Ana Teles, 39 anos, namorou dois anos e está casada há seis, tem uma relação feliz mas a sua falta de desejo sexual impede-a de viver o casamento na sua plenitude. Não está sozinha, 35% das mulheres portuguesas sofrem de desejo sexual hipoativo, segundo o primeiro estudo nacional sobre a prevalência de disfunções sexuais femininas, realizado pela Sociedade Portuguesa de Andrologia. E a incidência pode mesmo ser maior. Pedro Nobre, presidente da Sociedade Portuguesa de Sexologia, aponta para os 47%.

Fomos saber, afinal, o que está por detrás deste problema, que se manifesta tanto na dificuldade de iniciar um relacionamento íntimo como na incapacidade de reagir aos avanços do parceiro. É a disfunção sexual feminina que mais leva os casais a pedirem ajuda médica.

Um conflito interno

“Nunca tive uma vida sexual muito satisfatória e o problema agravou-se depois me casar. Estou agora a passar por aquilo que antes criticava naquelas mulheres que assumiam a sua falta de desejo sexual e as desculpas que davam aos parceiros”, conta Ana. “A verdade é que nos últimos tempos senti uma quebra no entusiasmo, acentuada pelas dificuldades e tarefas quotidianas, o cuidar dos filhos, o trabalho, entre outros…Quando chego à cama, quero é dormir! Não há desejo que resista a tanto cansaço, por muito que eu tente combater o problema.”

A reação do marido não tem sido a melhor. “Fica zangado, diz-me que é um homem novo, que precisa de atenção, e até já discutimos. Durante uns tempos tentei mostrar-me mais motivada, mas rapidamente voltámos ao mesmo, é uma luta diária.”

Sinais de alerta

A mulher começa a perceber que não está disponível para o sexo e vai arranjando justificações que o parceiro entende. Mas quando estas se prolongam por tempo indeterminado o problema passa a ser mais evidente. Marta Crawford explica-nos que são mulheres que acreditam tratar-se apenas de uma fase, que quando chegarem as férias a situação melhorará e vão arrastando o problema. Mais tarde, começam a ter vergonha de falar no assunto e a sentirem-se pressionadas pelo parceiro. “É geralmente assim, que começa por manifestar-se o desejo sexual hipoactivo feminino. A sexualidade passa a ser vivida como algo negativo, provocando ansiedade, angústia e irritação, o que afeta a relação. É um erro pensar que o casal consegue resolver o problema sozinho, pois a verdade é que entra num ciclo vicioso e não sai dali”, continua a especialista em sexologia.

Inês Madureira, psicóloga clínica no British Hospital Lisbon XXI, explica-
-nos ainda que esta falta de desejo pode provocar sentimentos de angústia e receio. A mulher tem medo de perder o companheiro por não lhe conseguir explicar as razões desta inibição sexual, uma vez que os seus sentimentos por ele não estão em causa.

As causas mais comuns

“As causas podem ser diversas, mas é importante referir a distinção entre inibição sexual primária (quando a pessoa nunca sentiu muito desejo ou interesse sexual) e secundária (quando a pessoa costumava ter desejo sexual, mas perdeu o interesse)”, alerta Inês Madureira. O primeiro caso pode estar associado a atitudes negativas em relação ao sexo ou a experiências sexuais traumáticas, como abuso sexual, doenças físicas, efeitos secundários de alguns medicamentos, deficiências hormonais ou depressão. “Quem está deprimido pode não ter desejo sexual, ou estar tão fragilizado emocionalmente que não consegue ter prazer nas relações”, explica a psicóloga.

Já as causas do segundo tipo de falta de desejo sexual são habitualmente, problemas relacionais: um dos parceiros não se sente emocionalmente próximo do outro; existem dificuldades de comunicação, conflitos mal resolvidos que levam à perda de confiança no parceiro, ou falta de tempo para momentos de íntimos. O stresse excessivo e a rotina podem também agravar a falta de desejo sexual.

Marta Crawford vai mais além: “A verdade é que nós, mulheres, somos muito mais vulneráveis ao que nos rodeia. O homem consegue olhar para o sexo de forma mais descontraída e é mais recetivo aos estímulos, ao contrário da mulher, que precisa de estar disponível, calma e perceber que o parceiro está realmente interessado nela.”

A queda de um mito

Mas este não é só um problema que afeta as mulheres. O termo frigidez está em desuso e a ideia que a falta de desejo sexual ocorre sobretudo em mulheres e que o homem está sempre ‘disponível’ está também a morrer. Na última década assistimos a um aumento de disfunções sexuais nos homens. “Isso tem graves consequências e leva a uma série de desconfianças: Será que ele está envolvido com outra pessoa? Tem alguma doença grave? As mulheres chegam mesmo a pôr em causa a orientação sexual do parceiro. Há aqui uma diferença na forma como homens e mulheres encaram o problema: eles acreditam mais facilmente que ela está deprimida ou a passar por outro problema psicológico”, afirma Marta Crawford.

Apoio especializado

São cada vez mais os casais que procuram ‘atacar’ o problema antes de entrarem em crise conjugal. Uma vez na consulta, o médico (clínica geral) vai tentar perceber a origem do problema.Se for uma questão orgânica, é necessário o re-encaminhamento para um ginecologista ou endocrinologista. Começa-se sempre por uma análise endocrinológica, para verificar se existe algum desequilíbrio hormonal, nomeadamente de estrogéneo. “São casos relativamente fáceis de tratar, com medicação por via oral. Noutras vezes, verifica-se que a pílula está a gerar uma diminuição da libido ou que a paciente está a tomar antidepressivos com efeitos secundários sobre o desejo.”

Ana Teles consultou um médico, que não descobriu qualquer desequilíbrio hormonal. “O médico receitou-me apenas uns patch de gel transgénico (carteirinhas), para aplicar no braço 30 minutos antes de ter relações com o meu marido, para aumentar a libido.” A situação melhorou, mas Ana queixa-se que a solução requer um planeamento que retira qualquer espontaneidade à relação sexual.

Se o resultado da análise endocrinológica apresentar valores equilibrados, o problema passa a ter de ser tratado em terapia sexual: “Entramos no campo psicológico.” Marta Crawford dá o exemplo do vaginismo, que reside no medo intenso de dor durante a penetração. Uma terapia pode variar entre 6 a 7 sessões em cada 15 dias durante 3 meses. “Tento que os casais funcionem sensorialmente (com carícias, por exemplo) para se aproximarem. O objetivo é uma reaproximação antes da relação sexual propriamente dita. É importante que saiam mais vezes os dois sozinhos, que façam surpresas um ao outro ou comprem brinquedos eróticos, que não se pressionem e que deixem de ter um sexo tão genital, passando a mais sensorial. Outro método terapêutico consiste em recorrer à utilização de dilatadores – um kit com objetos em forma de pénis com vários tamanhos para o casal ir treinando. É um reforço positivo para preparar a mulher para a penetração”, conclui a especialista em sexologia.


Palavras-chave

Relacionados

Comportamento

Mude o seu quarto e tenha mais e melhor sexo!

A decoração descuidada de um quarto pode arruinar as intenções mais românticas. Siga os nossos conselhos, diga adeus ao templo da tralha e olá ao ninho de amor.

Comportamento

Personalidade erótica: faça o teste e descubra a sua!

Faça o teste, descubra a fera que se esconde na sua libido e quem são as melhores apostas para uma relação quente entre lençóis.

Comportamento

Testemunhos: como manter a chama acesa numa relação

Duas mulheres dão o seu testemunho sobre a forma que criaram para manter o desejo vivo no casal

Comportamento

As sete fases do sexo: Qual é a sua?

Mais sexy, mais romântica, mais atrevida ou menos disponível. A sua relação com o sexo muda consoante os anos. Nada como descobrir em fase está agora e como tirar o melhor partido dela.

Comportamento

Sugestão de leitura: 'O Sexo no Feminino'

Da Planeta, um livro que se debruça sobre a sexualidade feminina.

Comportamento

Sexo: 5 posições fabulosas!

Variar é essencial quando se fala de sexo. Inspirem-se nestas cinco posições sexuais que ajudam a ludibriar a monotonia.

Comportamento

Teste: Você e o seu companheiro dão-se bem na cama?

Você e o seu companheiro dão-se bem na cama ou são necessários alguns ajustamentos. Responda ao teste e peça-lhe que faça o mesmo, sem que saibam as respostas um do outro. No final confiram o número de respostas iguais e avaliem a vossa situação.

Comportamento

Masturbação: vença o último tabu

Rodeada ainda de preconceitos, a masturbação feminina é também uma forma de quebrar a rotina sexual do casal

Comportamento

Pénis: tudo o que nunca lhe disseram sobre ele

Pode ser o melhor amigo do homem - e da mulher - mas ainda há muito que não sabemos sobre ele.

Comportamento

Descubra os melhores dias do mês para ter sexo

Por que é que em alguns dias do mês passa o tempo inteiro a pensar em momentos íntimos com o seu parceiro e noutros só quer é dormir? A culpa é das hormonas! Pegue na agenda e passe a usar o ciclo sexual a seu favor...

Comportamento

Tudo sobre etiqueta sexual (sim, isso existe!)

Já quase toda a gente já cometeu alguma gafe entre os lençóis Ou antes dos lençóis, ou mesmo depois dos lençóis. Mas também é certo que é daquelas situações em que queremos que tudo seja perfeito.

Comportamento

Mulheres portuguesas são as mais satisfeitas no sexo!

Um estudo realizado em diversos países europeus coloca-nos a nós, mulheres portuguesas, no topo da escala no que diz respeito ao grau de satisfação com a nossa vida sexual.

Comportamento

Testemunhos: “Eu sou bissexual"

Será possível sentir atracção por homens e mulheres ao mesmo tempo ou é a bissexualidade apenas um designação para encobrir a homossexualidade? Falámos com duas mulheres e um homem que abriram o jogo explicaram como é sentir desejo por ambos os sexos.

Comportamento

Sexo: "Porque não chego ao orgasmo?"

A psicóloga Sónia Parreira explica porque algumas mulheres não conseguem atingir o orgasmo.

Comportamento

Como ter mais e melhor sexo!

Seja individualista no que se refere ao sexo. Não, não é só pensar no seu prazer, mas criar a sua própria forma de estar

Comportamento

Liberte-se: os sex toys estão aí para isso!

Mas não se tratam de amigos de carne e osso, mas de todos os acessórios que podem ajudar a criar um clima de maior erotismo

Mais no portal

Moda

10 artigos da Zara que vão arrasar em qualquer destino de férias

Estes visuais prontos a usar prometem fazer furor nos seus dias de descanso.

Comportamento

Como lidar com a frustração sexual?

Existem várias causas para a insatisfação com a vida íntima, que pode afetar a qualidade de vida em geral.

Moda

Saiba como fazer uma mala de férias sem complicações

No episódio de hoje da rubrica Imagem de Sucesso, deixo algumas dicas para escolher os derradeiros essenciais de viagem.

Moda

Encontrámos as Havaianas perfeitas para dar brilho ao verão

Se é fã da famosa marca brasileira e gosta de dar um toque de brilho a tudo o que faz, vai delirar com esta novidade.

Lifestyle

6 dicas para viajar de carro tranquilamente com crianças

"Estou com fome! Quanto chegamos? Preciso de fazer xixi!" Viajar com crianças durante um longo período de tempo pode ser um verdadeiro pesadelo.

Beleza e Saúde

Afinal, o que é uma "depressão de baixo grau"?

Recentemente, Michelle Obama fez um desabafo sobre a sua saúde mental. Entenda o que se passa com a antiga Primeira-dama dos Estados Unidos.

Celebridades

Michelle Obama admite que sofre de uma "depressão de baixo grau"

A pandemia aliada a todo o clima de tensão que se vive nos Estados Unidos afetou a saúde mental da antiga Primeira-dama do país.

Celebridades

Daisy Coleman, de documentário da Netflix sobre abuso sexual, morre aos 23 anos

O caso da jovem, que se tornou uma defensora das vítimas de violação, é retratado numa série documental do serviço de streaming.

Lifestyle

Estes podem ser os motivos para continuarmos a ver filmes para adolescentes

Sim, tenho mais de 30 anos e por vezes vejo (e revejo) filmes com histórias para adolescentes. Mas sei que não sou a única!

Celebridades

O interior do frigorífico de Selena Gomez revela muito sobre a cantora

A estrela norte-americana mostrou o que armazena neste eletrodoméstico, bem como no congelador.

Beleza e Saúde

5 produtos de skincare que testei há um ano e agora fazem parte da minha rotina

O mais barato custa menos de 3 euros.

Moda

Criei 5 visuais diferentes com uma peça de roupa que todas temos no roupeiro

Por vezes - e falo por experiência própria -, só precisamos de um pouco de originalidade para não nos cansarmos daquilo que vestimos.

€2,95 por edição 20% desconto  

Assine já!

Papel