iStock-512083847.jpg

*artigo publicado originalmente em dezembro de 2017

Vera tem 32 anos, está com o João desde os 20, e são casados há 8. E perceberam uma coisa que quase todos os casais percebem: que o casamento muda quando se tem filhos. “Quando eu estava grávida da minha segunda filha, descobri que o meu marido andava a trocar umas mensagens com outra pessoa. Não passou disso, mas fiquei magoada.” Foi a gota de água numa relação já desgastada. “Estava cansada por duas gravidezes sucessivas, e a educação do primeiro filho também estava a dar discussões, porque as mães querem sempre ter o bebé debaixo da asa e os homens são mais desligados, e o segundo bebé veio piorar as coisas. Houve uma altura em que quebrei, disse: ‘Estou farta disto, de ti, dos bebés, de tudo’. E foi o João que insistiu em procurar ajuda.” Como escolheram um terapeuta? “Olhe, fomos ao Google e escrevemos ‘terapeuta de casal, Oeiras’ (risos). Depois pesquisámos as referências dos nomes que apareceram e escolhemos uma pessoa que achámos competente.”

O futuro é que importa

Ao contrário do que estavam à espera, a primeira entrevista não foi ‘junta’, mas ‘separada’: “A terapeuta queria decidir se tínhamos condições para fazer terapia de casal, em conjunto, ou se precisávamos de terapia individual. E achou que tínhamos condições para continuar juntos, não estávamos era a conseguir gerir algumas situações.”

O processo também não foi como esperavam: “Apresentámos o problema e ela dissecou-o, mas não quis falar do passado. Agarrou-se ao presente e ao futuro. ‘As mensagens com uma amiga? Isso foi no passado, não interessa. Mas não podemos falar? E vamos falar para quê? Já sabemos que a entristeceu, agora vamos falar do futuro.”

Todas as semanas havia ‘trabalho para casa’: eram ‘exercícios’ como ‘digam-me 10 coisas que vos chateia um no outro’. Na sessão seguinte, os ‘exercícios’ eram discutidos, e depois cada um abdicava de três. “E aquilo de facto ajudava-nos a resolver os problemas”, recorda Vera, “porque o fazíamos como quem toma um remédio. O que quer que ela nos mandasse fazer, nós confiávamos e cumpríamos.”

Claro que, como em todos os TPC, havia alturas em que não apetecia nada fazê-los. Mas faziam. “Um dia a terapeuta mandou-nos deixar os miúdos com os avós e irmos só os dois num fim de semana romântico. Nós estávamos muito zangados, muito infelizes, nem falávamos um com o outro, não estávamos nada dispostos a escapadinha nenhuma. Mas fomos. Para um hotel, só os dois, sem crianças. E foi muito bom, correu muitíssimo bem.”

As sessões também começaram a correr melhor e a relação a melhorar. “Íamos discutindo o que estava mal. Se havia um assunto que causava muita fricção, a terapeuta dizia: ‘Vão-me prometer que não falam deste assunto em casa porque neste momento não se conseguem entender. Portanto, neste momento isso é tabu’. Isso funcionava, porque dantes fartávamo-nos de discutir e nada se resolvia. Mas em terapia acabávamos por chegar a um acordo.”
Houve situações em que um deles teve de ceder: “Por exemplo, para mim, agora é importante estar no controlo, porque me senti traída. Saber onde é que ele está e ter acesso às passwords dele ajudou-me.”

Nós dois outra vez

A terapia durou um ano, com sessões que começaram por ser semanais e depois quinzenais, até haver ‘alta’. “Agora recomendamos a terapia de casal a vários casais que têm filhos pequenos e estão em crise. Acho que o Serviço Nacional de Saúde devia comparticipar isto, pela paz no mundo.” (risos).

O que aprenderam de mais importante: “A ouvir o outro e a interpretar corretamente o que ele diz. Não tomar as nossas verdades como absolutas. Não nos anularmos como pessoas: agora vou ao ginásio, ao cabeleireiro, vou tratar das unhas, e não é por eu passar uma hora a tratar de mim que o meu filho vai ficar infeliz.” E outra coisa que as mulheres têm imensa dificuldade em fazer: de vez em quando, deixar os filhos com alguém. “Há uns tempos fomos os dois uma semana para o Brasil, e foi o melhor que podíamos ter feito. Sermos nós dois outra vez. A avó dá-lhe bolachas e deixa-o ver televisão? Não vão morrer por causa disso. Claro que continuamos a ter discussões, mas aprendemos a lidar com isso. E também sabemos que se acontecer alguma coisa crítica temos a quem recorrer. Isso é uma grande segurança.”

Muro de fronteira

Marta e Bernardo, 44 anos, eram colegas de trabalho e casaram rapidamente depois de apenas alguns meses de namoro. Não era o primeiro casamento para nenhum deles. “Já tinha casado duas vezes antes”, conta Marta. “Também fiz terapia no casamento anterior, mas foi totalmente diferente, porque queria mesmo terminá-lo. Queria era ajuda para o terminar a bem. E foi o que aconteceu.”

Desta vez, não queria acabar. Queria consertar uma relação que tinha começado logo mal. “Aceitei o pedido de casamento do Bernardo mais por achar que não seria bem-visto no escritório estarmos a viver juntos do que por ser essa realmente a minha vontade. Era um ambiente bastante formal e conservador. O contrato de arrendamento dele também estava a terminar, e isso ajudou. Mas o Bernardo tem uma forma de ser totalmente diferente da minha. Eu gosto de conversar, ele é calado, eu adoro música, ele não, eu gosto de comédias, ele de filmes de ação. A única coisa que nos une é que adoramos viajar. E atrai-me a inteligência dele e o facto de ser uma ótima companhia (quando quer). Mas nós não comunicávamos, eu queria conversar e ele calava-se, havia um muro de silêncio cada vez mais intransponível. Isso tornava-me muito insegura, fazia imensos filmes na minha cabeça.”

A relação já estava bastante mal quando decidi tentar a terapia. “Foi a minha mãe que me alertou para as nossas dificuldades e que me deu o contacto da Margarida Vieitez. Na primeira sessão, o Bernardo não queria ir e atrasou-se imenso, mas ela foi impecável. Ficou sentada, impávida, à espera dele durante uma hora e meia até que ele finalmente apareceu. Nunca lhe poderei agradecer suficientemente. Acho que se ela se tivesse ido embora, ele não teria voltado.”

“Ela abriu a porta e eu segui-a”

Se o Bernardo ia de pé atrás, rapidamente percebeu que a terapeuta não estava contra ele: pelo contrário. “Nós dois falávamos línguas diferentes e a terapeuta foi a tradutora numa linguagem comum”, explica Marta. “Eu sentia que havia um muro entre nós. Mas ela ajudou-o a falar, a dizer coisas que de outra forma não conseguiria dizer. Ele sentiu-se livre para falar. Abriu a porta, ela entrou, e eu seguia-a. Cada um entrou no mundo do outro. Ali, ele falou da infância e eu percebi por que é que ele era assim, e percebi que gostava de mim a sério. E tinha receio de que, se eu soubesse tudo sobre ele, o ‘mandasse embora’. Eu disse-lhe que estávamos casados e que nunca ‘o mandaria embora’.”

Foi preciso muito trabalho para equilibrar dois temperamentos opostos. “Eu preciso de falar, ele precisa de silêncio. E quando nos aborrecía-mos dizíamos as primeiras porcarias que nos vinham à cabeça, de propósito para magoar o outro. Isso criava situações de muita mágoa que depois ficava por resolver.”

A terapeuta também ajudou o Bernardo a perceber que a vida, quando alguém se casa, não pode ser igual à vida que tinha quando vivia sozinho. “Eram exemplos tão simples como, se já dissemos a alguém que vamos jantar com eles, temos de ir, não se pode de repente desmarcar tudo só porque a ele não lhe apetece.” As zangas por resolver acumulavam-se. “Às vezes estava comigo e de repente zangava-se e saía de casa. Chegava a ficar dias em casa da mãe. Não há nenhum relacionamento sem desentendimentos, mas as pessoas têm de continuar a respeitar-se, mesmo furiosas. Eu cheguei a atirar com água ao Bernardo quando ele fingia que eu não existia.”

Em paz com o silêncio

“Em terapia, aprendemos a não dizer nada que pudesse magoar o outro”, explica Marta. “Aprendemos técnicas para controlar o que dizemos. A Margarida Vieitez ensinou-nos a respeitar, em vez de fazer o possível para chatear. E isso ajudou-nos imenso. Quando discutíamos, perdíamos a cabeça, só queríamos era ferir o outro, mas isso só piorava tudo.”
A terapia ajudou também a que cada um dos dois se conhecesse melhor enquanto pessoa. “Um casal é feito de duas individualidades. E acabei por saber quais eram as minhas necessidades, e a perceber, num dado momento, quem é que precisa mais que as suas necessidades sejam respeitadas.”
Também percebeu que ninguém pode obrigar ninguém a falar. Mas que ambos os lados podem viver em paz. “Basta que ele me diga ‘Estou aborrecido, mas não tem nada a ver contigo, não é nada de grave e não me apetece agora falar sobre isso’, e eu relaxo. Mas um muro de silêncio é difícil de escalar.”

(entrevista de julho de 2017)

Relacionados

Comportamento

Afinal, o que faz um bom beijo?

Este momento mais íntimo. E não é só erótico: estudos mostram que pode até salvar vidas.

Comportamento

O que é preciso para ter (e ser) um super marido

Claro que é possível triunfar (o que quer que isso signifique) sozinha. Mas é muito mais fácil se tivermos alguém que nos apoie. Descobrimos o que é preciso para ter – e ser – um super-companheiro de vida.

Comportamento

12 coisas que eles mudariam na relação

Pequenas implicâncias que não matam, mas moem. O que fariam eles desaparecer se lhes dessem uma varinha mágica e um desejo para concretizar?

Comportamento

Como não odiar o marido depois de ter filhos

O título não é nosso, mas de um livro escrito por uma jornalista americana que, após tempos conturbados no casamento, decidiu pôr no papel várias estratégias (de terapeutas e até um negociador do FBI dá o seu contributo) para pôr fim à guerra-fria lá de casa.

Mais no portal

Moda

Parfois: 10 malas a menos de 20 euros

Confira algumas das melhores opções para combinar com os seus visuais.

Celebridades

Emily Ratajkowski acusa fotógrafo de a assediar quando tinha 20 anos

Desde que a modelo revelou a história ao mundo, uma outra celebridade diz ter vivido um episódio semelhante com a mesma pessoa.

Lifestyle

Clube do Livro Finanças de A a Z: "A Poupança no Feminino"

No novo episódio da rubrica Finanças de A a Z estreio um espaço mensal onde vou deixar algumas sugestões de livros úteis para a educação financeira de miúdos e graúdos.

Woman washing her hair in shower
Beleza e Saúde

4 motivos pelos quais não devemos lavar o rosto no duche

Dermatologista explica o porquê e ainda deixa algumas dicas.

Lifestyle

Livro da semana: "A Quinta" inspira-se nos sacrifícios que mulheres fazem pelos que mais amam

Um livro de Joanne Ramos, publicado pelas Edições Saída de Emergência.

Beleza e Saúde

Pasta de dentes nas borbulhas: sim ou não?

Será este um mito ou haverá algum fundamento?

Celebridades

Kelly Clarkson diz que o divórcio a apanhou de surpresa

A artista foi casada com Brandon Blackstock durante sete anos.

LONDON, UNITED KINGDOM - NOVEMBER 09: (EMBARGOED FOR PUBLICATION IN UK NEWSPAPERS UNTIL 48 HOURS AFTER CREATE DATE AND TIME) Prince Andrew, Duke of York attends the opening the Francis Crick Institute by Queen Elizabeth II on November 9, 2016 in London, England. The Francis Crick Institute will be a world leading centre of biomedical research. (Photo by Max Mumby/Indigo/Getty Images)
Celebridades

Príncipe André é "viciado em sexo", alega livro

A obra contém testemunhos de várias mulheres que afirmam ter mantido relações com o membro da realeza britânica, através do contacto de Jeffrey Epstein.

Moda

Tezenis lança coleção cápsula inspirada em famosa série da Netflix

Várias peças com um toque de 'nuestros hermanos'.

Moda

Nova marca de moda sustentável chega ao Porto

A aposta é na seda e no tingimento natural.

Inspirações

Alba Batista e a beleza interior: "reflete-se no olhar"

A atriz é a estrela da produção de capa da ACTIVA de setembro.

Beleza e Saúde

Nutrição: 5 mitos que podem estar a arruinar a sua saúde

Saiba como adotar uma dieta mais "descomplicada".