6404420503_5cbc6f47b6_b.jpg

D.R.

Quer acredite, pesquise no Google ou esteja em negação, os números não mentem: os Millennials fazem pouco sexo. Menos do que qualquer outra geração.

Um estudo britânico, publicado na revista científica Archives of Sexual Behaviour, conclui que as pessoas que nasceram entre 1981 e 1999 têm menos atividade sexual do que os seus pais e avós tinham com a mesma idade. Aliás, o trabalho refere que um em cada oito homens com 26 anos ainda é virgem, e que 1/3 dos homens estadunidenses com idades entre os 18 e os 29 anos não fizeram sexo de todo em 2018.

E os Millennials não estão sozinhos. As estatísticas sobre o comportamento sexual dos adolescentes da Geração Z (a coorte demográfica que se segue) indicam que cerca de 60% deles serão virgens quando completarem o ensino secundário. Uma inversão total da realidade dos seus pais (Geração X) nos anos ’90, quando a maioria dos adolescentes tinha relações sexuais pela primeira vez antes de terminar o 12º ano.

17795763_441348032874556_6521444878090647627_n.jpg

Susan Wenzel, terapeuta sexual

D.R.

Afinal, o que se passa?

O estudo descreve os Millennials como viciados no trabalho, que vivem em ambientes urbanos com uma menor comunidade que os ajude com as tarefas diárias. Além disso, casam-se menos e têm mais responsabilidades financeiras que as gerações anteriores. Tudo isto traduz-se no facto de terem menos energia para gastar entre quatro paredes.

Além disso, aquela que em tempos foi considerada a ‘geração das curtes’ devido à popularidade das apps de encontros, afinal têm nelas um revés psicológico que os torna mais ansiosos em relação ao seu desempenho no quarto.

“Eles podem partir do princípio que os parceiros têm muita experiência sexual porque estão online, no Tinder ou em qualquer outra aplicação, portanto levam essa ansiedade relacionada com a performance para o relacionamento e, por conseguinte, não conseguem ser genuínos,” explica a terapeuta sexual Susan Wenzel ao CityNews.

Esta ansiedade aliada à oferta imensurável de pornografia gratuita resulta na tempestade perfeita para a falta de intimidade. Wenzel sublinha que os filmes para adultos são uma fantasia e que vê-los com demasiada frequência pode criar expectativas irrealistas.

GettyImages-1097935232.jpg

Dra. Ruth, terapeuta sexual

Rachel Murray

A solução para uma geração demasiado ocupada, stressada e sem dinheiro para encontros românticos

“Não sejam estúpidos. Certifiquem-se de que arranjam tempo para sexo,” disse a famosa terapeuta sexual Dra. Ruth, 90, ao USA Today. “É uma atividade prazerosa e grátis. Tenham relacionamentos e não caiam na categoria de pessoas que perderam a arte da conversa.”

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Comportamento

Estas são as posições sexuais que queimam mais calorias

Junte o útil ao agradável entre quatro paredes.

Comportamento

9 coisas que acontecem ao corpo (e à mente) quando deixamos de fazer sexo

Do estado de espírito ao risco de doenças, a falta de sexo pode afetar tanto o bem-estar físico quanto o emocional.

Comportamento

Melhore a sua vida sexual com este pequeno truque

Alerta, casais: este verão não é para ficar em casa.

Mais no portal

Moda

Mafalda Carvalho mostra os desfiles (e as emoções) do último dia de Portugal Fashion

Veja tudo o que aconteceu na Alfândega do Porto.

Lifestyle

A Pizzaria Luzzo é uma das pérolas da Graça

Da comida ao ambiente, tudo é pensado para proporcionar refeições (e momentos) super agradáveis.

Lifestyle

Esta câmara trendy foi concebida para tirar selfies

Ela permite tirar, imprimir e partilhar fotografias em movimento. Um sonho para a Geração Z.

Beleza

5 cortes de cabelo clássicos que nunca saem de moda

Em equipa que ganha não se mexe.

Moda

Bailarinas: como usar estes sapatos clássicos de formas contemporâneas

Inspire-se nestas estrelas das redes sociais para adicionar estes sapatos versáteis e elegantes aos seus próximos visuais de outono.

Saúde

Cuidados a ter com a saúde íntima feminina quando as temperaturas descem

Eis as dicas de um ginecologista e obstetra dos hábitos a adotar nesta altura do ano.

Comportamento

Advogada elege as 5 razões mais comuns para o divórcio

Curiosamente, a traição não é uma delas.

Moda

Be The Change: tecidos reciclados e produção responsável com o selo de qualidade Tezenis

Uma coleção de ‘underwear’ bonita, sustentável e mais amiga do ambiente.

Diz Quem Sabe

Pele sensível e pele sensibilizada: entenda as diferenças

E saiba quais os cuidados a ter.

Saúde

Como os cuidados para bebés podem aliar-se à sustentabilidade

Opções para os pais que procuram produtos que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Diz Quem Sabe

A dor crónica não é um problema individual – é um problema de saúde pública

Um artigo de opinião assinado por um grupo de especialistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, a propósito do Dia Nacional da Luta Contra a Dor (15 de outubro).