Quando o trabalho arruína o sexo

Quando o trabalho arruína o sexo

Jupiter

Andar às voltas na cama a pensar como conseguir a promoção desejada, como despachar a lista de tarefas para o dia seguinte ou a remoer no facto de se sentir miserável no seu emprego, em vez de apreciar as carícias e as palavras sensuais que o seu companheiro lhe sopra ao ouvido, pode ser sinónimo de que a sua vida sexual e afectiva já viu melhores dias. O problema é que cada vez mais difícil desligar o ‘complicómetro laboral’ à porta de casa.

“Ou ele abrandava o ritmo de trabalho, ou eu saia de casa”

Vera* tem 29 anos e, recentemente, realizou um sonho de abrir a sua própria loja. Finalmente ia ser patroa de si própria, fazer aquilo que gostava e fugir dos horários loucos. As coisas também pareciam ir de vento em popa com o namorado, Luís*, um designer gráfico que começava a consolidar a sua carteira de clientes. “A certa altura o trabalho aumentou. Ele estava muito feliz por ter tantos projectos aliciantes entre mãos e por, finalmente, conseguir ganhar dinheiro com a profissão que escolhera. Não saia do estúdio, trabalhava das 9 ou 10 horas da manhã até à meia-noite ou mais. Ao fim de semana fazia noitadas que entravam pela madrugada dentro.” O facto do estúdio ser em casa não facilitava as coisas e até chegava a esquecer-se de jantar. Vera ficava horas à espera. “Deixámos de passar tempo juntos e o sexo também deixou de resultar. Eu abria o jogo com ele, perguntava-lhe se não lhe apetecia fazer amor. Mas ele descartava-se sempre por estar muito cansado.”

A história durou alguns meses e o sexo cada vez mais escasso. “Quando acontecia, era rápido e insonso. Mais do que tudo, sentia-me sozinha. Fartei-me e confrontei-o com um ultimato: ou ele abrandava o ritmo de trabalho, ou eu saia de casa. Estar ali ou não estar, já era indiferente.” Vera não saiu de casa. Admite que a situação não é a ideal mas sabe que o namorado está a fazer um esforço maior e diz que a relação melhorou.

Se namorar com um viciado no trabalho pode acabar com qualquer relação, ter um emprego stressante também não lhe dá grande saúde à vida amorosa. Mónica*, 27 anos, trabalha por turnos num serviço de assistência ao cliente e também admite: “Às vezes venho tão cansada do trabalho, sobretudo quando faço o horário da tarde e noite, que não apetece fazer amor.” Admite que não gosta particularmente do que faz, mas fazer amor costuma funcionar como antídoto para monotonia. Mas, o cansaço e os horários estranhos podem comprometer o desejo e a performance sexual.

O fim da aventura?

Os casos em que o stresse e a rotina acabam por minar as relações não são estranhos a Marta Crawford, psicóloga e especialista em sexologia. “Há sempre um chefe ou colega chato na vida de toda a gente, com quem não podemos ser mal-educados porque não é socialmente aceitável.” Ambos os sexos se queixam de que o stresse está a influir negativamente na relação amorosa mas, por questões biológicas, as disfunções sexuais são mais visíveis nos homens. É ingrato, mas eles são mais confrontados com a questão da boa performance no sexo: ou porque a erecção não foi conseguida, ou porque a ejaculação foi precoce.

O fenómeno ultrapassa idades mas é mais visível em casais adultos, na casa dos 30 ou 40 anos, com filhos e uma rotina de trabalho, tarefas domésticas e cuidados com a família que lhes roubam muito tempo de romance e diálogo.

Pode argumentar-se que o sexo deveria funcionar como terapia para o mesmo stresse que acaba por miná-lo. E há mesmo quem defenda que, mesmo que o desejo não seja grande, é preciso insistir e dar a oportunidade do sexo acontecer. Muitas vezes o sexo acaba por acontecer, mesmo sem vontade do parceiro menos motivado, só para não frustrar o outro. A psicóloga adverte para as desvantagens desta atitude. “É um pouco a óptica do ‘deixa andar porque depois pode ser que me entusiasme’. Por um lado, significa que ainda há esperança ou que ainda se vive a experiência do entusiasmo posterior. Mas poderá significar algum tipo de perturbação: não conseguir falar abertamente de sexualidade, ter vergonha de estar com o outro ou do seu corpo, ser mais espectador em vez de assumir um papel activo no sexo.”

Portanto, se sabe que está mesmo demasiado stressada para ir em frente com a relação sexual o ideal é abrir o jogo com franqueza: “É preciso ter capacidade de dizer ao parceiro ‘Eu não quero fazer amor, mas não quer dizer que não goste de ti; há circunstâncias que estão a dificultá-lo’. Mas, se é uma situação recorrente, é preciso perceber o que se passa.”

E os workaholics? Sentem menos desejo sexual, como no caso do namorado da Vera? “Não é bom generalizar mas, quem direcciona toda a energia para o trabalho não pode estar a 100% nas outras esferas e pode falhar mesmo nas questões sexuais.” Será por isso que muitas pessoas conscientes de que são viciadas em trabalho escolhem não se envolver seriamente? “Se calhar, já perceberam que não aguentam uma relação porque, aquilo que elas querem dar profissionalmente, não é compatível com a disponibilidade para estar com outra pessoa.”


Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Comportamento

Dê lhe a volta à cabeça... na cama

Umas "jogadas" mais arrojadas no campo do sexo e nem vai reconhecer o homem que tem a seu lado

Comportamento

Ideias para levar qualquer homem à loucura

Gosta de experimentar novos desafios, que estilhaçam a rotina, no que se refere a sexo? Então, inspire-se nas nossas ideias

Comportamento

Por que nos sentimos culpadas quando não queremos ter sexo?

Há momentos em que não sentimos vontade de corresponder ao assédio do nosso companheiro. Resultado: sentimo-nos culpadas. Mas será que não estamos a exigir de mais de nós próprias?

Comportamento

Os mitos do sexo anal

Afinal, o sexo anal dá ou não prazer à mulher? Quais os cuidados a ter? E as melhores posições?

Comportamento

Testemunhos: como manter a chama acesa numa relação

Duas mulheres dão o seu testemunho sobre a forma que criaram para manter o desejo vivo no casal

Comportamento

As 10 zonas erógenas masculinas

Pergunte a um homem quais são as suas zonas erógenas e a resposta mais provável é um sorriso acompanhado de: “Há mais do que uma?!” Mas preconceitos e vergonha à parte, a verdade é que, tal como as mulheres, o mapa do prazer masculino tem mais do que um tesouro escondido.

Comportamento

O que nunca deve dizer se ele não quiser fazer sexo!

Nem sempre o desejo sexual surge ao mesmo tempo no homem e na mulher. Mas quando isso acontece com o seu companheiro, tenha cuidado com o que lhe diz.

Comportamento

5 ideias para quebrar a monotonia sexual

No universo do sexo, nem tudo foi explorado ou inventado. Há sempre coisas novas destinadas aos casais que desejam sair da rotina.

Comportamento

Programa para um domingo "diferente"

Aproveite o dia de descanso para fazer uns jogos... a dois, claro.

Mais no portal

Comportamento

Os 3 tipos de problemas que todos os casais enfrentam

De acordo com os especialistas em relacionamentos interpessoais.

Beleza

Manicure de Halloween: 10 inspirações

Prepare-se a rigor para a noite mais assustadora do ano.

Saúde

Covid-19: Foi descoberto um novo fator de risco entre vacinados

Mesmo com as duas doses, determinados hábitos podem aumentar o risco de infeção.

Moda

As diferenças essenciais entre moda e estilo

Não, não são a mesma coisa.

Saúde

No Brasil, 1 em cada 5 crianças sofre de anemia

Conheça as possíveis causas.

Celebridades

Jennifer Lopez retira penthouse do mercado após quatro anos sem ofertas

Localizada no Distrito de Flatiron, em Nova Iorque, tem uma vista de cortar a respiração para o famoso Madison Square Park.

Celebridades

Oprah vai entrevistar Adele em especial de televisão

Além da conversa, os fãs poderão assistir a uma performance da artista, que se prepara para lançar um novo álbum.

Comportamento

É possível fazer sexo sem quaisquer emoções envolvidas?

Eis a opinião surpreendente de uma sexóloga.

Beleza

Maquilhagem para os olhos com dois tons é a tendência mais marcante do outono

Nesta temporada, os maquilhadores convidam-nos a experimentar diferentes combinações de cores.

Comportamento

Existem 8 tipos de bullying: saiba quais são e como identificá-los

O Dia Mundial de Combate ao Bullying assinala-se anualmente a 20 de outubro.

Celebridades

Lizzo surpreende com vestido transparente

Veja o visual da cantora.