infeliz relaçõ57447778.jpg

Os tempos actuais são difíceis para as relações.” Isabel Narciso, especializada em terapia de casal, não tem ilusões sobre a matéria. O stress, a falta de tempo e a predominância dos valores centrados no indivíduo são alguns dos responsáveis pelo desgaste célere das relações. Por outro lado, vivemos numa sociedade de máquinas e, tal como um telemóvel é rapidamente deitado fora e substituído por outro quando deixa de funcionar, há tendência a que suceda o mesmo com as relações: “mas não se pode andar por aí a saltitar – acabamos por ‘romper’ com a própria felicidade porque sentimos constantemente que falhamos.”

Continuar ou desistir?

Surge então a questão: até quando vale a pena lutar por uma relação? “Quando se fala em relação conjugal é preciso existir afecto: um casal pode ter problemas, mas enquanto ainda diz ‘eu gosto de ti’ há solução. Quando passam a dizer ‘eu já não amo’, acabou. Não quer dizer que seja impossível reatar os laços, mas é muito, muito difícil.”

É, por isso, no amor que tudo começa e acaba. Mas este sentimento, por si só não é suficiente: “os casais emocionalmente inteligentes são aqueles que têm capacidade para cuidar da revelação, afinal, gostar é fácil, o que é necessário é mostrarmos que gostamos.” Isabel Narciso fala da intimidade emocional e física como o eixo principal de qualquer relação: “É como se fosse um tecido feito por vários fios (que são a confiança, a partilha, o apoio emocional, a empatia…); o fio contorno é o amor e a sexualidade, que são indissociáveis. Se houver buraquinhos no fio de dentro, é possível arranjá-los, mas se arrancarmos o fio contorno, o tecido desfaz-se.”

Os elementos chave para uma relação feliz

O amor é uma configuração dinâmica de sentimentos – “no início, temos a paixão, dominada pelos sentimentos primários, explosivos.” À medida que a intimidade avança essa configuração vai sendo intermitente: era impossível manter sempre o estado de paixão, em que cada um quer estar com outro, o que impediria o desenvolvimento individual e da intimidade.” A paixão, porém, deve surgir episodicamente, mas isso só pode acontecer se o ‘tecido’ da relação for preservado ao máximo. Como manter essa teia intacta? Os passos seguintes são essenciais.

– Compreendam as diferenças

“Enquanto nós achamos que intimidade é falar da relação, os homens consideram que é fazer coisas em conjunto, como ver televisão”, lembra Isabel Narciso. Isto acontece porque se encontram mais ligados à acção, são mais pragmáticos, o que pode levar a alguns desentendimentos que nós bem conhecemos: “a mulher chega a casa, cansada dos problemas de trabalho, e quer ‘colo’, mas o marido dá-lhe soluções práticas para esses problemas e isso é a sua forma de ser íntimo.” Como alerta a especialista, “eles são muito penalizados a esse nível”. Por isso, é necessário um esforço por aceitar essa disparidade, que justifica também porque os conflitos são vividos de forma diferente: enquanto nós gostamos muito de falar sobre o assunto, os homens tendem a evitar mais as discussões (‘não quero falar mais sobre isso’ é uma frase corrente). “Eles são educados para conterem o pólo da dor, mas há muita mais permissividade quando ao pólo da expressão da agressividade. Não falarem é uma forma de conterem essa permissividade que os pode levar, por exemplo, a dar um murro na mesa. Mas há também uma explicação fisiológica: a reacção do organismo masculino é desencadeada muito mais facilmente, com suores e palpitações. Por isso eles evitam discutir.”

– Aprendam a fazer cedências

A cedência é muito difícil, mas sem ela não é possível ter uma relação feliz. Ambas as partes têm de saber ceder: “isso prende-se com a questão do sacrifício, que significa ‘tornar sagrado'”, realça Isabel Narciso. “Quando a pessoa cede e se sacrifica porque deixa fazer algo de que gosta, se isto for no sentido de tornar sagrado, de reforçar o amor, se for feito pelos dois, é vivido com uma certa leveza.”

– Conversem muito

Para os homens é mais difícil, mas há muitas maneiras de o fazer. Porque não se trata só de conversar sobre os sentimentos. “É preciso valorizar outras formas de conversa, verbal e não verbal: para ele, falar de trabalho é um momento de intimidade, ou ver um jogo de futebol com a parceira. Então, porque é que não nos sentamos a seu lado e aprendemos um pouco mais sobre futebol?”

– Saibam lidar com o conflito

“Se tivéssemos noção que a maior parte dos problemas que temos são normais e comuns a outras pessoas, lidávamos melhor com eles. Em vez disso, fazemos um drama. Se temos a crença que um casal que se ama não tem conflitos, é obvio que nos vamos dar mal – à primeira altercação, pensamos que está tudo estragado”, frisa Isabel Narciso. O conflito é, por isso, saudável. “Não é a intensidade do mesmo que pode ser nociva – é evidente que, a partir de certo ponto, o é (quando há gritos, ameaças ou violência) – nem sequer o facto de se resolver, ou não: há estudos que indicam que, nos casais casados há muito tempo, a mesmo fonte de conflito do início da relação, mantém-se.” Isto significa que nem todos os problemas se solucionam. O busílis da questão reside sim na resolução da situação do conflito: “quando, após a altercação, um dos elementos do casal faz uma tentativa de reconciliação, mais ou menos subtil (pedir desculpa ou perguntar ‘o que queres para o jantar’), se essa tentativa é aceite, então está tudo bem. Se tal não acontece, é sinal de um problema mais profundo.”

– Não ceda ao mito da normalidade

Há muitos mitos sobre o que é normal: “é claro que há balizas, como a violência, mas há um indicador crucial que é satisfação de cada um.” Isso é um elemento subjectivo. “Por que é que tem de existir necessariamente igualdade em termos de tarefas domésticas? Se ele ou ela gostam de se dedicar à casa, por que é que isso não é considerado normal? O mesmo se aplica quando a mulher opta por ficar em casa. Acima de tudo, interessa que deixem de avaliar a vossa relação pelos parâmetros dos outros.”

– Namorem muito

Pode ser meia hora por semana, mas tem de ser vossa. “Os rituais a dois são os primeiros a perderem-se quando a relação começa a correr mal. O que acontece é que, quando os casais se tornam pais, a própria comunicação começa a ser centrada nos filhos, mas é muito importante que não esqueçam de ser casal, se não um dia os filhos vão se embora e não resta nada.” Estejam os sós. Mandem uma mensagem de telemóvel a mandar um beijinho – fazemos isso com os filhos, porque não com os maridos? Mostrar que estamos presentes é absolutamente fundamental. Por outro lado, tenham rituais: “estes dão coesão à relação: falarem um pouco antes de dormir, tomarem o pequeno-almoço juntos são pequenos hábitos que devem ser alimentados e mantidos.

– Sejam criativos

Não é estar sempre a fazer coisas novas. É estar atento ao outro, gostar de descobrir coisas novas e gostar daquilo que já se sabe. “As pessoas tem medo da rotina, mas a rotina é uma coisa boa porque é sinal de que há uma história no casal, é gostar do que já se descobriu. A rotina perigosa é pensar ‘amanhã ele está cá, por isso tenho tempo para dizer que o amo ou lhe dar um beijo’. E assim vamos adiando. No amor, nunca deixe para amanhã o que pode fazer hoje.”

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Tira-dúvidas sobre o apoio de 125 euros

Tira-dúvidas sobre o apoio de 125 euros

Outono à vista: a cor da estação

Outono à vista: a cor da estação

A incrível transformação de Ana de Armas em Marilyn Monroe

A incrível transformação de Ana de Armas em Marilyn Monroe

Viver numa economia (de) seca na capa da EXAME de outubro

Viver numa economia (de) seca na capa da EXAME de outubro

Ministério do Ambiente também apoiará financeiramente movimento

Ministério do Ambiente também apoiará financeiramente movimento "Mulheres pelo Clima"

Princesa Leonor e infanta Sofía: as inesperadas protagonistas do último ato oficial da rainha Letizia

Princesa Leonor e infanta Sofía: as inesperadas protagonistas do último ato oficial da rainha Letizia

Pó

Mais de 700 episódios de violência contra profissionais de saúde no 1.º semestre

Mais de 700 episódios de violência contra profissionais de saúde no 1.º semestre

Como é feito o guarda-roupa de um concorrente de “Big Brother”? A especialista conta

Como é feito o guarda-roupa de um concorrente de “Big Brother”? A especialista conta

Cinco erros a evitar na instalação de um carregador para veículos elétricos

Cinco erros a evitar na instalação de um carregador para veículos elétricos

As novas imagens de Georgina Rodríguez com os filhos

As novas imagens de Georgina Rodríguez com os filhos

Homeing está de volta com as tendências em design de interiores

Homeing está de volta com as tendências em design de interiores

O que são os fictossexuais?

O que são os fictossexuais?

Mind The Glass, no Porto: Um festim no copo e no prato

Mind The Glass, no Porto: Um festim no copo e no prato

Com visuais sofisticados, família real da Suécia marca presença na abertura do Parlamento

Com visuais sofisticados, família real da Suécia marca presença na abertura do Parlamento

Depressão aumenta nos adolescentes afetando 42% dos jovens - estudo

Depressão aumenta nos adolescentes afetando 42% dos jovens - estudo

Linha de Aconselhamento Psicológico atendeu este ano 2.400 chamadas de profissionais de saúde

Linha de Aconselhamento Psicológico atendeu este ano 2.400 chamadas de profissionais de saúde

Crise/Inflação: PCP exige

Crise/Inflação: PCP exige "medidas corajosas", Costa diz que se foi até onde era possível

A nossa leitora ganhou e foi nadar com os golfinhos!

A nossa leitora ganhou e foi nadar com os golfinhos!

Investigadores criam raio laser com Inteligência Artificial que elimina baratas

Investigadores criam raio laser com Inteligência Artificial que elimina baratas

Morgado do Quintão inunda Algarve com três dias de arte e cultura

Morgado do Quintão inunda Algarve com três dias de arte e cultura

A diversidade importa

A diversidade importa

Há festa!

Há festa!

Indigène, um espumante para tantas ocasiões

Indigène, um espumante para tantas ocasiões

As figuras da PRIMA 17

As figuras da PRIMA 17

Governo desconhece existência de três

Governo desconhece existência de três "brigadas" chinesas que repatriam pessoas à força

Volkswagen: cápsula autónoma para transportar até quatro passageiros

Volkswagen: cápsula autónoma para transportar até quatro passageiros

De vestido branco, princesa Charlene deslumbra em evento no Mónaco ao lado do príncipe Alberto

De vestido branco, princesa Charlene deslumbra em evento no Mónaco ao lado do príncipe Alberto

Coleção outono/inverno H&M para a casa

Coleção outono/inverno H&M para a casa

Quem gostou de ler os livros mais votados nos últimos 'Miúdos a Votos', pode gostar destes...

Quem gostou de ler os livros mais votados nos últimos 'Miúdos a Votos', pode gostar destes...

VOLT Live: o novo manual para utilizadores de veículos elétricos

VOLT Live: o novo manual para utilizadores de veículos elétricos

JL 1355

JL 1355

As medidas (imposições e recomendações) do Governo para poupar energia

As medidas (imposições e recomendações) do Governo para poupar energia

A PRIMA gosta dos pratos da Casa Davolta, dos novos modelos Hunter e do regresso do Chefs on Fire

A PRIMA gosta dos pratos da Casa Davolta, dos novos modelos Hunter e do regresso do Chefs on Fire

A Cervejaria Trindade, em Lisboa, está melhor do que nunca

A Cervejaria Trindade, em Lisboa, está melhor do que nunca

NFTs em queda acelerada

NFTs em queda acelerada

Exame Informática nº 328, outubro

Exame Informática nº 328, outubro

Vanessa Martins arrasa em Paris

Vanessa Martins arrasa em Paris

Espartilhos e sapatos de plataforma marcam coleção primavera-verão 2023 da Christian Dior

Espartilhos e sapatos de plataforma marcam coleção primavera-verão 2023 da Christian Dior

Hora de Baco: 9 bares de vinho para ir beber um copo, em Lisboa e no Porto

Hora de Baco: 9 bares de vinho para ir beber um copo, em Lisboa e no Porto

Sapatos transparentes de Letizia dão toque sofisticado ao seu visual

Sapatos transparentes de Letizia dão toque sofisticado ao seu visual

O Senhor Gonçalo M. Tavares

O Senhor Gonçalo M. Tavares