Hiperactividade: deve ser controlada com comprimidos?

Há cada vez mais crianças diagnosticadas com a síndrome de hiperactividade com défice de atenção (PHDA) e medicadas com metilfenidato, mais conhecido pelos nomes comerciais de Ritalina, Concerta ou Rubifen, psicoestimulantes com o objectivo principal de tornar as crianças capazes de se concentrarem na escola. Nos EUA, a polémica está acesa desde os anos 60, altura em que se começou a fazer o diagnóstico desta doença e a surgirem as primeiras dúvidas sobre os efeitos secundários destes medicamentos.


O número crescente de hiperactivos gerou em alguns sectores a suspeita de um sobrediagnóstico, alertando para os perigos de podermos estar a dar aos nossos filhos um psicoestimulante não isento de perigos sem necessidade. Uma dúvida legítima, tendo em conta que a prescrição destes medicamentos aumentou em todo o mundo 274% entre 1993 e 2003, de acordo com os dados divulgados pela publicação norte-american ‘Health Affairs’. Mais de 80% deste número é da responsabilidade dos EUA, o maior consumidor segundo o relatório de 2007 da Junta Internacional de Fiscalização de Estupefacientes, uma organização independente ligada às Nações Unidas. Mas o consumo também tem vindo a aumentar na Europa. Em Portugal, e a crer nos números do Infarmed, passámos de 22 mil embalagens vendidas em 2004 para 79 mil em 2007, numa estimativa de 1900 crianças para 6600. Moda ou simplesmente um avanço nas ferramentas de detecção da doença?

"Mais quietos… mas apáticos"

"A incidência mantém-se nos três a 5%, o que aumentou foi a capacidade de diagnóstico", garante a pedopsiquiatra Graciete Carvalho. Por outro lado, parece haver uma percepção de cada vez mais turmas com crianças a tomar metilfenidato. Fátima Correia, professora na escola B1 do Prior Velho, assegura que nos 25 anos em que dá aulas nunca se tinha deparado com classes em que dois ou três alunos tomam o fármaco. "Devíamos ser consultados pelos médicos antes do diagnóstico, mas nem sempre acontece. Tenho casos de miúdos que claramente não considero hiperactivos, mas apenas irrequietos, e que tomam o medicamento, outros em que os pais começam a medicá-los e depois desistem porque, apesar de ficarem mais quietos, também ficam mais apáticos, o que os assusta."

É preciso descartar todas as hipóteses


A pedopsiquiatra Graciete Carvalho garante não haver o perigo de sobrediagnósticos: "Os critérios são precisos, não há qualquer dúvida na sua aplicação e um bom médico é capaz de os aferir sem dificuldade. Estes miúdos sofrem de uma disfunção cerebral, que tem de ser diagnosticada por um pedopsiquiatra ou neuropediatra, e que a medicação resolve ou ajuda a resolver na maioria dos casos", desdramatiza.
Mas será sempre uma questão de neurotransmissores? A psicóloga Tânia Dinis considera que é bastante fácil confundir os sintomas da hiperactividade com os da ansiedade. "Muitas vezes os pais assumem que o filho é hiperactivo e procuram especialistas, que têm uma probabilidade maior de os diagnosticar como tal. Hoje em dia há a tendência de medicar primeiro e, se resultar, é porque o diagnóstico estava certo, senão, procura-se outra coisa. As crianças podem ser ansiosas e ter razões para isso com origem no contexto familiar. Neste caso, a Ritalina ou outro fármaco similar não está a resolver nada, só a mascarar um problema."

A pedopsiquiatra Graciete Carvalho garante não haver o perigo de sobrediagnósticos: "Os critérios são precisos, não há qualquer dúvida na sua aplicação e um bom médico é capaz de os aferir sem dificuldade. Estes miúdos sofrem de uma disfunção cerebral, que tem de ser diagnosticada por um pedopsiquiatra ou neuropediatra, e que a medicação resolve ou ajuda a resolver na maioria dos casos", desdramatiza.
Mas será sempre uma questão de neurotransmissores? A psicóloga Tânia Dinis considera que é bastante fácil confundir os sintomas da hiperactividade com os da ansiedade. "Muitas vezes os pais assumem que o filho é hiperactivo e procuram especialistas, que têm uma probabilidade maior de os diagnosticar como tal. Hoje em dia há a tendência de medicar primeiro e, se resultar, é porque o diagnóstico estava certo, senão, procura-se outra coisa. As crianças podem ser ansiosas e ter razões para isso com origem no contexto familiar. Neste caso, a Ritalina ou outro fármaco similar não está a resolver nada, só a mascarar um problema."


É por isso que aconselha os pais a procurarem que os filhos sejam avaliados por equipas pluridisciplinares para se descartar primeiro todas as hipóteses, nomeadamente as psicológicas. Mesmo que isto represente mais tempo e dinheiro para os pais. "Dizerem que os filhos têm uma doença é mais fácil do que procurar causas que implicam muitas vezes uma mudança de comportamento da sua parte. Hoje em dia as crianças têm demasiados estímulos, nomeadamente na escola, e os pais estão sobrecarregados e inseguros. O estranho é não haver mais crianças agitadas e ansiosas."

Efeitos secundários imprevisíveis


O que acontece quando crianças não hiperactivas tomam estes psicoestimulantes? "É imprevisível. Podem ficar ainda mais agitadas ou mais apáticas. Supostamente, o medicamento reequilibra um mecanismo cerebral que não funciona bem. Se já funciona bem, estamos a mexer num sistema complexo e a alterar o seu funcionamento sem noção clara das consequências. Nos verdadeiros casos de hiperactividade, isto também acontece, só que a ponderação do custo/benefício vai no sentido do uso do medicamento, como é óbvio, porque lhes permite funcionar melhor", lembra Tânia Dinis.

Palavras-chave

Relacionados

Comportamento

Saiba o que pode comprometer o sucesso escolar do seu filho!

Será que o seu filho sofre de dislexia? Ou de hiperactividade? Estas são duas das maiores causas para o insucesso escolar. Saiba como pode identificá-las e qual o tratamento.

Comportamento

Como associar a escola ao prazer?

A escola tem, como é claro, aspectos menos atractivos para as crianças: regras e disciplina e matérias que, para eles, são um suplício. Mas há formas de dar a volta à situação.

Comportamento

"O meu marido deixou de pagar pensão de alimentos..."

São muito comuns os casos em que um dos progenitores deixa de pagar a pensão de alimentos por sua livre e espontânea vontade. Perguntámos à advogada Patrícia Silva o que fazer nessa situação.

Comportamento

Piscinas: perigo de afogamento

Todos os anos cerca de 20 crianças morrem afogadas em Portugal. Veja como pode proteger o seu filho do perigos das piscinas e praias

Comportamento

O que nunca fazer com as crianças nas férias

Ele anda a espojar-se na relva? Teima em esquecer-se que a matemática existe? Não come tão bem como de costume? Relaxe. Férias são férias. Para seu descanso, saiba o que deve evitar…

Comportamento

Crianças: como ter umas férias tranquilas

Elas protestam que têm fome. Ou não querem sair da água. Ou estão enjoados. Ou estão fartos de estar no carro. Ir de férias com crianças pode ser um stresse mas não tem de ser um drama. Aqui ficam algumas ideias para uns dias descansados.

Mais no portal

Imagem de Sucesso

As regras de estilo para escolher "looks" mais frescos sem descurar a elegância

Este é o tema do novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso.

Diz Quem Sabe

Ervilha amarela: uma nova alternativa aos alimentos de origem animal?

Um artigo de opinião assinado pela nutricionista Ana Leonor Perdigão.

Diz Quem Sabe

Tudo o que precisa de saber sobre a reabilitação oncológica

Um artigo de opinião assinado pelo médico Énio Pestana, do Hospital CUF Cascais, sobre este tipo de cuidados.

Saúde

Podcast: Sandra Gomes Silva responde às nossas questões sobre vegetarianismo

Os prós e os contras de um tipo de alimentação que leva em conta preocupações éticas e ambientais. Afinal, precisamos mesmo da carne para sermos saudáveis?

Saúde

O vegetarianismo melhora a vida sexual? Eis o que diz a Ciência

Não podemos subestimar o poder de uma dieta à base de plantas.

Mulheres Inspiradoras

Tem mesmo de conhecer estas ambientalistas portuguesas

Aqui ficam alguns exemplos de mulheres que renovam diariamente o compromisso de conservação e preservação ambiental.

Beleza

Conheça as grandes vantagens dos champôs sólidos

Preparámos também uma lista de produtos que pode incluir na sua rotina de cuidados capilares.

Nas Bancas

Como salvar as suas plantas

Na ACTIVA Verde, já em banca, os conselhos para escolher e cuidar das suas plantas.

Nas Bancas

Este casal mostra-nos como é viver "fora da rede"

Uma casa de madeira foi o início da mudança.

Nas Bancas

Receitas (de chef): desperdício zero

Sabia que está a deitar fora uma das melhores partes dos seus legumes?

Comportamento

A sustentabilidade chegou ao sexo

Conheça quatro formas de ajudar a salvar o planeta entre quatro paredes.