99942698.jpg

O coração é a bomba do nosso corpo. Quando contrai, o sangue é empurrado para as paredes das artérias fazendo com que elas se expandam. A força dessa impulsão é conhecida como pressão arterial sistólica, ou máxima. Depois, ele relaxa e os vasos sanguíneos retraem: temos assim a tensão arterial mínima ou diastólica. É a estas variações que chamamos tensão arterial. Considera-se que os seus valores são normais quando estão abaixo dos 14 de tensão máxima e os 9 de mínima. “Numa pessoa não hipertensa, consideram-se óptimos valores abaixo dos 11/7 e normais os que estão entre os 11 e os 13 de máxima e os 7 e os 8,5 de mínima”, explica o cardiologista António Cecílio Gouveia. “As excepções são os diabéticos e os doentes renais, com quem temos de ser mais exigentes nestes valores.” Mas a tensão varia ao longo do dia. É mais alta de manhã e essa é a razão pela qual muitos enfartes e AVC (acidentes vasculares cerebrais) se dêem nesta altura. Emoções fortes, esforço físico intenso, frio e alterações de temperatura, a reacção nervosa, que acontece quando os médicos a medem (a chamada hipertensão de bata branca) são factores que podem fazer subir a sua pressão. Mas, se em várias medições espaçadas no tempo eles superam os 14/9, estamos face a um hipertenso.

Jovens sob tensão

Quando não controlada e, sobretudo quando combinada com outros factores de risco, a hipertensão pode desencadear acidentes vasculares incapacitantes ou mesmo mortais. E deixou de ser um problema de quem passou dos 40 ou 50 anos. Há adolescentes e jovens já começam a apresentar níveis de tensão preocupantes “devido à inactividade física dos adolescentes, que passam mais tempo em frente à televisão e dos computadores, e devido ao tipo de alimentação que se pratica em casa e nas escolas – abandonámos a dieta mediterrânica”, diz António Cecílio Gouveia, cardiologista da Fundação Portuguesa de Cardiologia e do Instituto de Cardiologia Preventiva de Almada.

Apenas 10% das situações de hipertensão têm uma origem conhecida, geralmente genética. Chama-lhe hipertensão secundária e pode dever-se a alterações hormonais a problemas renais ou vasculares congénitos. Mas a maior parte dos casos deve-se a um estilo de vida desadequado.

Aposte numa alimentação saudável:

O grande inimigo da tensão arterial é mesmo o sal… e os portugueses consomem-no demasiado! Mas há outros alimentos com os quais deve ter cuidado:

– Reduza a quantidade de sal para metade, ou menos… ou mesmo nenhum! Experimente outros temperos e substitua por ervas aromáticas e limão.

– Evite enlatados: tem muito mais sal na sua composição do que alimentos frescos, que deve preferir sempre. Leia atentamente os rótulos das embalagens.

– Modere o consumo de enchidos (bacon, chouriço, fiambre), pickles, mostarda e alguns tipos de queijo.

– Reduza o consumo de alimentos ricos em colesterol: carnes vermelhas, manteiga, queijo ou leite inteiros, miudezas de animais (fígado, rins) e gema de ovo.

– Por alguma razão a dieta mediterrânica é considerada a melhor do mundo. Com poucas carnes na sua composição, muito peixe, vegetais, cerais e rica em azeite, a gordura mais saudável.

Repense o seu estilo de vida

– Combata o stresse: ele desencadeia produção de cortisol e adrenalina, que aumentam a tensão arterial. Exercícios de relaxamento, meditação, ioga ou Pilates podem ajudar a moderar o stress. 

– Deixe de fumar. Se pensa que já é tarde saiba que, após ou ano de corajosa abstinência, um ex-fumador reduz para 50% os riscos de ataque cardíaco. Se não conseguir deixar totalmente reduza para menos de metade a quantidade que já consome habitualmente. Não é o ideal, mas pelo menos já ajuda…

– Mexa-se: “Um hipertenso controlado deve fazer exercícios dinâmicos, em que os músculos nunca ficam presos, contraem e distendem”, aconselha António Gouveia. Estamos a falar de corrida, marcha, caminhada, andar de bicicleta, nadar. “Os exercícios estáticos, como a musculação ou exercícios com pesos, aumentam-na e devem ser evitados ou feitos com muita moderação por hipertenso.”

Quando e como medir a tensão

Mesmo um jovem adulto completamente saudável, de 20 ou 30 anos, deve medir a sua tensão arterial pelo menos uma vez por ano. Faça-o no mesmo braço e à mesma hora, de preferência. O meio-dia é uma boa hora para o fazer. Se preferir ter um medidor de tensão em casa, opte por um modelo de braçadeira. “Os de pulso não são tão fidedignos”, explica o cardiologista.

Factores de risco

– Tabaco: provoca batimentos cardíacos mais acelerados e o estreitamento dos vasos sanguíneos, dificultando o bombear do sangue.

– Colesterol e triglicéridos elevados: colam-se às paredes das artérias, deteriorando-as e dificultando a circulação.

– Excesso de peso: representa um esforço extra para o seu coração bombear sangue. Mais uma razão para o manter controlado.

– Stress: desencadeia a produção de adrenalina, que aumenta os batimentos cardíacos e põe o corpo em alerta total, aumento também a tensão sem que se aperceba.

– Misturar a pílula com o cigarro: Uma mistura perigosa, segundo o cardiologista, e que pode desencadear hipertensão porque um factor potencia os efeitos do outro. Por si só os contraceptivos orais não acarretam tanto risco.

– Diabetes

Falta de exercício

Abuso de bebidas alcoólicas

– Idade: “A tensão arterial tem sempre tendência a aumentar com a idade, sobretudo depois dos 40 anos”, avisa o cardiologista.

– Sexo: os homens tem um risco de hipertensão maior e mais cedo do que nós. Mas, sobretudo depois da menopausa, o nosso risco de hipertensão também aumenta.

A gravidez: a eclâmpsia ou pré-eclâmpsia aparece durante a gestação e pode acarretar consequências graves para mãe e bebé quando não seguida e medicada.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

ASSINE AGORA A REVISTA ACTIVA COM OFERTA ISDIN. DEIXE-SE INSPIRAR. Saiba tudo aqui. ASSINAR

Relacionados

Beleza

Descubra se está em risco de ter um enfarte

Sabia que os sinais de enfarte são diferentes consoante o sexo? A maioria das mulheres não sabe e é apanhada desprevenida.

Beleza

OS NÚMEROS PARA UM CORAÇÃO SAUDÁVEL

Em Maio propomos-lhe que grave estes números para um coração mais feliz e livre... de risco cardiovascular. Do colesterol ao perímetro de cintura, um especialista explica-lhe quais os valores a que deve estar atenta.

Beleza

Colesterol alto: risco para a saúde?

Depois de anos a sermos bombardeados com informações acerca dos malefícios do colesterol alto, eis que surgem estudos a dizer que afinal ele pode não ser tão mau como pensávamos, e até ter efeitos benéficos na saúde.

Mais no portal

Imagem de Sucesso

Como atualizar o guarda-roupa de acordo com as tendências das passarelas

Este é o tema do novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso.

Moda

Cachecóis Maxi: a aposta da Parfois para o inverno

Conheça algumas sugestões da marca.

Saúde

4 vilões na alimentação que pioram os sintomas da TPM

Saiba o que evitar nessa altura do mês.

Beleza

Risco ao meio ou de lado? A melhor opção para cada formato de rosto

A forma como reparte o cabelo pode mudar muito o seu visual - num cenário ideal, sempre para melhor. Saiba como valorizar os seus traços.

Lifestyle

Escolas portuguesas ganham um novo brilho este Natal

Graças à Make-A-Wish.

Comportamento

É amor romântico ou platónico? Saiba o que distingue os conceitos

Tendemos a associar a palavra 'relacionamento' a um envolvimento romântico, mas a expressão pode descrever qualquer tipo de ligação interpessoal.

Moda

Os melhores sapatos para usar nos meses de outono e inverno

Inspire-se nestas sugestões.

Beleza

Os melhores vernizes nude para cada tom de pele

Esta é a escolha ideal para quem gosta de estéticas minimalistas.

Moda

Estes visuais provam que as cores neutras estão longe de ser aborrecidas

Inspire-se para os seus "looks" de outono/inverno.

Lifestyle

Esta é a série de animação que pode ajudar os seus filhos a comer melhor

Depois de conquistar mais de meio milhão de alunos nas escolas em Portugal, o projeto de educação para a saúde, Heróis da Fruta, chega agora ao pequeno ecrã

Moda

As botas cor-de-rosa perfeitas para visuais de inverno... e que também ajudam uma boa causa

Dois modelos muito especiais.