Porque é que as crianças não aprendem?

A maior parte das dificuldades surgem por desmotivação, não por incapacidades neurológicas: a conclusão é de Nelson Lima, neuro-psicólogo e director do Instituto de Inteligência, que há anos vem organizando estudos, orientando professores, apoiando as crianças e chamando a atenção para a ineficácia do actual sistema de ensino.

‘As crianças sentem-se perdidas e não percebem para que serve a escola. Tal como os incêndios e os desastres de automóvel, acho que também na escola estamos em estado de calamidade nacional.’

Foi o Instituto da Inteligência que lançou o alerta: um em cada três alunos portugueses tem dificuldades de aprendizagem, número escandaloso para qualquer país e que, ainda por cima, tem tendência a aumentar.

‘Há uma quase obsessão em querer ensinar muita coisa às crianças em pouquíssimo tempo’, nota Nelson Lima. ‘O que a escola devia fazer nos primeiros anos era dar noções gerais do que é a vida. Mas um aluno de 12 anos tem 15 disciplinas! Como é que pode aprender alguma coisa?’ Quinze disciplinas que depois se reflec-tem na forma desmesurada como aconte-cem os trabalhos de casa. Estranhamente (ou talvez não.), e segundo um estudo europeu, somos um dos países com piores resultados escolares e o país europeu que mais tempo dedica aos trabalhos de casa.

O neuropsicólogo conta o caso de uma criança de 11 anos que lhe chegou com uma estranha missão: ‘Passou o dia aflitíssima porque tinha de fazer um trabalho sobre a Bósnia-Herzegovina. E sobre o Alentejo é capaz de não saber nada. Entretanto, o irmão estudava exaustivamente a Albânia. Isto tudo, feito desta forma, é um disparate pegado!’ Tudo somado, contribui para o stresse diário de muitas famílias.

Pais com tempo e cultura suficientes ou dinheiro para pagar a explicadores são capazes de dar uma ajuda. Mas muita gente se sente aflita. ‘Os miúdos vêem-se a braços com imensa informação que se refugia em palavrões. ‘Um buraco negro é conhecido como um sorvedouro cósmico’, para miúdos de 11 anos, acha normal?’, questiona Nelson Lima. ‘O importante era dar-lhes algumas noções básicas, mas bem dadas. Actualmente, com tanta matéria que lhes impingem, qual é o resultado? É que não fica lá nada! Eles não sabem nada do mundo! E esta é a geração que há-de chegar um dia ao poder!’

É URGENTE A EDUCAÇÃO EMOCIONAL


A obsessão de querer ensinar tudo em pouco tempo faz com que estejamos a cultivar a ignorância, por recusa inconsciente em aprender. ‘A ansiedade e o stresse estão a aumentar de forma assustadora nas crianças. E muitos pais, embora se queixem destas anomalias, são os primeiros a defender o modelo de escola actual, porque é a escola que eles próprios tiveram‘, revela Nelson Lima.

Resolver as coisas passaria por reduzir a carga programática. ‘Aligeirar as coisas não seria retirar qualidade, seria dar às crianças mais tempo para falarem sobre o mundo delas e acrescentar coisas que faltam: ensiná-las a pensar e a estudar. Tornar as crianças seres pensadores.’ Isto evitaria percursos de aprendizagem trágicos e completamente destruidores de vidas, evitaria, por exemplo, que tanta gente chegasse à universidade com a impressão de que escolheu o curso errado. ‘A educação emocional deveria ser uma disciplina mais importante que a Moral. As crianças conhecem-se muito pouco a elas próprias. Elas nunca sabem dizer quem são, não conhecem as suas próprias virtudes e qualidades. E isto é perigosíssimo.’

Nelson Lima propõe mudanças que podem ser feitas pelos próprios pais, pois mudar o sistema de ensino é mais complicado: ‘Podemos ajudar as crianças a organizarem-se de modo a que não fiquem muitas horas a estudar. Vinte minutos com um intervalo de dez minutos, depois mais vinte minutos.’

E, principalmente, fazer tudo para que pelo menos o fim-de-semana fique livre de trabalhos. ‘Fujam dos shoppings, vão apanhar ar livre, vão passear a parques, jardins, montanhas, vão para onde quiserem mas que seja ao ar livre e onde possam correr. O importante é quebrar a rotina para diminuir os níveis de stresse que estão a aumentar cada vez mais nas crianças. É a única forma de os defender. O resto teria de levar uma volta inteira, por forma a implantar medidas inteligentes não tão ambiciosas sob o ponto de vista académico. Isto já não vai com uma reforma, mas com uma revolução!’

Palavras-chave

Relacionados

Comportamento

Filho meu nunca irá...

... dizer asneiras, comer porcarias, riscar as paredes. O pai ou mãe que nunca disse algo do género que atire a primeira pedra. Mas algumas promessas foram mesmo feitas para quebrar...

Comportamento

O que fazer quando ele odeia ir para a escola

Há quem faça amigos com facilidade e seja popular entre o grupo. E quem é tímido e se transforma no bombo da festa? Saiba ajudar o seu filho quando ir para a escola é um pesadelo.

Mais no portal

Diz Quem Sabe

Tudo o que precisa de saber sobre a reabilitação oncológica

Um artigo de opinião assinado pelo médico Énio Pestana, do Hospital CUF Cascais, sobre este tipo de cuidados.

Beleza

Conheça as grandes vantagens dos champôs sólidos

Preparámos também uma lista de produtos que pode incluir na sua rotina de cuidados capilares.

Nas Bancas

Como salvar as suas plantas

Na ACTIVA Verde, já em banca, os conselhos para escolher e cuidar das suas plantas.

Nas Bancas

Este casal mostra-nos como é viver "fora da rede"

Uma casa de madeira foi o início da mudança.

Nas Bancas

Receitas (de chef): desperdício zero

Sabia que está a deitar fora uma das melhores partes dos seus legumes?

Comportamento

A sustentabilidade chegou ao sexo

Conheça quatro formas de ajudar a salvar o planeta entre quatro paredes.

Moda

7 coleções que mostram que a moda sustentável é o estilo do futuro (a começar agora)

Coleções sustentáveis que são um “must-have” para receber o calor

Saúde

Experimentei um copo menstrual pela primeira vez - e foi assim que correu

Nunca é tarde para tomar uma decisão com impacto positivo no ambiente.

Beleza

Saiba como criar uma rotina de beleza mais sustentável

Pequenas mudanças de hábitos podem fazer uma grande diferença no compromisso com a sustentabilidade.

Lifestyle

Faça você mesma: receitas de detergentes ecológicos

Para além destas seis sugestões, partilhamos outros truques que podem ajudar o lar a ser mais "eco-friendly".

Nas Bancas

Activa Verde: é urgente mudar o futuro

Nas bancas!