Nunca se imaginaria onde está agora e as quatro nomeações para os Óscares vieram com “medo”, disse Jennifer Lawrence a Oprah Winfrey. Foi assim que começou a conversa com a apresentadora mais conhecida do mundo.

A atriz conta que o último ano foi passado com medo que as pessoas se “fartassem” e com alguma insegurança. “Não sei se era o sentimento de ‘tenho mais a perder, há mais pessoas que podem ficar desiludidas’. Não sei explicar”.

O medo tem sido, na verdade, uma constante na vida da atriz, que refere também o “receio de ser sexy” (algo que teve de ser no fime ‘Red Sparrow’) desde 2014, quando as fotografias de Lawrence nua foram divulgadas. “Pensei: ‘não volto a fazer isso. Não vou partilhar essa parte de mim com mais ninguém desde que foi partilhada sem o meu consentimento’. E depois disse que sim a ‘Red Sparrow’ e senti que estava a voltar para trás”.

Sobre o caso das fotografias, a protagonista de Hunger Games assegura: “Preferia que a minha casa tivesse sido invadida”. É isso que é assustador sobre as coisas eletrónicas. Tenho tanto medo com o meu telemóvel e o meu computador. É roubar propriedade intelectual mas também o meu corpo. Foi violador a um nível sexual”.

O abuso foi, aliás, um dos temas mais abordados durante a entrevista. “Não conheço nenhuma mulher que não tenha sido vítima de algum tipo de abuso. Fico triste com as histórias dessas mulheres, mas estou entusiasmada com a mudança que está a acontecer. O livro de regras está a ser reescrito neste momento”, disse.

Jeniffer faz questão de explicar que as pessoas estão “aterrorizadas” com essa mudança, especificamente, os homens, mas ressalva: “Eu fui abusada por uma mulher num filme”, ao referir-se a uma produtora que lhe pediu que “alinhasse nua com cerca de cinco mulheresque eram muito mais magras” que ela, sem referir o filme ou o produtor do mesmo.

Sobre o peso, Jennifer refere que era “consenso geral naquele filme que era gorda, por isso não foi apenas aquela mulher”. “Toda a gente concordou que eu era gorda. E ela teve de ser o porta-voz”, acrescentou. Foi quando pediram à atriz para perder quase sete quilos em duas semanas, com referências sexuais à mistura. A conclusão foi a mesma que em muitas conversas sobre Hollywood este ano: “Foi abusivo”, completou Oprah.

“Falei com mulheres. Falámos sobre formar uma comissão. É tão triste porque todos os atores, quando estão a começar, não há realmente muitas opções. Nesse filme, liguei ao meu agente, liguei a toda a gente. É como se não houvesse nada que alguém pudesse realmente fazer porque esse comportamente está normalizado. E depois começas a ter mais poder, e as pessoas começam a ‘lixar-te’ menos. As pessoas no início da carreira não querem abanar o barco, porque se o fazes, vão te chamar difícil”, disse sobre mudar o paradigma atual. “Temos de pôr as nossas cabeças a pensar em conjunto e perceber como podemos não deixar esse momento [de abuso] passar”, e acrescentou: “Algo tem mesmo de ser feito”.

Oprah aproveitou a entrevista para finalmente abordar o assunto Harvey Weinstein com a atriz, que via o produtor como uma figura “paternal”. “Temos a responsabilidade de dizer alguma coisa; todas trabalhamos com ele, mas toda a gente precisava de um momento. Falando por mim, conheço-o desde os 20 anos, e ele sempre foi simpático – menos nos momentos em que não foi, e depois eu chamei-lhe idiota, e seguimos em frente. Ele foi paternal para mim. Então precisava de um momento para processar tudo porque achei que o conhecia, e de repente ele estava a ser acusado por violação”.

A noção de abuso tem de ser mudada, aos olhos de Jennifer Lawrence. “É por isso que é tão importante falar sobre abuso, todas as diferentes formas de abuso, porque ele não lhe tocou com um dedo [Harvey Weinstein na mulher que o denunciou] e eu fiquei gelada até aos ossos [só de ouvir]”.

A apresentadora falou sobre Jennifer “abanar o barco” no início da carreira quanto à diferença de pagamentos entre homens e mulheres para o mesmo trabalho. Esta tem sido uma das suas lutas. “Se pedires mais [dinheiro], vamos contratar outra pessoa, e todo o filme desaba. Eles preferiam que um filme inteiro desabasse do que pagar-me de forma justa”.

“És politicamente frustrada”, disse Oprah, para introduzir a pergunta sobre o que vai fazer por isso. Pragmática, Lawrence explicou a angariação de dinheiro para a organização Represent.Us, na qual faz parte do Conselho Administrativo, e dos circuitos que vai fazer por escolas e universidades para falar com os estudantes. “Quero viajar pelas áreas de onde sou para as pessoas perceberem que a corrupção é um assunto completamente não partidário. E queremos fazer uma conferência de imprensa onde as únicas pessoas a fazer perguntas sejam os alunos. Queria [também] ajudar a passar um pacote de leis [contra a corrupção no governo]. Poderíamos aprovar legislação em cada estado para ajudar a para a corrupção no governo. Adorava fazer aprovar leis que ajudem os pais das celebridades a levar os filhos para os sítios sem terem de se preocupar com os paparazzi”, explicou.

Jennifer Lawrence admitiu ainda: “A minha paixão política quase se transformou numa obsessão. Quero dizer, acho que nunca se fica satisfeito, mas quando ficas satisfeita com o teu lar e com a tua vida pessoal, começas a olhar para o mundo e pensas ‘Como é que conserto isto? O que podemos fazer?'”

A atriz quer conhecer Trump e que tem preparado um “discurso bastante bom e que acaba com um Martini na cara dele”. “Vou-te dar uma dica – não é nada simpático. Não quererias que to dissesse a ti”, avisa Jennifer.

A conversa entre Oprah e Jennifer Lawrence acabou por referir um almoço entre as duas em casa da apresentadora, quando ainda não se conheciam. Jennifer confessa que ouviu nesse dia “a coisa mais inteligente” e o melhor conselho que já ouviu. “Disseste-o baixinho. Estavas a falar e depois, baixinho, disseste ‘Tens de ensinar a alguém como tratar-te'”.

Ainda assim, confessa a lição que levou mais tempo a aprender: “Ainda estou a aprender a acalmar-me. Os meus pensamentos são tão gigantes. Vou de uma pequena ideia até daqui a 40 anos e penso demais sobre tudo e nada acaba por ser realmente feito. A preocupação não faz nada. Então, viver no momento e fazer tudo passo a passo é algo que eu ainda não domino. Ainda estou a trabalhar nisso”.

“Louca” e talvez “honesta e leal”, diriam os amigos sobre Lawrence, que completa a frase “Daqui a 20 anos, o mundo vai ser…” com “Justo. Isso abrange a fome, abrange muitas bases”. Na entrevista a Oprah Winfrey, disse ser feliz e realizada “a maior parte do tempo”. Vê-se como espiritual, mas não religiosa nem ateia e partilhou a sua frase preferida (da sua autoria): “Definitivamente não o deveria ter feito, mas estou em paz sabendo que não poderia não o ter feito”.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Celebridades

Jennifer Lawrence e Darren Aronofsky separados

A relação durou cerca de um ano.

Celebridades

Jennifer Lawrence fala do seu romance com o realizador Darren Aronofsky

A atriz namora com o realizador 20 anos mais velho.

Celebridades

Jennifer Lawrence não se arrepende de dançar em varão de strip

Vídeo mostra a atriz a dançar durante festa em um clube de strip tease na Áustria

Mais no portal

Moda

Mafalda Carvalho mostra os desfiles (e as emoções) do último dia de Portugal Fashion

Veja tudo o que aconteceu na Alfândega do Porto.

Lifestyle

A Pizzaria Luzzo é uma das pérolas da Graça

Da comida ao ambiente, tudo é pensado para proporcionar refeições (e momentos) super agradáveis.

Lifestyle

Esta câmara trendy foi concebida para tirar selfies

Ela permite tirar, imprimir e partilhar fotografias em movimento. Um sonho para a Geração Z.

Beleza

5 cortes de cabelo clássicos que nunca saem de moda

Em equipa que ganha não se mexe.

Moda

Bailarinas: como usar estes sapatos clássicos de formas contemporâneas

Inspire-se nestas estrelas das redes sociais para adicionar estes sapatos versáteis e elegantes aos seus próximos visuais de outono.

Saúde

Cuidados a ter com a saúde íntima feminina quando as temperaturas descem

Eis as dicas de um ginecologista e obstetra dos hábitos a adotar nesta altura do ano.

Comportamento

Advogada elege as 5 razões mais comuns para o divórcio

Curiosamente, a traição não é uma delas.

Moda

Be The Change: tecidos reciclados e produção responsável com o selo de qualidade Tezenis

Uma coleção de ‘underwear’ bonita, sustentável e mais amiga do ambiente.

Diz Quem Sabe

Pele sensível e pele sensibilizada: entenda as diferenças

E saiba quais os cuidados a ter.

Saúde

Como os cuidados para bebés podem aliar-se à sustentabilidade

Opções para os pais que procuram produtos que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Saúde

A dor crónica não é um problema individual – é um problema de saúde pública

Um artigo de opinião assinado por um grupo de especialistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, a propósito do Dia Nacional da Luta Contra a Dor (15 de outubro).