Aulas: os bons alunos também têm problemas

Quando as notas são boas, os pais sossegam. E no entanto, por trás de um melhor aluno pode estar uma criança em stress permanente.

O problema é quando o Melhor Aluno se transforma no Perfeccionista, aquele que aparece branco à porta da sala antes do teste de inglês a murmurar: “Não sei nada. Amanhã há teste e não sei nada.” Ao contrário do que possa parecer, dizer: “És parvo, tens sempre tão boas notas, vai correr tudo bem” não ajuda em nada o Perfeccionista. É como dizer a um bebé de 2 anos que não há lobo nenhum escondido debaixo da cama quando ele sabe perfeitamente que lá está um.

O que pode fazer: pegar o touro pelos cornos, quer dizer, enfrentar o problema de frente. Geralmente os perfeccionistas são raparigas. De que é que ela tem medo? De não se lembrar das coisas?

  • Se possível, faça uma revisão da matéria com ela, mas curta e com calma, para não deitar mais achas na fogueira. Lembre-lhe que o teste não é a medida do seu valor, e que gostará dela de qualquer maneira, com boas ou más notas

  • Ensine-lhe a respirar fundo e a olhar à roda no dia do teste: não é só ela que está nervosa. Conte-lhe histórias de si própria, dos seus próprios dias de escola (mas sem entrar em sermões do tipo: “Eu nunca ficava nesse estado, graças a Deus”).

  • E sem a afastar do estudo (os perfeccionistas costumam ficar nervosíssimos quando não têm tempo para acabar decentemente um trabalho de casa…) tente mostrar-lhe que há outras coisas na vida: tire-a de casa, leve-a à praia mesmo de Inverno, compre-lhe um animal, ensine-lhe tricot, leia-lhe livros divertidos, faça-lhe uma massagem antes de adormecer.

Claro que o stress dos testes não afecta apenas os bons alunos, mas também, e principalmente, os que se sentem inseguros. Algumas pessoas chegam a esquecer-se de tudo o que estudaram, a ver hieróglifos em vez de números, ou a entrar completamente em transe em frente da folha.

Alguns psicólogos afirmam que a ansiedade pré-teste é uma fobia social, que corresponde ao medo de ser criticado ou humilhado em público. Claro que, na maioria das vezes, acontece quando se está muito inseguro e a matéria está toda colada com cuspo…

Solução? Lamentamos informar que pôr o livro de inglês debaixo da almofada não costuma ajudar, embora possa acalmar os mais dados ao misticismo. A única solução é mesmo ajudá-lo a fazer um esquema de estudo com antecedência, para que ele não ande sempre com aquela sensação de corda bamba. É preciso começar a impor uma rotina de estudo, mas não esqueça as recompensas, porque um trágico (como aliás qualquer pessoa) reage sempre melhor a estímulos positivos do que a castigos. Fale com a professora, se necessário dê-lhe o apoio de um explicador (que pode mesmo dar apenas algumas lições esporádicas, quando for preciso, só para não derrapar) e comece desde o princípio a treinar-lhe a autoestima, a segurança e os phrasal verbs.

E quando ele não larga a consola?

Um exemplo muito comum a vários pais: para equações não há cabeça, mas para o computador está sempre pronto… O que se percebe, e não é preciso ter 11 anos e ser um taradinho do rato: tudo o que é obrigatório tem sempre muito pouco encanto, comparado com qualquer coisa que não nos exija muito esforço e nos dê prazer.

Solução: não proíba o computador, porque é a maneira de ele relaxar. Toda a gente tem a sua. Alguns relaxam a ver a telenovela, outros a ler a ‘Caras’ e outros com jogos de consola. Dê-lhe um prazo e depois acompnhe-o nos trabalhos de casa, porque geralmente este é do tipo de ficar de olhos em alvo pairando por cima do caderno de História sem ler uma única linha. Com alguns, pode ajudar aproveitar o computador como uma ferramenta de estudo, incentivá-lo a pesquisar alguns sites (como o http://www.infopedia.portoeditora.pt/) e a trocar impressões com outros grupos, e comprar-lhe CD-Roms educativos de computador. Tudo isto pode ser uma boa ajuda para quem se mexa bem em informática, mas não deve substituir o estudo tradicional, se possível longe do computador ou pelo menos com o ecran apagado.

Quando ele não levanta vôo…

Como dizia alguém, imagine que vai todos os dias para um avião, carregado de malas pesadas, que se senta e aperta o cinto e fica ali o dia todo a ouvir as instruções de segurança sem levantar nem aterrar, sem ir a lado nenhum… É assim que se sentem muitos adolescentes. Aos seis anos quase toda a gente gosta de andar na escola porque tudo aquilo é novidade e o prazer da descoberta é diário. Aos 11, há quem já esteja desenganado da vida. Mas não gostar da escola continua a ser terível.

Também há o aluno ‘nem 8 nem 80’. Há quem não se preocupe: afinal, se ele não é um génio, também não tira negativas. É aquilo: anda ali nos 3 (ou nos 13, conforme a idade) e isso basta-lhe. Aqui o importante não é desatar a dizer-lhe coisas como “Se não tens cuidado ainda acabas arrumador de carros como o filho da D. Drusila”, mas investigar por que é que ele não se esforça mais um bocadinho. A escola pode ser chata? Pois pode, mas todos nós passámos por isso… Se ele não tem a sorte de ter professores dedicados e imaginativos, olhe, ensine-lhe que isso é uma lição de vida: nem sempre as coisas correm como nós queremos, e há testes que temos mesmo que fazer, mesmo que não nos apeteça nada. Conte-lhe histórias dos seus próprios professores. Isto mostra-lhes que não estão sozinhos, que os pais já passaram por isso e que os compreendem.

Pode ajudar fazer com ele um plano de vida, dar algum objectivo aquele deserto todo: para que é que ele está a estudar? O que é que quer estar a fazer daqui a 10 anos? Claro, se ele disser ‘sei lá’, ou ‘no circo a andar de trapézio’, ou ‘mas eu quero mesmo é ser baterista’ a coisa pode ficar complicada, mas mesmo assim não desista. Mostre-lhe o mundo, leve-o ao sítio onde trabalha e tente que tenha contacto com outras profissões, na prática e não de maneira mística. Conhece algum biólogo, advogado, electrotécnico, nutricionista, desenhador? Apresente-lhe as pessoas, deixe-o investigar e investigue com ele, vá direccionando sem impor nada, segundo os gostos dele. A família inteira é médica mas ele decidiu ser baterista? Olhe, acontece aos melhores. E mesmo os bateristas têm de saber alguma coisa de biologia para serem bateristas cultos, interessantes e dizerem coisas acertadas nas entrevistas.

Entretanto, interesse-se pela vida dele, dentro e fora da escola. Especialmente fora. E para animar o seu Desanimado, leve-o ao cinema, a jogar futebol ou simplesmente ao café da esquina. E não deixe que ele esqueça as datas dos testes.

Não deixe que percam o pé

“Ai onde é que eu pus o meu livro de História… Alguém viu os apontamentos de inglês? Esqueci-me outra vez de fazer os trabalhos de casa… Ah o teste de matemática era hoje?” Ter em casa um desarrumado em último grau, um desarrumado-mental, pode ser enervante. Mas nem pense em ir lá arrumar as coisas por ele, nem exigir que tenha os livros e os cadernos muito arrumadinhos. Pode tentar um mapa grande para ele pendurar na parede e marcar as datas dos testes, mas um desarrumado que se preze, mesmo que as tenha lá muito bem sublinhadinhas a rosa-choque e cor de laranja psicadélico, nunca se vai lembrar de lá ir verificá-las.

O melhor a fazer é, já que não pode vencê-lo, juntar-se a ele, quer dizer, verificar o que é que, dentro daquele caos, funciona melhor. Há desarrumados que sabem muito bem onde têm tudo. Se ele tem boas notas, deixe-o trabalhar da maneira que quiser, mesmo que isso lhe faça os nervos em compota de morango. Se ele se arrisca a perder o pé, dê-lhe algum apoio de perto, estabeleça uma rotina de estudo, e, mais importante que tudo, desligue a televisão pelo menos enquanto ele faz os trabalhos.

Pois, os trabalhos. E quando se pergunta: “Então já fizeste os trabalhos?” e ele responde, demasiado imediatamente para ser verdade: “Já”? Más notícias: para quem não está habituado, criar o hábito de ‘despachar’ os trabalhos assim que se chega a casa pode ser um processo lento, e fazê-los compreender que o trabalho vem antes do prazer uma dolorosa lição de vida.

  • Habitue-os a fazer os trabalhos a uma hora fixa, mas a hora depende deles. Há crianças que preferem despachar logo tudo e outras que precisam de uns minutinhos para descontrair. Mas tente que se habituem a fazer os trabalhos antes do jantar, porque com sono já ninguém se concentra em nada.

  • Acompanhe a princípio, mas não faça os trabalhos por ele. Pode é estar perto e ensiná-lo a usar algumas ferramentas: dicionários, internet.

  • Se o seu aluado continua a mentir sobre os trabalhos, simplesmente páre de lhe perguntar se já fez os trabalhos. Em vez disso, pergunte como vai a escola, se tem tido dificuldades, se precisa de ajuda. Algumas crianças trabalham melhor sem o stress de um adulto sempre em cima. Fale com os professores para saber se os alunos não têm trabalhos a mais.

  • Passe mais tempo com ele, e fale de outras coisas que não a escola, ou ele passará a achar que os pais são aqueles chatos que só aparecem para lhe cobrar os trabalhos. E olhe, se ele tiver uma negativa, ensine-o a tirar daí as devidas consequências. Às vezes, é mesmo preciso aprender sozinho.

Filho de peixe não tem de saber nadar

Acima de tudo, não stresse, mesmo que não reconheça na sua criança o aluno que você foi ou que gostaria que ele fosse. Há quem, mal deixe as fraldas, já tenha de ser o melhor do infantário. Os pais stressam com tudo: ou porque ele ainda não sabe escrever o nome e os filhos dos amigos já lêem o ‘Harry Potter’ ou porque ele só teve um miserável ‘Bom’ no teste de português, ou… O discurso é sempre o mesmo: “Tens de te esforçar mais se queres entrar para economia como o teu pai.” Ele nem sequer está assim muito interessado em economia, preferia muito mais que o deixassem sossegado a tirar o que quer que fosse sem números ou a passear com os amigos… O pressionado precisa acima de tudo que os pais não façam depender o seu amor das notas que tira na escola e que não lhe imponham todos os seus sonhos por cumprir. Não admira que tenha geralmente más notas ou que, tendo boas notas, ande a cair pelos cantos com um ar de executivo de 50 anos. Aqui a solução é mesmo deixá-lo à solta, e dar-lhe atenção sem mencionar uma só vez a palavra escola. Ele perde-se? Deixe estar. Volta a encontar-se, mas isso tem ele de fazer sozinho.

Como ajudar os filhos

– Cultive um atitude optimista. Lembre-lhe aquilo em que ele é bom para o encorajar nos pontos mais fracos.

– Recompense e elogie os esforços mais do que os resultados.

– Estabeleça objectivos. Ninguém estuda no nada.

– Ajude-o a conhecer-se. Quais são os seus pontos fracos, e porquê? Como é que pode melhorar?

– Ajude-o a perceber que tudo tem solução e nada é uma fatalidade, que ter nega a matemática não é uma coisa imutável como ter os olhos azuis ou castanhos, e que o esforço e o optimismo conseguem tudo.

– Encoraje-o a pedir ajuda quando precisar. Assim evitará que se dê conta das dificuldades quando já é demasiado tarde.

– Dê-lhe mimo, verifique se ele descansa, se tem tempo para brincar e para espairecer, se não tem actividades extra a mais, se anda feliz, se tem interesses na vida.

– Esteja em contacto com os professores, saiba o que se passa na escola.

Relacionados

Comportamento

Piercings - Cuidado com os furos

Estão na moda há vários anos, e são cada vez mais usados por adolescentes à procura de uma imagem alternativa e arrojada. Mas, antes de deixar o seu filho fazer um, há que ter alguns cuidados

Comportamento

Sabia que o seu filho pode ser um hacker do futuro?

Quando um estudo recente revela que 67% dos jovens entre os 15 e os 18 anos de idade já realizaram actos de pirataria informática... é normal qualquer pai ficar preocupado. É que a nova geração parece inclinada para usar os seus conhecimentos informáticos da pior maneira possível.

Comportamento

Como aumentar a confiança do seu filho

Gostava que o seu filho fosse bom aluno? Pois, não é só o estudo que conta. Está provado que crianças confiantes e autónomas são crianças mais felizes e com melhores rendimentos escolares. Mas para que isso aconteça, o seu papel é essencial.

Comportamento

50 coisas que fazem as crianças felizes

Algumas já as fazíamos em pequeninos, outras são ideias recentes. Mas há milhares de actividades simples que as crianças continuam adorar, e que não dão trabalho nenhum. Pelo menos 50 dias de brincadeira estão garantidos.

Comportamento

Shopping: regresso às aulas

Tudo o que os seus filhos precisam para regressar às aulas, a preços muito acessíveis, de roupa a material escolar.

Comportamento

Mochilas: como evitar que prejudiquem as costas dos mais pequenos

No regresso às aulas, a mochila é o acessório principal. No entanto, há que ter atenção à sua escolha para evitar que as crianças transportem demasiado peso nas suas costas

Comportamento

As crianças não se medem aos palmos

A sociedade valoriza os mais altos, mas a ansiedade dos pais face a filhos mais baixos raramente se justifica. Guarde a fita métrica e relaxe.

Comportamento

Como falar de sexo com adolescentes

A sexualidade juvenil é como uma tempestade: um turbilhão de emoções confusas e indomáveis. Com a ajuda de Eunice Neta, psicoterapeuta especialista em adolescentes, tentamos perceber como lhes falar de sexo sem dramas

Comportamento

As filhas precisam das mães

Quando as raparigas crescem continuam a precisar de carinho e apoio materno. Mas será que as mães sabem dá-lo nas doses certas?

Comportamento

Saídas à noite, o inferno dos pais

Quando começam as saídas nocturnas dos seus filhos, qual a melhor atitude a tomar?

Comportamento

Proteja o seu filho na Internet

Conhecer a linguagem que o seu filho usa na 'net' pode fazer a diferença na hora de detectar abusos

Comportamento

Jovens começam a beber cada vez mais cedo

A iniciação ao alcool começa agora aos 14 anos e há cada vez mais jovens com problemas graves de alcoolismo

Comportamento

Confissões de pais de adolescentes

Como é que um homem se relaciona com filhos a treinar para adultos? Três pais contam-nos como lidam com as saídas à noite, os primeiros namorados e outras dores de crescimento

Comportamento

Novas drogas - sabe o que o seu filho anda a tomar?

Haxixe, cocaína, LSD, Ecstasy... As substâncias psicoativas são consumidas em diferentes contextos, muitos dos quais o seu filho tem acesso. Mas será que é capaz de avaliar se esse é o caso?

Comportamento

O que aconteceu à minha Voz?

É motivo para risinhos e alguns embaraços, mas, mais do que isso, a mudança de voz é um marco simbólico da entrada na adolescência.

Mais no portal

Diz Quem Sabe

Tudo o que precisa de saber sobre a reabilitação oncológica

Um artigo de opinião assinado pelo médico Énio Pestana, do Hospital CUF Cascais, sobre este tipo de cuidados.

Beleza

Conheça as grandes vantagens dos champôs sólidos

Preparámos também uma lista de produtos que pode incluir na sua rotina de cuidados capilares.

Nas Bancas

Como salvar as suas plantas

Na ACTIVA Verde, já em banca, os conselhos para escolher e cuidar das suas plantas.

Nas Bancas

Este casal mostra-nos como é viver "fora da rede"

Uma casa de madeira foi o início da mudança.

Nas Bancas

Receitas (de chef): desperdício zero

Sabia que está a deitar fora uma das melhores partes dos seus legumes?

Comportamento

A sustentabilidade chegou ao sexo

Conheça quatro formas de ajudar a salvar o planeta entre quatro paredes.

Moda

7 coleções que mostram que a moda sustentável é o estilo do futuro (a começar agora)

Coleções sustentáveis que são um “must-have” para receber o calor

Saúde

Experimentei um copo menstrual pela primeira vez - e foi assim que correu

Nunca é tarde para tomar uma decisão com impacto positivo no ambiente.

Beleza

Saiba como criar uma rotina de beleza mais sustentável

Pequenas mudanças de hábitos podem fazer uma grande diferença no compromisso com a sustentabilidade.

Lifestyle

Faça você mesma: receitas de detergentes ecológicos

Para além destas seis sugestões, partilhamos outros truques que podem ajudar o lar a ser mais "eco-friendly".

Nas Bancas

Activa Verde: é urgente mudar o futuro

Nas bancas!

Saúde

Como qualquer músculo, o cérebro tem de ser trabalhado: Sandra Martins explica-nos como

É possível ter um cérebro à prova de cansaço