99942698.jpg

O coração é a bomba do nosso corpo. Quando contrai, o sangue é empurrado para as paredes das artérias fazendo com que elas se expandam. A força dessa impulsão é conhecida como pressão arterial sistólica, ou máxima. Depois, ele relaxa e os vasos sanguíneos retraem: temos assim a tensão arterial mínima ou diastólica. É a estas variações que chamamos tensão arterial. Considera-se que os seus valores são normais quando estão abaixo dos 14 de tensão máxima e os 9 de mínima. “Numa pessoa não hipertensa, consideram-se óptimos valores abaixo dos 11/7 e normais os que estão entre os 11 e os 13 de máxima e os 7 e os 8,5 de mínima”, explica o cardiologista António Cecílio Gouveia. “As excepções são os diabéticos e os doentes renais, com quem temos de ser mais exigentes nestes valores.” Mas a tensão varia ao longo do dia. É mais alta de manhã e essa é a razão pela qual muitos enfartes e AVC (acidentes vasculares cerebrais) se dêem nesta altura. Emoções fortes, esforço físico intenso, frio e alterações de temperatura, a reacção nervosa, que acontece quando os médicos a medem (a chamada hipertensão de bata branca) são factores que podem fazer subir a sua pressão. Mas, se em várias medições espaçadas no tempo eles superam os 14/9, estamos face a um hipertenso.

Jovens sob tensão

Quando não controlada e, sobretudo quando combinada com outros factores de risco, a hipertensão pode desencadear acidentes vasculares incapacitantes ou mesmo mortais. E deixou de ser um problema de quem passou dos 40 ou 50 anos. Há adolescentes e jovens já começam a apresentar níveis de tensão preocupantes “devido à inactividade física dos adolescentes, que passam mais tempo em frente à televisão e dos computadores, e devido ao tipo de alimentação que se pratica em casa e nas escolas – abandonámos a dieta mediterrânica”, diz António Cecílio Gouveia, cardiologista da Fundação Portuguesa de Cardiologia e do Instituto de Cardiologia Preventiva de Almada.

Apenas 10% das situações de hipertensão têm uma origem conhecida, geralmente genética. Chama-lhe hipertensão secundária e pode dever-se a alterações hormonais a problemas renais ou vasculares congénitos. Mas a maior parte dos casos deve-se a um estilo de vida desadequado.

Aposte numa alimentação saudável:

O grande inimigo da tensão arterial é mesmo o sal… e os portugueses consomem-no demasiado! Mas há outros alimentos com os quais deve ter cuidado:

– Reduza a quantidade de sal para metade, ou menos… ou mesmo nenhum! Experimente outros temperos e substitua por ervas aromáticas e limão.

– Evite enlatados: tem muito mais sal na sua composição do que alimentos frescos, que deve preferir sempre. Leia atentamente os rótulos das embalagens.

– Modere o consumo de enchidos (bacon, chouriço, fiambre), pickles, mostarda e alguns tipos de queijo.

– Reduza o consumo de alimentos ricos em colesterol: carnes vermelhas, manteiga, queijo ou leite inteiros, miudezas de animais (fígado, rins) e gema de ovo.

– Por alguma razão a dieta mediterrânica é considerada a melhor do mundo. Com poucas carnes na sua composição, muito peixe, vegetais, cerais e rica em azeite, a gordura mais saudável.

Repense o seu estilo de vida

– Combata o stresse: ele desencadeia produção de cortisol e adrenalina, que aumentam a tensão arterial. Exercícios de relaxamento, meditação, ioga ou Pilates podem ajudar a moderar o stress. 

– Deixe de fumar. Se pensa que já é tarde saiba que, após ou ano de corajosa abstinência, um ex-fumador reduz para 50% os riscos de ataque cardíaco. Se não conseguir deixar totalmente reduza para menos de metade a quantidade que já consome habitualmente. Não é o ideal, mas pelo menos já ajuda…

– Mexa-se: “Um hipertenso controlado deve fazer exercícios dinâmicos, em que os músculos nunca ficam presos, contraem e distendem”, aconselha António Gouveia. Estamos a falar de corrida, marcha, caminhada, andar de bicicleta, nadar. “Os exercícios estáticos, como a musculação ou exercícios com pesos, aumentam-na e devem ser evitados ou feitos com muita moderação por hipertenso.”

Quando e como medir a tensão

Mesmo um jovem adulto completamente saudável, de 20 ou 30 anos, deve medir a sua tensão arterial pelo menos uma vez por ano. Faça-o no mesmo braço e à mesma hora, de preferência. O meio-dia é uma boa hora para o fazer. Se preferir ter um medidor de tensão em casa, opte por um modelo de braçadeira. “Os de pulso não são tão fidedignos”, explica o cardiologista.

Factores de risco

– Tabaco: provoca batimentos cardíacos mais acelerados e o estreitamento dos vasos sanguíneos, dificultando o bombear do sangue.

– Colesterol e triglicéridos elevados: colam-se às paredes das artérias, deteriorando-as e dificultando a circulação.

– Excesso de peso: representa um esforço extra para o seu coração bombear sangue. Mais uma razão para o manter controlado.

– Stress: desencadeia a produção de adrenalina, que aumenta os batimentos cardíacos e põe o corpo em alerta total, aumento também a tensão sem que se aperceba.

– Misturar a pílula com o cigarro: Uma mistura perigosa, segundo o cardiologista, e que pode desencadear hipertensão porque um factor potencia os efeitos do outro. Por si só os contraceptivos orais não acarretam tanto risco.

– Diabetes

Falta de exercício

Abuso de bebidas alcoólicas

– Idade: “A tensão arterial tem sempre tendência a aumentar com a idade, sobretudo depois dos 40 anos”, avisa o cardiologista.

– Sexo: os homens tem um risco de hipertensão maior e mais cedo do que nós. Mas, sobretudo depois da menopausa, o nosso risco de hipertensão também aumenta.

A gravidez: a eclâmpsia ou pré-eclâmpsia aparece durante a gestação e pode acarretar consequências graves para mãe e bebé quando não seguida e medicada.

Palavras-chave

Relacionados

Beleza

Descubra se está em risco de ter um enfarte

Sabia que os sinais de enfarte são diferentes consoante o sexo? A maioria das mulheres não sabe e é apanhada desprevenida.

Beleza

OS NÚMEROS PARA UM CORAÇÃO SAUDÁVEL

Em Maio propomos-lhe que grave estes números para um coração mais feliz e livre... de risco cardiovascular. Do colesterol ao perímetro de cintura, um especialista explica-lhe quais os valores a que deve estar atenta.

Beleza

Colesterol alto: risco para a saúde?

Depois de anos a sermos bombardeados com informações acerca dos malefícios do colesterol alto, eis que surgem estudos a dizer que afinal ele pode não ser tão mau como pensávamos, e até ter efeitos benéficos na saúde.

Mais no portal

Diz Quem Sabe

Tudo o que precisa de saber sobre a reabilitação oncológica

Um artigo de opinião assinado pelo médico Énio Pestana, do Hospital CUF Cascais, sobre este tipo de cuidados.

Beleza

Conheça as grandes vantagens dos champôs sólidos

Preparámos também uma lista de produtos que pode incluir na sua rotina de cuidados capilares.

Nas Bancas

Como salvar as suas plantas

Na ACTIVA Verde, já em banca, os conselhos para escolher e cuidar das suas plantas.

Nas Bancas

Este casal mostra-nos como é viver "fora da rede"

Uma casa de madeira foi o início da mudança.

Nas Bancas

Receitas (de chef): desperdício zero

Sabia que está a deitar fora uma das melhores partes dos seus legumes?

Comportamento

A sustentabilidade chegou ao sexo

Conheça quatro formas de ajudar a salvar o planeta entre quatro paredes.

Moda

7 coleções que mostram que a moda sustentável é o estilo do futuro (a começar agora)

Coleções sustentáveis que são um “must-have” para receber o calor

Saúde

Experimentei um copo menstrual pela primeira vez - e foi assim que correu

Nunca é tarde para tomar uma decisão com impacto positivo no ambiente.

Beleza

Saiba como criar uma rotina de beleza mais sustentável

Pequenas mudanças de hábitos podem fazer uma grande diferença no compromisso com a sustentabilidade.

Lifestyle

Faça você mesma: receitas de detergentes ecológicos

Para além destas seis sugestões, partilhamos outros truques que podem ajudar o lar a ser mais "eco-friendly".

Nas Bancas

Activa Verde: é urgente mudar o futuro

Nas bancas!