Não deixe que o seu filho seja violento na escola

‘Ser professor, hoje, é ser herói ou louco.’ Quem o diz, para ilustrar a crise de autoridade que esta classe enfrenta, é Eulália Barros, especialista em insucesso escolar, dificuldades de aprendizagem e problemas comportamentais em crianças e adolescentes, co-autora com Daniel Sampaio de livros sobre o tema da Psicologia e Pedagogia infanto-juvenil. Os exemplos estão à vista: alunos que batem em professores e lhes vandalizam os pertences, pais que vêm à escola para acertos de contas que acabam ao murro.

Muitos direitos, poucos deveres


Eulália Barros não embarca na explicação simplista de que a violência nas escolas é um fenómeno típico de jovens desfavorecidos de bairros problemáticos. ‘Dentro da escola, não há nem mais nem menos violência do que fora, porque a escola é um reflexo do meio que a envolve.’ Os pais estão a delegar na escola um papel que só a eles compete. ‘A educação e os valores não se ensinam, transmitem-se no convívio familiar. A crise a que se chegou também é consequência da dissolução dos laços familiares, da crise da família e dos adultos, que não se assumem como adultos, mas antes como jovens pouco responsáveis, tal como os filhos. A criança só se estrutura como pessoa de qualidade se tiver adultos sólidos à sua volta, que lhe dêem muita segurança, rotinas que lhe introduzam valores, cumprimento de regras, cultura familiar. Mas os meninos saem de manhã para a creche, de onde a mãe só os vai buscar às sete da noite, e já sem disponibilidade interior de escuta.’

Não é só a violência contra professores que aumentou: a agressão de filhos contra pais também, e não podemos desligar estes dois fenómenos. ‘Na Psicologia dos anos 70 nasceu a noção da ‘criança-anjo’, em que se não pode tocar. Isso trouxe a ideia de que dar uma palmada a tempo e horas ou chamar-lhes a atenção as atitudes que lhes criam resiliência, ou seja, capacidade de resistir a algo já não se tomam. Todos temos, hoje, uma imensa consciência dos direitos que nos assistem. Mas quem é que tem dos deveres?’, observa Eulália Barros. ‘Como temos dificuldade em alimentar as emoções das crianças com valores, educação, afecto, bondade, alimentamos-lhes as sensações com coisas que lhes compramos e que, meia hora depois, perderam interesse. Como somos todos dependentes, queremos sempre mais. É preciso repensar uma nova estrutura moral. Dela vem o equilíbrio e a confiança entre gerações.’



‘Para que serve o que me ensinam?’

Mas o sistema educacional também está em crise. ‘Apesar de tudo, a escola ainda é relativamente estável e sólida. Os miúdos sabem que aqueles adultos vão lá estar, todos os dias, e são a única coisa estável na vida de muitos deles.’ Mas os conteúdos que a escola tem para oferecer não chegam para as suas expectativas. ‘As crianças percebem que a escola não tem diversidade de ofertas de preparação académica e profissional. Um aluno é obrigado a ir à escola, anda lá 12 anos e não tem profissão, não adquiriu um saber fazer. Hoje, basta a televisão para um adolescente perceber que as ofertas lá fora são muito mais interessantes. Agredimos o que é importante para nós e os miúdos sabem que a escola é muito importante na vida deles.’

Não admira, portanto, que alguns se rebelem contra uma escola que, na maior parte dos casos, só os prepara para cursos universitários de carácter formal e abstracto. ‘Para que é que isto serve, afinal?’, parece ser a pergunta cada vez mais comum na boca de muitos jovens. A escola está desajustada: o modelo que hoje temos ainda é decalcado do liceu da época de Napoleão, alerta Eulália Barros.
Eulália Barros aponta ainda o dedo à Comunicação Social por amplificar o fenómeno da violência aos olhos dos jovens e adultos que assistem a noticiários onde pais e alunos dão sovas a professores.’Claro que há violência e problemas novos, mas há também coisas extraordinárias de que nunca se fala.’



Professores sem autoridade

‘Antigamente, o professor era uma figura de autoridade, que punha e dispunha, física e emocionalmente, dos alunos’, lembra a psicóloga. Hoje, a situação é a inversa. A ideia pedagógica da criança intocável e soberana cresceu à medida que a autoridade do professor enfraquecia. ‘As mesmas ideologias que influenciaram as mães com os traumatismos das crianças também influenciaram os políticos. Os castigos passaram a ser muito traumatizantes.’ Os professores que têm a sorte de conseguir colocação são lançados às feras pouco depois de abandonarem a faculdade, sem noção de como gerir 20 ou 30 egos juvenis numa sala de aula. ‘Não são competentes em vários planos porque a sua formação inicial é um caos e só os prepara para o tal modelo de liceu desajustado.’

O estatuto do aluno, que a política educacional promoveu nos últimos anos, também criou uma máquina demasiado burocratizada e lenta a resolver casos de violência. ‘A escola tem regulamentos disciplinares com os quais nem um adulto inteligente e com boa memória consegue amanhar-se! Além disso, parece-me que se meteram demasiadamente os pais nas escolas, e isso confunde as crianças. São papéis diferentes. Uma criança precisa de saber que nem tudo o que faz em casa a professora tem de saber. E, na escola, tem de contar com o professor para que nem tudo o que lá faz se saiba em casa. É preciso que se crie aos olhos da criança algum distanciamento e diferença entre os papéis de um e outro.’

Palavras-chave

Relacionados

Comportamento

Por que é que as crianças não aprendem?

Fazê-lo passar o dia a estudar não ajuda necessariamente o seu filho. Numa altura em que as dificuldades escolares estão a aumentar em Portugal, um especialista ajuda-a a tornar o seu filho num bom aluno... e feliz!

Comportamento

O que fazer quando ele odeia ir para a escola

Há quem faça amigos com facilidade e seja popular entre o grupo. E quem é tímido e se transforma no bombo da festa? Saiba ajudar o seu filho quando ir para a escola é um pesadelo.

Comportamento

Como saber se o seu filho é vítima de bullying

Os sinais de que o seu filho pode estar a ser vítima de violência física e psicológica na escola podem não ser óbvios, mas estão lá!

Comportamento

Internet: A nova arma do bullying adolescente

Provocações, insultos, ameaças e chantagens passaram da escola para a web e telemóveis e até já deram origem a um fenómeno novo: cyberbullying. Anónima e à distância de um clique, esta forma de violência entre pares chega a ter consequências trágicas. Saiba como agir.

Mais no portal

Moda

Estas saias prometem fazer furor nas estações quentes

Apresentamos-lhe seis modelos que são ótimos investimentos tanto para a primavera como para o verão de 2021.

Lifestyle

Vamos falar sobre os deliciosos tacos japoneses do FishFish Sushi?

Às quartas-feiras, na compra de três tacos, o restaurante oferece um quarto. Uma oferta literalmente irresistível!

Body Shaper

O derradeiro plano para declarar guerra à celulite e à retenção de líquidos

O novo episódio da rubrica Body Shaper traz-lhe um plano de ataque, sublinhe-se, só com dicas caseiras.

Diz Quem Sabe

Questões a ponderar antes de avançar com uma mudança na vida profissional

A coach Lúcia Palma deixa alguns pontos a ter em conta antes de efetuar qualquer mudança neste campo.

Saúde

Os reajustes necessários para perder peso depois dos 40

Aconselhados por uma especialista.

Beleza

Base demasiado clara? Este truque do TikTok ajuda a resolver o problema

É bastante simples e económico.

Moda

Duvidamos que haja um vestido mais prático do que este

É só vestir e sair porta fora, sem pensar muito no styling.

Comportamento

Os 10 pilares de relacionamentos saudáveis

De acordo com um perito em relações amorosas, existem 10 alicerces de uma parceria que tendem a ser subestimados.

Celebridades

Ex-mulher de Travis Barker alega que o músico teve um caso com Kim Kardashian

Barker é o novo namorado de Kourtney Kardashian.

Diz Quem Sabe

O guia para criar uma selva urbana em casa

Um artigo de opinião assinado por José Luís Velasco, product manager da Gardenia, sobre os novos hábitos que se cultivaram e enraizaram em tempos de confinamento.

Comportamento

Como ser mais vulnerável num relacionamento (mesmo que isso a assuste)

O medo da rejeição faz-nos levantar a guarda e, por conseguinte, perdemos coisas boas como a intimidade e a conexão.

Diz Quem Sabe

O couro cabeludo também precisa de proteção solar

O Dr. Carlos Portinha, coordenador Clínico do Grupo Inspary, explica que o cancro da pele pode ser uma das consequências da exposição do couro cabeludo aos raios solares.