20150506ActivaEduardoSa046_bx.jpg

GONCALO F SANTOS

Um estudo realizado pela Netsonda em parceria com o psicólogo e professor Eduardo Sá revelou recentemente que 94% das famílias portuguesas se consideram imperfeitas, com cerca de 70% a admitir que passa pouco ou nenhum tempo em família. O Prof. Eduardo Sá respondeu a algumas dúvidas da ACTIVA em torno deste problema, que é mais profundo do que aparenta: para lá dos portugueses se sentirem infelizes com a sua prestação enquanto pais, encontramos estereótipos em torno do papel da mulher.

Como é que explica que 83% das mulheres ainda sejam as cuidadoras do lar sendo que os homens estão equiparados a outros, podendo esta categoria representar avós ou até empregados domésticos?

O Estudo de Limiano sobre as Famílias Portuguesas ajuda-nos a compreender que, por mais que a paridade das tarefas na família seja reclamada por todos, parece existir uma clara posição secundária do pai em relação à divisão das tarefas relacionadas com a família e com a casa. Esta preponderância, a valer por si, leva-nos a perguntar se as famílias portuguesas não serão, efetivamente, matriarcais. E se a mãe não acabará por ter o papel de “coluna vertebral” na dinâmica da própria família. Mais do que, à primeira vista, se supunha. A maternidade parece transformar famílias modernas, em muitos aspetos, em famílias tradicionais. A ser assim, sem a mãe no seu exercício de funções, a família corre o risco de desmoronar ou de colapsar. O que, de seguida, nos obrigará a perguntar o que é que pode gerar esta divisão de funções entre os pais, mesmo nas gerações mais novas: será a maternidade o fator de “reorganização” familiar que leva a que a divisão de tarefas passe por mudanças significativas? Serão as funções materna e paterna mais “poderosas” que a paridade social entre as mulheres e os homens, a ponto de os “empurrar”, a uns e a outros para papéis mais ou menos ancestrais que contrariam a sua formação e aquilo que, em consciência, considerariam mais correto? E pode este compromisso materno com a família, para além de todos os ónus que lhe traz, corresponder a um fator que a orgulha e que – mesmo sentindo-se exausta e consumida por tantas exigências, e prejudicada, em muitos momentos, em termos profissionais – lhe traz ganhos no seu amor próprio que suplantam tudo aquilo que lhe exigem? E será a posição do homem comodista ou facilitista (como, por vezes, se sugere) ou, pelo contrário, o sobreinvestimento no trabalho não pode, também, representar um “espírito de missão” a bem das necessidades da própria família? Ou seja, terão as famílias mudado tanto quanto todos imaginávamos? Por mais diferentes que sejam, não serão as famílias muito “iguais” aquilo que eram?

2. As grandes preocupações das famílias com filhos têm como principais pontos os filhos e apenas no final manterem-se unidos. De que forma é que o facto de os objetivos pessoais não serem equacionados na mesma medida pode influenciar a concretização pessoal de cada elemento do casal (adultos)?

Os pais reconhecem, muitas vezes, que educar é difícil. E é. Porque exige escolhas e ideias esclarecidas sobre o caminho que se lhes deve dar. Sensibilidade e bom senso. “Espírito guerreiro” e “força tranquila”. Abertura à mudança e compromisso com a história. Liberdade e autoridade. Espírito de família e singularidade. Mas, unicamente, quando se considera a relação dos pais com os filhos. Agora, quando se englobam as características individuais de cada um dos pais, os seus sonhos e os seus projetos, e – mais importante, ainda – a relação dos próprios pais entre si, o grau de dificuldade duma família é um desafio tremendo, todos os dias. Manter uma família unida ao mesmo tempo que alimenta os objetivos de cada um e a relação de todos com todos não é, mesmo, nada fácil. O amor dos pais, a família e os filhos são três realidades com agendas próprias que colidem, muitas vezes, e que deviam merecer uma hierarquia de preponderância na vida de todos os dias por esta ordem de importância.

Como é que se explica que “mas qualidade de vida” e “mais tempo em família” sejam necessidades mais importantes de suprir para estes indivíduos do que ter um bom emprego?

Porque “mais tempo em família” e “mais qualidade de vida” acabam por ser aquilo que nos dá vida. Ao pé das quais “um bom emprego” deixa de ser, bem vistas as coisas, “um bem de primeira necessidade”. Mais família será (muito mais do que um bom emprego) sinónimo de mais qualidade vida. Não nos devíamos de esquecer disso tantas vezes.

Como é que se justifica a diferença entre a forma como homens e mulheres veem a boa utilidade do seu tempo? Os homens consideram que é com a sua companheira/o e as mulheres com os filhos…Poderá haver aqui uma distinção de prioridades? Como lidar com essa diferença?

A mim parece-me que a prioridade à sua companheira, por parte dos homens, representa uma primazia correta. A dúvida passa, unicamente, por nos esclarecermos se esta prioridade não surge porque os filhos acabam por estar cuidados. Seja como for, este desencontro de prioridades, a ser assim, corre o risco de fazer dos filhos, contra a vontade de todos, os melhores amigos dos desencontros dos pais. E, se for assim, dá que pensar.

Há mais mulheres a considerarem-se “muito boas mães” do que homens. Poderá estar ligado ao impacto que têm na vida dos seus filhos? Maior participação igual maior prestação?

As mães são, secretamente, muito vaidosas. E isso é ternurento. Mas, no fundo, é, inequivocamente, verdade. Já viu como as mães dormem, meses a fio, em suaves prestações de duas horas. Depois de serem mães, nunca mais se sentem “donas” de si. É lhes exigido que se desdobrem em inúmeras funções. Têm de compatibilizar tarefas familiares e compromissos profissionais. E, no fim, ainda conseguem ter um sorriso bondoso rasgado e luminoso? Como é que, diante de tudo isso, seria admissível que fossem outra coisa que não “muito boas mães”?

O estudo indica que 94% dos pais não se consideram perfeitos. A imperfeição pode estar de mãos dadas com algum sentimento de culpa? Como gerir essas emoções?

O estudo Limiano aponta-nos um número, mas o que sabemos é que a imperfeição humana é um património da Humanidade. E quanto mais ela nos leva a sentir que somos imperfeitos mais a culpabilidade nos aguça o engenho de sermos melhores, todos os dias.

De que forma é que as famílias podem adaptar as “frustrações” demonstradas no estudo em pontos positivos da sua vida?

Reconhecendo que nos tornamos bons pais quando – um pouco como com os antibióticos – aprendemos a fazer uma asneira de oito em oito horas. E a aprender com elas.

Palavras-chave

Tempos difíceis exigem a melhor informação

Tempos difíceis exigem a melhor informação É por isso que a Trust in News decidiu oferecer um pack mensal de revistas digitais a um preço simbólico: €9,90 por 9 revistas: VISÃO, VISÃO História, VISÃO Júnior, VISÃO Saúde, Jornal de Letras, Exame, Courrier Internacional,  ACTIVA e Exame Informática. Para ler no seu smartphone, tablet ou computador, facilmente e em sua casa. Está garantida uma boa leitura para toda a família! #euleioemcasa Saiba mais

Relacionados

Comportamento

O que as crianças devem saber antes da adolescência

Pedimos à jornalista e escritora Isabel Stilwell, coautora, com Eduardo Sá, do livro sobre parentalidade ‘Os Dias do Avesso, mãe de três filhos e avó de seis netos, que partilhasse connosco os seus princípios ‘básicos’ de educação.

Comportamento

Entrevista a Eduardo Sá: "As mães têm sete sentidos"

O psicólogo tem um livro novo - "Querida Mãe" (Ed. Lua de Papel) - que, apesar da doçura do título, apela aos pais – e mães - para que assumam o seu papel. Diz que as crianças não são tão complexas que mereçam programas educativos e que não devemos viver para os filhos. Defende a brincadeira, a alegria, e o esforço. E também diz que o melhor do mundo continuam a ser… as mães.

Comportamento

Eduardo Sá: Entre a escola e namorar, é muito mais importante namorar

Como estamos a educar as crianças? E o que podiamos estar a fazer melhor? O psicólogo Eduardo Sá explica.

Mais no portal

Moda

Parfois: a mala do verão a menos de 8 euros

Não há como não adorar os saldos.

Celebridades

5 celebridades que taparam tatuagens relativas aos "ex"

Quando o amor chegou ao fim, estas caras conhecidas decidiram dar uma nova vida às memórias que tinham pintadas no corpo.

Beleza e Saúde

Coronavírus: Casados há 53 anos, morreram de mãos dadas, no mesmo dia

Falamos de um casal do Texas, de 80 e 79 anos, internados por pouco mais de uma semana.

Celebridades

Atriz portuguesa estreia-se como protagonista em série da Netflix

Após Nuno Lopes dar que falar em "White Lines", voltamos a vez uma cara portuguesa num papel de destaque no serviço de streaming.

Beleza e Saúde

O mundo é um lugar estranho, portanto experimentei fazer Reiki — e acabei em lágrimas

Aqui, a cura faz-se pelas mãos e, mesmo sem toques, é impossível não nos sentirmos tocados por esta experiência libertadora.

Lifestyle

Livro da semana: "Uma Gaiola de Ouro", uma história que é um grito feminista

Um livro de Camilla Läckberg, publicado pela Suma de Letras.

Inspirações

10 inventoras negras que tornaram as nossas vidas bem mais fáceis

Sem o espírito de inovação e de empreendedorismo de cada uma destas mulheres, estas 10 invenções poderiam nunca ter existido.

Lifestyle

Vídeo viral mostra como picar um dente de alho em 10 segundos

Quer a cozinha seja ou não o seu forte, esta técnica promete facilitar o processo.

Lifestyle

4 dicas de poupança financeira para mulheres empreendedoras

No primeiro episódio da rubrica Finanças de A a Z, deixo algumas sugestões para criar um negócio e potenciar o seu crescimento.

Celebridades

Em tempos de pandemia, foi assim que Khloé Kardashian celebrou o aniversário

O evento teve direito a máscaras personalizadas - mas não só.

Celebridades

"Arranjem um quarto" - Olivia Culpo responde à letra a comentário da mãe do namorado

A modelo publicou uma fotografia em que surge a beijar o companheiro e a resposta que deu à sogra já se tornou viral.

Inspirações

Normalizar corpos normais: o movimento que se tornou viral

Pessoas de todo o mundo têm partilhado imagens dos respetivos corpos, de modo a provar que é normal sermos diferentes.

€2,95 por edição 20% desconto  

Papel