Filhos ouvir à primeira.jpg

Foto: Cuckooland

Deve ser a queixa mais comum a todas as mães com filhos de todas as idades: “Farto-me de lhe pedir para fazer qualquer coisa, mas ele obriga-me a repetir vezes sem conta e nunca faz o que eu quero…’ Há alguma maneira de um ser humano me responder imediatamente? 
Bem, para lhe dar logo a má notícia: não. A boa notícia: há sempre estratégias a tentar. 
“Quando queremos pedir qualquer coisa a uma criança, que geralmente é qualquer coisa que ela não quer fazer”, nota Mikaela Övén, mãe de três filhos, autora do blog ‘Mama Mia’ e orientadora de vários cursos para pais. “Portanto, devemos começar por aquilo a que os ingleses chamam ‘connect before you direct’, ou seja, criar uma ligação. Se eu estiver na cozinha e gritar à minha filha ‘Liv, vai pôr a mesa’ e ela estiver na sala a ver a Violetta, a probabilidade de ela fazer o que eu pedi é nula. Se me responder, já vou com sorte.” Depois entramos numa espiral de repetição da ordem, ela nada, ficamos chateados, dizemos que os miúdos nunca ouvem – e está criada a surdez familiar. 
Portanto, primeiro mandamento, escolher a ocasião. Chegar ao pé da criança e fazer um contacto físico: um toque, uma festa… “Tenho de lhe tocar para ela quebrar o contacto com o resto do mundo e com a televisão, mas tenho de me questionar se vale mesmo a pena”, nota Mikaela. “Por exemplo, eu estou aqui a falar consigo. Se os meus filhos me vierem agora pedir qualquer coisa, não lhes vou ligar. Portanto, também temos de respeitar o tempo das crianças e escolher a melhor altura.”

E nós, ouvimo-los?
A verdade é essa: esperamos ser ouvidos, mas quantas vezes não damos o exemplo? “Muitos pais dizem-me ‘Os meus filhos nunca me ouvem’ e eu pergunto ‘Mas de que maneira é que ouve os seus filhos?’. Quanto melhor os ouvimos, melhores modelos somos. Eu consigo pensar em várias situações em que não estou nem aí para os meus filhos. É normal, mas também é normal que eles façam a mesma coisa.”
Recapitulando: escolher bem a ocasião, criar contacto, dar o exemplo e… saber pedir. “Se eu disser ‘despacha-te’ a uma criança pequena, isso para ela não significa grande coisa”, explica Mikaela. “Tenho de dizer ‘calça os sapatos, aperta o casaco, pega na mochila’.  E se disser ‘agora’, ele sabe que é já, e não numa altura indefinida.”
Ok, seguimos para a alínea 5: não ter expectativas irrealistas. “Queremos que eles reajam imediatamente, mas isto é uma utopia muito grande”, nota Mikaela. Ah, portanto é normal eu repetir ‘Ó meninos arrumem a sala… ó meninos arrumem a sala’, e nada? “É normalíssimo! E nós fazemos a mesma coisa. Quando eles nos pedem coisas, fazemos logo à primeira? Não…”
Alínea 6: dar-lhes tempo (e, já agora, a alínea n.º 7 vai ser ‘dar-lhes responsabilidade’). Arruma a sala, arruma a sala, arruma a sala… Não? 
“Isso é outro erro: achamos que temos de repetir uma coisa muitas vezes, e nem damos espaço à criança para o fazer no tempo dela. Às vezes, é preciso ter um bocadinho de paciência para ver o que acontece. E na maioria das vezes, acontece. Porque eles sentem esse tempo de expectativa, sabem que é aquilo que esperamos deles. Além disso, uma ordem repetida é muitas vezes sentida como uma imposição. Se lhe dermos algum espaço de manobra, o que é que estamos a fazer? Estamos a devolver-lhes o poder.” Lei: quanto mais influência eles têm sobre aquilo que acontece, mais fácil será que façam a sua parte. “Se estiverem habituados a ouvir ‘faz isto faz aquilo’, não vão assumir responsabilidades”, ensina Mikaela. Mas se os pais confiarem que ela vai lavar os dentes sem lembretes constantes, ela sabe que é aquilo que se espera dela, e cumpre. Pelo menos na minha família é assim: quanto menos eu chateio, melhor corre (risos). Se eles andam sempre à espera de ouvir uma ordem para fazerem o que têm a fazer, o tempo familiar começa a ser baseado em ordens, e é muito cansativo para todos.” 

Castigar ou compensar? 
 “Há mães que me dizem: ‘Quando ele não faz o que eu quero, castigo-o’”, nota Mikaela. “Para mim, isso não é razoável porque não ensina aquilo que eu quero que eles aprendam. Aqui, temos de nos perguntar qual é a nossa real intenção. As crianças têm vontade de contribuir para a família, e eu quero que eles colaborem, não que eles obedeçam. Eu não quero uma relação com o meu filho em que tenho de utilizar estratégias de medo e de punição para que ele colabore comigo.” E um sistema de recompensas? “Quando a criança se habitua a ser premiada pelo bom comportamento, começa a ser guiada por coisas exteriores, pela vontade de receber algo em troca. A motivação torna-se completamente extrínseca. E isto vai-se replicar em todas as áreas da vida da criança. Além disso, muitas vezes parece que estamos a oferecer à criança uma escolha: eu dou-te o castelo da Barbie se tu conseguires adormecer sozinha durante 10 dias. Mas se ela decide fazer outra escolha, criticamos e julgamo-la. E a criança fica confusa. Afinal, havia uma escolha ou não? Além disso, se queremos relações saudáveis, queremos mesmo um sistema de troca?”
Enfim, também é verdade que não há estratégias infalíveis, como nota uma mãe de três adolescentes, em desespero: “A parte de ajudarem em casa é muito cansativa. Já expliquei que somos uma equipa, e nas equipas todos têm de ajudar. Mas é uma guerra entre o ‘é a tua vez de pôr a loiça na máquina, não é a minha’, etc., etc. Não há nada, em hora nenhuma, em dia nenhum, que eles não refilem e não comparem. Já agradeci, já elogiei, mas foi sol de pouca dura. Há dias em que estou tão cansada que digo ‘Faz porque eu quero’ e pronto.”
Que responde Mikaela? “Três pensamentos: 1 – Em equipa, todos ‘têm de ajudar’, ou todos são igualmente responsáveis para tudo funcionar? 2 – E se deixasse de viver com a expectativa de que eles não deveriam refilar? 3 – E, já agora, “faz porque eu quero” pode ser um argumento bem válido…”

RALHAR SÓ PIORA
Foi a conclusão de um estudo da Universidade de Pittsburgh: quando se ralha a um adolescente, 
o cérebro bloqueia a capacidade de empatia em face 
da crítica e não consegue perceber as razões dos pais. Os investigadores indicam que pode tratar-se de uma forma de proteção e de evitar o conflito, mas a verdade é que, segundo a experiência de muitos pais, é exatamente o contrário que acontece. Mas pronto, agora já sabemos que há uma explicação científica para a ‘surdez’. 

Relacionados

Comportamento

4 apps para ajudar nos estudos

A partir de uma determinada altura, pré-adolescentes e adolescentes querem e devem estudar sozinhos. Mas podem buscar o apoio de  ferramentas no terreno em que eles mais gostam e em que mais lhes dá jeito: nas novas tecnologias.

Comportamento

As crianças andam mesmo a comer demais?

Estamos cada vez mais gordos, cada vez mais novos, mas qual será a verdadeira causa? Fomos investigar (e não, desta vez as avós não têm culpas no cartório).

Comportamento

Como criar uma criança boa num mundo mau

A maioria de nós espera que os filhos sejam bons. Mas será que lhes ensinamos deliberadamente a bondade? E como é que isso se ensina? Recolhemos algumas ideias para criar uma família solidária.

Comportamento

Os bons alunos também são vítimas de bullying

Como protegê-los da inveja? O que é que pais e professores podem fazer para ajudar quem, nos estudos, nunca precisou de ajuda? 

Mais no portal

Diz Quem Sabe

Tudo o que precisa de saber sobre a reabilitação oncológica

Um artigo de opinião assinado pelo médico Énio Pestana, do Hospital CUF Cascais, sobre este tipo de cuidados.

Beleza

Conheça as grandes vantagens dos champôs sólidos

Preparámos também uma lista de produtos que pode incluir na sua rotina de cuidados capilares.

Nas Bancas

Como salvar as suas plantas

Na ACTIVA Verde, já em banca, os conselhos para escolher e cuidar das suas plantas.

Nas Bancas

Este casal mostra-nos como é viver "fora da rede"

Uma casa de madeira foi o início da mudança.

Nas Bancas

Receitas (de chef): desperdício zero

Sabia que está a deitar fora uma das melhores partes dos seus legumes?

Comportamento

A sustentabilidade chegou ao sexo

Conheça quatro formas de ajudar a salvar o planeta entre quatro paredes.

Moda

7 coleções que mostram que a moda sustentável é o estilo do futuro (a começar agora)

Coleções sustentáveis que são um “must-have” para receber o calor

Saúde

Experimentei um copo menstrual pela primeira vez - e foi assim que correu

Nunca é tarde para tomar uma decisão com impacto positivo no ambiente.

Beleza

Saiba como criar uma rotina de beleza mais sustentável

Pequenas mudanças de hábitos podem fazer uma grande diferença no compromisso com a sustentabilidade.

Lifestyle

Faça você mesma: receitas de detergentes ecológicos

Para além destas seis sugestões, partilhamos outros truques que podem ajudar o lar a ser mais "eco-friendly".

Nas Bancas

Activa Verde: é urgente mudar o futuro

Nas bancas!

Saúde

Como qualquer músculo, o cérebro tem de ser trabalhado: Sandra Martins explica-nos como

É possível ter um cérebro à prova de cansaço