CONTROLE O APETITE DE FORMA NATURAL

Apesar das emoções não desencadearem as mesmas respostas físicas de um estômago vazio – acidez, dores, fraqueza -, elas podem ser igualmente poderosas e gerarem verdadeiros ‘ataques’ de carência alimentar. Essas necessidades vorazes nascem nos centros cerebrais responsáveis pelas sensações de recompensa e prazer.

Isso faz com que a comida seja cada vez mais desejável e que precise cada vez mais dela para se sentir bem. Como uma droga, diz Bob Green. “Este padrão é similar ao da toxicodependência; no entanto, ao contrário da droga, a comida é essencial à sua sobrevivência. Além do mais, está disponível já pronta, é relativamente barata e é socialmente aceite que álcool ou drogas. A comida faz-nos sentir bem”, diz Green, mas “comer demais é, geralmente, sintoma que outras coisas não vão bem na sua vida.”

Analise o seu Círculo de Vida

Greene propõe um exercício de análise simples, a que chama ‘o círculo da vida’. Comece por anotar as áreas relevantes da sua vida como saúde, amor, família, finanças, carreira, espiritualidade, amigos. Agora avalie-as, atribuindo-lhes um sinal de menos ou mais, consoante se sinta insatisfeita nessa área. “Os elementos que associou com o sinal menos são aqueles a que precisa de prestar mais atenção, se quiser chegar à raiz do seu excesso de peso”, aconselha Bob Greene.

Uma crónica falta de auto-estima e de autoconfiança são os inimigos que nos fazem boicotar a luta contra os quilos, diz o preparador físico. “Uma das maiores barreiras à perda de peso é a crença enraizada de que, ou não se esforça o suficiente por merecer, ou não é digna de felicidade e sucesso.” Mas os quilos a mais também podem ser uma “armadura eficaz” atrás da qual se escuda para não ter de lidar com outros problemas maiores, como a maneira como se relaciona com os outros ou a sua sexualidade, diz o autor.

 

Mas há vida para além da comida. Estar com os amigos, ouvir a sua música preferida, namorar, fazer amor, trabalhar num projecto artístico, entregar-se aos seus hobbies, dançar, fazer exercício físico ou viajar desencadeiam a produção de neurotransmissores como a serotonina, dopamina ou endorfinas, responsáveis pelas sensações de prazer, euforia e bom humor. “Se costuma assaltar o frigorífico de cada vez que está triste ou zangada, entediada ou sozinha, precisa de fazer uma pausa para pensar o que mais pode fazer”, avança Greene.

 

 

Evite os ataques de gula

Faça refeições regulares e racionais – Se comer a cada três ou quatro horas, os níveis de açúcar no sangue não terão oportunidade de cair de forma abrupta. Sempre que isso acontece, é enviada ao cérebro uma mensagem que este interpreta como ‘precisamos de mais energia! Toca a comer!’, desencadeando aqueles ataques de fome angustiantes. Uma mistura de hidratos de carbono complexos, proteínas magras e gorduras saudáveis é o que o autor propõe como base de refeições equilibradas, que podem proporcionar-lhe uma hora a mais de saciedade.

Prefira alimentos ricos em fibra e água – Segundo Greene, uma mulher adulta precisa de 25g diários de fibras alimentares na sua alimentação (os homens, de cerca de 38g). A fibra não é digerida pelo organismo mas ajuda mantê-la saciada e a estabilizar os níveis de açúcar no sangue. Sopa, as saladas, fruta e legumes são bons exemplos de alimentos ricos em água e fibra. Greene aconselha: “Comece as refeições principais com cerca de 100g de sopa.” Vai ajudá-la a sentir-se mais saciada e a receber os nutrientes realmente importantes. Pelos vistos, a nossa mãe sempre tinha razão.

Obtenha calorias suficientes – “Uma salada verde com um pouco de tempero não é uma refeição completa. Certifique-se que come o suficiente, ou ficará cheia de fome pouco depois”, aconselha Bob Greene.

Durma bem

Mantenha-se ocupada – As actividades e hobbies que mais prazer lhe dão ajudam a preencher o vazio emocional que tantas vezes é escondido pela comida. Vai ter menos desejos de comida.

Espere 20 minutos antes de repetir o prato – ou comer a sobremesa. Esse é o tempo que leva até o estômago dizer ao seu cérebro de que está satisfeita. Se não o fizer a tempo, corre o risco de acabar a refeição a abarrotar de comida… e calorias.

Exercite-se regularmente – Sempre que acabamos uma sessão no ginásio, o nosso cérebro liberta endorfinas, substâncias que ajudam a manter o bom humor e que agem como um analgésico natural. Mas há mais: se comer até meia hora depois de acabar o exercício físico, estará cheia de apetite, mas “não comerá tanto que as calorias ingeridas sejam mais do que aquelas que já queimou”, observa Greene.

Outros factores que aumentam a fome

Um estômago vazio – O seu cérebro é alertado para a necessidade de que precisa de energia e de que é tempo de comer, através da produção da hormona grelina.

A visão e o cheiro a comida – Acontece-nos tal como ao cão da experiência de Pavlov, que salivava quando tocavam a campainha que anunciava comida.

O próprio acto de comer – Até estar cheio, a mensagem que o seu estômago envia ao cérebro é ‘Estamos a receber comida? Óptimo, venha mais!’

A conspiração histórica e genética – Tal como os nossos antepassados das cavernas, que não sabiam quando voltariam a comer de novo porque os alimentos escasseavam, estamos sintonizados para gostar naturalmente de alimentos ricos em calorias, apesar de, nos dias de hoje, serem abundantes… nas prateleiras dos supermercados.

Quando a fome é carência emocional

 

 


Esteja atenta aos sinais de alerta:

– Ter a necessidade e uma vontade enorme de comer, mesmo quando, fisiologicamente, o seu corpo não lhe pede comida.

– Ficar ansiosa quando o seu alimento preferido está a acabar.

– Comer em segredo.

– Sentir culpa por causa do que e o quanto comeu

– Ir até à loja de conveniência ou ao supermercado, mesmo de noite, para satisfazer um desejo súbito e enorme.
 

Palavras-chave

Relacionados

Saúde

"Afinal, porque é que ela é magra e eu não?"

Por que razão há pessoas que conseguem manter-se eternamente em forma e a quem nunca parem pesar os quilos a mais? Os especialistas em controlo de peso dão-nos a respostas e saiba que nem tudo tem a ver com genética.

Beleza

Como reduzir a gordura na sua alimentação

Se está cansada dos mesmos paladares e anseia por novos, deixe-se levar por soluções alternativas e outras formas de cozinhar. As gorduras vegetais oferecem texturas suaves e realçam o sabor natural dos alimentos.

Beleza

Quantas calorias pode consumir por dia?

De acordo com o seu sexo, peso, altura e grau de actividade física, há um número ideal de calorias que deve consumir diariamente. saiba qual é.

Beleza

Programa 'barriga lisa em 4 dias'!

Contamos-lhe o segredo da dieta que promete fazê-la perder três quilos em quatro dias - acabando com o inchaço da barriga - e sete quilos em quatro semanas.

Beleza

Livre-se dos quilos extra para sempre

Bob Greene é um dos gurus norte-americanos da perda de peso. No livro ‘Best Life Diet’ propõe um programa para perder peso racionalmente e sem dramas. Inspire-se e diga adeus às dietas iô-iô.

Beleza

Truques super úteis para fazer dieta!

Há pequenos truques que ajudam a emagrecer e não implicam abdicar de comer. Qualquer uma de nós os pode levar a cabo no dia-a-dia sem esforço nem sacrifício. Acabe por isso com as dietas que nunca funcionam.

Beleza

Reconhece estes hábitos? Cuidado, que arruínam a sua dieta

De nada adianta meter-se em dietas se não controlar alguns maus hábitos e pulsões que atentam contra a sua linha.

Beleza

Perca peso enquanto cozinha

Fique a conhecer as dicas da nutricionista para fazer refeições saborosas, saudáveis e pouco calóricas nesta estação.

Beleza

ALIMENTOS DESIDRATADOS: ACABE COM AS DÚVIDAS

Sabia que os alimentos desidratados preservam todos os nutrientes dos produtos frescos? Por isso, podem ser uma alternativa a integrar numa alimentação saudável e, ao mesmo tempo, que se pode preparar, na maioria dos casos, em poucos minutos. Tire todas as dúvidas

Beleza

Emagreça... com a ajuda de chá

A nutricionista Helena Cid explica-nos como perder peso... bebendo chá!

Beleza

A sua casa está a engordá-la?

A resposta é sim, a sua casa engorda. Se quer emagrecer, contar calorias não chega. Não só vai ter de incluir a família no novo regime alimentar como vai ter de pôr a casa a fazer dieta. Explicamos-lhe tudo já a seguir.

Beleza

Descubra o valor calórico de mais de 35 mil alimentos

Só tem de escrever o nome do alimento (em inglês) e tem toda a informação nutricional que precisa!

Beleza

Alternativas saudáveis para o seu almoço

O tempo é pouco e torna-se difícil comer de forma equilibrada durante a semana. Mas mesmo assim é possível fazer as opções certas para a nossa saúde.

Mais no portal

Moda

Fomos espreitar as propostas da Primark e estes são os nossos 10 acessórios preferidos

Os acessórios must-have para os dias de calor

Moda

Quem disse que não há lugar para fatos num armário de primavera?

Dos tons neutros aos mais vibrantes; das silhuetas justas às oversized, é impossível resistir a estes 10 conjuntos coordenados.

Beleza

Cabelos: três tendências inspiradas nas Deusas do Olimpo

Confira as sugestões Jean Louis David.

Lifestyle

Aos fins de semana, há 'brunch' na Doca de Santo

Com vista para o Tejo.

Moda

Uns ténis para quem não tem medo de brilhar debaixo dos holofotes

Os novos ténis da marca Puma em colaboração com Dua Lipa

Celebridades

Harry aterra no Reino Unido sem Meghan e reencontra-se com o irmão

A propósito do funeral do avô, Philip.

Moda

Estas cinco combinações de cores são a definição de luxo

Quer dar mais cor ao seu guarda-roupa? Então, inspire-se nestes visuais que encontram equilíbrio em apostas inesperadas.

Moda

Parfois: 10 artigos imperdíveis em promoção

Confira as sugestões que selecionámos.

Saúde

Um beijo, três consequências para a saúde oral

O Dia do Beijo celebra-se anualmente a 13 de abril, e Portugal não foge aos festejos. Aqui ficam três consequências (boas e más) deste gesto de carinho na saúde oral.

Body Shaper

A receita caseira que combate três grandes preocupações estéticas das mulheres

No novo episódio da rubrica Body Shaper, partilho uma massagem que ajuda a eliminar a celulite, a má circulação e a retenção de líquidos.

Saúde

CDC declara racismo ameaça à saúde pública

A agência americana focou-se no impacto deste a nível físico e emocional.