140468098.jpg

Provocadores e agressores sempre existiram nas escolas. Alimentam-se do medo e insegurança de outros miúdos. Se antes roubavam o dinheiro do almoço, batiam ou insultavam, tudo no recreio ou no caminho da escola para casa, hoje a Internet e os telemóveis são o seu novo território de ‘caça’. ‘Bully’, o termo inglês para designar estes provocadores, tornou-se comum para designar a agressão repetida entre pares em que há desigualdade de poderes. Para os bullies qualquer razão é boa para se humilhar ou ameaçar outro miúdo: ser muito alto, muito baixo, gordo, magro, ter uma religião, etnia ou sexualidade diferente, ter dificuldades de aprendizagem ou ser o mais esperto da turma. À conta disso há quem vá parar ao psicólogo, quem fique doente, falte às aulas, mude de escola e até quem se suicide.

Tragédias começaram no ciberespaço

Em 2006 Megan Meier, uma adolescente norte-americana a dias de completar o seu 14.º aniversário, enforcou-se depois de ter recebido mensagens humilhantes e enraivecidas de um tal Josh Evans, supostamente um rapaz de 16 anos com quem tinha começado a namoriscar online. Mas ‘Josh’ era, na verdade, Lori Drew, a mãe de uma ex-amiga de Megan, que criou uma conta no site Myspace, com a ajuda da filha e de uma amiga, para obter informações e humilhar Megan, uma vingança pelo facto desta ter, alegadamente, caluniado a sua filha. Numa das mensagens podia ler-se “O mundo seria um lugar melhor sem ti”. O caso foi a tribunal, mas Lori foi ilibada de responsabilidade no suicídio de Megan.

No Reino Unido, o bullying há muito assumiu contornos assustadores. Uma das organizações que mais se bate pelo fim do fenómeno, a ‘Bullying UK’, tem um dos sites mais visitados em http://www.bullying.co.uk/. Segundo a organização, em média 16 jovens cometem suicídio, todos os anos, por serem alvos de bullying. Naquele país, a partir dos 10 anos, uma criança assume responsabilidade criminal pelos seus actos e existem leis para punir o bullying. Mas isso não impediu que, em Janeiro de 2009, a britânica Megan Gillan, de 15 anos, tomasse uma overdose fatal de analgésicos depois de receber insultos dos colegas no seu site da rede social Beebo sobre as suas “roupas e aparência miserável”. A mãe de Megan contou que, na véspera do suicídio, a filha lhe tinha dito que não iria à escola na manhã seguinte, ao que lhe terá respondido negativamente: Megan tinha um teste de ciências e não convinha faltar. Mas prometeu-lhe que iria buscá-la logo depois e que a filha não teria de ficar na escola o resto da tarde. A mãe crê que não se tratou de um suicídio e antes de uma tentativa de parecer mal disposta na manhã seguinte, de modo a ser dispensada de ir à escola, ou como uma chamada de alerta.


Redes sociais, terreno de caça

Com o advento da Internet e dos telemóveis, os métodos dos bullies refinaram-se: insultos, chantagem, roubo de identidade – alguém abre uma conta fazendo-se passar por outra pessoa -, publicação de fotos embaraçosas, boatos e calúnias publicados em sites de redes sociais, ameaças constantemente enviadas para telemóveis e e-mails. Já há histórias nacionais de quem tenha aberto contas em sites de redes sociais como Facebook, Hi5 ou Myspace em nome de ex-namorados (ou namoradas), publicando fotos íntimas e o número de telefone da pessoa em causa, associando-a a convites de índole sexual. E alunos que fizeram o mesmo a professoras.

A Internet é a arma perfeita para os bullies, como explica Daniel Cardoso, investigador da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e responsável nacional do projecto EU Kids Online 2. “Através da sensação de anonimato, instantaneidade e facilidade da transmissão de mensagens, passa facilmente a ideia de que se pode fazer muita coisa sem grandes consequências. Por outro lado, é muito mais fácil também carregar no botão de ‘bloquear pessoa’.”

Uma ideia partilhada também por Joel Haber e Jenna Glatzer no livro ‘Bullying, Manual Anti-agressão’ (Casa das Letras): “O facto de ser anónimo pode também fazer com que desapareçam sentimentos de culpa ou empatia – afinal, o agressor não tem de ver as lágrimas nos olhos do alvo.”


Quem são os agressores

Margarida Gaspar de Matos, psicóloga clínica e professora da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa, debruça-se sobre o tema no livro ‘Jovens com Saúde: Diálogo com uma Geração’ (Texto Editora), no capítulo ‘Os Novos Horizontes dos Internautas’. Para a autora, o ciberbullying é “a perseguição sistemática e deliberada por parte de alguém mais forte sobre outro (e devemos sempre neste fenómeno considerar os provocadores, os provocados e as vítimas provocadoras/duplo estatuto).” Daniel Cardoso acrescenta: “Nem toda a agressão online é cyberbullying, porque nem toda ela é continuada no tempo – podem ser apenas episódios esporádicos, não correlacionados, num curto espaço de tempo. A questão do anonimato torna ainda mais difícil separar as duas coisas.”

Mas quem são os agressores? “Podemos pôr a hipótese que os jovens provocadores na vida ‘real’ são os mesmo provocadores online, que acrescentaram este procedimento ao seu reportório de provocações, mas podemos também pôr a hipótese que o cyberbullying permite a jovens menos robustos fisicamente retaliar online as provocações de que são alvo ‘ao vivo’, na escola. O envolvimento em actos de bullying está associado a isolamento na escola e na família, mal-estar físico e psicológico”, diz a psicóloga. Só em casos extremos e muito raros é que podemos falar em jovens com graves problemas emocionais e psicológicos, distantes, pouco emotivos e hostis e relações muito agressivas na família, que gostam de humilhar e magoar sem justificação. A equipa coordenada pela psicóloga vai, este ano, estudar o fenómeno do ciberbullying a nível nacional, um projecto que nos dará as primeiras luzes sobre o fenómeno.

“No cyberbullying as ameaças, insultos, piadas e assédio sexuais são as práticas mais frequentes, embora ainda não tenhamos a certeza da sua distribuição nos dois géneros”, continua a psicóloga. Se tradicionalmente o fenómeno está muito mais ligado aos rapazes, as meninas começam a ganhar terreno usando as novas tecnologias, como explica Daniel Cardoso. “Este tipo de agressão está mais associado ao bullying feminino – boatos, insultos, agressões verbais no geral. Apesar de ainda não existirem dados para Portugal, alguns estudos norte-americanos apontam para uma igual distribuição de género no cyberbullying.”

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Comportamento

Deixe que o seu filho decida o que vai ser quando for grande!

Futebolista ou engenheiro, qual vai ser a vida dele? Não há bola de cristal, mas eles vão dando sinais que podem ser uma indicação para pais preocupados com o futuro

Comportamento

Como ensinar as crianças a resistir ao fracasso

Errar é um dos medos mais comuns, tanto nas crianças como nos adultos. Mas cabe aos pais explicar-lhes que isso não deve impedi-los de tentar de novo

Comportamento

Crianças: a importância da família alargada na vida dos mais pequenos

A família não deve ser só pai e mãe. Avós, tios e primos têm uma enorme importância no desenvolvimento do mapa afectivo das crianças. Não os perca – eles são demasiado preciosos

Comportamento

Hiperactividade: Quando as crianças não param quietos

Ainda há muitas ideias erradas sobre esta patologia, que afecta entre 35 e 50 mil crianças em Portugal. Mas o tratamento atempado pode salvá-las das malhas do insucesso escolar.

Comportamento

Estamos a sobremedicar os nossos filhos?

A prescrição de psicoestimulantes a crianças para tratamento do Transtorno de Défice de Atenção com Síndrome de Hiperactividade continua a aumentar tal como as dúvidas dos pais relativamente à segurança destes medicamentos.

Mais no portal

Comportamento

Os 3 tipos de problemas que todos os casais enfrentam

De acordo com os especialistas em relacionamentos interpessoais.

Beleza

Manicure de Halloween: 10 inspirações

Prepare-se a rigor para a noite mais assustadora do ano.

Saúde

Covid-19: Foi descoberto um novo fator de risco entre vacinados

Mesmo com as duas doses, determinados hábitos podem aumentar o risco de infeção.

Moda

As diferenças essenciais entre moda e estilo

Não, não são a mesma coisa.

Saúde

No Brasil, 1 em cada 5 crianças sofre de anemia

Conheça as possíveis causas.

Celebridades

Jennifer Lopez retira penthouse do mercado após quatro anos sem ofertas

Localizada no Distrito de Flatiron, em Nova Iorque, tem uma vista de cortar a respiração para o famoso Madison Square Park.

Celebridades

Oprah vai entrevistar Adele em especial de televisão

Além da conversa, os fãs poderão assistir a uma performance da artista, que se prepara para lançar um novo álbum.

Comportamento

É possível fazer sexo sem quaisquer emoções envolvidas?

Eis a opinião surpreendente de uma sexóloga.

Beleza

Maquilhagem para os olhos com dois tons é a tendência mais marcante do outono

Nesta temporada, os maquilhadores convidam-nos a experimentar diferentes combinações de cores.

Comportamento

Existem 8 tipos de bullying: saiba quais são e como identificá-los

O Dia Mundial de Combate ao Bullying assinala-se anualmente a 20 de outubro.

Celebridades

Lizzo surpreende com vestido transparente

Veja o visual da cantora.