@greceghanem

Pode parecer politicamente incorreto, mas as rugas discriminam com base na cor da pele. Com o passar do temo, tanto as caucasianas como as negras, as hispânicas e as asiáticas começam a ter marcas de expressão, flacidez e manchas, mas a ritmos e de formas diferentes.

Como é o processo de envelhecimento para cada etnia? Explicamos de seguida:

Mestiças

@aliciakeys

Em geral, o envelhecimento depende das características proeminentes que herdam, explica Mary Lupo, professora clínica de Dermatologia na Tulane University School of Medicine, em Nova Orleães, à revista Allure. O tom de pele da maioria das mulheres mestiças costuma ser um meio-termo entre os dos pais, portanto é presumível que aconteça o mesmo com a idade da pele. Por exemplo, a filha de uma caucasiana e de um negro (ou vice-versa), muito provavelmente, não terá rugas no início da casa dos 30, a não ser que seja muito, muito clara.

Caucasianas

@reesewitherspoon

“Quanto mais clara for a pele, mais sinais de envelhecimento irá denunciar”, afirma Doris Day, professora assistente de Dermatologia no New York University Medical Center. O sol – e a proteção mínima da pele clara – é o principal culpado. Os raios ultravioleta quebram o colagénio, causando rugas que podem começar a aparecer na casa dos 20 ou dos 30 anos.

A pele tenta dar luta, cirando pigmento para se proteger. E é aí que aparecem as manchas. Mas há um lado bom: “Os caucasianos, geralmente, podem apostar em tratamentos mais agressivos, uma vez que não precisam de se preocupar tanto com a hiperpigmentação pós-inflamatória [descoloração que pode surgir após a inflamação e levar semanas a meses para desaparecer]”, acrescenta a especialista.

Hispânicas

Existem latinas muito claras, que envelhecem como as caucasianas, e latinas muito escuras, que envelhecem como as negras. Contudo, “a grande maioria está entre as cores bege e castanha, e mostra sinais de envelhecimento aproximadamente dez anos mais tarde do que as caucasianas”, diz Maritza Perez, diretora de Dermatologia Cosmética no St. Luke’s-Roosevelt Medical Center, em Nova Iorque.

Negras

@kerrywashington

As mulheres negras têm motivos para sorrir – sem se preocuparem com as linhas de expressão – porque só começam a ver rugas a partir da casa dos 50. “A frase ‘Black don’t crack’ [qualquer coisa como ‘o preto não craquela’, em tradução livre] é verdadeira. Quanto mais pigmento há, menos rugas têm”, explica Fran Cook-Bolden, professora clínica assistente de Dermatologia no Beth Israel Medical Center, em Nova Iorque. Graças à melanina extra, que garante uma proteção natural, “as mulheres negras começam a ter rugas muito, muito mais tarde do que as caucasianas”, acrescenta. E com “muito mais tarde”, sublinhe-se, Cook-Bolden quer dizer uns 20 anos depois.

Médio-orientais / Sul-asiáticas

@freidapinto

Graças ao pigmento extra da pele, as rugas e linhas de expressão só aparecem na casa dos 40/50 ou até mesmo mais tarde. “Algumas destas mulheres nunca desenvolvem rugas permanentes”, afirma Hema Sundaram, uma dermatologista americana que exerce em Rockville, Maryland, e em Fairfax, na Virginia. Porém, têm grandes probabilidades de virem a ter manchas escuras por exposição cumulativa ao sol, alterações hormonais ou irritação da pele. Condições que podem (e devem) ser prevenidas desde cedo.

Naturais do Leste/Sudeste Asiático 

@zhangziyi_official

A pele asiática é mais espessa e é composta por mais fibras de colagénio e elastina do que a pele caucasiana, então enruga menos e tem menos flacidez. “Com uma pele que possui mais melanócitos do que outras, é uma característica comum entre muitas pessoas desta etnia desejar uma pele radiante, luminosa e mais clara”, partilha Jessie Cheung, professora de Dermatologia e codiretora de Dermatologia Cosmética no Rush University Medical Center, em Chicago.

Embora ter mais melanina na pele aumente a proteção contra os danos causados pelo sol, este também é um fator que pode levar ao aparecimento de manchas escuras, incluindo melasma, bem como a um tom de pele irregular. Este é mais um caso em que a prevenção é o melhor remédio.

 

Palavras-chave

Relacionados

Beleza

Nem imagina o impacto que uma fronha pode ter na pele do rosto

Parece um detalhe inofensivo, mas pode fazer toda a diferença na condição da tez.

Mulheres Inspiradoras

Estas influencers mostram a beleza de peles 'imperfeitas'

Depois do positivismo corporal, o movimento do "skin positivity" começa a ganhar cada vez mais força nas redes sociais.

Beleza

3 passos inegociáveis numa rotina de cuidados com a pele

Explicamos quais são os passos que todas as mulheres devem seguir e porquê.

Mais no portal

Moda

Estas saias prometem fazer furor nas estações quentes

Apresentamos-lhe seis modelos que são ótimos investimentos tanto para a primavera como para o verão de 2021.

Lifestyle

Vamos falar sobre os deliciosos tacos japoneses do FishFish Sushi?

Às quartas-feiras, na compra de três tacos, o restaurante oferece um quarto. Uma oferta literalmente irresistível!

Body Shaper

O derradeiro plano para declarar guerra à celulite e à retenção de líquidos

O novo episódio da rubrica Body Shaper traz-lhe um plano de ataque, sublinhe-se, só com dicas caseiras.

Diz Quem Sabe

Questões a ponderar antes de avançar com uma mudança na vida profissional

A coach Lúcia Palma deixa alguns pontos a ter em conta antes de efetuar qualquer mudança neste campo.

Saúde

Os reajustes necessários para perder peso depois dos 40

Aconselhados por uma especialista.

Beleza

Base demasiado clara? Este truque do TikTok ajuda a resolver o problema

É bastante simples e económico.

Moda

Duvidamos que haja um vestido mais prático do que este

É só vestir e sair porta fora, sem pensar muito no styling.

Comportamento

Os 10 pilares de relacionamentos saudáveis

De acordo com um perito em relações amorosas, existem 10 alicerces de uma parceria que tendem a ser subestimados.

Celebridades

Ex-mulher de Travis Barker alega que o músico teve um caso com Kim Kardashian

Barker é o novo namorado de Kourtney Kardashian.

Diz Quem Sabe

O guia para criar uma selva urbana em casa

Um artigo de opinião assinado por José Luís Velasco, product manager da Gardenia, sobre os novos hábitos que se cultivaram e enraizaram em tempos de confinamento.

Comportamento

Como ser mais vulnerável num relacionamento (mesmo que isso a assuste)

O medo da rejeição faz-nos levantar a guarda e, por conseguinte, perdemos coisas boas como a intimidade e a conexão.

Diz Quem Sabe

O couro cabeludo também precisa de proteção solar

O Dr. Carlos Portinha, coordenador Clínico do Grupo Inspary, explica que o cancro da pele pode ser uma das consequências da exposição do couro cabeludo aos raios solares.