Costuma gemer durante as relações sexuais? Fá-lo instintivamente ou tem de o forçar? Especialistas em sexo divulgaram, em conversa com a Shape, o motivo pelo qual há pessoas que gemem muito e outras nem tanto, e explicaram como fazer barulhos autênticos pode ser a chave para uma melhor “festa” entre lençóis.

O motivo pelo qual algumas pessoas gemem muito

Jill McDevitt, sexóloga, explica que os barulhos durante o sexo são, na verdade, uma ferramenta de comunicação. “Gemer permite-nos guiar o nosso parceiro na direção certa sem usar palavras. É uma forma de dizer ‘sim, faz mais isso‘”, resume.

Por outro lado, algumas investigações sugerem que os barulhos sexuais nem sempre expressam o nosso prazer, tendo mais a ver com a vontade de agradar ao nosso parceiro. Muitas vezes, nestes casos, os gemidos não são autênticos, mas sim uma forma de ajudar o outro a chegar ao orgasmo. Também pode acontecer por aborrecimento e vontade de terminar o sexo mais rápido.

Para McDevitt, qualquer um destes motivos para forçar os gemidos não propriamente benéfico, já que os barulhos devem funcionar como um reforço positivo para algo prazeroso que o outro faz. Contudo, se excitar o seu parceiro através de gemidos, mesmo que forçados, lhe der prazer a si, a especialista diz que esta prática se torna viável.

O motivo pelo qual algumas não gemem de todo

Em primeiro lugar, importa clarificar que sexo mais barulhento não é, necessariamente, melhor. “Algumas pessoas são naturalmente mais silenciosas durante o sexo, e isso é verdade mesmo que estejam a ter o melhor sexo da vida delas“, explica a sexóloga.

Ora, se esta é uma característica natural, não tem qualquer tipo de “senão”. Até porque existem outras formas de comunicar: olhar nos olhos, agarrar a outra pessoa com força, puxá-la para perto de nós, respirar de forma ofegante, dizer algo que a excite, entre tantas outras.

Porém, se dá por si a retrair-se – isto é, se tem vontade de gemer e a contraria -, deve procurar a origem desse obstáculo. Em alguns casos, é facilmente superado, enquanto que noutros exige mais dedicação. De qualquer forma, é importante saber que este pode ser o motivo pelo qual não consegue atingir um orgasmo.

O suster da respiração e as alterações que esta sofre com o facto de nos mantermos silenciosos pode ter um impacto na circulação sanguínea e na oxigenação dos músculos, que impede uma resposta orgásmica“, explica a terapeuta sexual Jess O’Reilly.

Ser autêntica é a chave

Seja fiel a si mesma. Se gostar de gemer, gema. Se preferir ficar em silêncio, comunique de outras formas. Tudo se complica quando agimos contra aquilo que é a nossa natureza por acharmos que é o suposto. E, muitas vezes, estas ideias são criadas ao assistir a pornografia – algo criado para entreter e não para ensinar.

Ou seja, ver pornografia deixa de ser saudável a partir do momento em que tentamos imitar aquilo que vemos, mesmo contra os nossos instintos, acreditando que é a melhor forma de ter uma boa performance na cama.

Os nossos sons naturais (ou falta de sons) são uma parte essencial da resposta sexual. Se os censuramos ou os fingimos, dedicando energia a representar uma faceta mais silenciosa ou barulhenta, o nosso prazer e orgasmo serão afetados“, garante O’Reilly.

Felizmente, existem algumas dicas para conseguirmos ser o nosso eu mais autêntico entre quatro paredes:

1 – Oiça outras pessoas a gemer. Esteja atento aos sons da pessoa com quem está e, se nunca ouviu outras pessoas gemer, além de na pornografia, saiba que há uma lista de gemidos autênticos online.

2 – Masturbe-se. Esta é a melhor forma de descobrir os sons mais autênticos. Deixe-se levar e reaja naturalmente ao prazer que sente.

3 – Oiça música. Caso os sons naturais do sexo a incomodem, aumente o volume de uma música de que goste durante momentos íntimos.

4 – Foque-se na respiração. Se não se sente confortável a gemer, vá respirando mais intensamente.

5 – Fale com o seu parceiro. A comunicação é chave. Perceba o que mais excita a outra pessoa e explique-lhe as suas próprias dificuldades, para que possam chegar a um equilíbrio benéfico para ambos.

Palavras-chave

Mais no portal

Diz Quem Sabe

O guia para criar uma selva urbana em casa

Um artigo de opinião assinado por José Luís Velasco, product manager da Gardenia, sobre os novos hábitos que se cultivaram e enraizaram em tempos de confinamento.

Celebridades

Oprah nem sempre foi Oprah: este é o nome verdadeiro da apresentadora americana

Estamos chocadas!

Comportamento

Como ser mais vulnerável num relacionamento (mesmo que isso a assuste)

O medo da rejeição faz-nos levantar a guarda e, por conseguinte, perdemos coisas boas como a intimidade e a conexão.

Lifestyle

Catarina Alves, arquiteta e designer de interiores, partilha cinco dicas para quando estamos a pensar decorar a nossa casa

A fundadora da CATE, Catarina Alves, partilhou connosco alguns conselhos bem úteis na altura de pensar em decorar a sua casa.

Comportamento

Os principais motivos para ex-casais terem recaídas íntimas logo após o término

Algo muito comum, principalmente logo após o término.

Moda

Que sapatos usar com calças de ganga flare? Temos a resposta

Inspire-se nestes 12 "looks" de influencers internacionais.

Celebridades

Conheça a luxuosa nova mansão de Dwayne Johnson

Faça uma visita guiada à nova propriedade do conhecido ator.

Moda

Vestidos indispensáveis para um verão boho-chic

Estas seis sugestões são a cara da nova temporada.

#ActivaEmCasa

Estes exercícios prometem deixar as suas pernas e abdominais "on fire"

Aqui fica mais um circuito de treino completamente gratuito, preparado e exemplificado por Susana Carromeu, coach do CrossFit Cais.

Beauty Spot

8 eyeliners coloridos para alegrar qualquer maquilhagem

Este é o tema da rubrica Beauty Spot desta semana.