adolescente

Thinkstock

Começam a pensar em sexo. A querer sair sozinhos com os amigos. A fecharem-se no quarto. A passarem horas na Internet. A dizerem “não quero”, “não faço”, “não mandas em mim”. E agora, o que fazer?  Fomos procurar as respostas nos testemunhos de vários pais e nos conselhos de uma psicóloga, Rita Antunes.

Paula, 50 anos

“Só pensa na aparência”

“Nunca tem roupa suficiente. Quer sempre mais umas calças ou um par de botas e é capaz de mudar cinco vezes de roupa antes de sair de casa! E pensar que, até aos 12 anos, a Inês era a miúda mais maria-rapaz de que me lembro. Agora, com 14, até tem um daqueles estojos de maquilhagem da Barbie.”

O que diz a Psicóloga: “Faz parte da adolescência os jovens quererem ser aceites pelos seus pares e, no caso das raparigas, isso passa essencialmente pela roupa. Negar-lhe isso é fazê-la sentir-se insegura – o que não significa que não deva conversar com ela sobre a questão da identidade não passar de forma alguma pelos aspectos exteriores. Mas isso será uma aprendizagem gradual. Até lá, estabeleça um montante mensal para ela gastar em roupas. O resto terá de vir da sua própria mesada.”

Luís, 41 anos

“Precisei de falar com ele sobre sexo”

“O meu filho mais velho, o Manuel, tem 13 anos. Comecei a vê-lo como adolescente quando ele iniciou as questões sobre raparigas e sexo. E não foi o assunto em si que me assustou, mas o facto de ter constatado a falta de informação de natureza sexual que os jovens recebem na escola. Por exemplo, houve um dia em que o Manuel veio ter comigo e me perguntou “pai, como é que se usa um preservativo?”. Pensei que tinha de resolver aquilo da forma mais natural possível e disse-lhe “antes de mais, vamos comprá-los!”. Ficou em pânico, muito atrapalhado, mas lá foi atrás de mim até a um hipermercado onde os comprei, com ele ao meu lado, corado como nunca o vi. Depois, cheguei a casa, peguei numa banana e mostrei-lhe.”

O que diz a psicóloga: “Parece-me uma óptima opção a deste pai. Tratar o assunto com naturalidade, não contornando as questões, é a melhor forma de lidar com as questões dos jovens sobre sexualidade.”

Luísa, 43 anos,

“Lá veio a necessidade de afirmação de autonomia”

“O meu filho tem 14 anos e desconcerta-me: por um lado, consegue fazer as coisas autonomamente, demonstra capacidade de lidar com as situações mais delicadas com as raparigas e com os colegas da escola, é desembaraçado, mas esses episódios são cruzados com momentos em que ainda precisa de colo da mãe e de carinhos como se tivesse 8 anos de idade.”

O que diz a psicóloga: “A formação da personalidade decorre ao logo de anos. É comum o adolescente sentir-se dividido entre aquilo que considera ser a sua função social – ser crescido – e os apelos emocionais. Compete aos pais nunca se esquecerem que ele ainda precisa, e vai sempre precisar, de carinho e atenção. Lá porque é adolescente não deixar de precisar do afecto dos pais. É preciso que eles o demonstrem com beijos e abraços. O que não significa assumir decisões e responsabilidades que tem de ser o jovem a tomar. Os pais devem é dizer-lhe: “é a tua escolha, estamos aqui para te apoiar.”

 

Margarida, 39 anos

“É totalmente irresponsável”

“A Catarina tem agora 15 anos e, por vezes, faz imensos disparates. Por exemplo, é irresponsável, anda sempre a perder o telemóvel e as chaves de casa e nunca faz a cama! Como é que lido com isso? Bem, acho que o carinho e alguma compreensão são sempre componentes essenciais, mas uma mãe não é de ferro e por vezes zango-me mesmo com ela.”

O que diz a psicóloga: “ O melhor é dizer-lhe “o quarto é tua responsabilidade, mas o resto da casa quero cada coisa no sítio. Tens de te responsabilizar pelo teu espaço e pelas tuas coisas. A pior coisa é gritar, espernear e depois ir arrumar-lhe o quarto de alto a baixo. O mesmo com o telemóvel: se perdeu o de última geração que tanto quis, fica com um velhote que anda lá por casa para desenrascar. O adolescente compreender que as suas acções têm consequências que vão muito alem dos gritos da mãe é uma estratégia muito mais eficaz.”

Tomás, 45 anos

“A provocação está sempre lá!

“O meu filho adora provocar-me: portar-se mal à mesa, arrotar em público, enfim, tudo o que sabe que me deixa doente. Sei que isso é feito com o intuito de me provocar e chamo-o à atenção, o que não exclui uns ralhetes quando necessário e mesmo uns puxões de orelhas, quanto mais não seja para continuar a lembrar-lhe quem é que manda. Os castigos são praticamente inexistentes. Os problemas tratam-se na altura e não mediante restrições que se estendem por vários dias criando unicamente um mau ambiente e uma atitude negativa para quando se fez alguma asneira.”

O que diz a psicóloga: “Este pai toca num ponto fundamental: castigar por castigar, a torto e a direito, retira o efeito do castigo, principalmente quando não acontece no momento certo. Apenas enfraquece a confiança entre pais e filhos.”

Carlos, 40 anos

“A Internet é uma dor de cabeça”

“Com uma filha de 15 anos, a Mariana, é claro que surgem problemas novos ao nível da internet, em que se cria um mecanismo de comunicação muito fechado e no qual tenho de entrar por vezes através de meios menos próprios (como software de monitorizacão da actividade), mas na minha opinião totalmente justificados para manter um adequado controlo e evitar eventuais problemas com predadores virtuais. Não me sinto culpado por fazê-lo.”

O que diz a psicóloga: “Monotorizar é preciso, apesar de aqui entrarem em questões como a da confidencialidade. Uma coisa é aceder ao histórico de páginas visitada, outra, de evitar, é saber quais as conversas que ele manteve no Messanger. Também ele tem direito à sua privacidade. Porém, alertá-lo sobre os comportamentos de risco e de segurança é um passo que nenhum pai pode deixar em claro.”

Anabela, 44 anos

“Quer sempre discutir as horas de chegada”

“Eu digo meia-noite. Ela torce o nariz e diz que a amiga não tem hora de chegada. Parece que a Carolina, que tem agora 15 anos, faz aquilo só mesmo para me irritar.  Antes, gostava era de ficar em casa a ver um filme. Agora, só lhe interessa sair à noite com as amigas. Muitas vezes, terminamos a discutir e eu a dizer “não vais”.”

O que diz a Psicóloga: “É preciso chegar a um consenso, a uma espécie de contrato, porque faz parte desta etapa da vida do jovem ele misturar-se com o seu grupo de pares, Não a proíba ou estará apenas a dificultar o desenvolvimento das competência sociais e roubar-lhe defesas para enfrentar o mundo exterior. Antes disso, negoceie.”

 

Marta, 48 anos

“Chegou a casa alcoolizado”

“O Gilherme sempre foi uma criança que nunca deu problemas. Era bom aluno, mas não ‘marrão’, gostava de jogar à bola e estava sempre pronto a ajudar. Sempre conheci os seus amigos e por isso, quando começou a sair com eles sozinho, não levantei problemas. Até ao dia, tinha ele 16 anos, em que o vi chegar a casa claramente alcoolizado. Chamei-o à sala e confrontei-o, mas ele virou-me costas e fechou-se no quarto. No dia seguinte, deixe-lhe um sermão.”

O que diz a psicóloga: “Antes de mais, deixe-o ir dormir. Não estará em condições de ter uma conversa com pés e cabeça e apenas vai aumentar o stress e a ansiedade dos pais. No dia seguinte, aborde-o sem rodeios sobre o assunto e fala-lhe sobre os malefícios do álcool. Tente perceber porque o fez: se para experimentar novas sensações, se por pressão do grupo.”

Margarida, 40 anos

“Teve uma amiga que era uma péssima influência”

“Os problemas com a adolescência da Carla começaram, quanto a mim, no dia em que ela conheceu a Magda. Andavam no sétimo ano e rapidamente se tornaram as melhores amigas. Até que me comecei a aperceber de pequenas mudanças na minha filha. Apanhei-a a mentir, a dizer que tinha estado em casa a estudar durante a tarde, por exemplo, quando a minha mãe passara por casa e não a encontrara a ela. Um dia, em que supostamente ela estava em casa da Carla, foi ao café e encontrei-a na esplanada, maquilhada e vestida de uma forma como nunca vi e rodeada de rapazes mais velhos. Fui ter com ela e levei-a por um braço para casa.”

O que diz a psicóloga: “Este é um período de vulnerabilidade e nem todos temos o mesmo tipo de personalidade. Com os adolescentes é o mesmo, e alguns são mais permeáveis a terceiros. Não há ninguém a culpar, mas como mãe deve intervir e, inclusive, mudar de escola pode ser uma opção para afastar uma má influência. Por fim: nunca se deve fazer nada que humilhe o adolescente em público, principalmente se estiver com amigos.”

Palavras-chave

Relacionados

Comportamento

Adolescentes - Eles gastam de mais!

Roupa, telemóveis, mesadas. Os jovens portugueses têm cada vez mais dinheiro e gastam como gente grande. Será que não há mal nenhum em dar-lhes tudo o que eles querem? Procurámos a resposta junto de alguns especialistas.

Comportamento

Adolescentes: descubra o que lhes deve dar!

Não é que seja difícil dar um presente a alguém com 13 anos, até porque qualquer adolescente sabe na perfeição o que quer. Mas será que o que ele quer é o que deve ter?

Comportamento

Adolescentes: porque é que entram mudos e saem calados?

De repente, ele resolveu poupar nas palavras e responder a tudo com monossílabos? Não desespere, é possível quebrar o silêncio do seu filho.

Comportamento

Vaidade adolescente: virtude ou defeito?

Os adolescentes compram roupa como gente grande e sabem perfeitamente o que ‘podem’ ou não vestir. Fomos saber as razões desta preocupação com o visual e conhecer o que está na raiz da vaidade aos 13 anos.

Comportamento

Como proteger os adolescentes do álcool

Com a passagem à adolescência, começam as primeiras experiências e transgressões. O álcool – juntamente com as drogas – ocupa o topo no que respeita às dores de cabeça dos pais. Mas o facto de ser uma substância socialmente aceite, não ajuda à prevenção.

Mais no portal

Comportamento

Brinquedos sexuais: revelados os hábitos dos portugueses entre quatro paredes

A grande maioria dos inquiridos num estudo recente admitem que o uso de brinquedos teve um impacto positivo na satisfação com a vida sexual.

Beleza

Saiba como conseguir pestanas de boneca sem usar extensões

Estes três truques vão deixá-las longas e volumosas.

Saúde

Os motivos para os vinhos naturais não causarem ressacas tão severas

Saiba se esta é a opção que faz mais sentido para si.

Comportamento

6 padrões de pensamento que pioram a ansiedade (e como combatê-los)

Aqui ficam as recomendações de um especialista.

Moda

20 vestidos de verão abaixo dos 50 euros que seguem as últimas tendências

Não há como falhar com estes modelos no seu armário cápsula de verão.

Saúde

É normal perder o apetite durante a menstruação? A resposta de uma especialista

A explicação resume-se a três pontos.

Comportamento

5 sinais de que está num relacionamento com potencial para dar certo

De acordo com um psicólogo, estas são as características de casais com relações bem-sucedidas a longo prazo.

Body Shaper

Os tratamentos caseiros indispensáveis em qualquer 'operação biquíni'

O novo episódio da rubrica Body Shaper conta com três sugestões muito simples e eficazes.

Moda

É possível recriar o estilo de Katie Holmes por menos de 30 euros

A atriz usou um top em crochê que tem um preço bastante acessível e ainda está disponível na loja online da marca.

Beleza

"Pre-poo": os grandes benefícios deste tratamento para cabelos crespos

E para todos os tipos de caracóis, que estão sempre sedentos de hidratação.

#VozActiva

Isabela Valadeiro: "Se não salvarmos os oceanos, não há futuro"

A nossa protagonista de julho fala sobre a relação com o mar e da necessidade de preservarmosos oceanos no #VozActiva deste mês.

Moda

Descobrimos onde pode comprar um casaco desportivo igualzinho ao de Bella Hadid

A modelo rendeu-se a uma criação que custa menos de 50 euros.