Um estudo da Universidade de Michigan causou escândalo: per-guntaram a um grupo de crianças de 4 e 5 anos o que é que preferiam, ficar sem televisão ou deixar de falar ao pai. Um terço delas preferiu deixar de falar ao pai. O que não será estranho se pensarmos que, segundo outro estudo, as crianças passam 25 minutos por semana com o pai e 25 horas com a televisão. Num outro estudo, com adolescentes entre 10 e 16 anos, per-guntaram-lhes se preferiam ver televisão ou passar mais tempo com os pais. Um terço deles disse que preferia passar mais tempo com os pais. Ou seja, o mesmo terço, quase a mesma pergunta, mas outra idade e já alguns anos de televisão como experiência de vazio.


A televisão pode ser uma amiga pre-ciosa se for controlada e uma inimi-ga perigosa se tomar conta de nós sem darmos por isso, e isso aplica-se ainda mais às crianças, que ‘devoram’ tudo sem qualquer visão crítica. O mais pe-rigoso é precisamente aquilo que já não vemos: carregar no botãozinho tornou-se um hábito que já nem registamos. Não é perigoso que eles vejam meia-hora de televisão depois do jantar, é perigo-so que, assim que acordem, a primeira coisa que façam seja ligar o botãozinho. A meia-hora depois de jantar é controlada, o botãozinho de manhã ou assim que se chega a casa é um hábito sobre o qual já nem se pensa. Em vez de os pôr em frente da televisão, tente outras coisas: livros, puzzles, jogos de tabuleiro, palavras cru-zadas, revistas. Além disso, ‘televisão’, principalmente enquanto eles são peque-nos, podem ser filmes de animação ou vídeos que os pais já conhecem. Cuidado com o que passa com o título genérico de desenhos animados: há ‘desenhos animados’ absolutamente inaceitáveis para um adulto são de espírito, quanto mais para uma criança.

Em resumo, o ideal é não usar a te-levisão como companhia e música de fundo, mas vê-la como se vê um filme no cinema: planear o que se irá ver, assistir e vir embora no fim. O ideal é fazer isto desde que eles nascem, porque se for tentar ‘desmamá-los’ aos 12 anos a difi- culdade será 12 vezes maior.

Quero ver a telenovela!

Não vamos ser radicais: se insistir em que ela não veja televisão, vai ter uma criança angustiada, porque não tem assunto de conversa com as outras da idade dela. Se aos 5 anos ela não se arrisca a ser excluída do grupo só porque não vê as aventuras do Nodi, aos 12 isso já pode acontecer em relação aos programas que os outros vêem, como as telenovelas. O melhor é ver com ela quando puder. Se não puder, grave alguns episódios e falem as duas sobre o assunto. Tente explicar-lhe que a vida nem sempre é assim como acontece nas novelas.

Também vale a pena tentar convertê-la a outros programas, mas tenha paciência: a ‘conversão’ pode levar algum tempo.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Comportamento

Os seus filhos esão viciados em novelas?

Quem tem filhos entre os 7 e os 12 anos já sabe que todas as tardes eles ficam colados em frente à televisão. Já lhes chamam a 'geração morangos com açúcar'. Há quem encolha os ombros, quem proíba e quem defenda que deve haver outras maneiras de lidar com o assunto. Mas afinal, eles podem ou não ver uma telenovela?

Comportamento

Crianças: estamos a educá-los para um mundo que não existe?

São crianças ou adolescentes, colam-se à televisão, querem todos ser ‘famosos’ e vivem numa realidade feita de imagens. Mas como é crescer quando se cresce dentro do ecrã?

Comportamento

Eduque os seus filhos para ver anúncios

Não se habitue a deixar as crianças 'consumirem' sem filtro todos os anúncios que passam na televisão.

Comportamento

Os orfãos da televisão

As crianças vêem televisão, a televisão é que não as vê a elas

Comportamento

Mais tv, menos sono

Quem tem televisão no quarto dorme menos durante a noite

Comportamento

Boas razões para deixar o seu filho jogar consola

O seu filho passa horas a fio agarrado ao comando? Tenha calma. Dentro de certos limites, os jogos apresentam vantagens surpreendentes para os mais novos.

Comportamento

Sabe o que o seu filho anda a jogar?

Os jogos de vídeo continuam a dividir pais, psicólogos e estudiosos: afinal, qual é a sua influência nos adolescentes? Estes são os únicos que não estão divididos: com ou sem conclusões, com ou sem consequências, querem é jogar. Até que ponto os devemos proteger? Por Catarina Fonseca

Mais no portal

Lifestyle

Sem gordura ou lactose e com 25g de proteína: eis as novidades Mimosa

A marca renovou a gama Proteína. Conheça as novidades!

Beleza

5 dicas para prevenir o acne na idade adulta

Não deixe que as borbulhas se tornem um problema.

Celebridades

Quatro meses após ser pai, Jason Derulo separa-se da namorada

O artista estaria numa relação com Jena Frumes desde março de 2020.

Saúde

Estes alimentos são ricos em vitamina C

Inclua-os na sua dieta.

Saúde

Covid-19: o que muda a partir de 1 de outubro?

Conheça as novas medidas.

Moda

Natura lança coleção de outono/ inverno

Fique a par das novidades.

Comportamento

Homens têm 16% mais tendência que as mulheres a achar a traição aceitável

Revela um estudo da BBC.

Lifestyle

Quando a paixão pela cozinha e pela preservação do meio ambiente se unem... isto é o que acontece

Conheça a história por detrás da IBAU!

Moda

As 12 peças de vestuário Parfois que vai querer usar este outono

Desde coletes a casacos.

Saúde

7 sinais físicos que indicam que está mais stressado do que pensa

Esteja atento ao que o seu corpo lhe diz.

Moda

Carolina Patrocínio mostra as peças da nova Puma Studio Collection

Peças pensadas para total liberdade de movimentos e que podem ser conjugadas entre si.

Moda

Ponchos em burel: tradição e design de mãos dadas para este outono

Os ponchos (165€) reavivam padrões clássicos com cores esbatidas, tons terra e outros mais coloridos para animar os dias mais cinzentos.