matemática.jpg

Getty Images/iStockphoto

O desabafo de Margarida Gomes da Silva, mãe de dois rapazes com 11 e 14 anos, podia ser o de todos os pais que detestam matemática: “Quando os meus filhos começaram a fazer contas de dividir com vírgulas, fiquei apreensiva. Depois eles perceberam que eu odiava matemática e começaram a gozar comigo: ‘Ó mãe, qual é a raiz quadrada de 1850?…’”

Se a situação lhe soa familiar, temos boas e más notícias. A boa é que não está sozinha: a crer num estudo britânico, cerca de 30% dos pais admite não confiar nas suas capacidades para ajudar os filhos na matemática. No estudo, feito a 2 mil pais com filhos em idade escolar, só 5% dos progenitores conseguiu responder bem a 10 perguntas elementares de matemática, indicadas para alunos do segundo e terceiro ciclo. Uma delas era esta: qual das seguintes frações não equivale a 1/4: 2/8; 10/40; 4/8 ou 5/20? A resposta certa é 4/8, mas 85% dos pais não conseguiu responder.

A má notícia é que a iliteracia matemática – ou inumeracia – é preocupante. Além de revelar uma incapacidade dos adultos para tarefas tão básicas como calcular trocos ou lidar com as finanças domésticas, pode estar a hipotecar o sucesso escolar e o futuro profissional das crianças. Os resultados nacionais dos últimos exames de matemática do 12.º ano, por exemplo, foram os piores de sempre: houve 61% de chumbos.

Crianças + pais que incentivam = mais sucesso escolar

Os pais têm um papel mais importante do que se possa pensar no sucesso escolar dos filhos. Aqueles que participam (não é fazer) nos TPC e falam sobre números com frequência tendem a incentivar melhores competências matemáticas nos filhos, garante um estudo de Susan Levine, professora de psicologia na Universidade de Chicago, nos EUA. Pelo contrário, os que respondem a uma pergunta do filho com “Oh, eu nunca fui bom a matemática” ou “Não sei, não tenho matemática há 20 anos” passam a imagem da disciplina como pouco apelativa ou até algo a temer. Como resultado, é provável que o rendimento escolar nesta disciplina seja pior. Provável não, garantido, a crer numa pesquisa das Universidades da Carolina do Norte, Califórnia e Brigham, nos EUA. No estudo, comparou-se o desempenho escolar de dois grupos de alunos: um tinha pais envolvidos nas atividades escolares dos filhos mas a qualidade de ensino na escola era fraca. O outro grupo tinha pais desinteressados mas boa qualidade de ensino. Curiosamente, o desempenho dos primeiros foi melhor. Apesar de terem uma qualidade de ensino mais débil, o facto de terem pais atentos aos TPC, que participavam nos eventos escolares e davam a entender que a escola era importante fez a diferença. Exagero? Então é melhor não dizermos que outro estudo britânico, do Instituto de Estudos Fiscais, sugere que crianças com boas habilidades matemáticas no fim dos primeiros 6 anos de escolaridade ganham mais em adultos do que os alunos medianos. Mais 2400 euros, em média, do que os outros. Dá que pensar.

Ainda vai a tempo de (re)aprender

Ron Aharoni escreveu um livro que pode ajudar os pais a enfrentar a aversão à matemática. Professor de matemática do Instituto de Tecnologia em Israel, aceitou um convite para ensinar no ensino básico que mudou a sua perspetiva sobre a forma de ensinar matemática às crianças. Em ‘Aritmética para Pais’ (Gradiva) explica como aprendemos, refresca de forma divertida as bases da matemática e garante que apesar da idade e do temor ainda vamos a tempo. “A aprendizagem da matemática é sequencial. Sem as bases é impossível apreender conceitos mais complexos. Nalguma altura lá atrás houve algo que não compreendeu porque não lho souberam explicar, agora tem essa oportunidade.”

Lurdes Caldeira, professora do 3.º ciclo no liceu Rainha D. Amélia, também desmistifica: “Até ao 3.º ciclo os pais poderão ultrapassar os seus ‘traumas’ facilmente, os livros de hoje são muito acessíveis. E se surgirem dúvidas podem usar a Internet. Por exemplo, colocando no motor de busca: 2/4 frações + ‘nome do capítulo que se encontra no manual da disciplina’ encontram exemplos que explicam e dão a solução do problema.” Mas mesmo sem saber matemática, diz Ron Aharoni, pode ajudar as crianças a gostar. Quem sabe no processo não descobre a magia e beleza de que tanto se fala acerca desta disciplina.

1.ª Lição: matemática à nossa volta

Ao contrário do que acontece com as línguas ou a história, em que as crianças podem aprender com a televisão, a ver exposições ou em viagens, a aprendizagem da matemática é muitas vezes relegada só para a sala de aula, o que é um erro. “A matemática é feita de verdades universais que têm de ser adquiridas muito cedo. Portanto, o esforço da parte do pai e do filho tem de começar quando a criança começa a falar”, lembra Ana Rodrigues. Professora de matemática na Universidade de Exeter, é uma ativista da matemática, convicta de que os números têm de ser pensados e brincados desde muito cedo. “Se quer fazer do seu filho um bom aluno, brinque com ele de forma a espevitar a curiosidade, a concentração, o pensamento abstrato. Abra os brinquedos, para ver como são, mostre-lhe as estrelas, habitue-o aos números desde pequenino”, sugere.

Na verdade, quando entram para a escola as crianças já têm uma noção intuitiva de alguns conceitos básicos, que no entanto terão de aprender de novo explicitamente. Os pais podem ajudar nesta fase, mesmo sem saber matemática, diz Ron Aharoni: direita/esquerda; em cima/em baixo; grande/pequeno; atrás/à frente; antes/depois… são conceitos que estão em todos os jogos infantis, basta chamar a atenção para eles. Mais exemplos: junte recipientes e pacotes que tenha no armário e peça à criança para os colocar por ordem: do mais alto para o mais baixo; depois, do que leva mais para o que leva menos, do mais cheio para o mais vazio, do mais pesado para o mais leve…

Números em todo o lado!

Para aprenderem o conceito abstrato de número as crianças devem começar por juntar, separar e comparar objetos. É que a aprendizagem da matemática começa sempre no concreto. Mostrar a uma criança três Chocapics quando se está a ensinar o número 3 é mais eficaz do que recitar uma fiada de números de memória. São os exemplos que levam à abstração. Não basta explicar que 2+2 são quatro, eles têm de experimentar para saber.

– Para a adição, faça-os juntar conjuntos de objetos uma e outra vez. Peça ajuda para contar objetos na casa toda. ‘Quantas cadeiras temos à volta da mesa? E na sala? E em casa?’ Contem janelas, interruptores, candeeiros, camas, tudo o que lhe ocorrer.  Dê-lhe duas maçãs e depois mais duas, por exemplo. No fim, peça-lhe para contar as maçãs, mas comece em diferentes lugares do conjunto, como no meio da fila de maçãs em vez de no início. Assim, eles percebem que o resultado é igual, seja qual for o sítio em que se comece a contar.

– Para a divisão, peça-lhes para dividir um conjunto de objetos diversos em conjuntos iguais. Convém variar os objetos, senão o número 3 pode ficar associado só a maçãs.

– Explique o conceito de frações enquanto parte um bolo na cozinha. Para não usar só formas circulares, compare uma metade de uma toalha com um quarto de um cobertor. Pergunte: “Uma metade é sempre maior do que um quarto?”

– Fale de subtrações enquanto enche formas de queques: “Se enchermos 8 formas e houver 12 formas, quantas ficarão vazias?” Ou pegue em laranjas: “Destas 9 laranjas, se deres uma ao pai e à mãe, com quantas ficas?”

Contar o tempo

Aprender a associar a passagem do tempo a acontecimentos ajuda as crianças a compreender conceitos como ‘mais depressa’ e ‘mais devagar’, mais comprido e mais curto, primeiro e último, ou antes e depois, que são importantes na matemática. Fale-lhe da passagem do tempo, para ela começar a ter noções básicas. Pode dizer ‘demoramos 10 minutos a chegar a casa’ ou ‘falta uma hora para o jantar’. Também podem usar um relógio para contar o tempo que demoram a jantar ou a ir às compras.

Memorizar a tabuada

É das poucas coisas de se tem de memorizar, diz Ron Aharoni. Seja criativa: papéis no frigorífico, exercícios diários antes do jantar, jogos e cantilenas divertidas. Por exemplo: pais ‘1×6=6’, criança: ‘2×6=12’… ou ‘quem será o primeiro a encontrar uma conta de multiplicar cujo resultado seja 30? E uma conta com resultado 42?’ Sem exagero, pois alguns estudos sugerem que elas memorizam melhor quando as atividades duram 5 a 10 minutos. Depois começam a ficar distraídas.

Somar números negativos

“Para somar números negativos, sugiro que se façam contas com dinheiro”, sugere a professora Lurdes Caldeira. Por exemplo -2-1=-3. Explicamos que o sinal – está associado a dinheiro que nos devem. Se me pedem e2 e de seguida me pedem mais e1 , ficam a dever-me e3. Outro exemplo -2+1=-1 devem-me e2 e dão-me e1, logo ainda ficam a dever-me e1. “Os miúdos são muito sensíveis a dinheiro e não falham uma, se estiverem concentrados.”

AS dicas das ‘storas’
As professoras Ana Rodrigues e Lurdes Caldeira deixam outras ideias para os pais.

– É importante responsabilizar os filhos para tirarem as dúvidas com o professor e não terem vergonha de fazer perguntas, já que uma dúvida não esclarecida logo pode ter o efeito ‘bola de neve’.

– Convém os pais terem algum controlo sobre o caderno dos filhos. Se numa aula estiver registado somente o sumário, desenhos e pouco mais, deverão suspeitar de que ele pouco ou nada está a fazer na aula. Podem sempre pedir o caderno a um colega do seu filho e comparar.

– O domínio da língua portuguesa é outro problema, porque os alunos não conseguem interpretar as perguntas dos testes. É importante estimulá-los a ler desde cedo.

– É fundamental convencê-los de que ‘querer é poder’, e se quiserem conseguem. Dê um reforço positivo a pequenas subidas nas notas do teste e se não for o caso diga “se trabalhares e estiveres mais atento nas aulas de certeza que vais conseguir”.

– Se os filhos já têm mais de 10 anos não é viável esperar que pais avessos a matemática consigam ajudar nos exames. É possível ajudar motivando e dando as condições para eles se concentrarem. Muitos pais já não se lembram do silêncio que é preciso para estudar. Valorize o estudo e o esforço. Diga: “Estudaste tanto, vamos lá beber uma coca-cola.”

– Por fim, é importante perceber que há crianças mais dotadas para a matemática que outras. Um pai não tem de achar que não foi bom pai porque o filho é mau a matemática. Pode ser excelente em línguas, somos todos diferentes e isso é bom. O que o pai tem de fazer neste caso é ajudá-lo a encontrar um caminho alternativo e motivá-lo a estudar. Se não vier a ser um excelente matemático, pode vir a ser a próxima Maria Callas.

Livros e sites úteis

•  Aritmética para Pais’, Editorial Gradiva

• www.Mathfour.com

• www.Bedtimemath.org

•  www.suzannesutton.com

•   videos.sapo.pt/khanacademy

• www.mathstart.net

•  Programa ‘Isto é Matemática’, Sic Notícias, sábados, 20h45

Relacionados

Comportamento

Como lidar com… as mães dos colegas do nosso filho

O seu filho tem amigos. Os amigos têm mães: e são todas tão diferentes que às vezes quase precisamos de um curso para saber com que linhas se cosem… A bem da amizade das crianças e da sanidade mental dos adultos, aqui apresentamos algumas ideias para uma boa convivência entre mães.

Comportamento

Crianças: Há alguém mais bonito do que eu?

Está longe de ser uma questão fútil: se é verdade que num parque infantil são os mais bonitos que recebem quase todas as atenções, crescer feia pode mesmo ser uma mais-valia, não um trauma.

Comportamento

Queres Brincar Comigo?

Ideias originais para se divertir à grande na companhia dos mais pequenos.

Comportamento

Crianças livres de preconceitos: lembrem-se, pais, que 'quem cala consente'

Os estudos mostram que é preciso falar com as crianças. não termos preconceitos não chega. O silêncio abre a porta à discriminação.

Mais no portal

Moda

Parfois: 10 malas a menos de 20 euros

Confira algumas das melhores opções para combinar com os seus visuais.

Celebridades

Emily Ratajkowski acusa fotógrafo de a assediar quando tinha 20 anos

Desde que a modelo revelou a história ao mundo, uma outra celebridade diz ter vivido um episódio semelhante com a mesma pessoa.

Lifestyle

Clube do Livro Finanças de A a Z: "A Poupança no Feminino"

No novo episódio da rubrica Finanças de A a Z estreio um espaço mensal onde vou deixar algumas sugestões de livros úteis para a educação financeira de miúdos e graúdos.

Woman washing her hair in shower
Beleza e Saúde

4 motivos pelos quais não devemos lavar o rosto no duche

Dermatologista explica o porquê e ainda deixa algumas dicas.

Lifestyle

Livro da semana: "A Quinta" inspira-se nos sacrifícios que mulheres fazem pelos que mais amam

Um livro de Joanne Ramos, publicado pelas Edições Saída de Emergência.

Beleza e Saúde

Pasta de dentes nas borbulhas: sim ou não?

Será este um mito ou haverá algum fundamento?

Celebridades

Kelly Clarkson diz que o divórcio a apanhou de surpresa

A artista foi casada com Brandon Blackstock durante sete anos.

LONDON, UNITED KINGDOM - NOVEMBER 09: (EMBARGOED FOR PUBLICATION IN UK NEWSPAPERS UNTIL 48 HOURS AFTER CREATE DATE AND TIME) Prince Andrew, Duke of York attends the opening the Francis Crick Institute by Queen Elizabeth II on November 9, 2016 in London, England. The Francis Crick Institute will be a world leading centre of biomedical research. (Photo by Max Mumby/Indigo/Getty Images)
Celebridades

Príncipe André é "viciado em sexo", alega livro

A obra contém testemunhos de várias mulheres que afirmam ter mantido relações com o membro da realeza britânica, através do contacto de Jeffrey Epstein.

Moda

Tezenis lança coleção cápsula inspirada em famosa série da Netflix

Várias peças com um toque de 'nuestros hermanos'.

Moda

Nova marca de moda sustentável chega ao Porto

A aposta é na seda e no tingimento natural.

Inspirações

Alba Batista e a beleza interior: "reflete-se no olhar"

A atriz é a estrela da produção de capa da ACTIVA de setembro.

Beleza e Saúde

Nutrição: 5 mitos que podem estar a arruinar a sua saúde

Saiba como adotar uma dieta mais "descomplicada".