Já muitos pais apanharam sustos quando faziam às crianças a pergunta da praxe e receberam, impavidamente, respostas como: ‘Quero ser solteiro’, ou ‘caçador de lagartos’, ou mesmo, laconicamente, ‘rico’. Quando eles são pequenos, facto e fantasia misturam-se alegremente e eles mudam de profissão todos os dias, conforme os filmes que vêem, as pessoas que conhecem ou os sítios onde vão.

Uma noite no circo tem logo como resultado que metade da família pretenda ganhar a vida como trapezista ou domador de elefantes (nunca ninguém quer ser palhaço, os mais pequenos percebem instintivamente quais são os empregos com mais status), um tio médico faz com que pelo menos metade dos sobrinhos queira usar estetoscópio, e uma prima bailarina inspira metade das meninas a inscreverem-se na dança. E se há quem queira ser solidamente ‘cozinheiro’ durante anos a fio, também há quem mude de profissão todos os dias, hoje astronauta, amanhã zoólogo.

Depois também há as ‘profissões da moda’: as raparigas querem todas ser modelos e os rapazes futebolistas, e tanto rapazes como raparigas querem ser actores e jornalistas. Para já não falar na leva de mini-executivos que quer ser ‘economista’ desde os 4 anos, para ganhar imenso dinheiro para poder comprar imensas Playstations…

Muitos dos mais velhos já escolhem as profissões baseados naquilo que irão ganhar, que é uma abordagem prática mas nem sempre tão realista como parece. Afinal, a gratificação imediata não existe, e passar a vida toda a exercer uma profissão com a qual não se tem a mínima afinidade só por causa do dinheiro não parece lá muito boa ideia…

É POSSÍVEL ADIVINHAR?

Há famílias que parecem apresentar certa predisposição para uma profissão: toda a gente conhece clãs de médicos, advogados, empresários, políticos, escritores ou toureiros. Mas também aparecem génios da música em famílias onde toda a gente é dura de ouvido até à quinta geração, bailarinos educados por militares e agricultores no fim de uma longa linhagem de citadinos.

O que é inegável é que desde pequenos eles vão dando sinais que mostram para que área se inclinam mais. Segundo os psicólogos, existem pelo menos sete tipos de inteligência:

Visual – São os que para explicar qualquer coisa pegam imediatamente em caneta e lápis. Gostam de desenhos, de mapas, de puzzles, de tirar fotografias e de fazer esquemas, e no futuro podem dar em artistas, gráficos, arquitectos, decoradores, engenheiros.

Verbal – Talvez os mais fáceis de reconhecer: são os que têm jeito para línguas, os que explicam tudo muito bem explicadinho, os que andam sempre agarrados a um livro e escrevem diários e poemas.

Podem vir a ser escritores, jornalistas, professores, advogados, tradutores.

Lógica – Não se atrapalham nada com números, gostam de desafios, são sensatos e analisam tudo antes de tomarem decisões. Possíveis carreiras: cientistas, informáticos, economistas, matemáticos.

Física – Corre o risco de ser uma vocação pouco valorizada nos dias que correm, mas não tente cortar-lhe a vocação se ele tem imenso sentido de ritmo e de movimento, dança ou joga muito bem, ou tem muito jeito de mãos.

Pode dar um excelente bailarino, atleta, treinador, actor, bombeiro, artesão ou mesmo cirurgião.

Musical . Passa muitas vezes sem ser descoberta nem desenvolvida, porque não está presente em muitas escolas e portanto não é detectada. Perdem-se assim muitos músicos, disco-jóqueis, cantores, compositores.

Interpessoal . Como é um tipo de inteligência entendida mais como um traço de carácter do que uma vocação, também não é muito vista como uma possível indicação de vida futura. Mas esteja atenta se a sua criança tem o dom de compreender e ouvir os outros. Pode estar ali uma psicóloga, uma vendedora ou mesmo uma política!

Intrapessoal . Geralmente desenvolve-se em crianças mais crescidas e é rara nas mais pequeninas. São aqueles que entendem muito bem os seus próprios pontos fortes e fracos e percebem de que maneira os pensamentos se organizam em padrões. Possíveis carreiras: investigador, teórico, filósofo.

LEVE-O A VER O MUNDO

Os seus gostos desenvolvem-se segundo a profissão dos pais, aquilo que vêem na televisão ou o tipo de ambiente que os rodeia. O importante é não stressar e ir desenvolvendo os seus gostos, hobbies e vocações. Tente fugir dos seus próprios sonhos ou daquilo que deseja para eles. Se a sua filha não tem jeito nem inclinação para a dança, porque é que vai gastar dinheiro no balé? Não é melhor uma boa classe de judo ou mesmo futebol? Perceba ainda que eles irão passar por muitas experiências: não faz mal, e até é saudável (enfim, uma estafa mas saudável…), que hoje queiram andar no judo e amanhã já queiram passar para o basquete e depois achem que afinal nasceram para o hóquei. Só experimentando é que nos descobrimos a nós próprios.

Nem tudo o que os outros fazem é necessariamente bom para todos. Se ele não tem assim muito jeito para o futebol, porque não experimentar o pingue-pongue, por exemplo? Se ela odeia piano, que tal o violino? Se ela odeia balé, que tal o ioga? Às vezes, afastar-se das margens demasiado povoadas pode ser uma boa solução, menos stressante e mais compensadora, até em termos de futuro.

Além de escolher bem as actividades, leve-o a ver o mundo e a descobrir quais os tipos de profissões que existem.

Se o deixar em casa o dia todo a ver televisão, não se admire que ele pense que as únicas possibilidades de futuro são modelo ou cantor.

VOU SER ACTOR!

Querer ser actor é quase uma fase por que passam todos os adolescentes. O que é normal: é uma idade em que se quer atenção, e ser actor é uma profissão que vive precisamente do olhar dos outros. O que a maioria quer dizer quando diz que quer ser actor é: olhem para mim. Idealmente, ser actor significa que são observados, reconhecidos, admirados e ouvidos. Portanto, quando ele lhe vier com esse sonho, não o leve logo a fazer testes para a próxima telenovela nem deite logo as mãos à cabeça a dizer que só por cima do seu cadáver e que ele vai é ser engenheiro hidráulico como o avô Carlos. Relaxe, dê-lhe atenção em dose dupla, elogios quando se justificarem e o máximo de tempo que puder.

Palavras-chave

Relacionados

Comportamento

Como ensinar as crianças a resistir ao fracasso

Errar é um dos medos mais comuns, tanto nas crianças como nos adultos. Mas cabe aos pais explicar-lhes que isso não deve impedi-los de tentar de novo

Comportamento

'Despacha-te!'

Andam devagar, devagarinho, parados... Há crianças que levam mais tempo para fazer tudo, e é preciso paciência de elefante para adaptar os seus ritmos aos nossos... ou vice-versa.

Comportamento

Brinquedos discriminam

As brincadeiras de crianças têm um grande impacto na vida adulta

Comportamento

Crianças: saiba como convencê-los a comer legumes

Sim, é possível evitar a 'birra dos verdes'. Tire cinco minutos para rever a estratégia

Mais no portal

Saúde

Este alimento é capaz de reduzir o colesterol quase instantaneamente

Inclua-o na sua alimentação diária.

Celebridades

Kate fala sobre Lilibet, a filha de Harry e Meghan

Saiba o que a duquesa disse acerca da sobrinha.

Celebridades

Estará Neymar novamente apaixonado?

O atleta pareceu deixar uma indireta nas redes sociais.

Saúde

Gravidez: casos leves de Covid-19 não prejudicam o bebé

As informações são reveladas por um recente estudo.

Beleza

Não vai acreditar nesta nova tendência de cores de cabelo

Uma opção para as mais aventureiras.

Moda

7 macacões perfeitos para o verão

De assinatura Zara.

Saúde

5 mitos acerca de pessoas ansiosas

Entenda algumas das características associadas à ansiedade e que não são verdade.

Moda

Verde pastel: estas fotos servem de inspiração para começar a vestir a cor do momento

A cor faz sucesso entre os Millennials e a Geração Z.

Beleza

Quais são as diferenças entre BB cream e CC cream?

Ambos são adorados no mundo da beleza e têm funções distintas.

Saúde

Estudo mostra que as bebidas alcoólicas pioram os sintomas da TPM

Uma taça de vinho pode aumentar em 45% as hipóteses de a mulher ter tensão pré-menstrual.