Como proteger os adolescentes do álcool

Sábado à noite é quase sempre sinónimo de festa e saídas com os amigos até tarde. O seu filho adolescente não deve ser diferente dos outros milhões de jovens portugueses, e também gosta de se divertir. E em festa que se preze, o álcool tem quase sempre entrada garantida. Mas eles não bebem da mesma maneira nem pela mesmas razões que um adulto: enquanto os mais velhos bebem um copo de vinho ou de cerveja às refeições, os adolescentes bebem aos fins-de-semana, mas quando o fazem, ingerem grandes quantidades.


Na maioria dos casos não é preocupante; trata-se apenas de uma fase de experimentação e demarcação da fase infantil. Mas é necessário estar alerta, pois os efeitos do álcool podem deixar sequelas bem mais graves que uma bebedeira.

Os primeiros copos


Porque começam os jovens a beber desde tão cedo? Porque é uma droga lícita, barata, disponível em qualquer esquina, socialmente aceite e, em alguns casos, até encorajada. A publicidade constante que bombardeia os mais novos com apelo ao consumo de cerveja, bebidas destiladas como vodka e rum, ou o aparecimento dos ‘ices’ (misturas de bebidas destiladas com refrigerante), incentiva-os ainda mais ao consumo, com mensagens apelativas de descontração, aventura e climas amorosos.
É por volta dos 14 ou 15 anos que muitos jovens começam a sair à noite e percebem que o efeito inebriante da substância, os deixa mais socialmente mais soltos e descontraídos face aos amigos e ao sexo oposto. A experiência alcoolica é quase sempre colectica, feita entre amigos da mesma idade, e encarada como um ritual iniciático.
Não é raro ouvir ainda, em alguns circuitos familiares, os pais encorajarem os filhos, desde muito cedo, a beberem um copo de vinho ou cerveja porque ‘já estão uns homens’. Uma criança que cresce a ver os pais beber com frequência assume quela atitude como padrão de comportamento normal entre um adulto e uma rotina a imitar.

Perigos reais


Helena Fonseca, especialista em Medicina da Adolescência e autora do livro ‘Coompreender os Adolescentes’ (Editorial Presença), refere nesta mesma obra um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde em Portugal, o Health Behaviour in School-aged Children (Comportamento de Saúde em Crianças de Idade Escolar). Este estudo foi realizado em Portugal, em 1998, em 191 escolas e responderam a ele 6903 alunos 6º, 8º e 10º anos, de 11, 13 e 16 anos. Neste inquérito, concluiu-se que os jovens portugueses "que já exprimentaram, assim como os consumidores regulares ou abusivos, apresentam um perfil de afastamento em relação à família, à escola e ao convívio com os colegas na escola", e referem ainda "experimentação de tabaco e drogas ilícitas, lutas e situações de violência na escola, vêem televisão quatro ou mais horas por dia e, em geral, praticam menos actividades físicas." Segundo autora, estes jovens afirmam-se, ainda, menos felizes e apresentam mais sinais de mal-estar físico e psicológico, bem como um maior desagrado com o próprio corpo e uma alimentação menos saudável. Helena Fonseca adverte, também, para uma lista de efeitos nocivos para a saúde. "Se o álcool for consumido num padrão diário, de habituação, eles tpassam a ter mais dificuldades de aprendizagem, reflexos retardados e dificuldades de concentração, já que a substância interfere com o sistema nervoso central. Num adolescente mais jovem, a metabolização do álcool no fígado não se faz da mesma maneira, e o consumo regular pode deixar sequelas mais graves que num adulto. Quanto ao consumo esporádico, o pior são as ressacas do dia seguinte, a maior propensão de acidentes de toda a ordem e a maior probabilidade de acontecer uma relação sexual não protegida."

Mais vale prevenir…


A repressão e o excesso de zelo não costumam funcionar: só tornaram o fruto proíbido mais apetecido. Mas importa conhecer algumas estratégias de prevenção, pois há consequências bem sérias que uma bebedeira.

– Os pais não devem incentivar crianças e jovens ao consumo de bebidas álcoolicas. "O exemplo é muito importante. Não adianta proibir, para depois eles verem que os pais também fazem. Eles devem perceber que os pais quando vão a festas também bebem, mas com conta, peso e medida. E que quem beber, não vai conduzir", lembra Helena Fonseca.

– O jovem pode divertir-se sem beber ou abusar da bebida. "Os pais devem sensibilizá-los que não faz muito sentido beber só pelo acto social e que devem manter a sua personalidade, não procurando popularismo por essas medidas mais fáceis. É frequente eles nem sequer sentirem prazer no consumo, nas primeiras experiências", lembra ainda esta especialista.

– Previna-o de que não deve aceitar boleias de colegas que tenham bebido álcool. É sempre preferivel dividirem um taxi até casa ou combinarem conduções rotativas (quem conduzir não pode beber).

– Dizer que o vai buscar, de madrugada ao bar para onde foi não é boa ideia. Além disso é uma escravatura paterna, levantar-se ás cinco da manhã para ir buscá-lo à discoteca.

– Não adianta recriminar o seu filho quando ele chega a casa embriagado. Helena Fonseca incentiva ao diálogo aberto entre pais e filhos: "Enquanto ele está alcoolizado não vale a pena dizer nada, mas no dia a seguir deve existir uma conversa, sem tom de recriminação, onde podemos dizer que ficámos muito impressionados com a forma como ele chegou a casa na véspera, deixar claro que isso nos entristeceu e perguntar porque resolveu o jovem fazer aquilo e se planeia repetir."


– Repetidas bebedeiras de fim-de-semana podem ser o sinal de alerta de que o seu filho precisa de ajuda médica. Alterações nas rotinas habituais, como perda de rendimento escolar, faltas à escola, perda de capacidade mental e aumento da agressividade devem também ser tidas em conta. Um psicólogo, ou o médico de família, poderão avisá-lo sobre as mudanças que o álcool trouxe à saúde e identificar as verdadeiras causas que o levam a beber. O álcool pode funcionar apenas como meio de camuflar os verdadeiros problemas que o afligem.

Palavras-chave

Relacionados

Comportamento

Ensine a sua filha a não ser uma vítima no futuro

Violência dentro do casamento era tema – infelizmente – bem conhecido. Mas ultimamente, vários estudos mostraram que a violência começa muito mais cedo: no namoro. É urgente mostrar aos adolescentes que agressividade não é amor.

Comportamento

As mentiras que as mães contam às filhas… e as filhas contam às mães

Sim, adoram-se e só querem o bem uma da outra… se calhar é mesmo por isso que às vezes, enfim, digamos que não contam tudo uma à outra. Aqui ficam algumas das ‘petas’ mais comuns de lado a lado.

Comportamento

Guia para comunicar com crianças caladas

O seu filho chega a casa e vai pôr-se à frente do computador? “E então, a escola?”, pergunta. Em resposta, um encolher de ombros e silêncio. Afinal, como conseguir que eles falem connosco sem perdermos a cabeça?

Comportamento

Piercings - Cuidado com os furos

Estão na moda há vários anos, e são cada vez mais usados por adolescentes à procura de uma imagem alternativa e arrojada. Mas, antes de deixar o seu filho fazer um, há que ter alguns cuidados

Comportamento

Aulas: os bons alunos também têm problemas

Ser ansioso antes dos testes, passar demasiado tempo ao computador, nunca saber onde pôs os cadernos, estar desiludido com a escola... Ajude a sua criança a ultrapassar alguns dos momentos menos bons da vida de um estudante.

Comportamento

Adolescentes: eles têm vergonha que a mãe...

Rir muito alto ou dançar em frente a outros é suficiente para 'matar' um adolescente de vergonha! Se até aos 10 anos, todas as crianças têm imenso orgulho na mãe, mesmo que a mãe seja o monstro das bolachas, depois disso pode ser acusado de alguns crimes...

Comportamento

Os pais já podem estar mais descansados enquanto os filhos usam a Internet

A marca McAffe lançou um novo software que pode proteger as crianças dos perigos online

Comportamento

5 bons hábitos para os adolescentes

A adolescência pode não ser fácil, mas torna-se menos complicada se eles adoptarem certas rotinas. Comer a horas e saber estudar são apenas algumas....

Comportamento

Como falar de sexo com adolescentes

A sexualidade juvenil é como uma tempestade: um turbilhão de emoções confusas e indomáveis. Com a ajuda de Eunice Neta, psicoterapeuta especialista em adolescentes, tentamos perceber como lhes falar de sexo sem dramas

Mais no portal

Beauty Spot

As melhores técnicas e produtos para fazer sardas falsas

A rubrica Beauty Spot desta semana é dedicada a esta tendência divertida, que combina na perfeição com visuais mais naturais de maquilhagem.

É só uma sugestão

Falar de Livros: "D.A.D. - Desempregado, Artista, Dona de Casa" é um retrato humorista da vida de um pai

Um livro de Alexandre Esgaio publicado pela Suma de Letras.

Moda

Olivia Wilde elege sobretudo acessível para se proteger do frio em Londres

Não sabíamos que precisávamos de um sobretudo azul... até vermos um dos visuais mais recentes da atriz.

Comportamento

3 formas de manter a conta bancária emocional do seu relacionamento com saldo positivo

Este conceito está diretamente relacionado com a forma como os casais gerem discussões de conflito.

#ActivaEmCasa

Braços e pernas: cinco exercícios para maior definição muscular

Aqui fica mais um circuito de treino completamente gratuito, preparado e exemplificado por Susana Carromeu, coach do CrossFit Cais.

Beleza

Cabelo: Os produtos que temos de experimentar

Conhece as novidades mais recentes? Para fortalecer, dar brilhou ou obter o styling perfeito.

Moda

Inspire-se no que há de novo nestas marcas de moda populares

A nova estação traz muitas novidades e estas marcas dão o mote para o que vamos querer usar nos dias quentes.

Exclusivo
Beleza

Bárbara Corby: "Considero que a beleza vem de dentro"

A influencer é o novo rosto da Vichy em Portugal, depois de ter sido embaixadora digita da marca durante algum tempo. Em conversa com a ACTIVA falou sobre o novo papel e a a relação que tem com o mundo da beleza.

Imagem de Sucesso

Como usar o cinto para modernizar looks e valorizar a silhueta

Quer seja fino, grosso, de metal ou de couro, o cinto pode ser um grande aliado para no que toca ao styling.

Mulheres Inspiradoras

Joana Pessoa: um novo fado

É fadista desde os 15 anos, mas isso está longe de resumir a sua vida. Estivemos à conversa sobre escolhas, caminhos, filhos, divórcio, destino, amor, velhice, para voltarmos ao fado e fecharmos o círculo. Levei-lhe quase quatro horas de vida. É o que dá conversar com uma das mulheres mais interessantes que já entrevistei.

Comportamento

Existem quatro tipos de vinculação num relacionamento - saiba qual é o seu

Este tipo de apego é construído na infância e pode acabar por ter repercussões na vida adulta.