Na última terça-feira, 23 de fevereiro, a rapper brasileira Karol Conká foi expulsa da casa do “Big Brother Brasil” com o maior índice de rejeição de todas as 21 edições do reality show: 99,17% dos votos. Nem a eliminação e nem o recorde foram surpresas para o público, que tem criticado a prestação da rapper no jogo desde os primeiros dias. Famosos como Neymar Jr. e Anitta também entraram nas discussões e pediram aos fãs que votassem pela saída de Karol. O tema é um assunto do momento no Twitter em todo o mundo, como já é normal com as polémicas que acontecem no país.

Já fora da casa, agora o movimento das celebridades brasileiras nas redes sociais é contrário: pedem pelo não cancelamento da rapper. “As pessoas erram”, escreveu Cléo Pires, “Que sejas muito feliz cá fora e repenses tudo”, aconselhou Neymar, “A partir de agora ela precisa seguir a vida dela. Jogo é jogo, entretenimento, vida real é outra história. Sejam humanos”, pediu Ludmilla.

Numa entrevista à revista “Carta Capital”, a diretora de estratégia da agência Mutato, responsável por um estudo sobre a Cultura do Cancelamento, comenta o atual cenário. “O problema é que o júri está aberto e sem controle, principalmente no Twitter pelo facto de ser uma rede muito anónima. Todas as pessoas são humanas e erram. Abrir esse espaço para a conversa é o que importa, porque qualquer um tem a possibilidade de melhorar se estiver aberto a isso”, diz Juliana Morganti.

Todos os erros devem ser respondidos com cancelamento?

Para além das atitudes negativas, Karol Conká também tem sido criticada por ter entrado em conflito com outras mulheres e pessoas negras, mesmo tendo construído a carreira com base nos movimentos feministas e antirracismo. Karol e a psicóloga Lumena Aleluia questionaram a cor do economista Gilberto, que se declara negro; duvidaram da sexualidade do ator Lucas Penteado, que se assumiu bissexual; e fizeram piadas sobre a “branquitude” da atriz Carla Diaz.

Em entrevista à BBC Brasil, a investigadora Daniela Gomes, professora na Trinity College, em Connecticut, discorda da opinião de que a participação da rapper seja “negativa” para tais movimentos: “Nós, pessoas negras, não somos tratados como indivíduos, como pessoas passíveis de erros e acertos. Então, se eu cometo um erro, como uma figura pública, quem está a ser tachado é a população negra.” Também Djamila Ribeiro, filósofa e autora do livro “Pequeno Manual Antiracista”, falou sobre o tema num direto no Instagram, depois de os seguidores lhe cobrarem uma opinião: “Eu não vejo o BBB, não gosto do programa. (…) Querer que pessoas negras respondam pelos erros de outras pessoas negras é racismo”.

O termo “ativismo narcisista” também foi levantado entre os debates sobre a participação de Karol Conká no programa. Depois de ter discutido com Camilla de Lucas e ter dito que a humorista queria “criar competição entre duas mulheres pretas”, Karol recebeu a resposta: “Não venhas levantar militância numa questão de afinidade, porque eu não sou obrigada a gostar de ti”.

“A marca do ativismo narcisista é atacar tudo: não há desconstrução, mas sim destruição. Desconstruir é um processo de deslocar os sistemas de pensar, permitindo que eles estejam abertos, que não se enclausurem em verdades violentas”, escreve, no portal Catarinas, a escritora transfeminista Helena Vieira, que cunhou o termo em 2014. Segundo ela, “quando assistimos ao BBB, percebemos a postura autoritária e impositiva, e os perigos de organizar as nossas reações inspiradas nas mesmas práticas de exclusão que nos violentam”.

Mas sem Karol Conká, quem vamos odiar agora?

A cultura do cancelamento já passou pela fase em que todos que erravam eram cancelados pelo “júri” da internet e agora é feio cancelar. Mas enquanto estava dentro do jogo, a rapper foi alvo de todo tipo de críticas e brincadeiras – apesar de reconhecerem que “as pessoas erram”, os telespectadores não parecem estar dispostos a perdoar, ou nem mesmo compreender.

Enquanto o público se delicia com as entrevistas pós-programa, com vídeos das reações de Karol Conká ao rever cenas suas dentro da casa, o assunto continua em alta. A rapper tem reconhecido os seus erros e deve seguir um longo caminho com a equipa de Marketing para recuperar a carreira – mas a internet em breve ficará órfã de um alvo. Resta saber se o debate público pode combater a cultura do cancelamento, ou se a cancelada só será substituída por outra pessoa.

Quem é Karol Conká e o que aconteceu?

Conhecida pelo posicionamento forte em relação a movimentos como o feminismo, Karol Conká ficou famosa em 2015 com a música “Tombei”, uma espécie de hino de empoderamento. Por isso as expectativas eram altas para a participação da cantora no reality show – o público esperava que fosse ser uma voz ativa pelas mulheres negras dentro da casa. Mas, em vez disso, a rapper teve conflitos com muitos concorrentes, inclusive mulheres e pessoas negras.

Karol chegou a impedir outro concorrente de almoçar à mesma mesa, foi acusada de assédio contra um participante com quem teve um envolvimento, ridicularizou a carreira de outra atriz que também participa do reality show e acusou uma humorista negra com quem discutiu de querer “criar competição entre duas mulheres pretas”. Confrontada com o índice de rejeição à saída do programa, a rapper disse: “Eu perdi-me dentro de mim. E senti-me muito frustrada. Nunca imaginei que eu fosse surtar assim no programa. Realmente quando entramos na casa é tudo muito louco”.

Palavras-chave

Relacionados

Sem Filtros

Cresci a odiar as minhas estrias e só quando adulta descobri que (quase) toda a gente as tem

Como tudo ao meu redor convenceu-me que aquelas marcas na minha pele eram uma "aberração".

Beleza

Ficámos fãs deste batom vermelho graças ao "Big Brother Brasil"

Um produto de beleza de uma marca que conhecemos bem, cujo preço não chega aos nove euros.

Beleza

Batom vermelho e pele negra: o truque infalível para uma combinação perfeita

Mais uma dica de beleza que nos chega do reality show "Big Brother Brasil".

Mais no portal

Beauty Spot

As melhores técnicas e produtos para fazer sardas falsas

A rubrica Beauty Spot desta semana é dedicada a esta tendência divertida, que combina na perfeição com visuais mais naturais de maquilhagem.

É só uma sugestão

Falar de Livros: "D.A.D. - Desempregado, Artista, Dona de Casa" é um retrato humorista da vida de um pai

Um livro de Alexandre Esgaio publicado pela Suma de Letras.

Moda

Olivia Wilde elege sobretudo acessível para se proteger do frio em Londres

Não sabíamos que precisávamos de um sobretudo azul... até vermos um dos visuais mais recentes da atriz.

Comportamento

3 formas de manter a conta bancária emocional do seu relacionamento com saldo positivo

Este conceito está diretamente relacionado com a forma como os casais gerem discussões de conflito.

#ActivaEmCasa

Braços e pernas: cinco exercícios para maior definição muscular

Aqui fica mais um circuito de treino completamente gratuito, preparado e exemplificado por Susana Carromeu, coach do CrossFit Cais.

Beleza

Cabelo: Os produtos que temos de experimentar

Conhece as novidades mais recentes? Para fortalecer, dar brilhou ou obter o styling perfeito.

Moda

Inspire-se no que há de novo nestas marcas de moda populares

A nova estação traz muitas novidades e estas marcas dão o mote para o que vamos querer usar nos dias quentes.

Exclusivo
Beleza

Bárbara Corby: "Considero que a beleza vem de dentro"

A influencer é o novo rosto da Vichy em Portugal, depois de ter sido embaixadora digita da marca durante algum tempo. Em conversa com a ACTIVA falou sobre o novo papel e a a relação que tem com o mundo da beleza.

Imagem de Sucesso

Como usar o cinto para modernizar looks e valorizar a silhueta

Quer seja fino, grosso, de metal ou de couro, o cinto pode ser um grande aliado para no que toca ao styling.

Mulheres Inspiradoras

Joana Pessoa: um novo fado

É fadista desde os 15 anos, mas isso está longe de resumir a sua vida. Estivemos à conversa sobre escolhas, caminhos, filhos, divórcio, destino, amor, velhice, para voltarmos ao fado e fecharmos o círculo. Levei-lhe quase quatro horas de vida. É o que dá conversar com uma das mulheres mais interessantes que já entrevistei.

Comportamento

Existem quatro tipos de vinculação num relacionamento - saiba qual é o seu

Este tipo de apego é construído na infância e pode acabar por ter repercussões na vida adulta.