Um estudo da Universidade de Michigan causou escândalo: per-guntaram a um grupo de crianças de 4 e 5 anos o que é que preferiam, ficar sem televisão ou deixar de falar ao pai. Um terço delas preferiu deixar de falar ao pai. O que não será estranho se pensarmos que, segundo outro estudo, as crianças passam 25 minutos por semana com o pai e 25 horas com a televisão. Num outro estudo, com adolescentes entre 10 e 16 anos, per-guntaram-lhes se preferiam ver televisão ou passar mais tempo com os pais. Um terço deles disse que preferia passar mais tempo com os pais. Ou seja, o mesmo terço, quase a mesma pergunta, mas outra idade e já alguns anos de televisão como experiência de vazio.


A televisão pode ser uma amiga pre-ciosa se for controlada e uma inimi-ga perigosa se tomar conta de nós sem darmos por isso, e isso aplica-se ainda mais às crianças, que ‘devoram’ tudo sem qualquer visão crítica. O mais pe-rigoso é precisamente aquilo que já não vemos: carregar no botãozinho tornou-se um hábito que já nem registamos. Não é perigoso que eles vejam meia-hora de televisão depois do jantar, é perigo-so que, assim que acordem, a primeira coisa que façam seja ligar o botãozinho. A meia-hora depois de jantar é controlada, o botãozinho de manhã ou assim que se chega a casa é um hábito sobre o qual já nem se pensa. Em vez de os pôr em frente da televisão, tente outras coisas: livros, puzzles, jogos de tabuleiro, palavras cru-zadas, revistas. Além disso, ‘televisão’, principalmente enquanto eles são peque-nos, podem ser filmes de animação ou vídeos que os pais já conhecem. Cuidado com o que passa com o título genérico de desenhos animados: há ‘desenhos animados’ absolutamente inaceitáveis para um adulto são de espírito, quanto mais para uma criança.

Em resumo, o ideal é não usar a te-levisão como companhia e música de fundo, mas vê-la como se vê um filme no cinema: planear o que se irá ver, assistir e vir embora no fim. O ideal é fazer isto desde que eles nascem, porque se for tentar ‘desmamá-los’ aos 12 anos a difi- culdade será 12 vezes maior.

Quero ver a telenovela!

Não vamos ser radicais: se insistir em que ela não veja televisão, vai ter uma criança angustiada, porque não tem assunto de conversa com as outras da idade dela. Se aos 5 anos ela não se arrisca a ser excluída do grupo só porque não vê as aventuras do Nodi, aos 12 isso já pode acontecer em relação aos programas que os outros vêem, como as telenovelas. O melhor é ver com ela quando puder. Se não puder, grave alguns episódios e falem as duas sobre o assunto. Tente explicar-lhe que a vida nem sempre é assim como acontece nas novelas.

Também vale a pena tentar convertê-la a outros programas, mas tenha paciência: a ‘conversão’ pode levar algum tempo.

Palavras-chave

Relacionados

Comportamento

Os seus filhos esão viciados em novelas?

Quem tem filhos entre os 7 e os 12 anos já sabe que todas as tardes eles ficam colados em frente à televisão. Já lhes chamam a 'geração morangos com açúcar'. Há quem encolha os ombros, quem proíba e quem defenda que deve haver outras maneiras de lidar com o assunto. Mas afinal, eles podem ou não ver uma telenovela?

Comportamento

Crianças: estamos a educá-los para um mundo que não existe?

São crianças ou adolescentes, colam-se à televisão, querem todos ser ‘famosos’ e vivem numa realidade feita de imagens. Mas como é crescer quando se cresce dentro do ecrã?

Comportamento

Eduque os seus filhos para ver anúncios

Não se habitue a deixar as crianças 'consumirem' sem filtro todos os anúncios que passam na televisão.

Comportamento

Os orfãos da televisão

As crianças vêem televisão, a televisão é que não as vê a elas

Comportamento

Mais tv, menos sono

Quem tem televisão no quarto dorme menos durante a noite

Comportamento

Boas razões para deixar o seu filho jogar consola

O seu filho passa horas a fio agarrado ao comando? Tenha calma. Dentro de certos limites, os jogos apresentam vantagens surpreendentes para os mais novos.

Comportamento

Sabe o que o seu filho anda a jogar?

Os jogos de vídeo continuam a dividir pais, psicólogos e estudiosos: afinal, qual é a sua influência nos adolescentes? Estes são os únicos que não estão divididos: com ou sem conclusões, com ou sem consequências, querem é jogar. Até que ponto os devemos proteger? Por Catarina Fonseca

Mais no portal

Beauty Spot

As melhores técnicas e produtos para fazer sardas falsas

A rubrica Beauty Spot desta semana é dedicada a esta tendência divertida, que combina na perfeição com visuais mais naturais de maquilhagem.

É só uma sugestão

Falar de Livros: "D.A.D. - Desempregado, Artista, Dona de Casa" é um retrato humorista da vida de um pai

Um livro de Alexandre Esgaio publicado pela Suma de Letras.

Moda

Olivia Wilde elege sobretudo acessível para se proteger do frio em Londres

Não sabíamos que precisávamos de um sobretudo azul... até vermos um dos visuais mais recentes da atriz.

Comportamento

3 formas de manter a conta bancária emocional do seu relacionamento com saldo positivo

Este conceito está diretamente relacionado com a forma como os casais gerem discussões de conflito.

#ActivaEmCasa

Braços e pernas: cinco exercícios para maior definição muscular

Aqui fica mais um circuito de treino completamente gratuito, preparado e exemplificado por Susana Carromeu, coach do CrossFit Cais.

Beleza

Cabelo: Os produtos que temos de experimentar

Conhece as novidades mais recentes? Para fortalecer, dar brilhou ou obter o styling perfeito.

Moda

Inspire-se no que há de novo nestas marcas de moda populares

A nova estação traz muitas novidades e estas marcas dão o mote para o que vamos querer usar nos dias quentes.

Exclusivo
Beleza

Bárbara Corby: "Considero que a beleza vem de dentro"

A influencer é o novo rosto da Vichy em Portugal, depois de ter sido embaixadora digita da marca durante algum tempo. Em conversa com a ACTIVA falou sobre o novo papel e a a relação que tem com o mundo da beleza.

Imagem de Sucesso

Como usar o cinto para modernizar looks e valorizar a silhueta

Quer seja fino, grosso, de metal ou de couro, o cinto pode ser um grande aliado para no que toca ao styling.

Mulheres Inspiradoras

Joana Pessoa: um novo fado

É fadista desde os 15 anos, mas isso está longe de resumir a sua vida. Estivemos à conversa sobre escolhas, caminhos, filhos, divórcio, destino, amor, velhice, para voltarmos ao fado e fecharmos o círculo. Levei-lhe quase quatro horas de vida. É o que dá conversar com uma das mulheres mais interessantes que já entrevistei.

Comportamento

Existem quatro tipos de vinculação num relacionamento - saiba qual é o seu

Este tipo de apego é construído na infância e pode acabar por ter repercussões na vida adulta.