Um livro com o nome “Com,o fazer para acontecerem coisas boas” pode parecer banha da cobra. Ainda por cima, tem a arrogância de não ser uma pergunta. É mesmo assim: uma afirmação. Somos logo levados para as teorias do ‘pensar positivo faz com que os seus desejos se realizem’ e outras que tais. Depois, li o livro. E percebi que o título é excelente em termos de marketing, mas tinha o efeito inverso no que diz respeito ao conteúdo – de fazer soar a campainha de alarme. Às primeiras páginas, já não me soava banha da cobra, o que seria estranho vindo da sua autora, uma psiquiatra, licenciada pela Universidade de Navarra e que trabalha no Instituto Espanhol de Investigações Psiquiátricas em Madrid, centrando-se essencialmente no tratamento de pessoas com ansiedade, perturbações de personalidade e terapias familiares.

A minha primeira pergunta a Marion Rojas Estapé acabou por ser mais pessoal do que pensava – é que de algum modo o que lera mudara algo na minha vida e eu queria saber porquê.

Contei-lhe que, com a leitura do seu livro, tinha passado, a estar mais atenta ao hábito de fazer mais do que uma coisa ao mesmo tempo – responder a uma colega enquanto teclo com alguém no Messenger, ouvir um podcast com uma entrevista enquanto escrevo um artigo, falar com a minha mãe ao telefone enquanto respondo a um email – e  dei por mim a conversar com a psiquiatra espanhola sobre o que a motivou a escrever este livro. “O que me dizes é o exemplo de uma pessoa que, de repente, toma consciência de algo e é isso que eu quero fazer com este livro – que as pessoas tomem consciência porque acredito que compreender é aliviar.”

Crédito: Asís G.Ayerbe

‘Tornar consciente’ é uma expressão chave do discurso de Marion, que, ao falar neste caso da apologia nas sociedades moderas do multitasking, se mostra uma severa critica: “Recebemos tanta informação, vivemos hiper estimulados, de todos os lados, de tal maneira que é impossível assimilar tudo, mas acreditamos que uma forma de o conseguir é fazer muitas coisas na nossa vida ao mesmo tempo. Porém, além de nos sentirmos esgotados e de ficarmos com menor capacidade de prestar atenção, estamos a perder a capacidade de dar atenção ao que realmente vale a pena, seja o nosso casamento, o nosso trabalho, os nossos filhos, os nossos amigos. A pessoa que triunfa no século XXI é a pessoa que sabe filtrar tudo o que lhe chega e escolher o importante. E não podemos esquecer que a criatividade nasce dos momentos de calma. – Newton, conta a história, estava debaixo de uma árvore quando lhe caiu uma maçã na cabeça e descobriu a teoria da relatividade.”

E voltamos ao início: o motivo de ter escrito este livro. “Dei várias conferências em todo o mundo sobre este tema e, no final, as pessoas diziam-me ‘que pena que não tenha escrito um livro para eu mostrar à minha irmã ou ao meu marido – escreva um livro’; depois, porque faz sentido ter um livro que sirva de base ao trabalho com os meus pacientes, a quem explico tudo e dou-lhes livros para ler, mas queria um que englobasse tudo.” Se é um livro de autoajuda? Marion sorri: “Hoje a expressão autoajuda tem uma conotação muito má. Porque nesse grupo entrou de tudo, do bom e do mau. Para mim, é um livro que inspira e que ajuda a entender o nosso cérebro e a forma como ele funciona Defino-o mais como um ensaio, mas não existe uma categoria para isso”.

Como não estamos conectados com o nosso lado interior, temos de preencher o vazio, com coisas, com redes sociais.”

Inequívoco é que, na maneira como aborda estes temas, entra a sua formação de médica psiquiátrica: “Não podemos vender a psicologia positiva como solução para tudo”, afirma.  E daí a preocupação de apresentar, nas páginas do livro, dezenas de referências a investigações científicas na área das neurociências, que mostram, por exemplo, a relação entre a sobrestimulação da produção de cortisol (uma hormona ligada ao stresse) e os processos inflamatórios do corpo. “As pessoas desejam Ciência, afirmações com base científicas, se não for assim acham que estão sujeitos a modas, a influências e temos é que procurar a verdade das coisas. Quais são os factos? Estamos saturados de tanta informação. Quero ir a França, pesquiso tudo na Internet e, no final, falo com um amigo que lá está e pergunto-lhe os melhores sítios para ir.”

Como gere o equilíbrio entre a medicação e a terapia e a ideia feita de que os psiquiatras só medicam? Marion reconhece que os fármacos, quando recorre a eles com os seus pacientes, têm como objetivo aliviar, mas não se podem substituir ao esforço interior.“Como não estamos conectados com o nosso lado interior, temos de preencher o vazio, com coisas, com redes sociais. Porém, temos de nos perguntar quem sou eu, o eu quero da vida, quem são as pessoas importantes da vida. Temos de parar para nos contactarmos porque se não conectarmos ficamos doentes.”

Como se dá o primeiro passo? A mexer numa área muito sensível: o nosso sistema de crenças “Mudá-lo é das coisas mais difíceis que existe, porque é a nossa história, a nossa infância, os nossos pais. Traumas, temas religiosos, pais conservadores ou liberais têm um enorme impacto. Integro a realidade de acordo com o meu sistema de crenças. Cada um reage de acordo com a sua história. Uma vez, um jornalista disse-me ‘os psiquiatras são loucos porque só medicam’. Isso a mim afetou-me. A outra psiquiatra se calhar não. Porque os nossos sistemas de crenças são diferentes.”

“Aspiro a que as pessoas parem e pensem”, diz Marion. “Que se conheçam – isso é o início da superação

Quais são os sinais de que não interpreto bem a realidade ou que o meu sistema de crenças me devolve uma imagem distorcida de mim ou do mundo? “Perguntar que coisas nos fazem sofrer. Quais são os meus fatores de stress? O que me rouba o equilíbrio? Atos sociais? Temas de dinheiro? Temas de saúde? O meu chefe? A minha sogra? Que temas de conversa não suporto? Quais me geram ansiedade? Os nossos fatores de stress e sistemas de crença limitantes devem ser identificados porque só assim podemos agir sobre eles.” Ou seja, não menosprezar os sinais que o nosso corpo nos dá: o coração a bater mais depressa quando tenho de falar em público, as mãos a suar quando vou ter de dar um “não” a alguém que me fez um pedido, a vontade de ficar debaixo dos lençóis porque me espera um almoço em família. Tudo isso são sinais de onde mora o nosso desconforto.

“Aspiro a que as pessoas parem e pensem”, diz Marion. “Que se conheçam – isso é o início da superação. Isso muda tudo. Mas se não sei porque estou cansada, triste, ansiosa, porque olho para o meu marido e já não o suporto, tenho de fazer uma reflexão, se calhar saber se preciso de mais carinhos, pode ser que esteja sobrecarregada, mas não lhe digo o que sinto sendo que, por putro lado, estou à espera que ele perceba… A consciência de limitações, das barreiras e dos medos é um passo importante na capacidade de gerir emoções”

Se este é o primeiro passo – conhecer-me e compreender – o terceiro é, como diz no livro – a aceitação. A aceitação das nossas limitações. Dos nossos erros e imperfeições. Para chegarmos à nossa/sua melhor versão (SMV), como define Marion, temos de tomar consciência de que as nossas decisões condicionam a nossa vida. “E por isso mesmo descobrir o que é importante para si, quais são os seus talentos, para onde quer seguir e manter o foco, mesmo quando cai porque o importante é voltar a levantar-se.” O foco consegue-se com paixão e entrega.

Para isso, Marion tem uma fórmula SMV: Conhecimento + Vontade +Projeto de Vida X Paixão. Porque, além dos dois primeiros, temos de saber para onde queremos ir, onde queremos chegar e vivermos esse processo com entrega.

E voltamos à afirmação que ouvi de Marion numa conferência: “90% das pessoas que dizem que não se passam coisas boas é porque estão sabem o que querem que se passe.”

“Se não sabemos o que queremos da vida, o nosso cérebro apenas vê o que está dentro do nosso coração.  Uma grávida vê carrinhos de bebé por todo o lado, se alguém está de muletas, começa a reparar noutras pessoas que também usam muletas. O sistema reticular do nosso cérebro filtra tudo o que nos chega e dá-me o que me interessa, o que está no centro da minha atenção. O que o coração vê de verdade, o cérebro mostra-lhe. Não por artes de magia, mas porque o cérebro tenta unir tudo o que existe e que pode ir ao encontro das minhas emoções e desejos.”

Conclusão: a felicidade é algo que se trabalha. “Eu decido se esta realidade me interessa. Dou-me conta de qual é a minha narrativa e que a quero mudar. E mudo a realidade com o que observo. E o otimismo pode-se de facto aprender. Ao mudarmos a nossa visão, mudamos a nossa a saúde e a nossa relação com os outros muda. E encontramos a nossa melhor versão.”

Como Fazer para Acontecerem Coisas Boas”, editora Planeta, 15,98

Palavras-chave

Já nas bancas!

Assine a ACTIVA por 6 meses a partir de 10 euros Assine já

Mais no portal

Moda

Victoria's Secret vendida a fundo de investimento por quantia milionária

A Victoria's Secret voltará a ser uma empresa privada, com capital fechado.

Inspirações

Quem é a Carolina Deslandes? A cantora responde

Na #VozActiva deste mês.

Celebridades

Tudo o que Meghan vai poder voltar a usar ao deixar a casa real britânica

Unhas coloridas, vestidos curtos ou sandálias abertas são algumas das opções.

Celebridades

"O maior arrependimento da minha vida": é assim que Ben Affleck descreve o seu divórcio com Jennifer Garner

Jennifer Garner e Ben Affleck estão separados desde 2015.

Moda

Letizia usa capa oversize da Zara que é um must-have da estação

A rainha esteve presente na sede da UNICEF em Madrid.

Comportamento

Voz ACTIVA Podcast: Margarida Vieitez e Patrícia Matos revelam-nos o lado menos conhecido de 24 personalidades nacionais

As autoras do livro 'Sucesso Emocional' entrevistaram 24 personalidades para tentar compreender como gerem as emoções.

Celebridades

Aos 16 anos, Millie Bobby Brown faz desabafo sobre hipersexualização

A atriz de "Stranger Things" diz-se frustrada pelo tratamento que recebe da imprensa.

Moda

Meghan Markle e os seus sapatos feitos a partir de garrafas de água

Meghan tem privilegiado o uso de marcas de moda mais sustentáveis.

Moda

Disney lança coleção de vestidos de noiva inspirados nas princesas

É a primeira vez que a Disney faz uma parceria com a marca de vestidos Allure Bridal.

Celebridades

Nova Miss Alemanha tem 35 anos, é empresária e mãe

Leonie Charlotte von Hase foi a grande vencedora desta edição do concurso, que pretende acabar com os estereótipos.

Beleza e Saúde

Esta é a receita caseira perfeita (e deliciosa) para os lábios secos

Só vai precisar de três ingredientes!

Celebridades

Namorada de Al Pacino termina relação e diz que o ator é "velho" e "mesquinho"

Meital Dohan é 39 anos mais nova que Al Pacino.

Assine a ACTIVA por 6 meses a partir de 10 euros

Já nas bancas!

Assine já