86494959.jpg

Podia contar-vos milhares de histórias de casamentos desfeitos. Nenhuma delas seria original, e de certeza que qualquer pessoa conheceria outra igual. Ou teria passado pelo mesmo. Mas esta não é a história de um divórcio, é a história das pessoas que nunca se quiseram divorciar: os filhos.

A net está cheia de histórias, cada uma mais sinistra que a outra. Tropeço no site de Kathy Marshack (www.kmarshack.com). Talvez não saibam quem é. Eu não faço ideia. Sei que é psicóloga e ‘coach’ familiar, que o marido é advogado de divórcios, e que, bem, no melhor pano cai a nódoa: estas duas pessoas, que saberiam, mais que nenhumas outras, evitar uma situação de risco, estão envolvidas num divórcio de alto conflito.

“Numa luta de poder com o Juiz, colega do meu ex-marido, ordenaram que as minhas duas filhas, já traumatizadas por um divórcio litigioso, fossem presentes a tribunal para que pudessem tomar partido”, conta Kathy. “Se me recusasse a comparecer e a trazer as crianças, seria acusada de desrespeito ao tribunal, multada e proibida de ver as minhas filhas. Se as trouxesse, como poderia mais tarde curar as feridas que daí resultariam? Escolhi: nem eu nem elas aparecemos.”

Não sei como a história continuou. Mas como é que fica a cabeça destas crianças que têm de ‘tomar partido’ e escolher entre pai e mãe?

O casal acabou, mas a família continua

“As crianças têm sempre de ser preservadas”, defende Mafalda Homem de Melo, psicóloga e mediadora familiar. “O problema é que numa separação se mistura muito a conjugalidade e a parentalidade.” Se calhar, porque no casamento também acontece isso… Lembro-me de repente da psicóloga belga Esther Perel dizer que muitas mães canalizam todo o seu erotismo para as crianças…

“Mas é urgente que estas duas situações sejam separadas. É fundamental que as crianças percebam que o divórcio é definitivo, mas que isto não tem nada  a ver com elas e que a família continua, embora o casal tenha acabado.”

Até porque, se a situação não ficar bem esclarecida, as crianças podem achar que a culpa do divórcio dos pais é… delas. “Por isso é que é importante deixar as coisas bem claras”, aconselha Mafalda. “É preciso explicar que o pai e a mãe já não são casados (se as crianças forem pequeninas, pode dizer que já não são ‘namorados’) mas que vão ser pai e mãe sempre.”

Como usar um filho

Portanto, o primeiro mandamento de um bom divórcio, em relação aos filhos, é simples: não transportar o conflito para a relação com as crianças. Claro que é mais fácil de dizer do que fazer… Os vários sites sobre divórcio listam todas as formas que os pais usam para transformar uma criança numa arma contra o outro pai.

Uma criança num divórcio pode ser usada com os seguintes fins: 1 – Como mensageiro (“Diz ao teu pai que se julga que pode chegar a estas horas sem me dizer nada, está muito enganado”); 2 – Como Espião (“Então conta lá: o teu pai já tem uma namorada? É bonita? É simpática?”); 3 – Como Árbitro (“Achas bem o que o teu pai nos fez?”); e 4 – Como Companheiro substituto (“Ainda bem que te tenho a ti para me fazeres companhia”). Mas se acha que já viu tudo sobre Maneiras de Usar Um Filho no Divórcio, espere pela última moda…

Ora bem: a última ‘moda’ para usar uma criança é fazê-la acusar o pai de abuso sexual. “Muitas vezes isso não é verdade”, nota Mafalda Homem de Melo. “Mas é do pior que pode acontecer: a acusação é má, tudo o que está envolvido é ainda pior: as perícias, as sessões. E o que acontece é isto: a Justiça entra logo em defesa da criança e afasta-a imediatamente do pai, esquecendo-se de que, primeiro, haveria que provar a acusação. Uma acusação de abuso sexual é gravíssima, mas igualmente grave é a falsa acusação, que é outra forma de abuso de uma criança.”

 Ou seja, de uma maneira ou de outra, esta criança está a ser abusada: “Ou sexualmente de facto, ou sofre outra forma de abuso que é roubarem-lhe o pai. Ainda por cima as crianças são facilmente manipuladas. De tanto ouvirem, interiorizam aquilo que ouvem como uma falsa memória. E uma falsa memória pode causar tantos danos como uma memória real. Em nome do que é que se faz isto a um filho? E a alguém que pressupostamente já amámos?”

Desistir do braço de ferro

Problema: o foco muitas vezes não está centrado nos pais nem nas crianças, mas no conflito em si. “Num divórcio, há sempre alguém rejeitado”, nota Mafalda. “E esse sentimento de rejeição é sempre causador de conflito. Muitas vezes, o conflito é uma forma de lidar com a dor, e se for preciso usar as crianças, usam. Mas a nossa forma de lidar com a dor não pode ser causando sofrimento a outro. Temos de ter balizas que nos controlem mesmo dentro do sofrimento.”

O objetivo dos dois, ex-marido e mulher, pelo menos em teoria, é aquilo a que está na moda chamar um divórcio ‘civilizado’. Problema: e quando um dos ‘divorciados’ não é tão civilizado quanto seria de esperar? Conseguir chegar a um consenso naquilo que é verdadeiramente importante tem de começar por algum lado: muitas vezes, a boa vontade é mesmo… contagiosa. Ou seja, um braço de ferro precisa de dois. Muitas vezes, quando um deixa cair o braço, o outro também desiste da luta.

E quando as coisas não são assim tão simples e a luta se arrasta durante tempos de sofrimento infindo? Antigamente, a única maneira de ‘resolver’ um divórcio era pela via judicial. Hoje, existe a mediação familiar. Esta consegue que os dois pais cheguem a um acordo que depois será homologado pelo tribunal. “A nível judicial, há sempre um que ganha e outro que perde. A nível de mediação, os dois ganham.”

Separados, mas unidos

Ora bem, digamos que estou divorciada e é preciso ‘reaprender’ a ser mãe e pai. Segundo mandamento: os pais, embora separados, têm de continuar, em termos de educação e valores, unidos. “Tem que haver coerência entre os dois, porque as crianças são mestres em manipular, quando os pais são manipuláveis”, nota Mafalda. “E há um fator importantíssimo que potencia esta manipulação: a culpa dos pais. Como têm pouco tempo para as crianças, compensam-nas com a permissividade.”

Claro que a culpa não é um exclusivo do divórcio, tal como o não é a permissividade. Mas a separação pode acentuar os problemas já existentes de falta de estrutura familiar. Um divórcio em que os dois pais estão fragilizados pode ser a situação perfeita para que uma criança obtenha tudo o que quer de cada um. “Hoje há uma permissividade imensa”, defende Mafalda. “Não há definição de papéis, porque se confunde autoridade com autoritarismo.”

Antigamente, as referências das crianças eram a família e a escola. Hoje, é o mundo inteiro. “Eles são bombardeados com referências! Podíamos pensar que, com essa catadupa de informação, seriam, enfim, mais informados. Mas acontece o contrário: não assimilam nada, porque é impossível integrar o que quer que seja, e isto tem consequências gravíssimas.”

E, na prática, em que é que resulta a falta de referências? Se eu não educar uma criança, acontece o quê? “Acontece que ela vai provocá-la constantemente! O confronto hoje em dia começa muito mais cedo por essa indefinição de papéis.” Uma criança cresce em relação a alguma coisa, é isso? “Claro. Tem de aprender o que é bom e mau, e isso é-lhe dado pela família. Se ela pode tudo, isso desaparece. A forma de ela aprender é testar os limites. Quando esses limites são postos com amor, rotina e consistência, ela percebe o que é e não é negociável. Um filho sem limites está em guerra permanente. Isto é um desgaste imenso, para os pais e para os filhos, e ainda mais em situação de divórcio.”

Portanto, terceiro mandamento – não se demitir de mãe/pai, e não desperdiçar o pouco tempo que tem com as crianças em lutas de galos.

As visitas devem ser uma festa

Seguimos para o quarto mandamento: nunca desprezar o pai à frente das crianças, por muito que lhe apeteça furar-lhe os pneus e rogar-lhe todas as pragas que a sua avó bruxa lhe ensinou. “As pessoas devem tentar fazer com que seja uma festa ir para o pai e uma festa ir para a mãe”, aconselha Mafalda. Humm. Uma festa não é uma grande ginástica mental se o que me apetece é torturar aquela pessoa? “Mas tem de conseguir-se. A vida pode dar as cambalhotas que quiser, mas aquele pai e aquela mãe vão ser sempre a família daquela criança. E há pais que perpetuam o conflito durante toda a vida da criança! O importante é que os pais, mesmo separados, partilhem os mesmos valores. O pai não deve autorizar que a criança fale mal da mãe na sua presença, e a mãe deve fazer a mesma coisa em relação ao pai.”

Em conclusão, o que devem os pais fazer? “Acima de tudo, lembrar-se que as crianças são seres em formação e que o pai e a mãe serão sempre as referências principais.” 

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Esperança de vida aos 65 anos estimada em 19,30 anos no último triénio

Esperança de vida aos 65 anos estimada em 19,30 anos no último triénio

Clara de Sousa comemora aniversário:

Clara de Sousa comemora aniversário: "Tenho mais um motivo para sorrir com a família a crescer"

Será que tem predisposição genética para desenvolver a Doença de Alzheimer?

Será que tem predisposição genética para desenvolver a Doença de Alzheimer?

VISÃO Júnior, uma prenda de Natal original

VISÃO Júnior, uma prenda de Natal original

Ligações felizes em Barcelona

Ligações felizes em Barcelona

JL 1357

JL 1357

Jardim Zoológico de Lisboa tem nova cria de veado-da-birmânia, uma espécie em perigo

Jardim Zoológico de Lisboa tem nova cria de veado-da-birmânia, uma espécie em perigo

Google paga a influencers para promoverem smartphone Pixel que nunca usaram

Google paga a influencers para promoverem smartphone Pixel que nunca usaram

Recrie o look chique de Catarina Gouveia

Recrie o look chique de Catarina Gouveia

Abraço diz que estão a aumentar sem-abrigo com VIH e que as respostas estão a falhar

Abraço diz que estão a aumentar sem-abrigo com VIH e que as respostas estão a falhar

As maiores fortunas de Portugal na capa da EXAME de Dezembro

As maiores fortunas de Portugal na capa da EXAME de Dezembro

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Sara Matos apresenta Júlia, a trigémea de “Sangue Oculto”

Sara Matos apresenta Júlia, a trigémea de “Sangue Oculto”

O centenário de Saramago

O centenário de Saramago

VOLT Live: Reparação de baterias em carros elétricos

VOLT Live: Reparação de baterias em carros elétricos

O que as unhas revelam sobre a nossa saúde

O que as unhas revelam sobre a nossa saúde

Máxima da Holanda surpreende com visual em tons de cinzento e preto em entrega de prémio em Amesterdão

Máxima da Holanda surpreende com visual em tons de cinzento e preto em entrega de prémio em Amesterdão

Girl Talk: este País não é para nós

Girl Talk: este País não é para nós

Livros: Os melhores de 2022

Livros: Os melhores de 2022

Se os japoneses limpam as bancadas e o balneário, isso é...

Se os japoneses limpam as bancadas e o balneário, isso é... "atarimae"

Mais ricos de Portugal estão ainda mais ricos

Mais ricos de Portugal estão ainda mais ricos

Wall&gami: fazer da arte do origami uma peça de decoração

Wall&gami: fazer da arte do origami uma peça de decoração

Saiba como escolher a máquina de secar roupa

Saiba como escolher a máquina de secar roupa

JL 1360

JL 1360

Palácio de Buckingham afasta funcionária após ato racista durante evento da rainha Camilla

Palácio de Buckingham afasta funcionária após ato racista durante evento da rainha Camilla

12 Mercados de Natal, de Lisboa a Sintra, com sugestões de presentes para toda a família

12 Mercados de Natal, de Lisboa a Sintra, com sugestões de presentes para toda a família

Tony Carreira lança tema inédito de Sara ao lado dos filhos

Tony Carreira lança tema inédito de Sara ao lado dos filhos

Adepto que invadiu o campo no Portugal-Uruguai foi deportado do Qatar

Adepto que invadiu o campo no Portugal-Uruguai foi deportado do Qatar

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Provincia: Do Alentejo para Lisboa, com Itália na bagagem

Provincia: Do Alentejo para Lisboa, com Itália na bagagem

Mortandade de bivalves na ria Formosa ameaça sustentabilidade da amêijoa

Mortandade de bivalves na ria Formosa ameaça sustentabilidade da amêijoa

Bolsas europeias em alta após discurso do presidente da Fed

Bolsas europeias em alta após discurso do presidente da Fed

5 dicas para proteger a casa no Inverno

5 dicas para proteger a casa no Inverno

Seixo by Vasco Coelho Santos: Cozinha do dia a dia no novo restaurante do Douro

Seixo by Vasco Coelho Santos: Cozinha do dia a dia no novo restaurante do Douro

João de Carvalho internado de urgência com quadro de desorientação e perdas de memória

João de Carvalho internado de urgência com quadro de desorientação e perdas de memória

Georgina Rodríguez partilha fotografias com os filhos à chegada ao Qatar

Georgina Rodríguez partilha fotografias com os filhos à chegada ao Qatar

Moda: Fundo preto

Moda: Fundo preto

Esta Iguana move-se no universo das novelas gráficas

Esta Iguana move-se no universo das novelas gráficas

Primeiro contacto: Toyota bZ4X, o elétrico com garantia de um milhão de quilómetros para a bateria

Primeiro contacto: Toyota bZ4X, o elétrico com garantia de um milhão de quilómetros para a bateria

The Devil In Me em análise: Hotel dos horrores

The Devil In Me em análise: Hotel dos horrores

VISÃO Júnior de dezembro de 2022

VISÃO Júnior de dezembro de 2022

6 podcasts de true crime para detetives de bancada

6 podcasts de true crime para detetives de bancada