UNICEF

A mutilação genital feminina (MGF) é um ato considerado bárbaro que começa na mente. Embora o número exato de meninas e mulheres que já foram submetidas a algum tipo de excisão em todo o mundo seja desconhecido, a UNICEF estima que 200 milhões tenham sido mutiladas em 31 países com dados representativos. Uma realidade dura de engolir. 

O órgão das Nações Unidas, que tem como objetivo promover a defesa dos direitos das crianças, diz ainda que esta é uma prática quase universal em nações como, por exemplo, a Somália (98%), a Guiné-Conacri (95%) e o Sudão (87%). E é desta última, onde nove em dez meninas são mutiladas, que nos chegam boas notícias: o novo governo aprovou uma lei que proíbe a MGF.

O que é?

A mutilação genital feminina é uma prática legal em mais de 30 países, com maior foco no continente africano e no Médio Oriente. Consiste na remoção de partes da genitália feminina (especialmente do clitóris), por motivos culturais, e perpetua a desigualdade de géneros. Aliás, na maioria das vezes, é uma forma de impedir que a mulher tenha prazer sexual, bem como uma condicionante para que muitas possam casar-se.

As meninas, ainda na infância, são as principais vítimas. O ritual também pode acontecer na altura da primeira menstruação, marcando a passagem para a vida adulta. Além de interferir no desenvolvimento da sexualidade feminina, a mutilação pode representar um grande risco para a saúde. Isto porque, muitas vezes, é feita sem quaisquer condições de higiene, provocando mortes por infeção ou hemorragia. 

Embora não se saiba ao certo quantas pessoas já morreram na sequência da MGF, os países onde a prática ainda é legal gastam cerca de 1,4 bilhão de dólares por ano em tratamentos para as sequelas, que incluem (mas não se limitam a) problemas urinários e grandes dificuldades durante o trabalho de parto.

Um passo na direção certa

O facto de o Sudão ter aprovado a criminalização da mutilação genital feminina significa, portanto, um grande avanço para as mulheres. A lei prevê uma pena de até três anos de prisão para quem realizar a excisão dentro ou fora de um hospital/clínica, uma vez que também é comum que seja realizada por curandeiros, sublinhe-se (novamente), em ambientes sem quaisquer condições. 

Contudo, os grupos que defendem os direitos das mulheres naquele país, alertam para o facto de que ainda há muito trabalho pela frente, acima de tudo, no sentido de mudar uma cultura profundamente enraizada. Como tal, sugerem que será necessário implementar medidas de vigilância e de acompanhamento para assegurar que a nova lei será cumprida, e não contornada.

Palavras-chave

Relacionados

Lifestyle

A Escócia pode tornar-se o primeiro país a garantir o acesso gratuito a tampões e pensos higiénicos

"A menstruação é normal. O acesso universal gratuito a tampões, pensos higiénicos e opções reutilizáveis também devia ser normal."

Lifestyle

Adolescentes que tomam a pílula têm maior risco de sofrer de depressão

De acordo com um novo estudo.

Beleza e Saúde

7 sintomas de endometriose que deve conhecer

Uma condição que pode demorar vários anos a ser diagnosticada.

Mais no portal

Beleza e Saúde

Experimentei um hidratante facial caseiro que só leva um ingrediente

E estou aqui para contar os resultados. Não se deixem enganar pela imagem - garanto que o creme não ficou branco, muito menos tão artístico.

Beleza e Saúde

Esta é a atividade física que nos deixa com mais fome

Estudo concluiu que pessoas que a praticam ingerem mais calorias.

Celebridades

Ariana Grande assume novo namorado

A artista partilhou fotografias bastante explícitas.

Moda

Parfois: a mala do verão a menos de 8 euros

Não há como não adorar os saldos.

Beleza e Saúde

Coronavírus: Casados há 53 anos, morreram de mãos dadas, no mesmo dia

Falamos de um casal do Texas, de 80 e 79 anos, internados por pouco mais de uma semana.

Beleza e Saúde

O mundo é um lugar estranho, portanto experimentei fazer Reiki — e acabei em lágrimas

Aqui, a cura faz-se pelas mãos e, mesmo sem toques, é impossível não nos sentirmos tocados por esta experiência libertadora.

Lifestyle

Livro da semana: "Uma Gaiola de Ouro", uma história que é um grito feminista

Um livro de Camilla Läckberg, publicado pela Suma de Letras.

Inspirações

10 inventoras negras que tornaram as nossas vidas bem mais fáceis

Sem o espírito de inovação e de empreendedorismo de cada uma destas mulheres, estas 10 invenções poderiam nunca ter existido.

Lifestyle

Vídeo viral mostra como picar um dente de alho em 10 segundos

Quer a cozinha seja ou não o seu forte, esta técnica promete facilitar o processo.

Lifestyle

4 dicas de poupança financeira para mulheres empreendedoras

No primeiro episódio da rubrica Finanças de A a Z, deixo algumas sugestões para criar um negócio e potenciar o seu crescimento.

Celebridades

Em tempos de pandemia, foi assim que Khloé Kardashian celebrou o aniversário

O evento teve direito a máscaras personalizadas - mas não só.

Inspirações

Normalizar corpos normais: o movimento que se tornou viral

Pessoas de todo o mundo têm partilhado imagens dos respetivos corpos, de modo a provar que é normal sermos diferentes.

€2,95 por edição 20% desconto  

Papel