Quando o trabalho arruína o sexo

Quando o trabalho arruína o sexo

Jupiter

Andar às voltas na cama a pensar como conseguir a promoção desejada, como despachar a lista de tarefas para o dia seguinte ou a remoer no facto de se sentir miserável no seu emprego, em vez de apreciar as carícias e as palavras sensuais que o seu companheiro lhe sopra ao ouvido, pode ser sinónimo de que a sua vida sexual e afectiva já viu melhores dias. O problema é que cada vez mais difícil desligar o ‘complicómetro laboral’ à porta de casa.

“Ou ele abrandava o ritmo de trabalho, ou eu saia de casa”

Vera* tem 29 anos e, recentemente, realizou um sonho de abrir a sua própria loja. Finalmente ia ser patroa de si própria, fazer aquilo que gostava e fugir dos horários loucos. As coisas também pareciam ir de vento em popa com o namorado, Luís*, um designer gráfico que começava a consolidar a sua carteira de clientes. “A certa altura o trabalho aumentou. Ele estava muito feliz por ter tantos projectos aliciantes entre mãos e por, finalmente, conseguir ganhar dinheiro com a profissão que escolhera. Não saia do estúdio, trabalhava das 9 ou 10 horas da manhã até à meia-noite ou mais. Ao fim de semana fazia noitadas que entravam pela madrugada dentro.” O facto do estúdio ser em casa não facilitava as coisas e até chegava a esquecer-se de jantar. Vera ficava horas à espera. “Deixámos de passar tempo juntos e o sexo também deixou de resultar. Eu abria o jogo com ele, perguntava-lhe se não lhe apetecia fazer amor. Mas ele descartava-se sempre por estar muito cansado.”

A história durou alguns meses e o sexo cada vez mais escasso. “Quando acontecia, era rápido e insonso. Mais do que tudo, sentia-me sozinha. Fartei-me e confrontei-o com um ultimato: ou ele abrandava o ritmo de trabalho, ou eu saia de casa. Estar ali ou não estar, já era indiferente.” Vera não saiu de casa. Admite que a situação não é a ideal mas sabe que o namorado está a fazer um esforço maior e diz que a relação melhorou.

Se namorar com um viciado no trabalho pode acabar com qualquer relação, ter um emprego stressante também não lhe dá grande saúde à vida amorosa. Mónica*, 27 anos, trabalha por turnos num serviço de assistência ao cliente e também admite: “Às vezes venho tão cansada do trabalho, sobretudo quando faço o horário da tarde e noite, que não apetece fazer amor.” Admite que não gosta particularmente do que faz, mas fazer amor costuma funcionar como antídoto para monotonia. Mas, o cansaço e os horários estranhos podem comprometer o desejo e a performance sexual.

O fim da aventura?

Os casos em que o stresse e a rotina acabam por minar as relações não são estranhos a Marta Crawford, psicóloga e especialista em sexologia. “Há sempre um chefe ou colega chato na vida de toda a gente, com quem não podemos ser mal-educados porque não é socialmente aceitável.” Ambos os sexos se queixam de que o stresse está a influir negativamente na relação amorosa mas, por questões biológicas, as disfunções sexuais são mais visíveis nos homens. É ingrato, mas eles são mais confrontados com a questão da boa performance no sexo: ou porque a erecção não foi conseguida, ou porque a ejaculação foi precoce.

O fenómeno ultrapassa idades mas é mais visível em casais adultos, na casa dos 30 ou 40 anos, com filhos e uma rotina de trabalho, tarefas domésticas e cuidados com a família que lhes roubam muito tempo de romance e diálogo.

Pode argumentar-se que o sexo deveria funcionar como terapia para o mesmo stresse que acaba por miná-lo. E há mesmo quem defenda que, mesmo que o desejo não seja grande, é preciso insistir e dar a oportunidade do sexo acontecer. Muitas vezes o sexo acaba por acontecer, mesmo sem vontade do parceiro menos motivado, só para não frustrar o outro. A psicóloga adverte para as desvantagens desta atitude. “É um pouco a óptica do ‘deixa andar porque depois pode ser que me entusiasme’. Por um lado, significa que ainda há esperança ou que ainda se vive a experiência do entusiasmo posterior. Mas poderá significar algum tipo de perturbação: não conseguir falar abertamente de sexualidade, ter vergonha de estar com o outro ou do seu corpo, ser mais espectador em vez de assumir um papel activo no sexo.”

Portanto, se sabe que está mesmo demasiado stressada para ir em frente com a relação sexual o ideal é abrir o jogo com franqueza: “É preciso ter capacidade de dizer ao parceiro ‘Eu não quero fazer amor, mas não quer dizer que não goste de ti; há circunstâncias que estão a dificultá-lo’. Mas, se é uma situação recorrente, é preciso perceber o que se passa.”

E os workaholics? Sentem menos desejo sexual, como no caso do namorado da Vera? “Não é bom generalizar mas, quem direcciona toda a energia para o trabalho não pode estar a 100% nas outras esferas e pode falhar mesmo nas questões sexuais.” Será por isso que muitas pessoas conscientes de que são viciadas em trabalho escolhem não se envolver seriamente? “Se calhar, já perceberam que não aguentam uma relação porque, aquilo que elas querem dar profissionalmente, não é compatível com a disponibilidade para estar com outra pessoa.”


Palavras-chave

Assine a ACTIVA e receba mais 6 meses grátis. Garanta uma boa leitura durante as suas férias e relaxe. Conheça todas as opções e não perca esta oportunidade. ASSINE AQUI

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

“Dancei, cantei, celebrei, fiz coisas legais.” Vídeo da primeira-ministra da Finlândia divertida numa festa causa polémica

“Dancei, cantei, celebrei, fiz coisas legais.” Vídeo da primeira-ministra da Finlândia divertida numa festa causa polémica

Biocombustíveis fora de controlo? Portugal pode estar a incentivar desflorestação e fraudes no setor

Biocombustíveis fora de controlo? Portugal pode estar a incentivar desflorestação e fraudes no setor

Infantas Leonor e Sofia destacam-se com vestidos de estilos diferentes

Infantas Leonor e Sofia destacam-se com vestidos de estilos diferentes

A polémica que rodeia a entrada da princesa Amalia da Holanda na faculdade

A polémica que rodeia a entrada da princesa Amalia da Holanda na faculdade

Treze distritos em aviso amarelo até final da semana por causa do calor

Treze distritos em aviso amarelo até final da semana por causa do calor

Se acha que esta crise é igual às outras, não está a prestar atenção

Se acha que esta crise é igual às outras, não está a prestar atenção

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1537

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1537

Príncipe André e Sarah Ferguson envolvem-se em nova polémica

Príncipe André e Sarah Ferguson envolvem-se em nova polémica

A história do Ballett Gulbenkian

A história do Ballett Gulbenkian

1000 km (e um rally) com o Peugeot e-2008

1000 km (e um rally) com o Peugeot e-2008

Cristina Ferreira de férias em Ibiza: eis os valores diários da sua estadia num iate de luxo

Cristina Ferreira de férias em Ibiza: eis os valores diários da sua estadia num iate de luxo

Raquel André: Uma Língua Portuguesa afiada

Raquel André: Uma Língua Portuguesa afiada

Monkeypox: descoberto primeiro caso de transmissão de humanos para um animal de estimação

Monkeypox: descoberto primeiro caso de transmissão de humanos para um animal de estimação

De malas feitas

De malas feitas

Livros-jogos para as férias

Livros-jogos para as férias

Cata Vassalo e Rita Patrocínio juntas em coleção de joalharia sobre a amizade

Cata Vassalo e Rita Patrocínio juntas em coleção de joalharia sobre a amizade

12 biquínis monocromáticos para quem menos é mais

12 biquínis monocromáticos para quem menos é mais

Infarmed retira do mercado alguns lotes de produtos da marca A Nova Saboaria

Infarmed retira do mercado alguns lotes de produtos da marca A Nova Saboaria

iPhone 14 'prometido' para 16 de setembro

iPhone 14 'prometido' para 16 de setembro

Rui Maria Pêgo regressa à televisão portuguesa

Rui Maria Pêgo regressa à televisão portuguesa

Agenda para pais e filhos: agosto é tempo de diversão

Agenda para pais e filhos: agosto é tempo de diversão

Terapia do Humor

Terapia do Humor

American Airlines encomenda 20 aviões supersónicos à Boom Supersonic

American Airlines encomenda 20 aviões supersónicos à Boom Supersonic

O festival de Almada e os 30 anos de Vila do Conde

O festival de Almada e os 30 anos de Vila do Conde

Mais perto da estagflação? Economia contrai, inflação acelera

Mais perto da estagflação? Economia contrai, inflação acelera

Quimonos: 25 modelos com muito estilo para usar já

Quimonos: 25 modelos com muito estilo para usar já

Catarina Furtado dá nas vistas com top de 'glitter' e calças brancas

Catarina Furtado dá nas vistas com top de 'glitter' e calças brancas

American Airlines encomenda 20 aviões supersónicos à Boom Supersonic

American Airlines encomenda 20 aviões supersónicos à Boom Supersonic

Feitas de fibra

Feitas de fibra

Brain Snack: O que é a Síndrome de Ramsay Hunt, que paralisou Justin Bieber

Brain Snack: O que é a Síndrome de Ramsay Hunt, que paralisou Justin Bieber

Samsung Galaxy Buds2 Pro em análise: Galáxia à parte

Samsung Galaxy Buds2 Pro em análise: Galáxia à parte

Entrevista a Fernando Mendes, apresentador de 'O Preço Certo'

Entrevista a Fernando Mendes, apresentador de 'O Preço Certo'

Espanha: proibido regular o ar condicionado para menos de 27 graus

Espanha: proibido regular o ar condicionado para menos de 27 graus

"Pistol": Memórias do punk rock no Disney+

Campanha de cereais de inverno foi a 2.ª pior dos últimos 105 anos

Campanha de cereais de inverno foi a 2.ª pior dos últimos 105 anos

Georgina Rodrigues deslumbra em campanha de marca de luxo

Georgina Rodrigues deslumbra em campanha de marca de luxo

Conduzimos o Nissan Ariya em Estocolmo

Conduzimos o Nissan Ariya em Estocolmo

Arquiteta saudita, oriunda de uma família abastada: assim é Rajwa Khaled, a futura sucessora de Rania da Jordânia

Arquiteta saudita, oriunda de uma família abastada: assim é Rajwa Khaled, a futura sucessora de Rania da Jordânia

A diversidade importa

A diversidade importa

Descoberta relação inesperada entre dois dos fatores que causam cancro com maior frequência

Descoberta relação inesperada entre dois dos fatores que causam cancro com maior frequência

Grifo e milhafre-real serão devolvidos à natureza no Douro Internacional

Grifo e milhafre-real serão devolvidos à natureza no Douro Internacional

A internacionalização como meta para os empresários

A internacionalização como meta para os empresários