça que são tradução de outra doença, chamam-se cefaleias secundárias: é o caso de quem sofre de refração ocular e passe um dia ao computador, quem faça um traumatismo craniano ou tenha um tumor cerebral (raríssimo). O grande medo das pessoas é que a sua dor de cabeça possa ser tradução de outra doença – sobretudo um tumor – mas em mais de 95% dos casos são primárias. É raro que uma pessoa com uma dor de cabeça intensa e um exame neurológico normal tenha uma cefaleia secundária.”

Se para despistar a diabetes basta uma análise ao sangue, não há nenhum exame analítico, eletrofisiológico ou imagiológico que permita diagnosticar dores de cabeça primárias. “Mas uma história clínica bem feita e um exame neurológico normal permitem-nos fazer o diagnóstico, com uma grande dose de certeza, do tipo de cefaleia primária que o doente tem, seja ela enxaqueca, dor de cabeça tipo tensão (as mais frequentes), ou cefaleia em salvas, esta mais rara (ver caixa).”

Quase todos os tipos de dores de cabeça são mais comuns nas mulheres, à exceção da cefaleia tipo salvas. “Os fatores hormonais são um potente estímulo desencadeante de crises”, explica o neurologista. “Grande parte das senhoras tem-nas durante o período fértil da vida. O principal fator para aparecerem é a baixa abrupta dos níveis de estrogénios em circulação, antes e durante a menstruação. Se tomarem a pílula e não fizerem a habitual paragem da toma não têm período. Essa, aliás, é uma das estratégias terapêuticas que usamos com as senhoras que tomam a pílula e têm crises sobretudo durante a menstruação. Depois da menopausa, na maioria dos casos, as crises desaparecem porque deixa de haver essa oscilação.”

O único tipo de dor de cabeça mais comum entre os homens é a cefaleia em salvas, que afeta três em cada mil pessoas. “A sua dor está descrita como sendo uma das dores mais intensas que se podem sentir.” Estudos recentes chamaram a atenção para as alterações que as pessoas que sofrem deste tipo de cefaleia apresentam no hipotálamo, a parte do cérebro que controla o nosso relógio biológico.

CUIDADO COM A MEDICAÇÃO EM EXCESSO

“A cefaleia do tipo tensão é a mais frequente, afetando 78% dos adultos ao longo da vida. É aquela que as pessoas referem como ‘dor de cabeça normal’. Não há dores de cabeça ‘normais’, o normal é não as ter”, observa Jorge Machado. Pode ser desencadeada por stresse ou por uma má postura enquanto trabalha ao computador, que aumenta a tensão nos músculos do couro cabeludo e pescoço. “É muito menos incapacitante que a enxaqueca, embora, em termos de saúde pública não seja menos importante porque ainda leva menos as pessoas ao médico. Conduz a outra situação terrível, que é a dor de cabeça por uso excessivo de medicação. As cefaleias de tensão e a enxaqueca são as únicas dores em que a medicação usada para a aliviar pode agravá-la, se tomada em excesso. É a maneira melhor de se passar de uma dor de cabeça episódica a uma crónica.” Por isso, não tome comprimidos para a dor de cabeça mais do que duas vezes por semana (10 ao mês) se não quer que ela passe a ser crónica e diária.

O ácido acetilsalicílico, o paracetamol, a codeína e o ibuprofeno, os analgésicos mais comuns de venda livre, mas também os medicamentos para tratar a enxaqueca (triptanos e ergotamina), estão associados a este problema. Pensa-se que isto acontece porque, ao longo do tempo, os analgésicos vão alterando os sistemas de sinalização da dor situados no cérebro, que se habituam aos efeitos da medicação; esta passa a ser necessária em doses cada vez maiores. Embora não seja exatamente igual, uma dor de cabeça deste tipo pode surgir devido ao consumo excessivo de bebidas com cafeína – café, chá ou bebidas ‘energizantes’.

“MALDITA ENXAQUECA!”

Uma em cada sete pessoas – 15% das mulheres em idade fértil e 10% dos homens – sofre de enxaqueca. As mulheres têm três vezes mais probabilidades de vir a desenvolvê-la. Pode ser

Palavras-chave

Assine uma destas revistas e escolha um presente grátis. Estadas em hotéis, produtos de beleza e muitos outros. Aproveite. Assine aqui

Relacionados

Comportamento

5 palavras de ordem para as crianças sobreviverem na selva

Pais sem tempo, eternidades na escola, pressão para serem os melhores, horários impensáveis… As crianças têm cada vez mais obstáculos a superar. Adote uma educação ‘anticrise’ e ajude o seu filho a aceitar sem medo os desafios da vida.

Beleza

Porque sofremos mais do que os homens?

Saiba porque as mulheres sentem a dor de uma forma mais intensa que os homens, quais os tipos de dor mais frequentes e o que fazer para as minorar.

Comportamento

Dói-me a cabeça!

Muito frequente nos adultos, a dor de cabeça também é comum em crianças e adolescentes. Conhecer as especificidades deste problema é importante para evitar preocupações desnecessárias e ajudá-los da melhor maneira.

Beleza

Somnorexia: a doença do excesso de sono

Acorde! Isso de andar a cair de sono durante a semana e dormir todo o sábado e domingo para tentar recuperar já tem um nome. Chama-se somnorexia e tem custos para a sua saúde

Mais no portal

Beleza

Meio bob, meio pixie: eis o corte que promete fazer furor em 2022

Podemos estar num novo ano, mas o corte do momento veio direitinho da década de 1990.

Saúde

A importância deste suplemento para quem está grávida ou a tentar engravidar

Algo nem sempre receitado pelos médicos, mas que pode trazer inúmeros benefícios!

Moda

Truques de styling para usar calças largas com confiança

Uma tendência que, além de prática, é confortável e elegante.

Comportamento

Namoro online: 5 dicas para melhorar a experiência

Recomendados por uma terapeuta familiar.

BeYoga

BeYoga: Força e Determinação de Guerreiro

Desperte a guerreira que há em si, de uma forma vigorosa, activando toda a energia orgânica que flui em direção aos seus objetivos. Seja uma guerreira da paz e irradie firmeza para vencer todas as limitações. Sinta-se pronta para ultrapassar todos os obstáculos.

Lifestyle

Agora não é só loja: há brunch na Brigadeirando, no Lx Factory

E a marca tem algumas novidades à nossa espera.

Saúde

Vacina contra o cancro de pele testada com sucesso em ratos

Uma notícia que nos enche de esperança.

Comportamento

Esta é, provavelmente, a melhor dica para encontrar "o tal"

Um truque bastante simples e que é defendido por vários especialistas. Saiba do que se trata e mude a forma como olha para os relacionamentos.

Lifestyle

Estas duas dicas podem revolucionar a sua gestão financeira

E são bastante simples.

Saúde

Covid-19: Estudo explica a importância da terceira dose da vacina

Bem como das vacinas de mRNA.

Comportamento

3 motivos para o sexo (por vezes) causar apego emocional

Eis a explicação de uma especialista, mestre em Sexologia.

Beleza

4 hábitos aparentemente inofensivos que causam pontas espigadas

Saiba quais são e como pode proteger os fios.