A música sempre fez parte da vida de Beatriz Pessoa. Da infância, lembra-se de estar sempre a cantarolar, de fazer parte de muitas performances e de brincar aos ‘Ídolos’ na escola.

​​​​A partir dos 12 ou 13 anos, começou a ter interesse em aprender canções em inglês. Todos os dias, quando chegava a casa, cantava temas de vários artistas em loop até que a mãe decidiu inscrevê-la numa escola de música. A partir daí, o hobby começou a tornar-se algo mais sério e apostou na sua formação. Beatriz passou pelo Hot Clube de Portugal, frequentou a Escola Superior de Música de Lisboa (ESML) e esteve um semestre em Paris, no âmbito do programa Erasmus, a absorver a multiculturalidade da capital francesa.

Agora, aos 22 anos, é considerada uma das jovens promessas da música nacional. Aliás, fez parte da coletânea Novos Talentos Fnac 2017. Já se apresentou na Casa da Música, nos festivais MED e F e no EDPCOOLJAZZ, onde teve a honra de abrir para Jamie Cullum, entre outros eventos.

Encontrámo-nos com a cantora em Lisboa para falar sobre música, a identidade enquanto artista, a descoberta da sua voz em português no novo EP ‘Feminina’ e, por fim, o balanço que faz da participação no Festival da Canção 2018.

Como te defines enquanto artista?

Ainda não descobri, mas acho que a melhor forma que tenho de fazê-lo é mencionar artistas que admiro, cujo patamar espero atingir um dia como, por exemplo, Björk, Lianne La Havas, Lauren Mvula, Elis Regina, Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante. São todos muito diferentes, mas seguem uma coisa que eu considero importante: contam histórias através de melodias interessantes e de letras bonitas. E se há coisa que eu quero que me defina enquanto artista é essa questão da história e de uma linha melódica que acompanha a letra de uma forma bonita.

Consegues expressar por palavras aquilo que a música significa para ti?

É tudo. É onde eu estou mais à vontade. É o que sinto que sei fazer melhor e o que tem mais a ver comigo. É a melhor forma que tenho de expressar-me. Sou mais honesta e mais genuína quando canto. Aliás, é quando me sinto mais confortável porque sou mais eu.

Depois do EP ‘Insects’ (2016), preparas-te para lançar outro, ‘Feminina’, em março. Porquê EPs e não álbuns?

Eu gosto de fazer as coisas passo a passo. Não me lancei logo para um álbum porque sou muito nova e isto foi tudo muito rápido. Comecei a compor e, de repente, tive logo uma banda, um concerto e uma agência que quis apoiar-me. Portanto gosto de fazer as coisas devagar para ser sempre uma coisa genuína, sincera e que eu consigo defender.

Quais são as principais diferenças entre os dois trabalhos?

‘Insects’ é mais intimista e ligado ao meu estudo do jazz, que é um estilo que eu admiro imenso, do qual vou gostar sempre e que vai sempre fazer parte do meu percurso. ‘Feminina’, por sua vez, está mais perto da sonoridade que eu quero ter enquanto artista. Acho que é mais eclético, tem mais do que eu sou e desses estilos que eu vou agrupando num só, e que espero um dia tornar meus. Outra grande diferença é que neste novo EP exploro a língua portuguesa.

É mais difícil compor em português?

Acho que sim porque é a minha língua e acaba por ser mais pessoal, o que dificulta a tarefa de ‘entrar em personagem’. Eu gosto muito de contar histórias e de ser um bocadinho atriz dentro das minhas músicas, e isso, para mim, é mais fácil de fazer em inglês. Mas é tudo uma questão de treino. A partir do momento em que começas a escrever em português, também há outras coisas que saem melhor, como a facilidade de agrupar palavras, porque é uma língua na qual estou mais confortável. Sinto que, de certa forma, o que eu digo vai mais de encontro ao que eu sinto porque é a mesma linha de discurso.

Há alguma apresentação em palco que te tenha marcado particularmente?

O primeiro grande concerto que eu dei foi no verão de 2017, no EDPCOOLJAZZ, especialmente porque abri para um artista que eu admiro imenso, o Jamie Cullum. Foi um concerto e um momento muito importante para mim. Nunca tinha cantado para tanta gente e, além disso, aliviou-me imenso saber que a diferença de tamanho do palco não foi uma coisa que me assustou ou que me tenha deixado fragilizada.

Passando para outro palco, aual foi a sensação de teres sido escolhida pela Mallu Magalhões para interpretar ‘Eu Te Amo’ no Festival da Canção 2018?

Fiquei super entusiasmada com o convite. Nem queria acreditar. Foi mesmo incrível trabalhar com a Mallu. Ela integrou-me em todo o processo de criação da música e foi sempre foi muito aberta nisso, tal como a Jessica [Pina]. Os dias em estúdio foram super divertidos, portanto esse período foi todo muito feliz, doce e de partilha musical. Acho que era esse o objetivo do festival e, falando por mim, acho que foi mais que concretizado.

A tua participação ficou marcada por uma contagem errada dos televotos, que acabou por custar-te um lugar no concurso. Qual é o balanço que fazes agora da tua passagem pelo Festival da Canção?

Sim! Nós as três queríamos fazer música umas com as outras, conhecer outros artistas e estar com pessoas do meio. Claro que foi chato e grave da parte da RTP, mas já passou e não é algo que me atormente. O Festival da Canção é uma apresentação da música que é feita em Portugal e tenho todo o orgulho da minha participação, e defendo a nossa música com todas as forças. Acho que a Mallu é uma compositora incrível e a letra estava muito bonita. Dei o meu melhor e foi ótimo ter lá estado.

O que gostarias que as pessoas soubessem sobre ti?

Se há uma coisa a saber sobre mim, enquanto pessoa e artista, é que eu tenho mesmo muito interesse em saber o que os outros pensam da minha música e, para mim, é sempre uma questão de partilha – quer seja com outros músicos, com o público, com amigos ou com a minha família. Quando escrevo uma música, telefono logo a alguém, canto-a, envio a letra e preciso de feedback. Não se prende com uma questão de insegurança, mas sim de sentir que aquilo que eu escrevi conseguiu chegar a outro lado. Em palco é a mesma coisa. Apesar de, às vezes, a distância entre mim e o público ser muita, tento sempre criar um ambiente mais intimista e essa relação de proximidade.

Cinco factos curiosos sobre Beatriz Pessoa

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Lifestyle

Elsa Punset: "o cérebro está programado para a sobrevivência e não para a felicidade"

Estivemos à conversa com a especialista em inteligência emocional, que esteve em Lisboa para apresentar 'O Livro das Pequenas Revoluções'.

Lifestyle

Catarina Gouveia corre os seus primeiros 10kms fora de Portugal

A atriz portuguesa mostrou que, com a preparação e acompanhamento necessários, qualquer um pode fazer uma prova do género.

Lifestyle

Uma manhã com Teresa Vaz Carvalho

Acompanhámos um treino de uma das melhores competidoras nacionais no salto em comprimento.

Mais no portal

Moda

Conheça a coleção de outono Parfois

Da roupa aos acessórios.

Lifestyle

Perda gestacional e interrupção voluntária da gravidez: este livro fala de ambas

"Camila, meu amor" conta na primeira pessoa a história de Renata Alves Marvão.

Nas Bancas

ACTIVA de outubro: as mulheres que são forças de mudança

A edição deste mês, com Vera Kolodzig na capa, já está nas bancas!

Celebridades

Kate regressa ao trabalho com abordagem fresca à tendência da alfaiataria

Depois de uma pausa de verão, a duquesa de Cambridge retomou os deveres oficiais com uma visita a oficias da Força Aérea Real.

Celebridades

Sofia Vergara celebra o trigésimo aniversário do filho com festa animada

A atriz foi mãe aos 19 anos e Manolo Gonzalez Vergara é o seu único filho.

Celebridades

O motivo para Morgan Freeman usar uma luva na mão esquerda

Muitos pensam que o ator teve a mão amputada ou que se trata de uma afirmação de moda, mas não é o caso.

Celebridades

Os artistas lusófonos que já se apresentaram na plataforma internacional ColorsxStudios

Carolina Deslandes fez manchetes recentemente ao apresentar o novo single "Eco", que homenageia a fadista Amália através do refrão de "Grito", neste palco global.

Moda

Como usar cabedal com estilo e elegância

Com o aproximar da nova temporada, é altura de tirar estas peças da gaveta.

Beleza

Cabelos: conheça as tendências fortes da nova temporada

Dos cortes aos penteados, estas são algumas das apostas fortes para os meses de outono e inverno.

Comportamento

Psicóloga recomenda estratégia de 7 passos para deixar um parceiro controlador

Neste tipo de dinâmica, uma pessoa domina ou participa na intimidação do parceiro. Pode acontecer a qualquer pessoa.

Moda

Ideias de looks casuais que exigem pouco esforço

Inspire-se nestas sugestões!