namorar 2013.JPG

O Teatral

Como distingui-lo: “Amar uma pessoa teatral é como ser arrastado por um furacão de grau 5”: tudo é intenso e exagerado. O amor sossegado tipo ‘ai amorzinho vamos ali apanhar um bocadinho de sol em frente ao rio e beber um chazinho e comer uns scones’ para eles não é amor que se veja. Se estão em frente ao rio, é para se atirarem lá para dentro, e o pior é que arrastam a outra pessoa com eles sem colete de salvação. Vivem do olhar dos olhos: se não lhes ligam, sentem-se um caco. “Se são o centro das atenções, querem mais. Ou seja: o grau de atração mede-se pela atenção conseguida.” Problema: por muito que o outro se esforce, o teatral vive insatisfeito.

Porque nos deixamos enredar: Porque toda a gente gosta de atenção e o teatral é um sedutor nato.

Como sobreviver: Pense que está a educar uma criança pequena. O teatral tem de perceber que nem sempre pode ser o centro das atenções, que a outra pessoa precisa do seu espaço pessoal, que a solidão não é sinónimo de desamor, e que é possível julgar-se pelo que de facto é e não pelo que aparenta ser.

O Paranoico

Como distingui-lo: Este é o amor em estado de guerra. A sua máxima já está definida, e não é animadora: “As pessoas são más, e se baixarmos a guarda, magoam-nos.” Claro que a pérfida Humanidade inclui a família. Ser amado por um paranoico é como ser amado por uma esquadra inteira da polícia judiciária e passar a vida a prestar provas da sua inocência de um crime que não cometeu (mas que às vezes, ai às vezes…)

Porque nos deixamos enredar: Porque confundimos sentido de posse com amor, e comove-nos que o coitado não possa viver sem nós. No fundo agrada-nos causar tanto desvario no coração de alguém.

Como sobreviver: Hmmm. Se não entra no jogo dele, será complicado. “Tudo será usado contra si, o que não deixa muita margem para negociações.” Ou seja, se não há confiança, não há relação sã. O paranoico deve aceitar correr os riscos normais de qualquer relação, o problema é que um paranoico por definição não fará isto… Esqueça o diálogo construtivo: é como chover no molhado. Enfim, tente levar uma vida calma…

O Passivo-Agressivo

Como distingui-lo: São queridos, giros e fofinhos, o problema é que, basicamente, não servem para nada. O seu maior problema: “Tu não respeitas o meu ritmo.” Escusado será dizer que o ritmo dele é ali para os lados do devagarinho. Ao mesmo tempo, não é o devagarinho alentejano, bem humorado e sábio: é o devagarinho como quem quer castigar os outros. Ah, tu queres que eu pague a conta da eletricidade? Pois não pago. Agora olha. Acende a vela, se quiseres.

Porque nos deixamos enredar: Porque ao princípio ele parece muito boa pessoa e a nós o que nos fazia falta era uma pessoa calma. Mas quando a calma é uma forma de vingança, deixa de ser calma…

Como sobreviver: Não se deixar arrastar pelo seu pessimismo militante, que é uma forma de não fazer nada. Como resistir? Não lhe peça coisas que já sabe que ele não vai fazer, defenda os seus direitos e trate-o como uma pessoa adulta, mesmo quando ele fizer birra…

O Egocêntrico

Como distingui-lo: É o que nunca olha verdadeiramente para os outros. Bem-vinda ao reino dos satélites: este não conversa, monologa – sempre sobre ele próprio, o seu trabalho, os seus sucessos. Estar com ele ou estar sozinha, às vezes até se estava mais acompanhada sozinha. “O paradoxo é que, quanto mais amar um narcisista, mais alimentará o seu sentimento de grandiosidade e mais ele se afastará de si.” Claro que quando se zanga o verniz estala e vê-se logo que educação tem muito pouca. Para o resto do mundo, é um malcriado. Para si próprio, é uma pessoa com muita personalidade.

Porque nos deixamos enredar: Porque, como todos os humanos, gostamos das coisas que brilham…

Como sobreviver: Não tente ‘reeducá-lo’, porque um narcisista não aprende (já sabe tudo). Quando ele ladrar, ladre de volta. Não elogie, vista-se como muito bem lhe apetecer, e, basicamente, não entre no jogo.

O Perfeccionista

Como distingui-lo: Nunca está contente: ou é a toalha que está torta, a comida que está fria, o bebé que chora demais ou o dia que deu em chuvoso. “Qualquer desculpa é boa para lembrar o outro que está longe de alcançar o nível de eficiência esperado.” Claro que é só uma questão de tempo até o outro se esgotar, ou perder a paciência, e deixar o perfeccionista sozinho entre tanta perfeição…

Porque nos deixamos enredar: É o eterno fascínio do ‘bom partido’…

Como sobreviver: Cometa os erros que tiver de cometer sem se desculpar nem prometer que vai melhorar. Quem tem de melhorar, humanamente, é ele. Pormenor: o perfeccionista pode não aguentar a estocada e acabar a relação. É que, para ele, a ordem é mais importante que o amor…

O ‘Borderline’

Como distingui-lo: Impulsivo, instável, contraditório, inseguro, autodestrutivo. Bem- -vinda ao amor no caos: este homem ama e odeia ao mesmo tempo. Amá-lo é estar no centro de uma explosão afetiva que não conhece a sua própria direção. Se temos autoestima, sentimo-nos merecedores de amor e aceitamo-lo. Mas se não há autoestima suficiente e o nosso ‘eu’ não está bem estruturado, não confiamos nesse amor e não o devolvemos. O que mais teme é que a amada o abandone, mas ao mesmo tempo faz tudo para que isso aconteça, só para poder dizer: “Vês, vês, eu sempre soube que me ias deixar…” Pudera… Como os companheiros nunca são suficientemente perfeitos, a frustração faz disparar a fúria.

Porque nos deixamos enredar: Nunca subestimem o poderoso efeito da adrenalina.

Como sobreviver: Respirando fundo… Quem não tenha a ideia do amor como a de sacrifício e sofrimento, vai ter dificuldade em adaptar-se, porque este tipo precisa de ajuda profissional especializada.

Relacionados

Comportamento

10 Sinais de Que Ele Está Prestes a Ter um Caso

Ainda não aconteceu nada, mas pelo andar da carruagem, pode estar quase a acontecer...

Comportamento

Sabe o que nunca passa pela cabeça de um homem?

Várias coisas, entre elas...

Comportamento

Será que os homens e as mulheres não foram feitos para dormir juntos?

Amor e uma cama é lindo mas pode não ser o ideal quando o que queremos mesmo é descansar. Se quer continuar ao lado do homem da sua vida, considere deixá-lo... para dormir.

Comportamento

Não deixe que o dinheiro arruine a sua relação

O tema já é sensível e uma das maiores ameaças ao amor em alturas de prosperidade financeira. Agora, há ainda mais razões para levar muito a sério as estratégias dos especialistas para uma vida a dois com saldo positivo.

Comportamento

Como é namorar nos dias de hoje?

Impossível, dirão os mais céticos. Felizmente há românticos, para lembrar que o amor é cego e acontece até em lugares estranhos... a crise, Desemprego, emigração e o regresso a casa dos pais são os novos cenários das relações.

Mais no portal

Beleza e Saúde

Cabelos: Risco ao meio ou de lado? A melhor opção para cada formato de rosto

A forma como reparte o cabelo pode mudar muito o seu visual - num cenário ideal, sempre para melhor. Saiba como valorizar o seu rosto.

Comportamento

5 formas de ultrapassar momentos menos bons

De acordo com vários especialistas.

Beleza e Saúde

O resultado de uma semana sem qualquer tipo de exercício físico

Para qualquer adepto de um estilo de vida ativo, estar parado é um verdadeiro desafio. E foi assim que encarei esta semana.

Lifestyle

Saiba como fazer a deliciosa salada de espinafres de Julie Deffense

Simples e deliciosa.

Beleza e Saúde

Chiara Ferragni mostra-nos como o azul com glitter resulta sempre para fazer os nossos olhos brilhar

A influencer criou novamente uma coleção com a Lancôme, em que o glitter é a aposta.

Moda

O vídeo que nos fala de Paris, de mulheres e do que acontece quando se trocam duas malas

Esta produção é uma viagem ao mundo das mulheres parisienses com toda a emoção e “joie de vivre” da cidade de Paris.

Beleza e Saúde

Não vai acreditar com que idade Halle Berry teve o primeiro orgasmo

A confissão da atriz veio surpreender o público.

Moda

Esta é a prova de que o 'nightwear' pode ser usado o dia todo

Seda, cetim ou caxemira?

Beleza e Saúde

Quando deve anunciar a gravidez?

A norma é que se ultrapasse a meta das 12 semanas. Mas será que é mesmo preciso?