Nascemos a partir de uma única célula que se dividiu, criando uma cópia igualzinha. E o processo repete-se: todos os dias, morrem e nascem 70 milhões de células no nosso corpo.

Cada célula tem a sua própria fábrica de produzir proteínas, e um ‘software’ que lhe diz como o fazer, os nossos cromossomas. Cada célula tem um filamento de dois metros de comprimento onde, com a ajuda de três mil milhões de moléculas de base que constituem o código genético, estão inscritos os nossos 30 000 genes. Aliás, cada célula contém dois destes filamentos: um do pai, outro da mãe.

Sempre que uma célula tem de fabricar uma proteína, desenrola estas cadeias até chegar ao gene de que precisa, faz uma cópia desse gene, e encaminha-o para a ‘fábrica’, onde a proteína será fabricada. O cancro resulta da alteração de um destes genes: a multiplicação dessa célula deixa de estar controlada e passa a acontecer de forma anárquica até formar uma massa, o tumor.

Como é que isto se dá? Pode ser uma simples letra no lugar de outra, uma em três mil milhões de letras que contém cada um dos filamentos de ADN. “Um simples T no lugar de um C ou de um A e é todo o sentido do ‘texto’ que muda”, afirma o oncologista francês David Khayat, no livro ‘O Verdadeiro Regime Anti-Cancro’ (Livros d’Hoje). “Um interruptor que se liga quando o queríamos desligar. Um gene que bloqueia a divisão em situação normal, e de repente deixa de bloquear. Ou que tem por missão estimulá-la e entra em espiral!”

Claro que, na maioria das vezes, estes erros são detetados pela célula e há sistemas de reparação do ADN. Ele é lido e relido, e quando a célula deixa de ser eficaz, é destruída. Mas basta que este ‘guardião do gene’ deixe de funcionar para que se produza uma alteração fatal.

Os três ‘novos’ inimigos

Problema (outro):  atualmente, os investigadores perceberam que este esquema não era assim tão simples, e que entram outros ‘maus da fita’ no filme.

Os micróbios, por exemplo. Noventa por cento das nossas células codificadoras de proteína são micróbios: temos com eles uma relação simbiótica: as bactérias nos intestinos, por exemplo, ajudam-nos a funcionar bem, e nós damos em troca casa e comida. Mas, se a comunicação entre um micróbio e o organismo for mal feita, pode causar um tumor (como, por exemplo, o do cancro do colo do útero).

Depois, vem o ADN ‘irrelevante’ (aquilo a que os americanos chamam ‘junk DNA’): só uma parte das nossas células contém informação essencial para produzir proteínas. Os outros 98% eram até aqui considerados DNA sem serventia. Mas, agora, os cientistas pensam que podem ser um perigo, enviando sinais errados a uma célula.

E, por último, os mensageiros de RNA: uma proteína que atua como correio, levando a mensagem do ADN aos Ribossomas, espécie de fábrica que constrói as proteínas. Mas existem uns vilões, chamados Micro-RNAs, que vão sabotar a mensagem enviada: se esta chegar à ‘fábrica’ com a informação errada, aí está mais uma célula mal feita.

Conclusão: temos mais inimigos do que aqueles que conhecíamos, mas são cada vez mais identificados. E quem sabe, talvez possamos, daqui a uns tempos, aprender a derrotá-los.

novas teorias.JPG

Relacionados

Beleza

Aspirina pode reduzir risco de cancro do esófago

Um novo estudo norte-americano concluiu que o medicamento pode reduzir até 44% o risco de desenvolver um dos principais factores de risco para este tipo de cancro, que tem vindo a aumentar nos últimos anos.

Beleza

Cancro do ovário: conheça o inimigo

A Liga Portuguesa Contra o Cancro lançou uma campanha de sensibilização para aquele que é o mais letal dos cancros ginecológicos. Tânia Ribas de Oliveira e Rita Ferro Rodrigues são algumas das figuras públicas que se associaram à causa.

Beleza

Descoberto novo fator de risco para a Doença de Azlzheimer

Mulheres com níveis altos de ceramidas no sangue, têm 10 vezes mais probabilidades de vir a desenvolver a doença, diz novo estudo.

Beleza

Alunos pouco populares na escola mais propensos a problemas de saúde na meia-idade

Estudo demonstra que aqueles que não são tão populares na escola podem vir a sofrer de obesidade e tensão alta, entre outros problemas de saúde

Mais no portal

Imagem de Sucesso

Estas dicas vão facilitar a escolha das suas próximas calças de ganga

Do corte às lavagens, saiba que modelos mais favorecem as mulheres.

Beleza

Descubra qual é o melhor Gua sha para si

Uma ferramenta de beleza que se tornou indispensável na rotina de beleza de muitas mulheres.

Saúde

Ter plantas em casa aumenta a felicidade e a esperança de vida

Estes são apenas dois dos muitos benefícios comprovados pela ciência de apostar na botânica de interiores.

Moda

Que sapatos usar com calças de ganga flare? Temos a resposta

Inspire-se nestes 12 "looks" de influencers internacionais.

Beleza

Este truque deixa as sobrancelhas no lugar de uma vez por todas

É simples, prático e surpreendentemente acessível. A melhor parte? Só vai precisar de duas coisas para ter sobrancelhas de sonho.

Comportamento

As mulheres usam quatro técnicas específicas para aumentar o prazer durante o sexo

Um estudo recente pretende disponibilizar uma linguagem clara e que empodere as mulheres para tornarem o ato sexual mais satisfatório.

Saúde

A pandemia trouxe maus hábitos que sugam a energia do corpo

Saiba como corrigi-los e ganhar qualidade de vida.

Beleza

Estas fotografias provam que o lob é tão versátil quanto elegante

Por isso mesmo, é um dos cortes preferidos das influencers neste momento.

Comportamento

O que acontece quando uma mulher tem um orgasmo?

O cérebro, mais especificamente o lobo frontal, fica a todo o vapor!

Beleza

Os motivos para ser uma boa ideia investir numa bruma facial

Um produto de beleza bastante útil nos dias quentes, cujos benefícios vão muito além da hidratação.