78779951.jpg

Getty Images/Fuse

Ele tem 7 anos e farta-se de dar respostas tortas: ‘Isso não é na tua conta’, ‘Isso não te interessa’. Que se responde de volta?

O Filho (Diogo Centeno, 9 anos). Dizia-lhe: “Eu sou teu pai, não falas comigo assim.” Acho que um pai deve mandar. Em determinadas circunstâncias, pelo menos.

A Mãe (Paula Antão, mãe de três filhos entre os 3 e os 15 anos). Respondia: “É da minha conta, sim. Gosto muito de ti, por isso tudo o que se passa contigo é da minha conta. Gosto muito de ti, mas não gosto dessas tuas respostas que me magoam. Gostava de perceber se o fazes porque também estás magoado comigo. Sabes o que significa magoado? Lembras-te quando caíste e feriste o joelho? Isso é magoado. Por isso, que tal explicares-me por que estás aborrecido ou chateado? Até podes escolher o sítio. Que tal no café enquanto comemos um gelado?”

A Psicóloga (Rita Castanheira Alves, psicóloga clínica coordenadora da área infanto-juvenil da Oficina de Psicologia). As respostas tortas são muitas vezes reações de desafio de limites e de teste das regras que os adultos impõem, e reação à frustração. É importante que desde o momento sejam assinaladas e que a expressão facial do adulto se torne séria (o que não significa ficar enfurecido).

Geralmente, a criança está a reagir a alguma contrariedade ou a tentar que lhe seja dado algo que pediu. Como tal, em primeiro lugar não se deve reforçar esse tipo de respostas, dando-lhe o que ela pretende, e em segundo lugar deve dizer-lhe de forma assertiva que não é correto e que não poderão dialogar dessa forma. Depois, espelhe o sentimento que parece estar por detrás: “Parece-me que ficaste muito irritado com…, quando quiseres, podemos tentar encontrar uma solução juntos, desde que consigas falar de forma correta.”

Dá uma palmada e ele responde com… outra. E ainda acrescenta: ‘Também me fizeste a mim.’ Resposta?

O Filho. Ponho-o de castigo. Fica sem jogar Playstation ou futebol durante algum tempo. Uma palmada é grave. Por isso aplico o castigo no mínimo por uma semana.

A Mãe. “Tens razão, dei-te uma palmada e talvez não o devesse ter feito, porque não se bate em ninguém. Queres fazer um acordo? Quando começarmos a ficar muito chateados, dizemos um para o outro ‘intervalooo’, assim ninguém bate em ninguém.”

A Psicóloga. O adulto não deve permitir que a criança lhe retribua com uma palmada. Deve ficar sério, olhar para a criança e garantir que a criança olha para si, e de forma assertiva, com voz firme mas sem gritar, dizer à criança que não pode repetir mais o que fez e pô-la num local sentada, longe de estímulos como televisão e brinquedos, e referir que deve lá ficar a pensar o porquê de ter levado a palmada e por que não o deve repetir. Após algum tempo da criança sentada (não deve ser mais do que um minuto por cada ano de idade) promova uma conversa com ela em tom calmo, assinalando o que não pode acontecer, nomeando emoções e encontrando soluções para uma próxima situação.

Diz-se: ‘Não fales comigo agora, porque estou a ouvir as notícias’. Pois fala, canta, quer subir para o colo, põe-se à frente da televisão…

O Filho. Mando-o parar. Mas mais castigos também já acho demais. Digo-lhe: “Ó Jacinto: (pode ser Jacinto?), Ó Jacinto, vai brincar com a tua irmã, a… a  Jacinta. Ou então vai ajudar a tua mãe.” Pelo menos faz qualquer coisa de útil. Bem, se depois incomodar a mãe, aplico finalmente a palmada no rabo.

A Mãe. “Parece que estás a querer a minha atenção, por isso vou-te pedir um favor grande. Preciso de ouvir a notícia que está a dar, é muito importante para mim. Que tal ires procurando um jogo, ou então senta-te aqui ao meu colo, e assim que a notícia acabar vou dar-te toda a atenção, jogar contigo e desligar a televisão.”

A Psicóloga. Este tipo de situações costuma acontecer como chamada de atenção ou de desafio de limites. Se a criança não está com o adulto há bastante tempo, provavelmente está a chamar a sua atenção, de acordo com a forma que sabe, pela idade que tem, está a dizer-lhe: ‘Preciso da tua atenção e não estou contigo há muito tempo, por favor brinca comigo’. Se de facto o adulto não tem estado muito presente para a criança, talvez seja importante estar disponível para ela no momento. Se não for o caso, olhe diretamente para a criança e não para a televisão, com uma expressão séria e em tom sereno e firme diga-lhe: “Percebo que queres brincar comigo, daqui a 10 minutos terminam as notícias (mostrar no relógio onde o ponteiro vai estar) e nesse momento vou brincar contigo. Agora, vai escolher e preparar o que vamos brincar.” Se a criança continuar, voltar a olhar para ela e tentar fazer uma negociação: “Para brincarmos um bocado vais preparar a brincadeira e só o poderemos fazer se me deixares ver as notícias até o ponteiro do relógio estar aqui. Aceitas este desafio?”

Diz-se ‘Vem ajudar a pôr a mesa’. Ou ‘Vai tomar banho’. Ou ‘Apanha o casaco do chão’. Ele nada. Desenvolve surdez seletiva. Remédio?

O Filho. Vou lá e grito com ele. “Ó Jacinto, vai imediatamente tomar banho.” Se não for a bem, vou lá buscá-lo à força. Quando for crescido, espero que ele já vá sem ter de pegar nele ao colo, que não dá jeito nenhum.

A Mãe. Sempre que eles fazem isto, e até hoje, não adianta gritar-lhes do sítio onde estou. Chego-me mesmo ao pé deles, olho-os nos olhos e peço o que tenho a pedir e em voz baixa e digo que vou contar até 3 para o fazerem. Saio do pé deles a contar, 1, 2 e antes do 3 já se levantaram e estão a fazer o que lhes pedi.

A Psicóloga. A surdez seletiva é uma das partes do papel dos filhos. O papel dos pais é perceber que os filhos desafiam limites e ensiná-los que a surdez seletiva não poderá ser um comportamento com ganhos. Fale com ele sobre a importância de cumprir o que é dito à primeira e combinando que se não cumprir à primeira, ou no máximo à segunda, poderá haver consequências mais negativas por isso: menos uma história a seguir ao jantar, menos tempo no computador, menos um cromo para a caderneta… E instalando a prática inversa, quando ele ouvir e responder à 1.ª, elogiá-lo e reforçá-lo por isso, dando-lhe mais 5 minutos no computador ou uma história extra. Desta forma, evita rouquidões de tanto gritar, não perpetua a surdez seletiva e desenvolve boas práticas. Em momentos de maior agitação e cansaço, em que a criança não tem tempo para brincar ou para fazer o que lhe apetece, é importante estar alerta e proporcionar um momento mais extenso de brincadeira. O adulto deve ser também um exemplo de boas práticas, acedendo quando o chamam, não mostrando também ele surdez seletiva…

Chega a avó e ele não se levanta para cumprimentar e permanece colado à televisão. Fazemos o quê?

O Filho. Digo à avó para ir ela dar um beijo ao Jacinto. Depois, quando a avó sair, ele leva um sermão. Temos de ser educados à frente das outras pessoas. Se no dia seguinte, se ele fizer a mesma coisa, aí já o obrigo a ir lá cumprimentá-la na hora. Se não cumprir, passa uma semana sem Playstation.

A Mãe. “Sei que está a dar a tua série preferida, mas a avó chegou. Se te levantares para a cumprimentar, ela vai ficar muito feliz, e de certeza que a televisão não se vai importar.”

A Psicóloga. A televisão é uma arma poderosa que tem o poder de manter hipnotizados adultos e crianças. Como tal, desde cedo que o seu uso por crianças deve ser regulado, para que não se torne viciante. Deve insistir-se para que venha cumprimentar a avó, sem gritar ou bater. Se necessário, desligar a televisão ou pôr em pausa e solicitar que a criança pare de imediato e cumprimente a avó. Mais tarde, se necessário, conversar com a criança e explicar-lhe a importância de cumprimentar a avó e como a televisão pode e deve esperar.

Ele protesta que queria um Iphone branco e lhe ofereceram um preto, e ainda por cima põe a foto do dito no Facebook, juntamente com o protesto.

O Filho. Se me dissesse isso com maneiras, até podia ir à loja trocar o modelo de Iphone. Mas se for à bruta, tirava-lhe o Iphone preto e ficava sem nenhum. Só o devolvo se ele pedir desculpa.

A Mãe. “Lamento que estejas magoado com a prenda que recebeste. Não era exatamente aquela que querias. Mas fiz um esforço para a encontrar e, como já te expliquei, não havia. Pensei que ias ficar muito mais triste se nem sequer tivesses recebido o iPhone. Não te quero falar do preço, porque, sinceramente, isso é menos importante do que a atitude que estás a ter, que é falta de respeito por algo que te ofereci com muito carinho. As pessoas oferecem coisas umas às outras por carinho. Se achas que não é assim, que tal daqui para a frente restringirmos as nossas ofertas aos beijinhos e abraços que realmente demonstram o afeto entre nós os dois?”

A Psicóloga. Geralmente, este tipo de atitude na adolescência não costuma surgir isolada, como um ato único. É provável que ao longo do tempo este tipo de atitude se tenha instalado e que não tenha sido corrigido. Podemos tentar rever um valor de base, conversar sobre o sucedido com o adolescente e mostrar o impacto da sua atitude, criando-lhe um cenário hipotético em que possa perceber o que aconteceu, o que fez sentir e a importância do agradecimento. Se se verifica mais vezes, talvez seja necessário os pais analisarem a forma como costumam dar presentes e se necessário tentar encontrar forma de os presentes serem mais valorizados, escolhendo momentos estratégicos para o recompensar.

Ele embirra com uma professora e com razão, porque a senhora não é flor que se cheire… Que se lhe diz?

O Filho. Bem, mesmo que ela mereça não posso dizer à professora “você tem uma personalidade mesmo má”, até porque não adianta. Por isso, digo ao Jacinto que daqui a um ano nunca mais a vê. Pode ser que ele se anime.

A Mãe.  “Sabes que no meu dia a dia de trabalho também tenho que trabalhar com pessoas que não gosto e até sinto que os nossos feitios não são compatíveis? E quando tenho chefes que têm a mania que só eles é que sabem? Custa muito, apetecia-nos mesmo dizer duas ou três… Mas eu optei por não ligar, e pensar que são só algumas horitas por dia que tenho de estar com elas. Que mais dia menos dia, vão ser transferidas. O mesmo se passará com a tua professora. Já reparaste que só vais estar com ela meia dúzia de meses? Mas também te digo, se não aguentares, que tal uma conversa franca com ela? Posso ajudar-te, e falamos a três. Acredito que uma conversa franca e no tom correto pode fazer  milagres.”

A Psicóloga.  Deve-se compreender o ponto de vista do filho e ao mesmo tempo fazer com que compreenda que ao longo da vida de estudante vai encontrar professores menos adequados. A estratégia útil é encontrar formas de lidar com os professores mais difíceis sem que perca a razão ou seja injusto. Compreender e permitir que possa não gostar da professora não lhe dará diretamente força para a tratar mal. Ajude-o a perceber como lidar de forma assertiva com a situação, percebendo os ganhos dessa atitude. Será uma excelente aprendizagem para lidar com pessoas difíceis que encontrará ao longo da vida.

Relacionados

Comportamento

Adolescentes: os perigos do 'sexting'

SMS atrevidas, fotografias e vídeos de conteúdo erótico ou pornográfico: os jovens também usam as novas tecnologias para explorar a sexualidade. Mas há riscos graves. Esteja atenta e ajude o seu filho a defender-se.

Comportamento

25 maneiras de entreter os seus filhos de casa

Formas de ocupar o tempo das crianças numa altura em que não se pode sair de casa.

Comportamento

Matemática não é um bicho de 7 cabeças

É natural querer ajudar os filhos nos trabalhos de casa. Nomeadamente nos de matemática. Mas... o que acontece quando os pais ainda contam pelos dedos? Se faz parte do lote, saiba que não está sozinha. E, sobretudo, que há esperança.

Comportamento

Peluches para a Educação: campanha solidária regressa e faz 10 anos

Por cada peluche ou livro infantil vendido, a Ikea Foundation doa €1 a programas de educação da UNICEF e Save The Children em todo o mundo.

Mais no portal

Beleza e Saúde

Diz quem sabe: os alimentos e o Feng Shui

Entenda esta relação, que pode ajudar-nos a entender quais os tipos de alimentos que devemos privilegiar.

Moda

Este truque de styling é uma arma secreta para parecer mais alta

No novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso, partilho um segredo simples que alonga as pernas de uma forma natural.

Lifestyle

ACTIVA de outubro: olhar para dentro

Já nas bancas.

Beleza e Saúde

7 sinais que podem indicar que já esteve infetado com covid-19

Sabe identificar os avisos que o seu organismo lhe dá?

Lifestyle

Experimentei um pequeno-almoço com menos de 200 calorias

Três ingredientes fazem desta uma receita saborosa e muito fácil de preparar (até no microondas).

Celebridades

Será que já nasceu a bebé de Gigi Hadid?

Eis os motivos que têm feito os fãs acreditar que sim.

Celebridades

Júlia Palha mostra como o soutien certo pode elevar a autoestima

A embaixadora da Intimissimi revela como escolhe soutiens, qual a sua peça preferida e como usar uma lingerie para deixar um visual sensual e divertido

Moda

10 malas à prova de chuva

Quando a meteorologia é incerta, há que fazer escolhas seguras.

Celebridades

Michelle Obama lembra quando o irmão foi acusado de roubar a própria bicicleta

O incidente ocorreu com dois agentes da polícia de Chicago.

Celebridades

A surpreendente origem do nome "Beyoncé"

A mãe da artista revelou um facto inesperado acerca da filha.

Celebridades

Cardi B e Offset vão divorciar-se

Foi a artista quem avançou com os documentos.

Beleza e Saúde

As três grandes tendências de cabelos para as estações mais frias

A Schwarzkopf Professional lança uma nova coleção para reiventar os seus fios.