EGgavwaIXLo8s_nbzVftHZuMQ9qXjLkMtgTPcSQGW_8.jpg

Martin Pistorius tem consigo para partilhar uma história de coragem e força, que não deixa ninguém indiferente. Descobriu cedo que tinha uma doença rara – a síndrome do encarceramento – e esteve 12 anos em estado vegetativo. Os médicos achavam que ele não conseguia ouvir ou ver mas, na verdade, Martin tinha todas essas capacidades, mas não conseguia comunicar com o exterior.

Com o passar do tempo, e de forma inexplicável, o seu corpo começou a ter ligações com o cérebro e começou a curar-se.

Agora, explica toda a sua história no livro “Quando Eu Era Invisível”, da editora Nascente. Aprendeu a comunicar através de um computador e mostrou ao mundo que as limitações não são impossíveis de ultrapassar.

Em 2008, encontrou o amor da sua vida, Joanna, com quem casou. Em 2010, fundou a sua própria empresa e hoje, com 39 anos, é um homem feliz, realizado e garante que a comunicação é a capacidade mais importante que o ser humano tem.

Conversámos com ele a propósito do seu livro e Martin contou-nos tudo. Uma entrevista que nos põe a pensar na nossa vida e nas coisas que realmente importam.

Hoje, o que diria ao Martin com 16 anos?

Que isto vai passar, que tudo é temporário e que nunca devemos desistir.

Theodore Roosevelt disse que “Todos os recursos de que precisamos estão na mente.” Acredita que com pensamento positivo conseguimos ultrapassar tudo, mesmo as situações mais difíceis?

Não, eu acho que ter uma atitude positiva ajuda e pode tornar as coisas mais fáceis. No entanto, o trabalho, a determinação e a ajuda e apoio dos outros, é fundamental.

Como lidou com a solidão? Descobriu que estava doente numa altura da vida em que é muito importante ter amigos, desenvolver a personalidade…

Foi incrivelmente difícil. Eu estava cercado de pessoas e ainda assim sentia-me completamente sozinho. É por isso que o título do meu livro é ‘Quando eu era Invisível’. Eu gostava de ter conversas com pessoas na minha cabeça. Para ser honesto, eu ainda dou por mim a fazer isso. Às vezes falo com a Joanna quando ela não está comigo.

A minha mente e a minha imaginação eram os meus maiores trunfos nessa altura. Adorava perder-me na minha imaginação. Como descrevo no meu livro, imaginava todos os tipos de coisas, como ser muito pequeno, entrar numa nave espacial e voar para longe. Ou que minha cadeira de rodas magicamente se transformava num veículo voador como o do James Bond, com foguetes e mísseis.

Ir para a faculdade e conseguir concluir o curso foi algo que nunca pensou ser possível. Foi a grande conquista da sua vida?

Essa é uma pergunta difícil, porque tem havido uma série de grandes realizações, por exemplo conseguir a minha carta de condução, escrever um best-seller internacional… No entanto, eu teria de dizer que a maior conquista foi ter sobrevivido e ter ficado tudo bem. Estar onde estou hoje, é a maior conquista da minha vida.

Encara esta doença como uma coisa má, que lhe tirou muitas coisas boas da vida, ou como uma algo positivo que lhe permitiu ver o mundo de outra forma?

Acho que é simplesmente a minha vida, e como todas as pessoas, enfrento muitos desafios. Às vezes é muito difícil, mas ao mesmo tempo eu tenho sido abençoado de muitas maneiras e sinto que tudo me faz uma pessoa melhor. Aprecio e saboreio as coisas de maneira diferente porque sei como elas são especiais.

Se pudesse escolher só um momento feliz da sua vida, qual seria?

Houve tantas que é difícil escolher, mas eu teria que dizer que foi o dia do meu casamento.

Qual é a sensação de partilhar a sua história de vida com os outros?

É incrível pensar que era uma pessoa que vivia presa no silêncio e que agora o mundo me está a ouvir. É uma experiência muito comovente para mim. Eu nunca esperei que meu livro seria recebido de forma tão positiva. A minha maior esperança ao escrevê-lo era que poderia fazer a diferença de alguma forma. Agora que o livro está a fazer isso, estou muito feliz e grato.

Que conselhos daria a pessoas que estão a passar pela mesma situação?

Para se aguentarem. Nunca desistam. Sei que pode soar como um clichê, e às vezes é mais fácil dizer do que fazer… No entanto, há sempre esperança, não importa quão pequena ela seja. Também acho que não significa que estejamos sempre positivos e otimistas. Acho que é natural perder a esperança e desanimar às vezes. No entanto, é importante para não ficar preso naquele lugar escuro – permitam-se a ter tempo para sentir o que estão a sentir, mas, depois, sigam em frente, mais cedo ou mais tarde as coisas vão melhorar.

Gostaria também de dizer que devem aproveitar a vida o máximo possível. Eu sei que é difícil, especialmente quando é algo extremamente grave. Podem aprender a apreciar as coisas mais simples e importantes na vida: estar perto das pessoas que vocês amam, a sensação do sol quente na pele, o sabor de um alimento que gostam, o som da música. A maioria das pessoas hoje só olha para a frente. Acho que a doença e adversidade são duras experiências que também pode lhe ensinar sobre a beleza da vida – a beleza do momento.

Sente que a sociedade está preparada para lidar com pessoas com deficiências? Julga que o preconceito ainda existe?

Acho que as coisas estão a mudar e, em muitos aspetos, as coisas estão muito melhores para as pessoas com deficiência. No entanto, infelizmente, a minha experiência tem-me mostrado que o preconceito ainda existe. Acho também que hoje em dia muitas pessoas nos tratam de maneira diferente em vez de nos aceitarem como qualquer outra pessoa.

Qual foi a memória mais difícil de partilhar no livro? Porquê?

Embora houvesse muitas coisas difíceis para escrever, acho que o mais difícil foi o abuso, porque ser abusado muda muitas coisas dentro de nós. Ficamos com a sensação de que nunca mais vamos ser os mesmos.

Foi muito difícil, doloroso, mas também terapêutico para voltar a refletir sobre o que aconteceu comigo. Em seguida, decidir como escrever sobre isso e em quanto detalhe.
Eu senti que era importante para mim falar sobre o abuso para que as pessoas possa estar conscientes de que, infelizmente, essas coisas acontecem. A minha esperança era que, ao falar sobre isso, poderia ajudar a impedir que isso aconteça aos outros.

Quem é a pessoa que mais o inspira e porquê?

Há muitas pessoas que eu admiro e me inspiram, que viveram vidas extraordinárias desde pessoas internacionalmente famosas ao meu avô. No entanto, a minha verdadeira inspiração, são as pessoas que me rodeiam e apoiam. Que me incentivam. Acima de tudo, a minha esposa, que me faz querer ser o melhor homem que eu posso ser.

Depois dos problemas de saúde que teve, continua a lutar. Onde vai buscar essa força?

A verdade é que eu não sei. É apenas algo que vem de dentro de mim. Eu sou por natureza uma pessoa muito determinada e não desisto facilmente. No entanto, eu não poderia fazê-lo sozinho, creio que Deus me dá força também.

Mais no portal

Moda

Conheça a Maria por trás da marca portuguesa de bodies Maria.Bodyline

A marca encantou várias "It-girls", incluindo a italiana Francesca ...

Beleza e Saúde

Diz quem sabe: Como comer de forma saudável fora de casa

Momentos esporádicos de diversão com família e amigos são desejávei...

Beleza e Saúde

6 maneiras simples de cortar calorias durante o dia

Pequenas mudanças na forma de comer e cozinhar vão diminuir a sua i...

Moda

Tezenis x Mr. Wonderful: é impossível resistir a estes pijamas!

Diversão e originalidade são as palavras de ordem nesta colaboração.

Celebridades

People's Choice Awards: Kim e Kourtney Kardashian protagonizam momento constrangedor na red carpet

Nas redes sociais, os fãs acusaram Kim de querer protagonismo.

Beleza e Saúde

Diz quem sabe: como incluir as casatanhas na alimentação?

Hoje é dia de São Martinho!

Comportamento

Crianças e higiene: 7 ideias para colocar em prática

Uma para cada dia da semana.

Beleza e Saúde

Atenção, fãs de Madonna: estes kits são perfeitos para recriar as maquilhagens da cantora

Trata-se de uma colaboração exclusiva com a Too Faced.

Moda

Vestidos de noiva: Inspiração anos 40 para as propostas de Gio Rodrigues

Um universo inspirado no filme 'Casablanca' dos anos 40.

Moda

Conheça as 30 peças da irreverente coleção de Luís Borges

Esta é uma marca de roupa e acessórios definida como cool, sport, c...

Beleza e Saúde

5 coisas que as mulheres devem saber sobre a saúde do coração

Cuidar da saúde do corpo e da mente é muito importante para manter ...

Tous
Moda

Joias: escolha a sua letra e crie o seu estilo