Maus hábitos que podemos manter

E se de repente deixássemos de ter um ‘patrão’ interior e decretássemos a liberdade de princípios? Já podíamos…

– Ver televisão – Pois, toda a gente diz que estamos a ficar insensíveis, acomodadas, balofas, sem vida familiar e com filhos parvos devido ao maldito vício do sofá. E é verdade. Mas quem não chega a casa e vê uma telenovela, um concurso, uma série, umas notícias, que atire o primeiro comando. O pior e o melhor do mundo estão na televisão: aproveite o melhor. Já está sobejamente estudada a forma como a televisão nos devora os neurónios, mas já alguém estudou os anos de sanidade que nos preservou? Quantos de nós não chegámos a casa de rastos e nos animámos com qualquer coisa que vimos na televisão? E nem sequer é só uma questão de evasão. Quantas vezes um programa nos instruiu, nos fez rir, nos fez pensar, nos tornou pessoas melhores, mais cultas, mais sensíveis, mais atentas? Cada vez menos? Talvez, mas é uma questão de saber escolher. Ah e desligue a televisão à hora do jantar… E não se encher de bolinhos enquanto vê a Oprah.

– Comer chocolate – Está na moda apregoar as virtudes do chocolate – e com razão. Desde magnésio até polifenóis e vitamina E, o chocolate é um poderoso antidepressivo e há mesmo investigações a jurarem que ele ‘imita’ muito bem os efeitos de uma paixão. Por isso, mais vale comer chocolate do que ficar no sofá a chorar porque o Zé Carlos a trocou pela lambisgóia da Sandra Patrícia. Mas cuidado: todos estes estudos se referem ao chocolate preto. Preto! Aquele com pouquinho açúcar! Não os bombons com licor nem as tabletes com três camadas de nougat e caramelo onde afogamos as mágoas. E mesmo o preto, é para comer um quadradinho por dia. Não uma tablete inteira. Enfim, é melhor que nada. Ah, já agora: não o partilhe com o seu cão. É que para eles sim, o chocolate é um veneno e não há aeróbica que os salve.

– Pensar primeiro em si própria – Como dizia Rui Zink, as crianças precisam de pais egoístas: se não está de bem consigo, não vai ter nada para dar às suas crianças. A psicanalista suíça Corinne Maier, autora do ‘bestseller’ ‘No Kids’, fala da enorme pressão que hoje sofrem as mães para serem super-mães, e já afirmou que “bons pais precisam de cultivar uma certa indiferença em relação aos filhos”, ou seja, o excesso de preocupação materna priva a criança da liberdade necessária para crescer e ainda torna os pais angustiados pela falta de tempo para si próprios.

– Dormir a sesta – Somos o país com mais falta de sono, e no entanto, na nossa cultura, quem se deita às 10 da noite é mais troçado, insultado e desprezado do que alguém com um sério defeito de personalidade. Ir cedo para cama significa que a pessoa troca ir para os copos, estar na net, desenvolver um caso com o Rodrigo da contabilidade, ter sexo selvagem com algemas de veludo vermelho ou fazer bolo de chocolate com pepitas por… dormir. No léxico português, dormir ainda equivale a não fazer nada. E dormir a sesta então atinge grau muito mais elevado de insanidade, sendo que em vez de se gastar a noite, desperdiça-se logo de uma assentada uma preciosa tarde inteira! Depois estranham que os portugueses sejam o povo europeu que mais gasta dinheiro em comprimidos para dormir. Afinal, dizem todos os estudos, dormir é do melhor que há. A saúde humana assenta em três pilares: alimentação, exercício e sono. Uma simples sesta de 20 minutos aumenta a produtividade, a memória, a concentração e, dizem os estudos mais recentes, protege o coração! Porquê? É que o sono, a qualquer hora do dia, actua como uma válvula de escape para o stresse. A sesta funciona, assim, como uma poderosa protecção. Por isso, deite-se e durma sem remorsos, quando e quanto lhe apetecer. Ainda lhe vai restar muito tempo para viver bem a vida.

– Ser stressada – Há stresse mau, mas pode haver também stresse bom. Em pequenas doses dá energia à nossa vida, mantém-nos alerta, melhora a capacidade de memória e de raciocínio, e ajuda-nos a completar tarefas difíceis. São as hormonas e os químicos que nos gritam ‘foge, idiota!’ que nos ajudam a ter o relatório pronto, o exame feito, um dia difícil bem resolvido. O stresse não é só o assassino silencioso do costume: também pode dar sal à vida e ajudar-nos a resolver tarefas para que precisamos do nosso potencial máximo. No tempo da pré-história, o nosso potencial máximo era posto em prática quando o bisonte vinha atrás de nós. Hoje em dia, na falta de bisontes (ou pelo menos, dos bisontes das pradarias) pomos todo o nosso melhor nas nossas tarefas mais difíceis, seja ter um filho ou realizar um teste difícil. Em resumo, ontem como hoje, o stresse existe para nos ajudar a sobreviver. Claro que é um bom criado mas um mau patrão: se deixarmos que nos comande a vida, estamos feitas. Se soubermos servir-nos dele, pode manter-nos alerta. É a diferença entre um desastre de automóvel e uma montanha-russa…

– Ser imperfeita – Ensinaram-nos desde pequeninas (e se não nos ensinaram, aprendemos sozinhas mesmo) que tínhamos de ser boas em tudo: excelentes mães, esposas irrepreensíveis, namoradas sensuais, cozinheiras melhores que a Maria de Lurdes Modesto e com medidas de fazer inveja à Gisele Bundchen. Ah, e se possível louras. Espertas. Com sentido de humor. E o software do kamasutra incluído. E energia para sair à noite. Se tivéssemos alguns defeitos, seriam poucos e escolhidos, assim tipo a teimosia, que toda a gente acha que é, porque toda a gente acha que não é defeito nenhum. Sabe que mais? É humanamente impossível e se pensarmos bem, nem sequer é desejável. Que graça teria uma pessoa perfeita? Afinal, são as nossas pequenas imperfeições que nos tornam quem somos. Há quem diga mesmo que são as nossas pequenas imperfeições que tornam possíveis as nossas (grandes) perfeições. Por isso, seja imperfeita. Claro que convém que os defeitos não lhe arruínem a vida nem a dos outros. Tirando isso, força. Seja um bocadinho gulosa. Ligeiramente estrábica. Com tendência para acordar mal disposta. Para se rir quando não deve. Para deitar demasiada pimenta na salada. Para ser vingativa. Não, não perdoa, e depois? Ria-se muito de si própria, e tudo estará bem.





Assine uma destas revistas e escolha um presente grátis. Estadas em hotéis, produtos de beleza e muitos outros. Aproveite. Assine aqui

Relacionados

Beleza

Vídeo: Como aprender a meditar

Ajuda a libertarmo-nos de tensões acumuladas, aumenta a criatividade e equilibra as funções metabólicas do nosso corpo. Quer saber como se medita?

Beleza

Descubra agora qual é o seu tipo de inteligência

Tem mais ‘queda’ para as letras, ou sente-se mais à vontade com números? Nem uma coisa nem outra?! Não se preocupe, um cientista americano diz que existem não apenas dois mas sim sete tipos de inteligência distintos. Saiba quais são e como os identificar.

Beleza

Dor de cabeça provocado pelo stress: como evitá-la

Stress é o principal responsável por este problema que afecta quase 80% de mulheres

Beleza

Como passar a dormir bem... sem comprimidos!

Não é só o sonho que comanda a sua vida: o sono também. Precisa dele para regular as hormonas, controlar o apetite e aprender. Siga as indicações dos especialistas para conseguir um sono de maior qualidade.

Beleza

Que tipo de loira é você?

Amigas e irmãs, capacitem-se: há uma loira em cada uma de nós. Há uma loira na morena mais retinta. Há uma loira em cada ruiva cor de cenoura. E há uma loira, evidentemente, em cada loira. Mas uma loira não é igual a outra loira. Descubra qual é o seu tipo, e recorde as loiras que conhece.

Beleza

Os segredos do cérebro feminino

Pensamos pouco em sexo, falamos demais e ouvimos melhor. Estas são apenas algumas características do nosso cérebro que deitam por terra a teoria de que homens e mulheres são iguais.

Beleza

Gestão do tempo: sabe definir as suas prioridades?

Aprender a definir o que é realmente importante pode poupar-nos muito tempo. Mas convém saber o que fazer nas horas livres? Há quem não consiga relaxar ou o faça sempre de forma muito...organizada.

Beleza

Porque é bom ter 40 anos?

É verdade que a pele já tem rugas, o corpo acusa o pssar dos anos, mas muitas mulheres sentem que a experiência de vida lhes trouxe auto-confiança, charme e coragem para enfrentar o futuro. E garantem que nunca foram tão felizes.

Beleza

10 defeitos que pode transformar em virtudes

Ensinaram-nos que devíamos dedicar a vida a aperfeiçoarmo-nos. Mas isso leva imenso tempo. E dá trabalho. E se tentasse a camuflagem? Aqui propomos algumas técnicas infalíveis para transformar até o pior defeito numa doce virtude.

Beleza

Vampiros emocionais: defenda-se de quem lhe suga a energia

E se lhe dissessem que os vampiros, afinal, existem? Não dormem em caixões nem nos sugam as carótidas: pior, sugam-nos vitalidade, deitam-nos abaixo, destroem-nos. Saiba já como descobri-los e como se defender deles.

Beleza

Verão em família: aprenda a sobreviver!

A dois ou a 15, em casa ou na Ilha das Tartarugas, as férias em conjunto costumam ser um stresse. Mas não há mal sem solução: com primos ou sem primos, com bebé ou sem bebé, com tartarugas ou sem tartarugas, está de férias! Aproveite-as!

Beleza

10 conselhos para melhorar a sua vida

Não é um manual de auto-ajuda: são dez dicas muito fáceis de pôr em prática que lhe permitem diminuir o stresse, ganhar tempo para si e desfrutar do simples facto de estar viva.

Beleza

Como ter confiança… aos 20, 30, 40 e 50

Há coisas que vamos aprendendo ao longo da vida, e uma delas é a gostar de nós... Ou não? Conheça alguns retratos de fases por que passamos no caminho da confiança.

Beleza

100 ideias para viver até aos 100 (parte I)

Vire a sua vida a seu favor. Ponha os seus genes (mesmo os adversos) a trabalhar para si. Lemos ‘You – Sempre Jovem’, do Dr. Oz, e contamos-lhe tudo sobre os segredos da juventude.

Beleza

100 ideias para viver até aos 100 (Parte II)

Vire a sua vida a seu favor. Ponha os seus genes (mesmo os adversos) a trabalhar para si. Lemos ‘You – Sempre Jovem’, do Dr. Oz, e contamos-lhe tudo sobre os segredos da juventude.

Beleza

25 coisas de que nunca nos devemos sentir culpadas

Todas nós passamos o dia a fazer e dizer coisas de que depois nos arrependemos. Mas algumas ‘culpas’ são mesmo inúteis: porque nos sabem bem, porque são humanas, porque não fazem mal a ninguém, ou porque até nos fazem rir…

Beleza

Porque é que os homens não choram?

Chorar é sempre sinal de emoção, de sensibilidade, de alegria, de tristeza e até de um riso descontrolado. E as mulheres sabem-no melhor do que ninguém. E fazem-no mais do que os homens. Ou será que não?

Beleza

Dicas para aprender a gostar mais de si

Aprender a gostar de si e a aceitar-se implica começar a mudar os pequenos gestos do dia-a-dia.

Mais no portal

Beleza

Meghan remove a maquilhagem com estas toalhitas acessíveis

E amigas do ambiente - muito ao estilo da duquesa de Sussex.

Moda

Este vestido Zara não deixa ninguém indiferente

E é da cor do momento!

Moda

7 combinações de cores a experimentar em 2022

Inspire-se nestes "looks" que encontrámos nas redes sociais

É só uma sugestão

Contra: refeições deliciosas num espaço icónico em Lisboa

Localizado nas Docas de Santo Amaro, na capital, garante momentos saborosos à beira-rio.

Saúde

Covid-19: Mesmo com teste negativo, evite sair de casa se tem este sintoma

Parece ser bastante comum na variante Ómicron.

Comportamento

A explicação simples para não sentimos atração por parentes próximos

Como, por exemplo, irmãos ou primos.

Saúde

10 segredos simples para emagrecer rápido

Adote estes hábitos que aceleram o processo sem prejudicar a saúde.

Moda

Esta peça básica é a "cola" de todos os visuais de inverno

Provavelmente já a tem no guarda-roupa.

Comportamento

4 dicas práticas para aumentar a autoestima

De acordo com uma escritora, consultora e especialista na interseção de felicidade e tecnologia.

Comportamento

Diferenças comuns que podem colocar a sua relação em perigo

De acordo com uma psicóloga.

#VozActiva

Helena Isabel: "As pessoas podem ser bonitas de diferentes maneiras e em qualquer idade"

No #vozactiva deste mês, a protagonista de capa da nossa edição de fevereiro (nas bancas) fala da relação entre a beleza e a idade.

Comportamento

O tamanho não importa, mas há uma coisa que as mulheres valorizam bastante

De acordo com diferentes estudos sobre o assunto.